Tags Posts tagged with "blog"

blog

Plug-ins são programas mais simples, que você pode instalar no seu blog para acrescentar novas funcionalidades e melhorar tanto a experiência do leitor quanto seus resultados.

Qual a melhor plataforma de blog?

Existem diversos deles espalhados pela internet e, por conta disso, decidimos reunir 5 dos principais plug-ins para um blog de e-commerce em WordPress que você pode instalar agora mesmo! Confira:

1- WordPress SEO

Quando falamos de SEO, existem diversos fatores que influenciam nos seus resultados. O WordPress SEO (By Yoast) permite que você configure praticamente todos eles de maneira prática e rápida. Como:

  • Meta descrição;
  • Títulos;
  • Meta tags para o Facebook;
  • Sitemap XML.

Além disso, ele faz uma análise de desempenho de cada blog post seu, indicando pontos que podem ou não fazer com que ele seja encontrado a partir das palavras-chave que você determinou. Assim, você vai saber de maneira objetiva como pode melhorar o artigo.

Este plug-in é gratuito e essencial para qualquer um que trabalhe com blog em WordPress.

2- Disqus para WordPress

Você quer estimular o compartilhamento e discussão acerca do seu conteúdo, para aumentar o engajamento do público, certo? Para isso, precisa de um bom sistema de comentários no seu blog e o mais indicado é o Disqus. Ele é considerado um dos melhores por diversos motivos, como:

  • Possibilidade de compartilhamento na mesma área de comentário;
  • Cada comentário pode receber votos positivos ou negativos, dando destaque aos mais bem avaliados;
  • O leitor pode postar imagens nos comentários;
  • Limite de comentários por página.

É outro plug-in que é importantíssimo para seu blog e você pode baixá-lo gratuitamente.

3- CloudFlare

O CloudFare é uma plataforma de otimização de sites, que pode integrar-se com o WordPress. Algumas das vantagens incluem:

  • Maior velocidade de carregamento;
  • Proteção contra spam no blog;
  • CDN (rede de distribuição de conteúdo) próprio;
  • Proteção contra pico de acessos inesperados, mantendo o site no ar.

Basta acessar e fazer o download gratuito do plug-in.

4- W3 Total Cache

Ainda falando de velocidade da página e experiência do usuário, lembre-se de que todo segundo conta, portanto, faça tudo que estiver ao seu alcance para melhorar o tempo de carregamento do seu site.

Este plug-in armazena temporariamente dados e informações de sua página em uma memória “cache”, permitindo com que as páginas sejam acessadas novamente sem a necessidade de outra requisição, deixando a navegação do usuário mais fluida e agradável.

O plug-in pode ser baixado gratuitamente.

5- Google Analytics for WordPress (By Yoast)

O acompanhamento das métricas em estratégias de marketing digital vai te dar informações para tomar ações baseadas em dados, portanto mais assertivas, e ajudar em cálculos e relatórios de ROI.

Se você não pode medir, não pode gerenciar: aplicando a teoria de Peter Drucker

Este plug-in não apenas instala o Google Analytics no blog — ferramenta para que você possa visualizar indicadores de desempenho —, mas oferece outras soluções de mensuração e acompanhamento, como:

  • Quais links externos estão te trazendo tráfego;
  • Ignorar acesso de administradores nos números;
  • Metrificação de downloads de arquivos (PDFs, planilhas, etc);
  • Variáveis customizadas.

O Analytics por si só é básico e obrigatório, mas com estas melhorias você vai gerar inteligência ainda mais precisa sobre o que e como pode melhorar seu blog, para maiores resultados.

Esses são 5 dos principais plug-ins para blog de e-commerce em WordPress, mas não se limite a eles! Pesquise e se mantenha atualizado do que está surgindo e que pode te ajudar. Para isso, o primeiro passo é se inscrever na nossa newsletter e não perder nenhum conteúdo sobre este e outros assuntos do mundo do e-commerce!

Em meio a uma época que vem sendo marcada pelo crescimento do número de empreendedores no marketing digital, conseguir autoridade na internet e aumentar a relevância da sua marca vem se tornando, como já se podia prever, um ponto cada vez mais crucial.

Vários fatores levam a isso. Entre eles está o crescimento de estratégias eficazes, tanto no marketing de conteúdo em si quanto nas práticas de SEO, fazendo valer aquela antiga máxima de que a alta concorrência implica em serviços mais bem prestados ao consumidor final.

Como para os empreendedores o trabalho de conquistar autoridade na internet é árduo, é preciso saber alguns truques. Neste post, você aprenderá alguns passos importantes para construir uma imagem influente na internet, através de estratégias que não são tão difíceis de aplicar. Confira!

Seja uma autêntica “fonte de conhecimento”

Publicar conteúdo online é como escrever uma obra a ser constantemente referenciada em trabalhos acadêmicos. Quando o autor produz um grande trabalho, cuja consistência é tão grande que suas ideologias contribuem para o aprendizado de várias gerações seguintes, a autoridade conquistada é algo que nada e nem ninguém apagará.

E é exatamente isso que os maiores vencedores do mundo digital conseguem ao fornecer conteúdos autênticos, ricos e informativos. Se você possui o conhecimento, não hesite em deixá-lo disponível para quem necessitar dele futuramente. Deixe o seu legado ao público.

Com o tempo existirão muitos concorrentes procurando fazer conteúdos parecidos com o seu, mas o conteúdo que sempre será amplamente consultado e compartilhado é o original. De forma mais poética, podemos dizer que ser semeado é melhor do que ser simplesmente lembrado.

Ensine primeiro e venda depois

Ofertar uma promessa é algo a ser evitado. Além de não passar credibilidade, estratégias dessa natureza estão próximas de ser extintas do marketing digital — a própria concorrência trata de derrubar essas táticas.

Siga os princípios de inbound marketing, que consistem em fornecer conteúdos ricos e educativos para o público. Sem desembolsar nada os leitores passarão a reconhecer você como uma referência no assunto e então se aproximarão, por conta própria, da sua marca.

