Apple fatura U$ 4,5 bilhões de dólares em 2014 com venda de aplicativos

A Apple continua faturando bilhões de dólares com a porcentagem que cobra (em média 30%) para cada aplicativo vendido na App Store. A empresa divulgou que houve um aumento de 50% na receita em 2014 em relação a 2013. Para os desenvolvedores de aplicativos, os valores se aproximam dos U$ 15 bilhões dólares.

Apple fatura U$ 4,5 bilhões de dólares em 2014 com venda de aplicativos

A parte da Apple foi de U$ 4,5 bilhões de dólares. Um valor quase insignificante para uma empresa quem tem um faturamento em torno de U$ 180 bilhões em vendas anuais.

Em comparação com o Android, do Google, maior sistema operacional móvel do mundo, sua loja de aplicativos (Google Play) gera muito menos dinheiro do que o da Apple. A resposta para esta diferença pode estar na renda média dos usuários de iPhone em comparação com usuários de Android (que conta com aparelhos de custo mais baixo).

Segundo a App Annie, empresa de análise que acompanha vendas de aplicativos móveis, no terceiro trimestre de 2014 a receita da App Store foi 60% maior do que a receita gerada a partir do Google Play. Segundo os dados da própria Apple, a App Store disponibiliza 1,4 milhões de aplicativos para todos os dispositivos da empresa, já o Google Play, conta com 1,72 milhões.

Aplicativos gratuitos são os mais rentáveis

Vale destacar que não estamos apenas falando do valor do aplicativo, os líderes em rentabilidade são gratuitos. Os jogos são verdadeiros mestres na arte de rentabilizar com ferramentas que possibilitam acelerar a evolução nas histórias.

Uma arma nova, ou uma caixa de joias virtual podem significar fortunas aos desenvolvedores. No ranking abaixo, note que os jogos dominam as 20 primeiras posições de apps em rentabilidade. O primeiro colocado “não-jogo” é o Pandora Radio, na quarta colocação geral.

top-aplicativos-vendidos

Print de sexta-feira 23/01/2015 dos Top 20 aplicativos rentáveis de iPhone. Veja a lista dos 200 primeiros atualizada de hora em hora.

Clash of Clans na liderança

clash-of-clans

No topo da lista aparece o jogo Clash of Clans, gratuito para download, mas que conta com opções de compra de ferramentas para auxiliar o desempenho do jogador.

Faturamento diário:  U$1.118.457
O que é: Clash of Clans é um jogo de estratégia de combate que lhe permite construir uma vila, treinar tropas e batalha com outros usuários. Ele tem destaque em dois lugares na home page do iTunes e tem uma classificação média de 4,6 estrelas.
Como faz o dinheiro: os usuários podem comprar itens no jogo, como pedras preciosas para ajudá-los a assumir o reino, acelerando o processo de construção. Usuários podem obter mais pedras preciosas automaticamente depois de um tempo, mas são facilmente tentados a gastar dinheiro real para economizar tempo.
Quem faz isso: Este é o maior hit da Supercell, ajudando a empresa finlandesa conseguir uma avaliação de US $3 bilhões.
Quanto custa: O item mais caro disponível para compra é de: $99.99 para uma caixa de jóias
Estimativa de novos usuários por dia: 39.814

Fontes: The New York Times, Statista.com, businessinsider.com

Sua loja virtual já tem uma política bem definida?

O que diferencia a sua loja virtual de todas as outras? Os produtos de qualidade? Um bom preço? As formas de pagamento flexíveis? Todas essas opções são muito importantes, mas muitos gestores se esquecem de um elemento que é fundamental para qualquer tipo de estratégia de vendas online: a transparência.

Sua loja virtual já tem uma política bem definida?

Muitas pessoas ainda têm receio de comprar pela internet e, mesmo que o visitante fique bastante interessado por um ou mais produtos, ele só irá concretizar a venda se sentir total confiança no seu ambiente de compra. Por isso, definir bem as políticas e termos da sua loja é tão importante. Eles terão influência direta na imagem transmitida ao consumidor e, assim, no volume de vendas.

Será que sua loja está atualizada? Veja a seguir essa lista com as políticas básicas a serem estabelecidas no e-commerce:

Apresentação

Este é o primeiro passo. Sua apresentação é seu cartão de visitas, então reserve uma área de destaque no site para as informações da sua empresa. Com um texto simples, claro e objetivo, explicite seus objetivos e apresente as informações institucionais. Razão social, nome fantasia e CNPJ são básicos.

Conhecendo um pouco sobre sua empresa, o comprador em potencial certamente ficará mais à vontade para começar sua pesquisa pelo site.

