Tags Posts tagged with "e-bit"

e-bit

A E-bit anunciou durante o evento VTEX Day, realizado no dia 12 de maio em São Paulo, os vencedores do 13ª Prêmio E-bit Melhores Lojas do E-commerce. A grande vencedora foi a Americanas.com, eleita como “Melhor Loja Diamante” tanto por critérios técnicos como também pela votação popular dos e-consumidores brasileiros.

Também foram premiadas como “Melhores Lojas Diamante” Submarino, Walmart, Magazine Luiza e Extra. Outras lojas contempladas por critérios técnicos foram Nikkey Cosméticos, como “Melhor Loja Ouro”; Jóias Gold, “Melhor Loja Prata”; e BringIT, “Melhor Loja Bronze”.

Para a escolha das vencedoras em “Prêmios Especiais”, experts do mercado participaram do corpo de jurados.  O “Melhor NPS” foi para O Boticário; em “Loja Especializada”, a Sephora venceu; e para “Mobile”, Privalia foi a escolhida.

O diretor executivo da E-bit/Buscapé, André Ricardo Dias, avalia como positiva a evolução do desempenho das lojas online num mercado cada vez mais competitivo.

“Entendemos que o Prêmio E-bit é um dos grandes incentivadores para melhoria no nível de serviços do comércio eletrônico brasileiro, sendo a premiação mais valorizada no País. A disputa entre as lojas em 2015 foi muito concorrida tanto nos critérios técnicos quanto na votação popular, onde registramos um recorde no número de votos, o que mostrou o empenho dos sites na busca pelas primeiras posições”, comenta.

Veja a lista completa dos vencedores abaixo ou no link http://www.ebit.com.br/premio-ebit-2016.

Lojas mais queridas

Loja Diamante: Americanas
Alimentos e Bebidas: Pão de Açúcar Delivery
Bebês: Klin
Casa e Decoração: Tok&Stok
Cosméticos e Perfumaria: Rede Natura
Livraria e Entretenimento: Saraiva
Moda e Acessórios: Dafiti
PetShop: PetLove
Saúde (Medicamentos): Ultrafarma

Melhores lojas

Melhor Loja Diamante (1º lugar): Americanas
Top 5 Diamante: Americanas
Top 5 Diamante: Submarino
Top 5 Diamante: Walmart
Top 5 Diamante: Magazine Luiza
Top 5 Diamante: Extra

Melhor Loja Ouro: Nikkey Cosméticos
Melhor Loja Prata: Jóias Gold
Melhor Loja Bronze: BringIT

Prêmios especiais

NPS: O Boticário
Loja Especializada (Nicho): Sephora
Mobile: Privalia

Prêmio E-bit 2014. A E-bit realizou na tarde de terça-feira, 28/07/2015, direto do Fórum E-Commerce Brasil, a 12ª edição do Prêmio E-bit Melhores Lojas do E-commerce. As lojas foram escolhidas por voto popular através do site da E-bit.

Ao todo, são mais de 100 lojas que disputaram a preferência do público como “Loja Diamante Mais Querida” e também nas categorias “Alimentos e Bebidas”; “Bebês”; “Casa e Decoração”; “Cosméticos e Perfumaria”; “Livraria e Entretenimento”; “Moda e Acessórios”; “Petshop”; e “Saúde”.

Além dessas, a E-bit premiou ainda as Melhores Lojas do Ano, tendo como critério aquelas que obtiveram as melhores notas em 2014, baseado nas pesquisas coletadas com consumidores no pós-compra.

Confira os vencedores das categorias.

Melhor Loja Diamante

Submarino - As melhores lojas virtuais em 2014.

Top 5 Melhores Lojas Diamantes

melhores-lojas-2015

Melhor Loja Ouro

sepha

Melhor Loja Prata

biopoint

Melhor Loja Bronze

maze

Lojas mais Queridas

Loja Diamante Mais Querida

Americanas - As melhores lojas virtuais em 2014.

Bebês

Tricae - As melhores lojas virtuais em 2014.

Alimentos e Bebidas

Pão de Açúcar - As melhores lojas virtuais em 2014.

Casa e Decoração

tokestok

Cosméticos e Perfumaria

oboticario

Livraria e Entretenimento

saraiva

Moda e Acessórios

centauro

PetShop

meuamigopet

Saúde

netfarma

Prêmios Especiais

Inovação

Extra - As melhores lojas virtuais em 2014.