Lembre-se de que toda autoridade é construída por valores, portanto esse deve ser o seu foco.

Como criar o melhor conteúdo possível

Produza conteúdos específicos sobre determinado tema

Deixemos de lado um pouco o conceito de funil de vendas — que é imprescindível para o planejamento. Você, caro leitor, já parou pra pensar em como deve ser o conteúdo ideal? Muita gente pode supor que as melhores produções textuais priorizam a quantidade de informações, ou seja, textos que sejam o mais informativo possível.

Porém, por mais informações que você tente colocar em um post, sempre faltará alguma coisa. Fora que um tópico sempre leva a outro, e, por fim, o conteúdo se torna complexo e de difícil compreensão. O que fazer então?

A solução é simples: escolha um tema como base e produza uma série de posts relacionados a ele. Isso comprovará o seu nível de conhecimento acerca do assunto e promoverá um aprendizado ainda maior aos seguidores, dois fatores-chave da autoridade na internet.

Lembre-se de não escrever demais: os textos para internet precisam seguir a dinâmica do resto da rede.

Por que o conteúdo autoral é mais importante que o SEO

Trate o networking como algo fundamental

Ampliar a sua rede de contatos profissionais e marcar presença em eventos importantes — você tem ideia do quanto isso reflete no ganho de autoridade na internet? 80% dos grandes executivos do mercado reconhece o networking como estratégia determinante — segundo pesquisa realizada em 2013 pelo Instituto de Desenvolvimento de Conteúdo para Executivos (IDCE) —, e os seus benefícios são nítidos para as empresas de menor porte.

Entre as várias posturas a serem adotadas para ter sucesso com networking, uma delas em especial tem muito a ver com ganho de autoridade e também de notoriedade. Trata-se de ser uma “engrenagem” num círculo social, aquele que apresenta as pessoas umas às outras, o ponto a que a maioria recorrerá em situações diversas. Ou seja, ser um influenciador!

Quando você desempenha um papel de influência entre profissionais e empreendedores de uma mesma área, muitas boas oportunidades surgem. Seu nome passa a ter maior credibilidade, outros influenciadores vão citá-lo e recomendar seus conteúdos, e isso vai refletir significativamente no crescimento de autoridade e notoriedade de sua marca.

Considere o SEO como uma prática relevante

As tendências podem acarretar em algumas mudanças no marketing digital, porém, é certo que durante os próximos anos as estratégias de otimização para motores de busca (SEO) continuarão sendo fundamentais para o engajamento de novos leitores.

Se o seu website não estiver bem posicionado nos resultados do Google, será difícil reforçar o peso de sua marca ao público. Deve-se compreender que o ponto de vista do usuário do Google não é igual ao de quem trabalha com marketing e web. Geralmente, as pessoas consideram as páginas posteriores do Google uma colocação entre os sites menos acessados, o que dá a entender que seu conteúdo não é dos mais qualificados.

Portanto, é altamente recomendável continuar desenvolvendo e aprimorando os aspectos SEO de sua página, até porque somente benefícios serão recolhidos.

Como produzir blog posts e descrições de produtos pensando em SEO?

Invista no design

Um ótimo design gera muito mais do que um bom aspecto ao site. Ao investir em design de bom gosto, que seja responsivo e também funcional para o usuário, sua marca demonstrará, acima de tudo, que se importa em oferecer a melhor experiência possível.

Todo mundo — sem exceção — gosta de sites que carregam rapidamente, que tenham uma navegação simplificada (acessar conteúdos em poucos cliques), compatível com qualquer dispositivo e navegador, e, é claro, com um visual atrativo. Vale lembrar que o público se tornará cada vez mais exigente e aqueles que ignoram a importância disso ficarão para trás.

Tenha uma variedade de materiais em diferentes formatos

Em vez de se basear em pesquisas sobre “qual o formato de mídia preferido dos internautas”, procure ser mais abrangente com relação a isso. Faça dos seus conteúdos algo acessível para todos os gostos e necessidades.

Muitas pessoas têm maior facilidade de compreensão assistindo a vídeos, enquanto outras gostam mais de ler arquivos em PDF (como e-books, pesquisas, tutoriais, etc.). Há também o público que prefira webinars por conta da interação em tempo real, assim como os que acham infográficos mais interessantes.

Funil de vendas: Como escolher o tipo de conteúdo correto para seus objetivos

Em suma e sem ressalvas: conquistar maior autoridade na internet significa se tornar uma referência consolidada, o que só vai acontecer se o maior número possível de gente interessada no assunto tiver acesso aos conteúdos que o seu site promove.

A chegada de novas redes de afiliação e novos profissionais e empresas gerando conteúdo com foco nesse negócio aquecem cada vez mais o mercado de afiliados no Brasil. O ramo de atuação é voltado para proprietários de um site, redes sociais ou outro canal da internet faturar com comissão ajudando a vender produtos e serviços.

O período de ascensão pelo qual o mercado de afiliados está passando é visto como uma grande oportunidade por pessoas que desejam iniciar seu empreendimento digital ou rentabilizar os seus projetos on-line. Ao mesmo tempo, é cercado de receios diretamente relacionados à falta de consenso das informações que circulam sobre o assunto.

Por que apostar no Marketing de Afiliados para e-commerce?

Muitos são mitos negativos que afastam potenciais investidores dessa atividade promissora ou, pior que isso, atrapalham quem quer entrar nesse tipo de programa a tomar as decisões mais assertivas para que seu negócio seja bem-sucedido. Para ajudá-lo, separamos os cinco mitos mais comuns e a explicação do porquê estão equivocados.

1- Afiliados somente podem ser blogueiros

Pensar que o mercado de afiliados somente está disponível para blogueiros é muito comum e afasta o interesse de proprietários ou interessados por outros canais on-line. Talvez isso se deva ao fato de que o negócio ganhou muito notoriedade através das páginas de blogs.