SAC (Sistema de atendimento ao consumidor)

O atendimento ao consumidor tem papel decisivo em qualquer processo de decisão de compra, e no mundo virtual isso não é diferente. É extremamente necessário que seu e-commerce possua uma área dedicada ao atendimento ao cliente, seja antes ou após a venda. Assim você transmite credibilidade e mostra que realmente se importa em atender bem seus clientes.

Seja através de um formulário, chat online ou mesmo as redes sociais, o importante é deixar claro que existem várias formas para o usuário se relacionar com sua empresa.

Regras comerciais

Dinheiro é coisa séria. Por isso, é extremamente importante deixar claro na estrutura do seu site como a pessoa vai comprar, e, principalmente, como irá pagar. Deixe destacadas todas as formas de pagamento (cartão de crédito, cartão de débito, boleto, etc.) e não se esqueça de nenhum detalhe: em quantas vezes é possível parcelar o valor referente à compra, qual o valor mínimo da parcela, juros, frete grátis a partir de determinado valor, e por aí vai. Quanto mais detalhado, melhor.

Logística

Trabalhar o processo de pós-venda é uma parte muito importante do processo, mas que comumente é esquecida. Exponha as regras de entrega de acordo com regiões de abrangência e dos próprios produtos. O mesmo se aplica a frete grátis, brindes, entregas em épocas sazonais (dia das mães, por exemplo), etc. Dessa forma você não cria falsas expectativas e evita desgastes futuros.

Política de troca e devolução

Outra ótima (e necessária) forma de gerar credibilidade para sua loja virtual na mente do consumidor é explicitar sua atuação junto aos conformes da lei. É previsto no código do consumidor o prazo de até 7 dias para devolução do produto e recebimento do dinheiro de volta, sem necessidade de justificativa. Mas é importante que se elabore uma política de devolução que explicite as etapas que o cliente deve seguir — tanto para troca quanto para devolução do produto.

Dê uma olhada na solução de Logística Reversa, oferecida pelos Correios, e tire todas as suas dúvidas.

Segurança e privacidade

Todo cliente precisa se sentir totalmente seguro em relação à garantia de privacidade e segurança de suas informações. Por isso, disponibilize informações a respeito de como funcionam todas as formas de armazenamento de dados (cadastros, dados pessoais, pedidos, e-mails, etc.) e como estes dados podem ser utilizados (para e-mail marketing, por exemplo, qual é a regra?).

É importante o uso de ambiente seguro e criptografado no cadastro do cliente e no ambiente de fechamento do pedido. Isso aumenta a segurança no envio de informações confidenciais, tais como número do cartão de crédito.

E então, gostou das dicas? Atualize sua loja virtual hoje mesmo e cause sempre uma boa impressão. Deixe também alguma dica que utilize atualmente nos comentários e até a próxima!

Cinco ações para motivar afiliados e aumentar as vendas

Já falamos sobre as vantagens de apostar no Marketing de Afiliados e no seu custo/benefício para os e-commerces. Esse tipo de publicidade permite ao anunciante pagar somente quando alguma venda é efetivada.

Cinco ações para motivar afiliados e aumentar as vendas

Se nesse formato os resultados já são visíveis, imagine aumentar ainda mais as vendas investindo um pouco de tempo e recursos em algumas ações para motivar afiliados, aumentar engajamento e vendas. Confira 5 estratégias de incentivo para os afiliados:

Valor da comissão

Aumentar o valor da comissão é uma das melhores formas de incentivar os publishers a trabalhar uma venda. O interessante é que o aumento da comissão pode ter um período de validade ou pode ser exclusivo para alguma categoria dentro do e-commerce, dessa forma, é possível alinhar esse incentivo com as estratégias da loja.

Janela de comissão

Considerando que muitos consumidores acabam efetuando a compra um tempo depois de acessar a oferta pela primeira vez, aumentar esse o período válido entre o clique do consumidor na divulgação do afiliado até a conclusão da compra é uma forma de valorizar o esforço do afiliado em atrair um cliente para o seu site.

Divulgar ações

Essa é um a ação muito importante e o anunciante nem precisa ter o trabalho de comunicar cada um dos afiliados, essa tarefa fica por conta da plataforma de afiliação à que ele está associado. Seja uma campanha de aniversário, um saldão de estoque ou um sorteio do e-commerce, vale informar à rede de afiliados, pois será uma forma do afiliado converter seu público para o seu site.

Premiações

Realizar ações de premiações é um excelente meio de incentivar os afiliados a criarem estratégias mais competitivas. Uma opção é oferecer uma bonificação para o afiliado que vender mais em determinado período. Os prêmios podem ser em valor ou ainda vales e descontos em produtos ou serviços do e-commerce.

