Tags Posts tagged with "capacitação"

capacitação

Livros são grandes recursos de aprendizado: transmitem experiências e conselhos através dos tempos, podendo causar um grande impacto na sua forma de enxergar as coisas.

Contemplei diversos gêneros e áreas, dois idiomas e a opinião de pesquisadores ao redor do mundo e leitores da nossa equipe para listar 20 livros que podem te ajudar a conquistar todo o sucesso que o seu negócio merece:

Em Português

1- A Menina do Vale

O livro que lançou a empreendedora Bel Pesce na mídia não fez tanto sucesso à toa. Disponível para download gratuito e também nas livrarias, conta a trajetória e os aprendizados da brasileira que, ainda jovem, realizou o sonho de estudar no Massachusetts Institute of Technology (MIT), conhecer diversas pessoas influentes e trabalhar em grandes empresas do Vale do Silício, como Microsoft e Google.

2- A Revolta de Atlas

Para quem gosta de ficção, este clássico da filosofia pode ser uma boa pedida. Em três volumes, Ayn Rand referencia o mito grego de Atlas, titã condenado a carregar o peso do céu sobre os ombros, para contar a história de empreendedores criativos que veem seus impérios serem corrompidos por pessoas que desconhecem o valor do trabalho. Uma verdadeira reflexão sobre capitalismo, ética, sociedade e política.

3- A Startup Enxuta

Empreendedor residente na Harvard Business School, Eric Ries compartilha em sua obra algumas experiências e dinâmicas de funcionários de grandes empresas. Isso o permite desenvolver umaconceituação da ideia de Startup Enxuta (ou Lean Startup), tão visada nos dias atuais, que corresponde a baixo custo, agilidade e foco nas expectativas dos clientes.

4- Atravessando o abismo

Abordando diversos conceitos de Marketing, este livro é muito admirado pelos especialistas da área.Geoffrey Moore demonstra a diferença entre os principais tipos de consumidores, as variáveis do macroambiente empresarial, o ciclo de inovação de uma empresa e muitas outras reflexões necessárias para quem está na jornada do negócio próprio.

5- Aventuras empresariais

Este é o livro favorito de Bill Gates, fundador da Microsoft, por um motivo. Escrito por John Brooks ebest-seller do New York Times, compila doze histórias reais de empreendedorismo em empresas de sucesso, como a Xerox e a Ford, analisando os pontos altos e baixos e refletindo sobre questões administrativas mais fortes que o tempo e as fronteiras geográficas.

6- De zero a um: o que aprender sobre empreendedorismo com o Vale do Silício

O principal fator de sucesso não é competir com empresas parecidas, mas tornar a sua única. Essa é a premissa do livro de Peter Thiel, um dos fundadores do PayPal. Defendendo o pioneirismo, o autor discute a trajetória de diversas startups bem-sucedidas para ensinar como viabilizar o crescimento vertical do seu negócio. Trata-se de um dos livros mais recomendados entre os fundadores da Nuvem Shop.

7- Delivering Happiness – Satisfação garantida

Nesta obra, Tony Hshie compartilha sua carreira de empreendedor e comenta a criação e gerência da Zappos. O e-commerce de calçados, referência mundial em atendimento ao cliente, destaca-se por suas iniciativas ousadas, sua inovação no modo de trabalho e, claro, o objetivo de sempre entregar felicidade para as pessoas (mesmo que isso signifique recomendar o concorrente em caso de falta de estoque).

8- Design Thinking: uma metodologia poderosa para decretar o fim das velhas ideias

O Design Thinking é uma abordagem bastante interessante para os gestores, por ajudá-los a enxergar a empresa sob uma ótica mais parecida com a do designers: identificando padrões, buscando inovação e solucionando problemas. Com o livro de Tim Brown, você entenderá esta ideia mais profundamente e verá como aplicá-la à sua realidade.