Todas as pessoas que desejam representar alguma marca na internet e ao mesmo tempo alavancar o tráfego de para suas redes sociais, site ou mesmo blog podem ser afiliadas. Nesse sentido, pode utilizar as ferramentas que já possuem ou mesmo adaptar algum recurso exclusivamente para explorar o negócio.

Exemplo disso, é oferecer um portal para divulgação de cupons de descontos, obtendo lucros a partir de tudo o que for vendido.

Cinco ações para motivar afiliados e aumentar as vendas

2- Programas de afiliados são fáceis de gerenciar

Quando se trata de internet, as pessoas costumam ter a falsa ideia de que todos os negócios relacionados a essa área são fáceis de administrar. Se você deseja iniciar atividades no mercado de afiliados, no entanto, deve se preparar para uma realidade totalmente diferente do que o senso comum propaga.

Provavelmente, você deverá encarar uma concorrência muito grande e dificilmente obterá uma receita satisfatória em curto prazo. Mas tudo isso não deve desanimá-lo. Para alcançar sucesso estabeleça um bom relacionamento, fazendo as parceiras corretas e eficientes, e mantenha um conteúdo sempre com qualidade e bem atualizado.

Investir nas campanhas adequadas para transformar os seus acessos em conversões também é essencial para garantir diferencial nesse ramo de atuação.

3- Só vale investir em mercados de afiliados quem trabalha em um nicho de negócio lucrativo

A ideia de que o mercado de afiliados é exclusivo para quem trabalha em um nicho de negócio considerado lucrativo também costuma desanimar empresas que enxergam seu ramo de atuação pequeno demais. Essa premissa não é verdadeira porque, apesar de segmentos populares costumar apresentar um desempenho melhor nesse negócio, isso não significa que outros ramos não possam se dar bem com essa ferramenta.

Nesse sentido, vale a pena investir nessa atividade e garantir melhor desempenho, basta manter-se alinhado com os seus objetivos e encontrar afiliados que entendam e valorizem a sua relevância.

CPA, CPC, DPC? Entenda as principais formas de comissionamento de afiliados

4- O mercado de afiliados é uma estratégia obsoleta

Considerando que os novos algoritmos de SEO do Google têm deixado a tradicional construção de links para trás, investir em marketing de filiados pode não parecer uma atividade muito promissora. No entanto, é possível trabalhar aliando as duas técnicas para construir e proporcionar mais visibilidade a sua marca.

5- Você somente obterá sucesso com mercado de afiliados se conseguir anunciar os produtos em um maior número de canais possíveis

A atuação no mercado de afiliados depende mais da qualidade do que da quantidade. Isso significa que mesmo anunciando em poucos sites, você ainda poderá ter um bom resultado, caso todos os seus parceiros entreguem conversões significativas. Por esse motivo, o sucesso da atuação nesse negócio dependerá exclusivamente de contar com as associações certas e que estejam preferencialmente voltadas para seu ramo de atuação.

4 KPIs importantes para anunciantes no Marketing de Afiliados

Agora que esses mitos foram derrubados, a sua percepção sobre o mercado de afiliados pode não ser das melhores. Assim como outros negócios, realmente esse ramo também oferece riscos e desafios. Mas se você construir uma boa rede de afiliação, focar em sua área de atuação e investir nas campanhas adequadas poderá obter ótimos resultados.

Com a tecnologia, as empresas multiplicaram as ferramentas de marketing capazes de alcançar o cliente. Redes sociais, e-mail marketing e SMS são apenas algumas das formas de converter leads e aumentar as vendas, mas as empresas precisam entender que o cliente não quer ser contatado apenas com a clara intenção de venda.

Para criar um relacionamento mais duradouro e demonstrar que se preocupa com ele sem interesses, é necessário investir em marketing de conteúdo. E a newsletter é uma das ferramentas mais simples de se fazer isso. Quer saber o que é newsletter e como ela vai te ajudar na conversão de leads?

O que é newsletter?

Também chamada de boletim informativo, a newsletter é uma publicação fixa da empresa para seus clientes e potenciais clientes. Assim como jornais e revistas, ela tem periodicidade, linha editorial, linha visual, etc. Pode ser enviada inclusive em formato de jornal, impressa, mas o mais comum é por meios eletrônicos, em especial, via e-mail.

Por ser mandada por e-mail, muitos a confundem com e-mail marketing. Diferentemente do e-mail marketing, a newsletter é mais focada em produção de conteúdo que em vendas. Seu objetivo não é ser uma mala direta para estampar promoções e novidades da marca, mas sim para trazer informações relevantes ao público que se interessa por assuntos relacionados à empresa.

Essa é outra característica exclusiva da newsletter. Ela não chega para pessoas aleatórias. Em geral, ela é entregue apenas para as pessoas que optaram por receber esse conteúdo da empresa, em geral ao preencherem seu cadastro em um formulário online.

Por serem direcionadas apenas para quem quer receber este tipo de material, as newsletters já começam em vantagem em relação ao e-mail marketing, sendo assim, é trabalho das empresas atender e até superar as expectativas dos clientes para não acabar caindo na famosa caixa de spam.

Como não se tornar spam?

Para manter o interesse dos clientes e potenciais clientes no conteúdo da newsletter é essencial que a empresa dedique tempo na criação de cada boletim. Independente de sua periodicidade, a newsletter precisa trazer novidades, ter uma linguagem clara e objetiva, com mensagens curtas e de fácil leitura.

O objetivo desse meio de comunicação é criar vínculos com o leitor, uma relação mais longa que, logo, é conquistada a longo prazo. Se a empresa quer ganhar conversões a curto prazo, não deve investir na newsletter. Se ela não oferecer nada de útil ao leitor, inevitavelmente acabará caindo na caixa de spam, sem trazer resultados nem a curto nem a longo prazo.

Trabalhe conteúdos que sejam interessantes, sem estender o assunto. O material precisa ser dinâmico, objetivo e criativo. Uma boa estratégia é segmentar as newsletters, criando conteúdos para nichos dentro do mercado da marca.