Cupons de desconto

Afiliados adoram cupons de desconto, é uma forma de “presentear” seu público-alvo. Os cupons podem ser definidos com base na melhor estratégia para o e-commerce, seja com um desconto percentual ou um vale em dinheiro sobre o que foi gasto no site.

Com algumas ações simples é possível manter seus afiliados motivados e ainda mais engajados aumentando as vendas e criando um relacionamento duradouro.

A líder China

Por Renann Mendes e Keine Monteiro. A liderança do e-commerce mundial está em novas mãos. Os resultados de 2013 oficializaram pela primeira vez os Estados Unidos em segundo lugar no ranking mundial de vendas do e-commerce. E levando em consideração os números de 2014 e suas projeções, esta parece ser a nova realidade. Esta realidade se chama China.

A líder China

Os números de crescimento da China são impressionantes. Segundo dados do eMarketer, chegou à 47% de crescimento em 2013 e 426,26 bilhões de dólares em vendas em 2014.

Conforme a projeção para 2018, os números devem superar assustadores 1 trilhão de dólares (U$ 1.011.280.000.000,00), quase o total de vendas do E-commerce mundial de hoje (1,221 trilhões segundo o eMarketer). Para se ter ideia, os Estados Unidos em 2014 registrou U$305,65 bilhões de dólares em vendas e a projeção para 2018 registra “apenas” U$493,89 bilhões. Mais que isso, os Estados Unidos devem superar os números de 2014 da China apenas em 2017!

A líder China - Vendas da China no E-commerce

Neste ranking do e-commerce mundial o Brasil está bem colocado. Um honroso 10º lugar à frente de qualquer país da América Latina. Porém, quando comparados com os líderes, em faturamento ainda somos mais de 20 vezes menores do que a China. Veja mais sobre os números gerais do e-commerce no Brasil.

A líder China - China vs. Estados Unidos vs. Brasil

Quando comparados à outros grandes com crescimento significativo (como Estados Unidos, Alemanha e Brasil), a China também fica bem à frente, mesmo nas estimativas. É possível verificar que a tendência é que a liderança aumente. Veja:

A líder China - Crescimento de vendas no e-commerce

Cross-border

Se pensarmos que o e-commerce representa hoje apenas 10% de todo o varejo chinês, é possível entender o potencial deste mercado. O grande ponto é que a China não se limita ao seu gigantesco território e população. O crescimento conta com uma boa parcela de exportações. A área de Cross-border é o foco por permitir um rápido crescimento.

“Impulsionada por novas tecnologias e modelos de negócio inovadores, a indústria de e-commerce tornou-se um dos novos motores para o desenvolvimento econômico na China e ajuda as empresas chinesas à explorar o mercado internacional”. Explicou Li Jinqi, diretor do bureau do e-commerce no Ministério do Comércio da China no China Conference 2014.

O governo chinês já tem feito sua parte. Têm incentivado as vendas online internacionais, diminuindo impostos e fornecendo linhas de crédito atraentes para promover a expansão das lojas.

Segundo o The Paypers, hoje 17,2% das vendas chinesas são para os Estados Unidos, 16,3% para o Reino Unido e 15,8% para Hong Kong. O país ainda exporta para Brasil, Índia, Alemanha, França, Rússia, Japão e Coreia do Sul.

Não é à toa que, segundo a ComScore,  a Alibaba.com já é a sétima loja virtual mais acessada pelos brasileiros. O site, assim como muitos outros já conta com versão em português. No Brasil, de 2011 para 2012, o crescimento de encomendas vindas da China, cresceu 47%, de 2013 para 2014 o salto foi ainda maior, 87%! Vendas “capitaneadas” pela gigante Alibaba.com.

Este cenário é registrado principalmente pelos preços dos produtos bem abaixo dos registrados no Brasil. O governo brasileiro já sentiu com este crescimento e reagiu aumentando a tributação destes produtos importados. Porém seria esta a melhor estratégia?

Você, por exemplo, já comprou da China? Entende que o Brasil poderia prosperar com um incentivo maior do governo? Dificultar as transações vindas da China ou facilitar os empresários que trabalham no Brasil? Compartilhe sua opinião!

Qual é a melhor maneira de atender em minha loja virtual?

Um dos maiores diferenciais que uma loja virtual pode oferecer a seus clientes é em relação ao atendimento. Afinal, o cliente não tem aquela mesma experiência de compra vivenciada em uma loja física, o que leva alguns a terem certa resistência em adquirir produtos em um e-commerce.

Qual é a melhor maneira de atender em minha loja virtual?