9- Geração de Valor

Geração de Valor é um projeto de Flávio Augusto da Silva, fundador da WiseUp e um dos maiores empresários do Brasil, que tem como objetivo compartilhar conselhos sobre realização de sonhos, criação de negócios, crescimento pessoal e liderança. O autor resolveu compilar alguns de seus melhores artigos em um livro, cujos lucros de direitos autorais seriam usados para reformar escolas no nordeste brasileiro.

10- Marketing 3.0 – As forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano

Você já ouviu falar de Marketing 3.0? Trata-se de uma nova forma de direcionar essa atividade, dando prioridade ao lado emocional dos consumidores e destacando a missão a visão e os valores da empresa. Neste livro, Philip Kotler, considerado uma das maiores referências da área, apresenta sua perspectiva da prática.

11- O Lado Difícil das Situações Difíceis

Em uma obra que vai na contramão das outras, Ben Horowitz discorre a respeito das situações administrativas “sobre as quais ninguém fala”: demissões, crises, vendas da empresa e muitas outras. Uma leitura prazerosa e enriquecedora que conta a trajetória de um dos maiores empreendedores do Vale do Silício sob um ponto de vista pessoal.

12- O Poder do Hábito

Qual o segredo das pessoas bem-sucedidas? Aquelas que são produtivas, disciplinadas e arrumam tempo para tudo o que querem ou precisam fazer? Segundo o pesquisador Chales Duhigg, é apenas uma questão de hábito. Neste outro best-seller do New York Times, você entenderá como implementar novos comportamentos na vida pessoal e, claro, profissional.

13- Steve Jobs

Escrita por Walter Isaacson, a biografia construída a partir de entrevistas promete desvendar alguns aspectos da personalidade empreendedora e peculiar do gênio da Apple. Steve Jobs revolucionou diversas indústrias, em especial a de tecnologia, e tornou-se uma das maiores referências mundiais graças à sua criatividade e a ousadia nos negócios.

14- TED Talks

Um bom líder precisa saber se comunicar. Então, para não dizer que não indicamos lançamentos, a dica é o livro do projeto TED com técnicas de oratória. Nele, você aprende os segredos dos palestrantes para transmitirem sua mensagem de maneira clara e carismática, demonstrando domínio do assunto e, ao mesmo tempo, gerando credibilidade.

Em Inglês

15- Brain Chains

O desenvolvimento pessoal está totalmente relacionado à maneira como você usa suas próprias capacidades (inclusive, como já falamos acima, para criar hábitos). Com base em diversas pesquisas, Theo Compernolle se propõe a apresentar alguns métodos de aprimorar o funcionamento do seu cérebro e explorá-lo ao máximo.

16- Creativity, Inc.: overcoming the unseen forces that stand in the way of true inspiration

Este livro é considerado um dos melhores sobre liderança e empreendedorismo de todos os tempos. Escrito por Ed Catmull, atual presidente do Walt Disney Studios, DisneyToon Studios e cofundador da Pixar Animation Studios, em parceria com Amy Wallace, traz inúmeras dicas para construir a cultura criativa da sua empresa e criar grandes obras.

17- Elon Musk: Tesla, SpaceX, and the quest for a fantastic future

Elon Musk é um executivo muito admirado no Vale do Silício, sendo responsável por tornar grandes empresas como o PayPal, a SpaceX, a Tesla Motors e a SolarCity o que elas são hoje. Nesta biografia, o jornalista Ashlee Vance destaca alguns momentos da trajetória do empreendedor e mostra o que podemos aprender com cada consequência.

18- Rework

Com a promessa de quebrar os clichês administrativos, este livro de Jason Fried traz orientações variadas a respeito do que você realmente precisa para criar um negócio e alcançar o sucesso, deixando de lado alguns pontos que, segundo o próprio autor, são apenas “desculpas”. Tudo de uma forma descontraída, dinâmica e direta ao ponto.

19- The Intel Trinity: how Robert Noyce, Gordon Moore, and Andy Grove Built the world’s most important company

Por seu importante papel na evolução da tecnologia, a Intel chegou a ser considerada a empresa mais importante do mundo. Seja isso ainda verdade ou não, é inegável sua relevância e o quanto podemos aprender com sua história. Com base nisso, Michael Malone reúne os principais fatos da linha do tempo da companhia a partir de seus três gestores principais.