Por exemplo, uma empresa de cosméticos pode direcionar um boletim sobre cuidados com mechas apenas para clientes que têm esse tipo de tinta no cabelo. Para isso, é essencial criar uma base de e-mails bem detalhada e utilizar boas ferramentas de automação.

Como saber se a estratégia está funcionando?

Para saber se a newsletter enviada está realmente sendo vista e bem recebida pelo seu público-alvo, existe uma série de métricas a serem analisadas. Em geral, a própria ferramenta de automação no envio de e-mails desse tipo entrega taxas de cliques, como a quantidade de pessoas que abriram o e-mail.

Se a taxa de rejeição for alta, você pode rever o que pode ter dado errado naquela newsletter (o título, o horário de envio, a segmentação escolhida) e reenviá-la com adaptações ou, pelo menos, levar o aprendizado para a criação de novas estratégias.

Por meio de ferramentas como o Google Anaytics, é possível analisar outras métricas importantes também para campanhas via e-mail, como as newsletters. Uma prática muito comum, por exemplo, é incluir no boletim links para conteúdos publicados recentemente no blog da empresa. É possível, então, determinar quais cliques de um post vieram por meio da newsletter nesse caso.

Como monitorar todas as ações do visitante através de uma URL personalizada

Como se destacar na caixa de entrada?

Por ser uma ferramenta ágil, barata e eficaz, cada vez mais empresas vêm usando a newsletter para ter um contato mais próximo com seus clientes. Mas como se destacar em meio a tantos e-mails recebidos todos os dias?

O primeiro passo é criar um título atraente, sucinto e objetivo, que mostre claramente o que o cliente encontrará caso clique no seu e-mail. Hoje em dia é possível inserir até emoticons animados no título do e-mail, então não tem desculpa para não usar a criatividade nesse meio. 😉

Tratar o cliente de forma única e especial, personalizando o conteúdo também gera muitos pontos para a empresa. Um jeito simples de fazer isso é colocando o nome de cada usuário no título da mensagem. Outra forma é inserindo um nome no e-mail de remetente e uma assinatura de alguém real da empresa. Os clientes se sentem muito mais atraídos quando conversam com alguém do que quando recebem um e-mail de naoresponda@lojavirtual.com, por exemplo.

Qual a periodicidade ideal?

Por ter um objetivo a longo prazo, os disparos de newsletter não precisam e nem podem ser muito frequentes. Empresas que mandam conteúdos novos diariamente a seus clientes acham que entregam newsletters, mas na verdade estão mandando spam.

Mesmo que o cliente tenha solicitado o envio da newsletter, ela deve ser enviada com parcimônia, de forma que o cliente tenha uma boa surpresa sempre que receber uma nova mensagem da marca em sua caixa. Newsletters semanais, quinzenais e até mensais tendem a ter mais eficácia que as com frequência mais curta.

Uma marca de roupas femininas, por exemplo, pode mandar uma newsletter mensal com as novidades da loja e opções de combinação de peças para sua cliente. Ela vai ficar muito mais interessada nos produtos do que se recebesse e-mail marketing diário com fotos de peças novas.

Como você viu, a newsletter é uma arma poderosa, mas apenas se for bem utilizada. Se o seu negócio for uma empresa que vende soluções de informática para executivos, por exemplo, não é interessante colocar emoticons de bonequinhas dançantes no título da sua newsletter. Já se você vender roupas para meninas adolescentes, essa linguagem pode alcançá-las de forma mais certeira.

O importante é adaptar a sua linguagem e saber que o cliente, antes de se tornar um lead para a sua empresa, é uma pessoa, com interesses, gostos e afins. Hoje em dia, a empresa que não valoriza a geração de conteúdo, perde uma oportunidade incrível de converter as pessoas em clientes fiéis.

Você quer dar uma repaginada em sua estratégia de conteúdo? Comece com essas dicas

Você não é obrigado a criar ideias originais de conteúdo a cada vez que sentar para escrever. Isso é uma verdade. Estamos programados para pensarmos que, se não formos brilhantes, nossos leitores irão nos abandonar sem pensar 2 vezes.

Mas isso não é de todo verdade. O que nossos leitores estão procurando é conteúdo útil e relevante.

Além disso, é cansativo e demorado tentarmos chegar a novas ideias para cada artigo. Estamos constantemente copiando e retrabalhando ideias e as apresentando como novas, a partir de tendências.

Então, por que não economizar algum tempo e aproveitar uma fonte virtualmente infinita de conteúdo que já está disponível?

Há um grande reservatório de material existente para mergulharmos: a partir de nosso próprio blog e dos influenciadores de nosso mercado, bem como a sabedoria coletiva de nosso público e nossos pares.

Leia também:

Você faz Curadoria de Conteúdo?

Remixando o conteúdo

O reaproveitamento de conteúdo pode ser muito útil e inteligente para o nosso negócio. Aqui está o por que:

  • É eficiente. Planejar e reutilizar seu conteúdo vai ajudar você a redirecionar conteúdo em diferentes formatos para diferentes canais.
  • Ele combate a distração. Leitores online têm se desgastado em suas leituras e são facilmente distraídos. As possibilidades são que apenas um pequeno percentual de leitores realmente leem seus posts.
  • Ele constrói relevância de SEO. Quando as suas táticas de SEO e marketing de conteúdo trabalham em conjunto, adaptar conteúdos significativos significa mais oportunidades de atrair tráfego.

Então, abrace o remix de conteúdo. Aqui estão algumas ideias para como usar o remix para criar conteúdo matador.

remix

1- Reorganize seus posts mais longos

Qualquer coisa de suas obras de arte anteriores têm a ver com isso, como e-books, estudos de caso ou white papers.

Divida-os em pedaços menores para colocá-los em seu blog, newsletters ou mini posts em mídias sociais.

2- Reescreva um post popular

Você pode modernizar um post popular com novas informações, estatísticas, infográficos, ou qualquer outra informação relevante para torná-lo mais atraente para seus leitores hoje.