Imagem do Corbis Images.

Mas você, que é um empreendedor do ramo, deve estar se perguntando: “mas qual a melhor maneira de atender em minha loja virtual?

Bem, é justamente sobre este assunto que iremos tratar no post de hoje. Fique ligado e saiba mais!

Ofereça efetivos canais de comunicação

Para atender com qualidade aos clientes de sua loja virtual, ofereça a eles diversos canais de comunicação para que dúvidas, sugestões e reclamações sejam feitas sempre que necessário. Disponibilize contatos de e-mail, telefone, chats e até mesmo números de Whatsapp para que eles escolham aqueles que mais se adequem às suas necessidades.

Mas não basta somente tê-los. Informe em local de destaque em seu e-commerce todos eles, e não se esqueça de colocar os horários que os atendentes estarão disponíveis. Como este tipo de negócio fica aberto 24 horas por dia, é preciso ter esta clareza.

Gerencie as reclamações

Se todas as mensagens precisam ser respondidas com presteza, as de reclamações precisam de mais agilidade ainda. Atender bem significa manter (e até mesmo ir além) das expectativas do cliente.

Fique atento a alguns sites como o “Reclame Aqui” e o “Procon Online”, onde os consumidores insatisfeitos com as marcas expõem suas queixas e avaliam as reputações das empresas. Aproveite também para verificar como está a imagem de sua loja virtual nas redes sociais e demais sites da internet.

Tenha uma ferramenta de CRM

Um software de CRM é um importante aliado do bom atendimento. Por meio dele, é possível garantir uma maior satisfação do cliente e aumentar consideravelmente suas vendas.

Uma ferramenta como esta oferece velocidade e qualidade no contato com o consumidor, tudo o que é necessário nas modernas relações comerciais, não é mesmo?! Se ela for integrada a outros processos gerenciais do e-commerce, melhor ainda!

Dedique-se ao pós-venda

Além de oferecer todos os canais de comunicação possíveis e uma troca de mensagens eficiente com seus clientes, tenha também a pró-atividade de ir até eles para saber o que acharam da experiência de compra em seu site.

Se houve satisfação, se o produto chegou adequadamente… Enfim, realize o pós-venda. Isso mostra ao consumidor que a sua loja virtual preocupa-se em atendê-lo bem e deixá-lo satisfeito.

Qualifique os profissionais de atendimento

Treinamentos e reciclagens são essenciais para que os profissionais responsáveis pelo atendimento realizem bons trabalhos. É importante que eles tenham uma visão global de todo o negócio para que, mesmo não sendo capaz de resolver o problema, saibam direcionar para o setor adequado. Este tipo de investimento gera maior eficiência nos contatos realizados.

Agora que você já sabe quais são as melhores maneiras para atender em sua loja virtual, conte-nos: o que achou delas? Há alguma prática que você já aplica em seu negócio? Mande uma mensagem para a gente por meio da caixa de diálogo abaixo. E se você deseja aprimorar mais sua gestão, conheça 30 ferramentas gratuitas para turbinar seu e-commerce!

66% dos profissionais de marketing veem mídias sociais como essenciais para os negócios

Relatório da Salesforce também mostra que boa parte deles pretende aumentar investimentos em mídias sociais e em apps sociais

Por  para o Brainstorm 9. Os departamentos de mídias sociais poderão receber uma verba extra neste ano. Segundo o relatório 2015 State of Marketing, da Salesforce, profissionais de marketing das mais diversas áreas tendem a aumentar seus investimentos em publicidade para mídias sociais, incluindo anúncios em aplicativos e plataformas sociais como o Facebook, Twitter, InstagramSnapchat.

sales-force-state-marketing

Dentre os 5 mil profissionais entrevistados,

66% AFIRMARAM PERCEBER AS MÍDIAS SOCIAIS COMO ESSENCIAIS PARA OS SEUS NEGÓCIOS, E A MESMA PORCENTAGEM JÁ POSSUI EQUIPES DEDICADAS A CUIDAR DE CANAIS DA MARCA EM REDES SOCIAIS.