20- The Long Tail: why the future of business is selling less of more

Em sua obra, Chris Anderson discorre sobre o consumo dos produtos com baixa demanda, argumentando que eles têm um potencial maior do que muitos outros. Uma reflexão interessante sobre o mercado, a verdadeira relevância de uma empresa e, claro, a produção em si.

Texto publicado anteriormente no Blog da Nuvem Shop.


Mais livros?

7 livros que todo empreendedor de e-commerce deve ler

O e-commerce vem se tornando cada vez mais popular no Brasil e no mundo devido ao ganho de credibilidade e facilidade de comprar sem sair de casa. Embora isso abra portas para um nicho lucrativo, é preciso saber como atuar no mercado da maneira certa para obter todos os resultados esperados.

Nesse sentido, qualificação é fundamental e por isso optar por um curso de e-commerce pode ser a melhor opção. Mas como escolher da maneira certa?

Preste atenção ao nível do curso

Um curso de e-commerce não vai ser sempre igual e, por isso, é necessário que você comece avaliando qual é o nível oferecido. Isso significa que você precisa saber se o curso é mais básico, mais aprofundado ou se tem uma abordagem mais prática ou mais técnica.

Saber isso é importante porque é necessário que o curso esteja adequado às suas necessidades e conhecimentos prévios.

Se você não sabe por onde começar, um curso mais básico é indicado. Se, por outro lado, você já tem uma boa ideia sobre o e-commerce em geral, então um curso mais avançado e complexo é melhor para evitar que você veja conteúdos que já tem conhecimento.

7 Competências para te destacar no mercado de e-commerce

Conheça a reputação do curso

Outro fator indispensável para escolher o curso de e-commerce ideal é conhecer a reputação do curso. Isso significa conhecer a credibilidade da instituição que oferece o curso e também dos professores que serão responsáveis por transmitir o conhecimento.

Essa etapa é importante porque, para que o curso seja realmente relevante e produtivo, é necessário que ele seja oferecido por pessoas que possuam profundos conhecimentos no assunto. Assim, quanto melhor for a reputação e quanto maior for a experiência, maiores as chances de que o curso atenda às suas expectativas e necessidades.

Avalie a possibilidade de aplicação prática

O objetivo do curso não deve ser apenas ensinar a você mais sobre e-commerce, mas também fornecer ferramentas que possam ser usadas na prática. Por isso, é importante avaliar a possibilidade de os ensinamentos do curso serem aplicados de maneira prática.

Embora um curso extremamente teórico tenha, sim, o seu valor, é preciso aplicar esses conceitos na realidade desse tipo de comércio. Por isso, avalie quais serão os tópicos ensinados e veja como isso se aplica na realidade prática do e-commerce. Quanto mais aplicação prática tiver, melhor para os resultados.

Um ótimo indicativo é checar se os instrutores são profissionais que estão atuando no mercado. Isso mostra que ele tem experiência prática ATUAL nos conceitos que está abordando.

Procure sobre o sucesso de ex-alunos

Falando em resultados, poucas coisas dizem tanto sobre a qualidade de um curso de e-commerce do que o sucesso dos ex-alunos. Se outras pessoas que fizeram o curso conseguiram aplicar os conhecimentos e obtiveram resultados satisfatórios com isso, então grandes são as chances de que você também consiga.

Assim como você pretende que seus clientes vejam as opiniões de outros clientes para estimular a compra, você também deve procurar a opinião de ex-alunos. Ao fazer isso, você garante que a escolha seja feita em cheio e que, ao final, você esteja muito mais preparado para esse tipo de comércio.

E-commerce: não há mais espaço para amadores

Escolher o curso de e-commerce ideal não é nenhuma tarefa difícil, mas precisa de alguns cuidados especiais. Gostou das nossas dicas? Ficou com vontade de fazer um curso em breve? Pare de perder tempo, com conhecimento suas chances de prosperar no mercado serão muito maiores.