3- Crie transcrições de outros meios de comunicação

Isso pode ser feito a partir de seminários, entrevistas e podcasts antigos, como uma série de novos artigos do blog e mini posts para as mídias sociais.

4- Pegue um post antigo e transforme-o em uma nova mídia

Crie um infográfico ou uma apresentação de slides para recontar seu post em uma mídia diferente.

5- Crie uma série de podcasts ou vídeos

Isso pode ser feito com base em seu conteúdo antigo para tocar um público que prefere um formato de áudio ou visual.

podcast

6- Faça uma lista de posts antigos

Encontre um tema em suas mensagens que receba uma boa resposta e faça um pequeno resumo de seus melhores posts de uma determinada categoria.

7- Crie uma série de temas populares

Use o Google Analytics para determinar seus posts mais populares, e em seguida faça um acompanhamento com um guia ou post com base no seu material original.

8- Use as atualizações

Se as informações em seu campo são suscetíveis de mudanças rápidas, os posts mais antigos precisam ser atualizados.

Aproveite a oportunidade de criar um novo post incorporando as atualizações para tornar as coisas mais atuais.

9- Destaque as postagens populares na barra lateral do seu site

Você pode compilar um post de melhores, no final do mês, trimestre, semestre, ou ano e mostrar o material que seus leitores acharam mais úteis, divertidos ou informativos.

10- Crie um evento

Reutilize o conteúdo de antigos posts para transformá-los em um webinar ou criar uma mini série a partir de seu material.

11- Use os comentários de seus leitores

Use as mensagens mais engajadas dos leitores nos comentários, reclamações, perguntas e crie um post de acompanhamento.

Isso se aplica igualmente aos tweets e comentários do Facebook, ou qualquer interação nas mídias sociais.

12- Crie posts do que fazer e do que não fazer

Mais uma vez, use a capacidade de resposta de seu público ao material original e escreva um post sobre as melhores práticas.

13- Compile as mensagens relacionadas sobre um tema

Isso pode ser feito em um e-book ou uma mini-série de posts como um presente ou incentivo para interessar novos leitores.

14- Dê voz aos influenciadores

Descubra o que os especialistas em seu mercado têm a dizer sobre o tema e crie um post em torno disso.

Use essas opiniões para apoiar um post original, ou estabelecer sua posição perceptiva como um especialista.

15- Use o Throwback Thursday para reviver um post

O Throwback Thursday é uma brincadeira em que pessoas e empresas compartilham algo referente ao passado.

Mas, isso pode ser feito como artigos que tenham tido uma boa receptividade do seu público.

Para gerar interesse, poste um link com a hashtag #TBT no Twitter, Facebook e Instagram com uma breve explicação sobre porque os posts foram bem recebidos.

ttb

16- Use os posts antigos para criar mini posts

Pegue seções de seus posts antigos e faça mini posts sobre seus assuntos nas mídias sociais. Isso gera intriga e curiosidade, muito parecido com um teaser de um filme.

17- Destaque os aspectos únicos de um post antigo

Remodele-o, expandindo o conteúdo de fora do comum, como “o segredo por trás de…”, ou “a chave para” o post.

Agora você já sabe o que fazer

Como você pode ver, há muitas maneiras de reciclar o seu assunto antigo em ideias novas em conteúdos úteis. Com todo o esforço que você coloca na criação de seu conteúdo original, faz sentido tirar proveito do reaproveitamento.

Então, poupe seu tempo e supere a ansiedade de estar constantemente tentando ser original, revisitando o seu velho material e dando vida nova a ele, com umremix.


Este artigo foi adaptado do original, “17 Ideas On How To Do Clever Content Marketing”, do blog do Jeff Bullas. Texto anteriormente publicado no Pulse do LinkedIn.

Já tem em mãos um bom conteúdo para publicar na página da sua empresa no Facebook e transformar seguidores em clientes? Agora, é preciso saber distribuí-lo. Não tenha pressa em postar tudo: controle sua ansiedade e faça um rápido planejamento do que irá ao ar.

Para te ajudar a elaborar seu cronograma, trazemos algumas dicas práticas e que farão toda a diferença:

Identifique os melhores dias e horários

Toda rede social tem momentos de maior alcance, em que os usuários estão mais disponíveis ou dispostos a navegar e interagir. Não há um dia/horário oficial, já que essas tendências mudam o tempo todo, mas um estudo da HubSpot sugere que o ideal é fazer suas publicações entre 13h e 15h.

Aderir a isso, contudo, depende muito da sua demanda. Se você possui três conteúdos para um mesmo dia, por exemplo, condensá-los nessa estreita faixa de horário fará com que cada um perca seu próprio “destaque”.

Portanto, a princípio procure publicar em períodos diferentes: manhã/tarde/noite nos dias comerciais e finais de semana. Apenas o seu público dirá quando acontecem as melhores oportunidades: experimente vários horários e veja quais trazem maior retorno.

Distribua os temas

Ao distribuir diferentes conteúdos entre suas faixas de publicação, procure manter a página diversificada. Agrupe os posts em diferentes categorias, pensando em quais personas e objetivos você deseja atingir com cada uma delas. Vale se perguntar:

  • Esse conteúdo é para quem já curte minha página ou para incentivar outros a fazerem isso?
  • Qual informação é trazida: apresentação de produto, notícia, resposta a uma pergunta ou outra coisa?
  • Qual o formato desse conteúdo: vídeo, imagem ou texto?
  • Ao clicar no link, para onde o usuário será redirecionado? Que tipo de conversão espero dele nessa landing page?

Com essas respostas em mente, separe cada conteúdo e certifique-se de intercalar a publicação das categorias. Você pode, por exemplo, publicar um vídeo pela manhã, uma apresentação de produto à tarde e uma notícia com imagem à noite. A dica é nunca postar o mesmo tipo de informação/formato repetidamente.

Crie um calendário

Uma ferramenta que faz toda a diferença nesse “controle” de publicações é o calendário. Ele pode dar uma visibilidade muito maior aos conteúdos que você pretende lançar e garantir que tudo vá ao ar no momento mais adequado.

