Tags Posts tagged with "compre da china"

compre da china

Receita e Correios terão sistema para tributar compras online do exterior. Em janeiro e fevereiro deste ano, as compras de mercadorias feitas por brasileiros no exterior via internet e entregues pela via postal deram um salto da ordem de 40% sobre o ano passado, e alertaram a máquina de arrecadação do Fisco, que já prepara ações para atacar esse “nicho”. O País tem recebido perto de 1,7 milhão de pacotes a cada mês, quando no início de 2013 o volume era da ordem de 1,2 milhão. No ano passado, foram 18,8 milhões no total, segundo dados da Receita Federal.

Receita e Correios terão sistema para tributar compras online do exterior.

A maior parte dessa farra de consumo tem chegado ao comprador sem a cobrança de tributos, mas isso está prestes a mudar. Um sistema que está sendo montado em parceria com os Correios e a Receita vai automatizar a fiscalização, que hoje é feita por amostragem.

E, ao contrário do que muita gente pensa, o que se adquire de estabelecimentos comerciais no exterior é sujeito a tributação, independentemente do valor. Há exceções, como livros, periódicos, medicamentos com receita médica e bens enviados por pessoa física de valor até US$ 50,00.

O sistema deverá entrar em teste em setembro deste ano, segundo informou a chefe da Divisão de Controles Aduaneiros Especiais da Receita, Edna Beltrão Moratto. A previsão é de que seja implantado em janeiro de 2015.

Segundo Edna, os impostos federais incidentes sobre as compras no exterior pela via postal são de 60%. Mas ainda tem o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que é estadual. Os Correios poderão ser incumbidos de recolher essa parte.

Rapidez

A expectativa do governo é de que, por outro lado, a liberação das mercadorias se torne mais rápida. Hoje, quando um produto chega e cai na amostragem, é calculado o valor do imposto e o comprador recebe um comunicado dos Correios em casa. Ele deve recolher o tributo e retirar a mercadoria na agência.

Com o novo sistema, o governo vai saber o que está sendo comprado antes mesmo de a mercadoria chegar, segundo explicou José Ademar de Souza, do Departamento Internacional dos Correios. “A partir da compra, o site repassa antecipadamente as informações para a Receita”, informou.

Os dados, explicou ele, podem ser fornecidos tanto pelo exportador quanto pelo operador logístico – no caso, o correio do país de onde a mercadoria vem. Existe uma legislação internacional que prevê a troca de informações entre os serviços postais.

“Temos a possibilidade de, a partir da informação, fazer a parte da tributação”, explicou Souza. “E fazer uma interação com o cliente via internet.” A ideia é permitir que ele pague os tributos via internet e receba o bem em casa, em vez de ter de buscá-lo nos Correios.

Edna explicou que o sistema terá filtros para detectar as mercadorias que exigirão mais atenção dos fiscais. Por exemplo, se a compra está subfaturada, ou seja, com um valor declarado baixo, para diminuir o valor do imposto a pagar. Para isso, a Receita se baseia num parâmetro internacional de preços e outras fontes de informação. “Às vezes, a mercadoria está lá com um valor muito menor do que o que a loja anuncia no site”, exemplificou Edna.

Hoje, todas as compras que chegam ao País passam por uma análise da Receita e, às vezes, de outros órgãos do governo, como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Todos os pacotes passam por um raio X, onde se verifica se a mercadoria não é de importação proibida – como armas e drogas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicação da Info Exame.

Em breve, ficará mais difícil resistir à tentação de comprar acessórios, componentes, roupas, bugigangas e outros em sites como DealExtreme e FocalPrice. É que, numa tentativa de aumentar as exportações, o governo chinês decidiu incentivar as compras online internacionais, o que deverá resultar em taxas e prazos de entrega menores, mesmo para países longínquos como o Brasil.

O primeiro passo neste sentido está na facilitação do despacho de pedidos nas barreiras aduaneiras, incluindo aí redução de eventuais taxas de envio e geração mais eficiente de documentos. Isso significa que os produtos poderão sair com mais rapidez da China e chegar aos países de destino em menor tempo. Outra medida visa facilitar o recebimento dos pagamentos, muitos dos quais feitos via PayPal.

Leia também: Game of Thrones do E-commerce: A Estratégia da Amazon para dominar totalmente o varejo online mundial

E não para por aí: o governo chinês também pretende, entre outras iniciativas, fornecer linhas de crédito atraentes para promover a expansão das lojas, reduzir os impostos pagos por estas empresas e até mesmo construir um monumental centro de distribuição na cidade litorânea de Hancheu.

E-commerce chinês de olho no mercado brasileiroOs brasileiros estão entre os maiores clientes de sites chineses, mesmo em época de dólar alto, como agora. E há motivos de sobra para isso: pode-se adquirir produtos dos mais diversos tipos por preços muito menores que os praticados no Brasil, sem contar a imensa variedade de itens inusitados que só podem ser encontrados nestes sites.

É claro que é necessário considerar também a outra extremidade deste sistema. Quem já fez compras em sites estrangeiros sabe que, quando o pacote chega ao Brasil, pode levar semanas para ser entregue pelos Correios e, de acordo com as leis de importação, está sujeito à taxação.

Mas nem isso, nem o risco de adquirir produtos de qualidade duvidosa é capaz de amenizar a sede de compra dos brasileiros. Levando em este aspecto em conta, não me surpreenderia saber que as medidas do governo chinês têm como foco justamente os compradores do nosso país.

Publicado no Tecnoblog.net | Lojas online chinesas terão entregas internacionais mais rápidas e menos taxas