Conteúdos orgânicos e patrocinados também estarão em alta neste ano – 70% dos entrevistados disseram ter intenções de investir mais nesse tipo de ação de marketing.

sales-force-state-marketing3

“Um dos receios que eu tinha era que com o crescimento da publicidade em mídias sociais, que as marcas não conseguissem entender que seria preciso também manter uma base de conteúdo orgânico, caso contrário, a publicidade pode ter uma baixa performance. Mas parece que as ações publicitárias serão complementadas por conteúdos orgânicos também”, explica Jeff Rohrs, VP de insights de marketing da Salesforce.

sales-force-state-marketing2

O relatório completo pode ser conferido no blog da Salesforce. Abaixo você confere um resumo das informações referentes ao Brasil (o relatório é global).

sales-force-state-marketing-brazil

Texto publicado no Brainstorm 9

As principais tendências do mercado digital para 2015

Maior aposta dos especialistas para o próximo ano é a mídia programática e seus superpoderes

Por Fernanda Bottoni para o Proxxima. O que deve bombar em 2015? Fizemos essa pergunta a cinco especialistas do mercado digital e o resultado você confere logo baixo no nosso TOP10.

1 – Mídia Programática

As maiores apostas dos especialistas em digital estão voltadas para a toda-poderosa mídia programática. Daniel Tártaro, diretor-geral da OgilvyOne, acredita que ela ganhará relevância e será um assunto dominante no mercado. Michel Lent, CEO da Pereira&O’Dell Brasil, concorda e justifica sua opinião desta forma: “Em ano de incertezas e dificuldades econômicas, a mídia programática ganha ainda mais relevância, sendo buscada para trazer mais retorno sobre investimento”.

As principais tendências do mercado digital para 2015

Imagem do Corbis Images.

Fernando Tassinari, diretor regional de vendas da Turn, plataforma de DSP (Demand Side Plataform) e de DMP (Data Managemente Plataform), claro, assina embaixo e destaca, dentro da programática, o uso das DMPs para execução de campanhas, que, na sua opinião, deve bombar no próximo ano.

Para completar, Felipe Simi, CEO da 223, empresa da holding Flag, é o mais convicto de todos. “2015 vai ser o ano em que o mercado vai se ver obrigado a aceitar que a robótica de fato tomou o lugar de muita gente, tendo papel fundamental desde a definição estratégica de KPIs até a produção de assets criativos”, diz ele.

Isso porque ela simplesmente faz a comunicação ser muito mais precisa, eficiente e rentável. “A poesia da publicidade evidentemente não morre, mas só terá espaço quando guiada pela relevância do conteúdo – com propósito, transparência e verdade”, diz ele. “Todo o resto será sim programático.”

2 – Criação programática

Para Simi, já existem ferramentas eficientes de dynamic creative optimization, inclusive para campanhas de branding. “Veremos as agências enxugando a estrutura de produção criativa para dar espaço aos robôs que conseguem, por exemplo, produzir infinitamente mais rápido inúmeras versões de banners a partir de uma linguagem verbal e visual pré-estabelecidas”, diz ele.

A tendência, ainda na sua visão, inclui vídeos programáticos, criados de maneira generativa para que façam sentido e sejam relevantes para grupos específicos de uma audiência, com o mesmo raciocínio de segmentação de mensagem de um banner ou um post. “Ou seja, uma história em vídeo poderá ter ‘n’ versões de acordo com o usuário impactado.”

3 – Vídeo

E, por falar em vídeo, claro esta também é uma das tendências mais citadas pelos especialistas. Tassinari, da Turn, acredita, por exemplo, que o investimento em vídeo online deve continuar crescendo muito.

“Este segundo semestre mostrou que esse tipo de campanha traz o melhor retorno em visibilidade e lead para os anunciantes por isso a tendência deve seguir forte”, afirma. Lent, da Pereira&O’Dell Brasil, concorda com ele e destaca a utilização desse formato no Facebook. “O vídeo vai ganhar força especial no Facebook, e sua utilização para publicidade vai crescer muito, na medida em que o resultado for percebido pelos anunciantes”, aposta.

4 – Social maduro

Para Tártaro, da OgilvyOne, 2015 será o ano que as empresas começarão a perceber o social como um aliado dos negócios como um todo – isso inclui tanto vendas quanto relacionamento – e não mais somente comunicação.

5 – Conteúdo ao vivo

Para Cadu Aun, diretor comercial do Twitter Brasil, falar a coisa certa na hora certa é outra tendência inevitável de 2015. “O live é uma grande inovação”, diz ele, explicando que no “ao vivo” a marca define seu tom de voz e se comunica de forma mais próxima do consumidor, compartilhando experiências e vivências.

“Tivemos recorde no Twitter durante os jogos da Copa porque os anunciantes estavam postando conteúdo ao vivo, torcendo e sofrendo com a audiência, e foi esse tipo de conversa que gerou melhor performance de marca e awareness.”

6 – Queda do muro do on/off nos clientes

Mais uma aposta compartilhada por vários especialistas é o fim da divisão entre on e offline. “A compreensão de que não faz sentido separar os pensamentos para os meios e a necessidade de reduzir pessoal no lado do cliente e agências do lado dos fornecedores acelera esse processo”, acredita Lent, da Pereira&O’Dell Brasil.