Há várias formas de fazer o seu: separando por dia/horário, formato, assunto, link acionado, etc. Analise como você se organiza mentalmente a respeito da demanda e tente montar seu calendário da forma mais intuitiva possível.

Como base, você pode usar o Google Calendar, uma tabela do Excel ou mesmo o Trello.

Programe as publicações

Calendário montado? Agora, vamos programar todos os posts no Facebook para ganhar tempo e impedir que possíveis imprevistos atrasem suas publicações.

Programar post 1

A primeira coisa a fazer é acessar sua fanpage. Feito isso, insira o post no espaço adequado, clique na seta ao lado de “Publicar” (1) e depois em “Programar” (2) .

Programar post 2

Na janela que se abre, ajuste o dia (3) e o horário (4) nos quais sua publicação deverá ir ao ar. Por fim, clique em “Programar” (5) e pronto! Você verá seu post agendado em rascunho.

Tudo certo?

Você já planejou e programou os posts da página no Facebook, mas seu trabalho continua: o próximo passo é acompanhar a resposta do público e ver como tudo está funcionando na prática. Verifique se os períodos escolhidos foram bons, se a distribuição de conteúdos está agradável e se os usuários realmente interagem com você. Faça alterações constantes e não tenha medo de experimentar coisas novas!

Texto publicado anteriormente no Blog da Nuvem Shop.

Para quem administra um blog, site ou e-commerce é compreensível a preocupação em colocar suas páginas nos primeiros lugares nas pesquisas feitas nos buscadores. As técnicas de SEO vão ao encontro desse objetivo.

Antes de irmos para a prática, vale ressaltar que SEO não é só produzir conteúdos e preparar páginas para os mecanismos de busca. Você não escreverá somente para o Google entender, mas sim para entregar aquilo que os usuários do Google estão buscando. Ora, se a preocupação dos buscadores é atender as expectativas do público, seu site deve ser estruturado pensando nos robôs e, principalmente, nos seus consumidores.

Para que o SEO não seja um problema e sim solução para os seus textos, preparamos uma sequência com 6 dicas que farão suas páginas aparecerem no topo do ranking das pesquisas.

1- Pesquise as palavras-chave

Você talvez já tenha ouvido falar que as palavras-chave são essenciais para qualquer otimização baseada em SEO, não é mesmo? Então, essa é uma premissa verdadeira. Contudo, seus textos não precisam ser totalmente focados nas palavras-chave.

É importante escolher termos que costumam ser usados pelo seu público-alvo nos campos de pesquisa dos buscadores. Para isso, use ferramentas como o Keyword Planner e o Google Trends para conferir as palavras-chave mais lembradas na sua área e quais são as tendências de utilização.

2- Crie conteúdo original e de qualidade

Esse costuma ser um problema nas descrições de produtos, pois em muitos e-commerces é normal ver esse trecho copiado dos sites dos fabricantes. O Google, assim como os outros buscadores, entende isso como uma duplicação, o que pode prejudicar o ranqueamento dessas lojas virtuais as quais não se preocuparam em escrever diferente.

Além de produzir textos próprios, mesmo que falem da mesma oferta, é importante ser bem informativo, ajudar o público e mostrar que sua empresa entende daquele assunto.

Os problemas de ter conteúdo duplicado no e-commerce e como resolver

3- Faça títulos irresistíveis pensando no SEO

O título de uma página deve ser a última coisa a ser produzida para ser a primeira que entrará em contato com o público. As pessoas verão seus títulos logo de cara assim que fizerem uma pesquisa nos buscadores.

Logo, você precisa prometer algo valioso, criar um senso de urgência, desafiar o leitor, chamar a atenção das pessoas e, principalmente, exibir a palavra-chave escolhida para os mecanismos de busca saberem do que se trata seu conteúdo.

4- Deixe seus textos fáceis de serem lidos

Em blog posts, especialmente os que possuem mais conteúdos, é importante facilitar a leitura para os motores de busca e para as pessoas.

Os buscadores precisam das palavras-chave (com variações de plural, sinônimos, etc.) espalhadas no texto, nos intertítulos (h2, h3, etc.) e no nome das imagens (palavra-chave-descriçãodaimagem.jpg). O público precisa de um visual mais limpo, com textos divididos em blocos, parágrafos curtos, termos importantes destacados em negrito, uso de imagens e vídeos para apoiar a compreensão do conteúdo.

5- Inclua a palavra-chave nas descrições de produtos

Ao chegar à página de uma oferta, a descrição que acompanha a imagem do produto deve ser curta, objetiva e oferecer um argumento matador para convencer o cliente da compra.

É recomendado escrever e destacar as palavras-chave em negrito nesse pequeno texto, para reforçar a referência da página para os motores de busca. As imagens dos produtos devem ter suas tags alt preenchidas com descrições em poucas palavras das fotos, assim como o uso da palavra-chave no nome dos arquivos.

Cadastro de produtos: como convencer o cliente a comprar

6- Faça descrições detalhadas

Descrições de produtos mais completas e detalhadas são importantes para gerar mais informação e conteúdo para as páginas de produtos. Quando uma página possui pouco texto, os buscadores costumam posicioná-la pior nas pesquisas. Portanto, aproveite este espaço para dar detalhes técnicos das ofertas, falar dos seus benefícios, expor comentários de outros clientes, etc.

E aí, o quanto essas dicas de SEO serão úteis para o seu e-commerce e seu blog? Você já praticava alguma dessas ações e não sabia que elas poderiam melhorar o ranqueamento do seu site na internet? Conte nos comentários!

Copywriting é o método que consiste em produzir conteúdos para promover e/ou vender ideias, produtos e serviços. São técnicas aplicáveis em qualquer tipo de texto, não importa tamanho ou local de publicação — blogs, e-commerces, redes sociais, e-mail marketing ou materiais impressos.

Os objetivos são gerar engajamento, influenciar uma ação por parte do público e converter mais. Se usada da forma correta, essa estratégia impactará positivamente no relacionamento com os clientes e nas receitas da sua empresa.