NPS

fastshop

Veja também: As campeãs do ano passado. Mais informações sobre o Prêmio E-bit 2015.

Roupas masculinas aparecem como melhor área no comércio eletrônico para os próximos cinco anos nos Estados Unidos. Mas e no Brasil, quais seriam as melhores áreas?

Por PEGN. Cada vez mais vaidosos, os homens estão impulsionando as vendas online de roupas. Segundo um estudo feito pela consultoria IBISWorld, o comércio eletrônico de Roupas masculinas foi o que mais cresceu nos últimos cinco anos nos Estados Unidos.

O estudo analisou o crescimento de vários segmentos entre 2010 e 2015 e os e-commerces de roupas masculinas apresentaram avanço de 17,4%, ficando na frente de setores mais consolidados como Eletrônicos e Bebidas. Confira a relação completa do crescimento entre 2010 e 2015:

crescimento-segmentos-2010-2015
Pesquisa publicada no IBISWorld. Dados referentes aos varejos online e offline dos Estados Unidos.

• Roupas masculinas: 17,4%
• Comidas: 16,7%
• Sapatos: 13,6%
• Saúde, vitaminas e suplementos: 13,4%
• Computadores e tablets: 11,4%
• Cosméticos: 10,9%
• Cerveja, vinho e outras bebidas: 10,8%
• Arte: 10,6%
• Joias: 8,9%
• Peças automotivas: 8,1%
• Produtos para pets: 7,1%
• Flores: 3%
• Cartões e presentes: 1,8%
• Óculos e lentes de contatos: 1,3%
• Câmeras: 0,9%

Em seguida, aparecem sites de Comidas, com aumento esperado de 12,2%, Sapatos (8,3%), Produtos de Saúde e Suplementos (7,2%) e Computadores e Tablets (7,1%). Confira a relação completa da expectativa de crescimento entre 2015 e 2020:

crescimento-segmentos-2015-2020
Pesquisa publicada no IBISWorld. Dados referentes aos varejos online e offline dos Estados Unidos.

• Roupas masculinas: 14,2%
• Comidas: 12,2%
• Sapatos: 8,3%
• Saúde, vitaminas e suplementos: 7,2%
• Computadores e tablets: 7,1%
• Cosméticos: 6,7%
• Cerveja, vinho e outras bebidas: 6,6%
• Arte: 6,2%
• Joias: 6%
• Peças automotivas: 5,9%
• Produtos para pets: 5,1%
• Flores: 3,7%
• Cartões e presentes: 2,4%
• Óculos e lentes de contatos: 1,8%
• Câmeras: 1,6%

Segundo o instituto de pesquisa, o mercado de vendas online cresceu uma taxa de 8,9% ao ano nos últimos cincos, chegando a faturar quase US$ 315 bilhões. O estudo demonstrou também que as vendas pela internet cresceram em ritmo bem mais acelerado do que em lojas físicas. Texto publicado no site da Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios.


O E-commerce brasileiro, apesar de suas particularidades, normalmente acompanha as tendências do mercado norte-americano, um mercado mais amadurecido. Porém, vale o destaque para o fato de que a categoria de Roupas Masculinas não é a líder do nosso mercado.

Dados divulgados no último relatório E-bit Webshoppers.

A Categoria de Moda & Acessórios realmente lidera em pedidos no mercado brasileiro, porém segundo a E-bit, “Roupas Masculinasnão é a principal dentro desta categoria. Em volume de pedidos no Brasil, os homens representam 51%, porém dentro da Categoria Moda & Acessórios, são 62% de mulheres.

Veja mais números do mercado de E-commerce.

Crescimento que no ano passado foi de 38%, deve chegar à 8% este ano.

SÃO PAULO (Reuters) – As vendas do comércio eletrônico brasileiro devem subir 8% no Dia dos Namorados sobre o mesmo período do ano passado, atingindo um faturamento aproximado de 1,49 bilhão de reais, segundo estimativas da E-bit divulgadas nesta quinta-feira.

O crescimento será bem inferior ao do ano passado, quando na mesma época o avanço foi de 38% na comparação com 2013, para 1,38 bilhão de reais.