Ele aposta, inclusive, que as agências acelerarão o movimento em direção ao centro do on e do off. “Agências off incrementarão seus esforços para trabalhar com o digital e mais agências digitais se capacitarão para trabalhar com o todo.”

7 – Menos CRM, mais “Marketing de Precisão”

“O CRM tradicional começará a ser contestado, o consumidor brasileiro não poderá se engajar apenas via e-mail marketing e mala direta”, aposta Tártaro. Para ele, a união da capacidade de segmentação por interesse de Social Media com o CRM começará a apresentar belos cases no mercado brasileiro.

Ele também aposta que, no próximo ano, começaremos a observar algumas empresas integrando seus indicadores de negócio com o digital, criando pontes de informação que farão a diferença na hora de entender o comportamento dos consumidores ou influência de compra.

8 – Disputas mais acirradas

E claro que nem tudo serão flores em 2015. Lent destaca algumas das guerras que devem se intensificar ainda mais no próximos anos. Uma dela é a dos veículos e das plataformas de comunicação pelo investimento, claro. “Verbas migrarão para plataformas mais tecnológicas e se concentrarão mais em conteúdos de qualidade”, afirma.

Outra disputa será entre Facebook, Google e Twitter. Segundo o CEO, os três principais players digitais devem acirrar a disputa pelos anunciantes no mercado local. “A briga entre Facebook e Google se dará em especial pelo formato vídeo e o Twitter buscará recuperar sua relevância e seu espaço”, acredita.

E não é só isso, não. Lent aposta também que a busca por talentos deve ficar acirrada, com movimentações em todas as direções – das digitais para o mundo offline, do offline para o mundo digital, entre veículos e clientes etc.

9 – Responsividade

“O pensamento multi-tela será uma grande pauta, o volume de acessos mobile já é gigante no brasil”, acredita Tártaro, da OgilvyOne.

E, por falar em mobile, vale o registro de que ele é uma das aposaas de Tassinari para o próximo ano. “É verdade que ele sempre é apontado como tendência, mas acaba ficando na promessa, com budget reduzido, mas agora eu acho ele vai se consolidar de verdade”, afirma.

10 – Digital na Sala de Estar

Por fim, o diretor-geral da OgilvyOne aposta que 2015 será o ano em que o digital começará a ganhar importância na televisão, seja por meio de “caixas inteligentes” de baixo custo conectadas à TV, seja por meio dos videogames com acesso à internet.

Texto publicado no Proxxima

Cashback solidário: o que é e quais as vantagens para sua marca?

O que é cashback solidário?

A prática de cashback já é conhecida no marketing de afiliação: o consumidor compra o produto de um anunciante por meio do site afiliado e recebe parte do dinheiro gasto de volta. Por levar o cliente à loja, o site recebe uma comissão e é parte dessa comissão que volta para o consumidor.

Cashback solidário: o que é e quais as vantagens para sua marca?

No caso do cashback solidário o processo continua o mesmo, porém, o consumidor tem a opção de direcionar o valor que receberia de volta para uma iniciativa social. São diversas organizações sem fins lucrativos e as instituições defendendo todo o tipo de causas.

Um bom exemplo está na Lomadee, rede de afiliação do Buscapé Company, que conta com alguns afiliados de cashback solidário, entre eles o I Robin Hood. O projeto que se inspirou no herói da floresta de Sherwood, não pega nada de ninguém, na verdade, ele oferece a oportunidade de o consumidor fazer sua boa ação, contribuindo com os mais necessitados, de forma simples e rápida, o site conta com diversos anunciantes da plataforma e ajuda instituições sérias.

Mas quais as vantagens de associar sua marca a uma rede de afiliados com cashback solidário?

Compromisso

Além de ajudar uma iniciativa positiva, a empresa ganha valor através da adoção de um compromisso social e solidário.

Branding

Ao associar sua marca a uma rede de afiliados com cashback solidário sua organização estará apoiando as causas beneficiadas pelo site e fortalecendo sua imagem diante dos consumidores.

Consumidores fiéis

Os consumidores de sites de cashback de caridade costumam ser fiéis, pois criam o hábito de comprar pelo site para ajudar as instituições beneficiadas. Eles também são bem engajados e costumam incentivar novos consumidores a comprar pelo site.

Zero investimento

Assim como todas as ações do marketing de afiliados, trabalhar com cashback solidário não gera nenhum gasto inicial para a empresa, o anunciante só paga o valor da comissão para o afiliado, ou seja, só paga quando recebe resultados.