Diante disso, destacamos uma lista com 6 técnicas fundamentais de copywriting para sua escrita envolver mais o público e gerar mais vendas. Confira!

Estude a sua persona

Se em vez de um texto, você conversasse pessoalmente com um cliente, qual seria o assunto e de que forma você reproduziria o conteúdo?

Essas duas perguntas resumem o quanto é importante entender como o seu público pensa e qual a melhor maneira de fazer ele assimilar sua proposta. Só assim você saberá as dores do seu consumidor, quais soluções espera, a razão de ele ser seu cliente, a linguagem a ser usada etc.

Defina uma meta

O que se espera atingir com determinado texto? Que ação os leitores devem tomar ao final do artigo que você está escrevendo?

Se você tem um objetivo claro para cada conteúdo que está sendo produzido, a escrita se torna mais fácil e você não se perde no meio do caminho. Essa finalidade pode ser um comentário, conversão em lead, engajamento, geração de mais tráfego para o blog/site ou finalizar uma venda.

Tenha clareza e objetividade

São dois itens que devem ser incorporados em qualquer texto para melhorar sua compreensão. Seja claro para que o público não tenha uma leitura difícil, procure usar termos mais simples e menos rebuscados.

Por último, escreva de forma de objetiva para que o conteúdo não fique confuso e as pessoas não demorem a entender as informações passadas.

Crie empatia com o público

Anteriormente falamos em conhecer as dores do seu consumidor. Então, essa é uma das principais chaves para estabelecer uma aproximação com o leitor. Se você entende dos problemas dele, deve explorá-los no texto, inclusive propondo soluções para que o público se identifique.

Outras formas de gerar empatia são chamar o leitor por “você”, pela profissão ou grupo (quando o foco do conteúdo está em um nicho específico), além de eliminar possíveis excessos de adjetivos e opiniões pessoais.

Use storytellings

Histórias boas e bem contadas costumam chamar a atenção e prender o interesse do público. A maioria das pessoas gosta de acompanhar uma narrativa envolvente, como as descritas em filmes, músicas, conversas com amigos e até em propagandas (como esse exemplo da Nissan abaixo).

Entenda: Homem anuncia seu carro velho de forma tão genial que a própria Nissan quis comprá-lo

Seus textos também podem ser assim, o ponto é fazer com o que o leitor se identifique com os elementos da história e apresentar sua proposta de valor sem ser impositivo.

Torne os textos mais lúdicos

As comparações, analogias, metáforas e exemplificações são algumas formas de tirar o seu leitor do campo teórico e ir para o prático. Aliás, isso costuma até ajudar no entendimento do texto, pois as pessoas passam a ter uma ou mais referências para que determinadas ideias sejam assimiladas.

Poderíamos comparar o copywriting, por exemplo, a um candidato de uma vaga de emprego que é bem-sucedido na entrevista. O postulante ao cargo provavelmente passou confiança ao entrevistador, mostrou bom conteúdo, foi claro, objetivo e conhecia bem a empresa a qual ele pretendia trabalhar.

Neste artigo oferecemos uma amostra de técnicas básicas e mais avançadas de copywriting. Outros métodos devem ser lembrados, como a revisão, o uso de intertítulos para dividir o texto e a utilização de gatilhos mentais em títulos.

Em suma, o que você precisa ter em mente para ter uma redação que venda é construir uma leitura amigável e um conteúdo memorável ao público. Desse modo ele entenderá sua proposta e terá mais confiança em converter no seu e-commerce.

Você tem mais alguma técnica de copywriting para adicionar à lista? Participe nos comentários e assine a nossa newsletter para ter acesso aos conteúdos do nosso site.

Todo blog de e-commerce precisa de um calendário editorial para que as publicações sejam mais organizadas. Esse é um item muito importante no planejamento de conteúdo da sua marca, pois oferece um maior controle sobre o fluxo de postagens, assegura a previsibilidade e garante o perfeito funcionamento desta estratégia.

Criar um blog não é difícil, no entanto, é importante que ele seja bem detalhado e rico em informações, para que você não se perca futuramente. Confira 5 dicas para você montar seu calendário editorial e organizar o seu blog.

Adote uma frequência de publicações

A periodicidade das postagens de conteúdos dependerá muito do tempo que você e sua equipe dispõem para escrever. Não só isso, nessa conta podem entrar fatores como recursos para investir em redatores terceirizados, densidade dos textos produzidos e engajamento do público.

Pense na seguinte situação: ao montar o blog, foi definido que todos os textos seriam mais detalhados, com o mínimo de 1.000 palavras cada um. Nesse caso, não é necessário postar todo dia, pois esse tipo de conteúdo costuma atrair tráfego por mais tempo e demanda mais pesquisas e um período maior para escrever.

Uma frequência de 1 a 2 textos por semana pode ser o suficiente. O contrário aconteceria com artigos mais curtos, o que permitiria uma maior frequência de postagem.

Estabeleça os formatos que serão adotados

Vamos seguir no exemplo dado no tópico anterior. Se apenas textos de no mínimo 1.000 palavras serão publicados, isso não quer dizer que todos eles deverão possuir o mesmo estilo. Por exemplo, você pode alternar entre listas, guias, tutoriais, estender postagens antigas ou inserir infográficos, imagens e vídeos no meio dos artigos.

A ideia é variar os formatos para não tornar as leituras monótonas, além de analisar quais os tipos geram mais tráfego, tempo de permanência no blog, engajamento, maiores taxas de conversão, etc.

Não se esqueça de colocar metas para cada texto

Espera-se de um blog de e-commerce que ele influencie positivamente nas vendas da sua loja virtual, não é mesmo? Cada artigo publicado precisa cumprir uma missão, logo, é muito importante que você defina qual o caminho que o leitor deve seguir após ler um determinado texto.