Caso sua intenção seja se alocar em alguma empresa, cursos de especialização também são muito bem vistos pelos gestores. Pesquise bem e faça a escolha certa.

Cada segmento de mercado exige dos profissionais que nele atuam algumas características peculiares que estão além de suas experiências acadêmicas. Para que você entenda melhor o que estamos dizendo, pense em um gerente de uma loja física e de uma loja online. Por mais que ambos tenham tido, provavelmente, a mesma formação técnica, serão necessários conhecimentos específicos para cada uma das atuações.

Pensando nisso, no post de hoje, vamos falar sobre como contratar uma equipe campeã para seu e-commerce. Ficou interessado no assunto? Então leia nosso post e saiba mais!

Saiba quais são as características desejadas para o profissional de e-commerce

De acordo com vários empreendedores do mercado web, um bom profissional para atuar neste segmento precisa ser um ótimo líder, para conseguir interagir facilmente com todas as áreas da empresa.

Outras habilidades de destaque estão relacionadas à capacidade de desenvolver ações estratégicas, que possam diferenciar o negócio no qual ele trabalha; atenção e disponibilidade durante longos períodos do dia e da noite, já que a loja virtual está “aberta” 24h; incansável busca por novas técnicas e informações do cenário de e-commerce no país e no mundo; dentre outras.

Resumindo: espera-se que este profissional tenha uma visão multidisciplinar e disposição para capacitar-se constantemente a fim de acompanhar este ambiente que está sempre passando por mudanças.

Funções e formações de um gerente de e-commerce

Para que um gerente de e-commerce possa vir a alcançar a excelência no desenvolvimento de suas atividades, ele precisa ter conhecimentos suficientes sobre diversas áreas da empresa, que o possibilitem fazer intervenções necessárias. Dentre eles, podemos destacar habilidades em: controle dos processos internos, gestão de TI, logística, marketing digital, prospecção de novos mercados e produtos, controle de meios de pagamento e relacionamento com o cliente.

Em relação às formações, normalmente as básicas estão ligadas à administração de empresas, ciência da computação e marketing digital. Mas como é perceptível, este profissional deverá ser polivalente e terá que ter um olhar plural sobre diversas áreas da empresa. E por este ser um mercado relativamente novo, nem sempre você o encontrará pronto, com todos os conhecimentos internalizados.

Por isso, é importante que você esteja disposto, assim como ele, a investir em capacitações para conseguir um profissional que se torne um diferencial produtivo na sua empresa.

O que é preciso na hora de fazer a contratação

Agora que você já sabe quais as características essenciais, funções e formações esperadas de um profissional de e-commerce, na hora de montar uma equipe campeã, peça aos candidatos que comprovem suas experiências por meio de portfólios e certificados. Normalmente, fica difícil mentir quando não se tem estes dados, e facilita bastante na hora de “peneirar” os melhores.Marque entrevistas presenciais e veja a disposição (e porque não, paixão) de cada um para enfrentar este mercado que é desafiador, porém, gratificante. Seguindo isso, você conseguirá escolher os melhores.

Tem alguma outra característica a acrescentar à lista? Deixe um comentário e participe da conversa!

Infográfico: Como será a escola do futuro. O Exame.com publicou semana passada um artigo bastante válido para entender a demanda sobre a educação, tanto do perfil do jovem quanto do futuro das universidades. Assim como já adotamos na Universidade Buscapé Company, a tecnologia não pode mais ser descartada para capacitação profissional, e o conceito multicanal deve estar sempre presente. Além de poder escolher o meio, a relação entre professor e aluno passa a ser colaborativa, com troca de experiências e de preferência práticas.

Apesar de algumas pessoas defenderem que a tecnologia pode privar a criatividade por falta de recursos e esfriar as relações humanas, ela acumula muitas vantagens antes inviáveis: monitorar a evolução de um aluno ou aplicar uma metodologia de ensino totalmente personalizada nunca foi tão acessível. Quando utilizada da maneira correta, torna o processo de conhecimento muito mais amplo e rico.