Associe sua marca a uma rede de afiliados de cashback solidário e faça a diferença, não só para sua marca, mas para boas causas.

5 dicas de Inbound Marketing para E-commerce

Um bom profissional de e-commerce sabe que manter uma boa relação com seu cliente é a chave para aumentar suas vendas e mantê-lo fiel. Só que esse cliente já não é o mesmo de alguns anos atrás: as pessoas estão muito mais exigentes, tem muito mais opções de negócios e costumam buscar constantemente melhores alternativas.

5 dicas de Inbound Marketing para E-commerce

Por essa razão, as estratégias de propaganda antigas já não fazem mais o mesmo efeito e por isso surgiu uma nova maneira de divulgar sua marca: o Inbound Marketing! Diante dessa nova realidade, ele foca em manter um excelente relacionamento com o cliente e não mais na venda em si! Essa pode ser a estratégia perfeita para aumentar as conversões no seu endereço virtual e levá-lo rumo ao sucesso.

Quer conhecer um pouco mais sobre o tema e como aplicá-lo da melhor maneira? Não perca 5 dicas de inbound marketing e marketing de conteúdo para e-commerce!

Tenha um blog

Esse é um método muito comum utilizado pelas empresas de e-commerce que querem investir em inbound marketing. Ele estreita a relação com o cliente através da geração de conteúdo de qualidade. Podem ser necessários alguns poucos meses de produção contínua para você começar a sentir os resultados, mas depois que isso acontece, os posts irão gerar tráfego sucessivamente para o seu e-commerce, além de diminuir os custos para seduzir seu consumir e também alongar o ciclo de vendas dos seus itens.

Esses são apenas alguns motivos sobre por que sua empresa deve ter um blog. É importante ter em mente que é preciso focar em qualidade ao invés de quantidade, pois na hora de escolher o tema e conteúdo do seu post, você precisa ter em mente claramente o tipo de público que quer atingir e o que será interessante para ele. Poste sempre conteúdo exclusivo e desenvolvido pelos seus funcionários. Não caia na tentação de copiar e colar artigos de outras pessoas, mesmo mencionando as fontes.

Landing Pages irão aumentar seus acessos

Você seduziu os visitantes para o seu blog, mostrou que tem domínio do assunto, mas ainda não começou a interagir eletivamente com eles? Então agora é o momento!

Uma Landing Page ou página de destino é definida como qualquer página por onde um visitante entra no seu site. Oferecer na Landing Page um conteúdo que agregue valor ao seu cliente é uma das maneiras mais efetivas para convertê-los em contatos novos (leads). Isso para não falar que você já tem uma base para lançar material novo e também ao verificar em quais Landing Pages os leads estarão se convertendo, você vai saber quais posts estão tendo mais sucesso e terá informações mais precisas para montar uma campanha de e-mail marketing focalizada nas necessidades deles, ou seja, conseguirá segmentar mais perfeitamente seus leads.

E como dissemos antes, qualidade no conteúdo é essencial. Para que você obtenha altas taxas de conversão, você terá que pensar em algo relevante.

Portanto, na hora de montar a sua página, pense com nitidez em quais são os seus objetivos e, conseqüentemente, quais são as informações necessárias para atingi-lo.

Após descobrir quem é seu Lead e o que interessa a ele, está na hora de começar um relacionamento mais estreito através do uso de e-mail marketing.

Leia também: A Landing Page perfeita: Como deixar suas páginas de captura matadoras

Não abra mão do e-mail marketing

Há bem pouco tempo o e-mail marketing foi considerado uma forma ultrapassada de propaganda. Porém os números provaram que isso é um tremendo erro e essa forma de divulgar continua sendo um dos melhores investimentos que um profissional de ecommerce pode ter, senão o melhor! Ele apresenta a maior taxa de conversão para lojas virtuais e é extremamente barato. No entanto, é preciso ter alguns cuidados. Não faça SPAM: as pessoas odeiam isso e o tiro pode sair pela culatra!

Certifique-se de só enviar esse tipo de conteúdo quando seus contatos tiverem autorizado, até para ter certeza de que são de interesse de seu público e não sejam excluídos da caixa de entrada. Também é necessário ter atenção com a freqüência: se você enviar e-mails demais, mesmo que autorizados, seu lead pode ficar incomodado e até bloqueá-lo.

Outra atitude que pode se tornar o grande diferencial do e-mail marketing é segmentar os leads: não envie a mesma campanha para toda sua base. Mostre que você sabe quem são eles e quais são as suas demandas. Ficar atento ao histórico de compras, aos produtos que não foram finalizados no carrinho e verificar em quais Landing Pages os Leads estão se convertendo pode dar uma boa ideia do que enviar e do que não enviar!