Isso normalmente é feito por meio dos calls to action (CTA). Pode ser um convite para conhecer seu e-commerce, assinar a newsletter, seguir seus perfis nas redes sociais ou interagir com um comentário na página. O importante é manter o público envolvido para que, aos poucos, ele adquira mais confiança em sua marca e passe a considerar sua loja virtual para resolver seus problemas.

Não deixe de estudar o seu público-alvo

Analisar o comportamento dos consumidores que você pretende atingir é fundamental e você deve saber disso. Não só para definição de temas, mas, principalmente, para determinar a linguagem a ser adotada nos textos e como os problemas da persona serão resolvidos.

Para ajudar o seu público você precisa entregar uma solução e facilitar o entendimento dele, envolvendo-o e trazendo-o para o universo da empresa.

Monte um calendário para seu blog de e-commerce

Você pode usar ferramentas como o Google Calendar, uma planilha no Excel ou até mesmo um sulfite com post-its. O importante é ter um local onde você possa organizar tudo que será publicado em seu blog — como as datas, formatos dos conteúdos, assuntos, títulos das pautas, palavras-chave, etc. A vantagem do app do Google é que ele emite alertas para que não haja riscos de atrasos e nem de esquecimentos com as postagens.

Esse apoio de softwares e aplicativos é importante justamente para manter uma ordem quanto ao funcionamento do blog, pois muitas vezes o foco dos trabalhos está na loja virtual e a produção de conteúdo pode acabar de lado.

Para criar seu calendário é muito importante também estar por dentro de todas as datas importantes do ano. Pensando nisso, montamos este calendário para você começar:

Antecipe sua estratégia para as principais datas do calendário do e-commerce em 2016

A construção de um calendário editorial para um blog de e-commerce gira em torno de um planejamento bem definido. Ele funcionará como um guia para que você não se perca em relação às datas, formatos e objetivos das postagens, às informações importantes sobre o seu público e à ajuda de tecnologias que facilitem a organização das tarefas.

Se você se interessou pelo nosso texto e quer receber mais conteúdos como esse em seu e-mail, assine a nossa newsletter! 🙂

A criação e divulgação de um livro digital passam por uma série de etapas importantes, que incluem análises, conhecimento técnico de algumas áreas e até mesmo o domínio de ferramentas.

Para aprender como montar um e-book, você e sua equipe devem estar focados, entre muitas outras coisas, nas suas personas, na escolha de temas relevantes, na vontade de escrever bastante conteúdo, no aspecto visual e na criação de landing pages.

Para te ajudar nesse processo, vamos mostrar cinco dicas essenciais para saber como montar um e-book para seu blog. Confira!

Estude as personas para ajudar na escolha do tema

O assunto do seu e-book não deve ser baseado apenas no segmento dos produtos que você vende ou pelos textos do blog. Eles devem ser bases complementares às suas personas.

Por exemplo, se você tem uma loja virtual que vende acessórios de informática, nada adiantaria escrever um material incrível sobre as “5 tendências em tecnologia para desktops em 2016” se o público não demonstrar muito interesse pelo tema.

Você pode analisar os produtos que mais vendem em seu e-commerce, os que mais recebem avaliações positivas ou os que têm as taxas de abandono de carrinho mais altas, e vale lembrar que é importante criar e-books para eliminar qualquer dificuldade da persona, quando o motivo pra desistência não for preço, frete, condições de pagamento etc.

O comportamento dos visitantes em seu blog também pode ser fonte de inspiração, especialmente nos temas de posts mais visitados ou comentários. O importante é que você pense em um e-book que ajude a resolver um problema da sua persona.

Defina o tipo e escolha um título matador

Quando falamos em tipo de e-book, estamos nos referindo as estruturas de conteúdo que ele pode ter, como Guias, Tutoriais, Listas e Glossários. Isso está diretamente ligado aos títulos dos e-books, pois geralmente o formato já é exibido logo de capa. É comum encontrar pela internet livros digitais com “15 dicas para…”, “Como fazer…”, “Como aprender…”, “O Guia do…”.

A definição do título tem muita relevância porque é o que mais aparecerá em chamadas para ação em seu blog, nos resultados do Google ou em menções em outros sites. Por isso você deve prometer algo muito valioso para o público logo de cara.

Outro detalhe, não hesite em escrever bastante, é normal que um e-book tenha dezenas de páginas. A chave para a boa aceitação desses materiais é que eles são detalhistas e completos sobre o assunto tratado.

Monte sempre a melhor capa

O desenho da capa é muito importante, já que ele é uma espécie de cartão de visitas do seu e-book. Aqui entra a parte do conhecimento técnico e do domínio de ferramentas. É bom saber ou ter alguém na sua equipe que trabalhe bem com Photoshop, Indesign, Corel ou até mesmo Power Point.

Não necessita ser nenhum expert, porém quanto melhor visualmente sua capa estiver, mais chances de conversão.

Use imagens e links

A vantagem de um e-book é a variedade de itens que podem ser acrescentados. Aproveite essa liberdade e coloque imagens para ilustrar os conceitos passados no texto, usar somente palavras pode tornar a compreensão mais difícil e a leitura entediante.

Já os links podem ser interessantes para você gerar tráfego para páginas do blog e, principalmente, do seu e-commerce – quem sabe conversões não surjam diretamente do seu livro digital?

Crie uma landing page atraente

As páginas de inscrição são fundamentais para você atingir o primeiro objetivo do seu e-book: a conversão, ou seja, o download.

Nas landing pages, o visitante normalmente só tem a opção de colocar seus dados para baixar o material ou fechar a página. Logo, trate de expor os principais benefícios do seu livro digital para o consumidor claramente, explique um pouco do que terá ao longo do e-book e não enrole muito. Se ele já chegou até esse ponto, é porque ele já está interessado em seu material.

O e-book é uma das formas mais interessantes de educar o mercado, melhorar a relação da marca com o consumidor, crescer sua lista de contatos e nutrir seus leads.

Agora que você sabe como montar um e-book, recomendamos a leitura dos 6 mandamentos para criação de conteúdo, pois será bastante útil nos momentos que você precisar de uma forcinha na escrita.