————————————————————————————————————————————–

“Não adianta apenas dispor de artefatos tecnológicos. Se você não sabe como usá-los, computadores, tablets e smartphones são apenas um monte de ferramentas inúteis. Tecnologia é saber usar as ferramentas de que se dispõe, em busca dos melhores resultados”, ensina Carlos Seabra, consultor em novas mídias da Editora FTD.

O desafio das escolas hoje é combinar metodologia de ensino e tecnologia, com base no tripé competitividade, capacitação dos professores e gestão. Como diz Carlos Seabra, a tecnologia por si só não melhora ou piora a qualidade do ensino. É como um megafone – só amplifica. Nas mãos de um desafinado, não vai gerar nenhum bom resultado.

No ensino superior, os desafios não serão muito diferentes. O infográfico abaixo, produzido pela Porvir, resume o que vai reger a educação superior em um futuro já muito próximo.

[por Mariela Castro]

Infográfico: Como será a escola do futuro

Veja também: A revolução da educação digital, publicado pela Exame.com

Segundo dados da E-bit, em 2013 vamos atingir a marca de 50 milhões de consumidores online. Este número é superior a população da Colômbia ou da Argentina, ou ainda, da população do Chile e Venezuela somadas. Isto se concretizando, teremos praticamente metade da nossa população total de internautas (em torno de 102 milhões segundo a Navegg), comprando online. Índice digno de países europeus!

E qual o reflexo disso no segmento de e-commerce? Uma enorme procura por mão de obra qualificada. Para se ter uma ideia, no ano passado uma pesquisa realizada com 254 lojistas virtuais pela Universidade Buscapé Company e E-Bit, revelou que 65% dos candidatos entrevistados a uma vaga não atendiam o perfil desejado.

Falta capacitação para o mercado de e-commerce no BrasilAtualmente, este mercado tem uma grande carência de profissionais como analistas de marketing digital voltados para o varejo online com salários entre R$ 2 mil a R$ 3 mil reais, a gestores de e-commerce ou diretores, com salários de R$ 15 mil a R$ 25 mil reais, levando em consideração grandes operações que já estão com o e-commerce consolidado.

Leia também: E-commerce B2C fatura R$ 22,5 bilhões em 2012

Ao analisar as oportunidades do setor, muitas vezes uma questão é levantada: É necessário entender de programação para trabalhar com e-commerce?

A resposta é: não necessariamente. Tomando mais uma vez o cenário brasileiro,  temos uma outra situação favorável em relação aos demais países da América do Sul, possuímos um grande número de empresas que desenvolvem sistemas para e-commerce, as chamadas plataformas e muitos sistemas de pagamentos online voltados para o varejo online.

Isto possibilita rapidez na implementação de lojas virtuais, faz com que haja mercado para programadores e também grandes oportunidades para profissionais que não entendem de programação. Estes últimos serão responsáveis pela gestão e pelo Marketing da loja que se não for bem feito, comprometerá o sucesso de toda operação.

Como então aproveitar esse momento tão favorável para abrir uma loja virtual ou trabalhar com e-commerce?

A resposta é simples: se capacitando. Aconselho a começar por um curso que lhe dê uma visão geral sobre uma operação de E-commerce que aborde implementação, Marketing e Administração e depois cursos mais específicos na área que lhe despertar interesse, pois não faltam áreas importantes nesses mercado como Web Analytics, Mídias Sociais, SEO, Logística, Atendimento ao cliente, entre outras.

Outra dica importante é, terminando de fazer algum curso, coloque em prática os ensinamentos, mesmo que de forma simples. Por exemplo, monte uma campanha com alguma ferramenta do Marketing Digital (Links Patrocinados, Mídias Sociais, SEO, E-mail Marketing etc.) para a empresa do seu vizinho ou parente, crie uma loja virtual usando uma plataforma simplificada (existem boas opções gratuitas), mesmo que seja apenas para conhecer a solução.

As empresas de e-commerce ou agências de Marketing Digital sempre valorizam muito as experiências práticas dos candidatos a vagas, mesmo que sejam pequenas.