Outra tática do inbound marketing é o call-to-action. Ela convida o seu cliente a seguir para a próxima etapa de maneira eficiente com uma frase imperativa ou uma pergunta chave. E, por fim, para ter confiança de que essas táticas estão gerando efeitos para a sua empresa, é preciso monitorar e analisar tudo o que está sendo realizado.

Monitorar, analisar e otimizar!

Lembra-se de quão boa é a sensação de chegar em uma loja onde você é chamado pelo nome e os balconistas já sabem quais são todas suas preferências? Através do monitoramento e análise você também pode oferecer isso para os seus clientes de e-commerce. Esse trabalho fará com que as taxas de conversão sejam ainda mais altas!

Mas como fazer isso? Vendo quais foram os conteúdos que foram mais acessados, que apresentaram as melhores taxas de conversão e com maior engajamento. Quais foram os e-mails que obtiveram a mais elevada taxa de abertura e de clique, faça uma análise profunda de horários que eles foram visualizados. Então você terá embasamento para reproduzir o que está dando certo e aprimorar o que não está trazendo tantos frutos.

Faça um e-book

Qual a maneira de se manter conectado à tecnologia, atender ao cliente que está sempre antenado e é exigente e ainda lançar um conteúdo mais completo e amplo? Através de um e-book!

Essa é a maneira que muitos profissionais de e-commerce estão encontrando para oferecer um produto de ampla aceitação gratuitamente para o cliente e fazer com que ele veja a sua empresa com outros olhos. Eles não são dispendiosos, tem alto poder de gerar leads e agregam valor à sua marca. Invista num e-book: o retorno é garantido!

Com essas 5 dicas de inbound marketing, você terá tudo para ser um profissional de e-commerce de sucesso! Essa estratégia é definitivamente o que há de melhor no mercado e se você busca um diferencial para sua loja virtual, não deve abrir mão dela. Implemente tão logo seja possível: você só tem a lucrar!

———————————————————————————————————

Este guest post foi escrito por Diego Gomes. Diego é um dos fundadores da Rock Content, uma empresa de marketing de conteúdo que ajuda empresas a produzir artigos matadores. Confira o e-book “Marketing de conteúdo para iniciantes” e não perca os artigos do blog da Rock Content.

Brasil é o décimo melhor mercado de E-commerce do mundo

Brasil é o décimo melhor mercado de E-commerce do mundo

O Brasil é o único país da América Latina que figura entre os 10 melhores mercados mundiais do E-commerce. De acordo com as últimas estimativas de vendas no varejo online e offline em todo o mundo segundo o eMarketer. Apesar da previsão de crescimento de dois dígitos para as vendas no E-commerce do Brasil até 2018, espera-se que o país permaneça no 10º lugar, logo atrás da Rússia.

Veja também: Os números do E-commerce no Brasil

Neste período, o total de vendas do Varejo deverá superar meio trilhão de dólares por ano no Brasil, e a internet será responsável por um pouco menos de 5% do total. A estimativa de vendas do Varejo e do Comércio Eletrônico feita pela eMarketer exclui compras de produtos e serviços relacionados à viagens.

O crescimento de dois dígitos nas vendas do E-commerce no varejo brasileiro deverá continuar por vários anos, mas já diminui significativamente se comparado aos números expressivos de 2013 e 2014 (28% e 22% respectivamente).

Brasil é o décimo melhor mercado de E-commerce do mundo

A empresa americana destaca ainda o ranking das vendas por categoria divulgado pela E-bit no último relatório WebShoppers. A liderança é de Moda & Acessórios com um share transacional de 18% das transações de comércio eletrônico no varejo brasileiro em 2014.

A segunda maior parcela veio de Cosméticos, Perfumaria & Saúde (16%), em seguida, Eletrodomésticos (11%), Livros/Assinaturas & Revistas (8% ), Telefonia & Celulares (7%), Informática (7%), Casa & Decoração (6%), Eletrônicos (6%), Esporte & Lazer (5%) e Brinquedos & Games (2%).

Brasil é o décimo melhor mercado de E-commerce do mundo

Em julho de 2014, quando a AT Kearney entrevistou usuários de internet no Brasil que tinha feito uma compra durante os três meses anteriores, verificou-se que 86% haviam comprado pela internet durante esse período. Moda & Vestuário (75%) e Livros (75%) empataram como categoria mais popular, seguido por Eletrodomésticos (70%), Serviços (70%), Ingressos (65%), Música & Games (62%), Produtos de beleza (59%), Esportes & Lazer (49%) e Casa & Decoração (48%).

Informações publicadas no eMarketer.