A expectativa é que este ano produtos como smartphones, livros, DVDs, sapatos, botas femininas, brinquedos e videogames liderem as vendas.

“Mesmo em um cenário econômico adverso, o consumidor enxerga o canal como uma forma de economizar e buscar melhores oportunidades de preço e pagamento”, disse André Ricardo Dias, Diretor de Inteligência e Pesquisa da E-bit.

Para 2015, a estimativa de crescimento foi mantida em 20%, em linha com 2014, quando o faturamento somou 35,8 bilhões de reais, alta de 24% na comparação com 2013.

Confira todos os números de faturamento divulgados sobre o E-commerce no Brasil.

Setor oferece variedade de produtos para público feminino, trazendo ainda como vantagens preço competitivo e facilidades na compra

De acordo com a E-bit o Dia das Mães 2015 deve movimentar R$ 1,9 bilhão para o setor em 2015. O valor representa um crescimento nominal de 18% em relação ao mesmo período do ano passado, quando o e-commerce brasileiro faturou R$ 1,6 bilhão.

Em tempo de crise, o aumento do tíquete médio (movimento comum em tempos difíceis) é um dos fatores que impulsionarão o faturamento do setor. Principalmente pelo comportamento do consumidor, que opta por produtos com valor mais alto, mesmo com o volume de pedidos estável. Ainda segundo o levantamento, categorias como Cosméticos e Perfumaria/Saúde; Moda e Acessórios; Eletrodomésticos; Telefonia e Celulares; Livros, Assinaturas e Revistas; e Casa e Decoração devem ser as mais buscadas no período.

“O Dia das Mães é uma das datas mais fortes do ano para o varejo, e no e-commerce não é diferente. O setor apresenta uma grande variedade de produtos pra este público e atrai também pela facilidade de compras, o que se comprova pela forte participação feminina no consumo, e este ano há um fator ainda mais importante a se considerar, que é o econômico, já que as lojas online costumam oferecer preços mais vantajosos”, lembra Pedro Guasti, diretor executivo da E-bit.

Veja todos os números e datas mais importantes do mercado de e-commerce no Brasil: Os números do E-commerce.

O ano de 2014 apresentou resultado bastante positivo no comércio eletrônico brasileiro, tendo superado mais uma vez a expectativa inicial para o faturamento do setor e registrado crescimento de 24% em relação a 2013.

A receita chegou a R$ 35,8 bilhões, resultado dos 103,4 milhões de pedidos feitos, sendo 17% maior que do ano anterior. Essas e outras informações compõem o 31º WebShoppers, relatório sobre o comércio eletrônico brasileiro divulgado hoje, dia 4, pela E-bit.

Ao todo, o Brasil soma 61,6 milhões de e-consumidores únicos, aqueles que já fizeram ao menos uma compra online. Em 2014, 51,5 milhões estiveram ativos e, destes, os entrantes, aqueles que tiveram sua primeira experiência, eram 10,2 milhões. O tíquete médio foi de R$ 347, valor 6% acima do registrado em 2013. Até o final de 2015, a E-bit prevê que o e-commerce alcance um faturamento de R$ 43 bilhões, 20% maior que o último ano.

Veja também: Todos os números do e-commerce no Brasil

“A cada ano percebemos um amadurecimento maior do setor de e-commerce no Brasil. Tanto as lojas estão melhorando a experiência de navegação e compra em seus sites, como os consumidores estão confiando mais e aproveitando esta praticidade com as diversas vantagens que a compra online oferece, como descontos, variedade de produtos e entrega em casa”, explica o diretor executivo da E-bit, Pedro Guasti.

Confira o infográfico exclusivo que desenvolvemos para compilar os principais dados do relatório:

E-commerce cresce 24% e vende 35,8 bilhões em 2014

Categorias mais vendidas

Moda & Acessórios continua sendo a categoria que mais vende pela Internet, com 17% de participação no volume de pedidos. Em seguida, estão Cosméticos & Perfumaria/Cuidados Pessoais/Saúde (15%), Eletrodomésticos (12%), Telefonia & Celulares e Livros/Assinaturas & Revistas (8%) e Informática e Casa & Decoração (7%), para completar as cinco primeiras posições.

categorias-mais-vendidas-webshoppers31 (2)

Mobile commerce já chega a 9,7%

Com cada vez mais pessoas tendo acesso a smartphones e tablets, o mobile commerce, ou seja, as vendas realizadas por meio de aparelhos móveis via browsers, representa atualmente 9,7% das compras pela Internet no País.

renda-familiar-webshoppers31 (2)A maior parte dessas transações são originadas de smartphones (56%), de acordo com o registrado no final do ano, tendo superado o uso dos tablets (que iniciou o ano com 60%) para esta finalidade.