Nesta quinta-feira (07/03), a Universidade Buscapé Company foi destaque no Caderno de Economia do Jornal O ESTADO DE S. PAULO. Falando de Carreiras, nosso diretor Daniel Cardoso (foto), destacou a importância da capacitação para os profissionais de e-commerce.

A pesquisa referência da e-bit citada na matéria foi notícia na Revista VEJA em outubro de 2012: E-commerce brasileiro procura profissionais. E não acha.

Nayara Fraga destaca ainda a gama de cursos da Universidade Buscapé e o fato de 70% dos professores trabalharem no grupo Buscapé Company.

Daniel Cardoso é destaque no jornal  O ESTADO DE S. PAULO desta quinta-feira.
Daniel Cardoso é destaque no jornal O ESTADO DE S. PAULO desta quinta-feira.

Leia a matéria na íntegra:

Estadão

07/03/2013 | Por NAYARA FRAGA, estadao.com.br

Formação é arma do e-commerce contra ‘apagão’ de talentos

Apesar de pagar salários acima da média do mercado, empresas têm dificuldades para achar mão de obra qualificada

“Um profissional júnior que trabalha no comércio eletrônico ganha, na maior parte dos casos, um salário compatível com o da categoria sênior – se analisados casos semelhantes em outros segmentos. O valor recebido chega a ser até 60% superior ao que o funcionário deveria ganhar com as qualificações que possui, segundo estimativas do diretor da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (câmara e-net), Gerson Rolim.

Tamanha distorção torna difícil a contratação de funcionários no e-commerce. Em pesquisa da consultoria e-bit, 274 lojas virtuais afirmaram que 65% dos candidatos a emprego entrevistados em 2012 não preenchiam requisitos exigidos.

Essa carência de gente capacitada estimula, de um lado, o “roubo” de executivos de empresas consagradas, como o Submarino – ex-funcionários do site são figuras frequentes em empreendimentos iniciantes. Por outro lado, é também um estímulo à criação de cursos voltados exclusivamente para o e-commerce.

O grupo Buscapé, que nasceu com o comparador de preços, oferece 32 cursos online e três presenciais em sua universidade corporativa. As áreas de conhecimento variam de logística a SEO (estratégia para aparecer no topo dos resultados de uma busca na web), e 70% dos professores são da própria companhia.

“Entre as pessoas que procuram os cursos estão donos de lojas físicas que pretendem abrir loja virtual e pessoas que veem oportunidade de construir carreira no setor”, diz o diretor da Universidade Buscapé, Daniel Cardoso. Uma empresa de e-commerce precisa de profissionais com conhecimento em marketing digital, links patrocinados, métricas na web, atendimento ao cliente e logística.

Segundo Cardoso, na Universidade Buscapé ensina-se inclusive o que não fazer: por exemplo, montar um site animado todo em Flash, que não é facilmente achado no Google. Há lições ainda sobre os empreendimentos que têm maior chance de obter sucesso. “Hoje, ou você parte para o nicho ou tem uma ideia revolucionária”, diz André Lucena, que fez um curso no Buscapé e pretende montar um site de artigos para corrida de rua.

A iniciativa do Buscapé também tem um interesse comercial. O grupo tem 14 empresas e os cursos ensinam como usar os serviços dessas companhias.

Há também outros projetos voltados para o ensino do e-commerce no País. A câmara e-net diz que vai ministrar cursos a partir de abril de 2013 em parceria com o Sebrae. A E-commerce School, de São Paulo, tem hoje 20 cursos na grade que custam de R$ 30 a R$ 3 mil. Já a ESPM forma 100 alunos por ano, desde 2007, no curso “E-commerce: os novos caminhos do varejo”.

Saída. Já a Netshoes, que vende calçados e acessórios na web, investe no treinamento interno de sua mão de obra para não ter de participar de “leilões” por trabalhadores. A empresa tem um centro de treinamento que ocupa um andar inteiro de sua sede, em São Paulo. O total de horas de treinamento aumentou de 20 mil, em 2010, para 153 mil, no ano passado. A Netshoes, que hoje mantém uma “escola de negócios”, montará sua própria universidade corporativa este ano.”