O perfil do consumidor mobile traz as classes A e B como as que mais consomem com a plataforma (62%), ante as classes C e D (27%). Este consumidor tem, inclusive, a renda média maior, se compararmos com a daquele consumidor apenas do e-commerce, sendo R$ 6.128 contra R$ 4.378.

Quanto ao sexo e idade, as mulheres são quem mais compram por smartphones ou tablets, representando 56% desse público. A média de idade deste consumidor é de 40 anos, sendo a faixa etária que mais realiza compras vai de 35 a 49 anos (39% delas e 38% deles).

mobile-mcommerce

“As pessoas estão criando esse hábito, de entrar numa loja online e visualizar os produtos pela tela pequena. O consumidor tem a conveniência de estar dentro de um shopping center e poder pesquisar os preços em outras lojas pelo comparador de preços e decidir pela melhor compra, esteja onde estiver”, reforça Guasti.

Aumento de compras em sites internacionais

Os sites internacionais cresceram na preferência dos brasileiros quando o assunto é adquirir um produto pela web, e as razões são os preços mais baixos, a não disponibilidade do produto buscado em sites nacionais e por este ainda não ter sido lançado pelas lojas locais. Atualmente, 4 em cada 10 brasileiros efetuaram alguma compra nessas lojas virtuais, no último ano. Somente os sites chineses representam 55% da última transação realizada, quando a pesquisa foi respondida pelos consumidores, no final de 2014.

compras-internacionais-webshoppers31 (2)

Os produtos mais consumidos se encaixam nas categorias Moda e Acessórios (33% de participação), Eletrônicos (31%) e Informática (24%). A proporção daqueles que precisaram pagar frete para essas compras caiu de 4 em cada 10 para 3 em cada 10, e isso se deve principalmente aos sites chineses, que oferecem maior isenção dessa cobrança.

Com a força dos sites da China, o gasto anual médio baixou para US$ 163,21, visto que o valor gasto nesses sites é menor do que nos sites internacionais. No início do ano, num estudo anterior, o gasto anual médio era de US$ 214,40. Ao total, em 2014, as compras feitas por brasileiros em sites internacionais chegaram a R$ 6,6 bilhões, o que equivale a 18% do total de faturamento dos sites brasileiros de e-commerce.

Leia também: A líder China – Como a gigante asiática desbancou os Estados Unidos e tomou a frente dos números do e-commerce mundial

Satisfação do cliente pelo índice NPS em sites internacionais

Apesar de se manter estável em relação ao que foi avaliado no início de 2014, o NPS (índice que mede a satisfação e a fidelização dos clientes em compras online) para os sites internacionais ficou em 23% e menor ainda, 13%, com relação aos sites chineses.

Um dos motivos de insatisfação para tal é o atraso na entrega. O número é bem abaixo do avaliado para as lojas virtuais brasileiras, que tiveram NPS de 63% como ponto mais alto, terminando o ano com 57%.

Entenda: Como calcular o NPS em três passos simples e demonstrar o retorno sobre investimento da satisfação dos clientes

Índice FIPE aponta queda média dos preços

O relatório WebShoppers tem o apoio da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (Camara-e.net) e da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), na divulgação dos dados para o mercado.

“Os dados da pesquisa reafirmam tendências já existentes, como m-commerce, e reforçam categorias muito sólidas, mesmo em um momento de economia adversa”, diz Ludovino Lopes, presidente da Camara-e.net. “O ano de 2015 será importantíssimo para o desdobramento desses novos vetores, sinais claros do aumento da competitividade e capacidade de expansão do e-commerce no Brasil”, finaliza.

Pelo Índice FIPE/Buscapé, relatório mensal que analisa os preços praticados no comércio eletrônico brasileiro, considerando um período de 12 meses, de janeiro a dezembro de 2014, entre aumentos de preços no início do ano e variações negativas subsequentes, o registro médio mensal foi de -0,48%.

Dos dez grupos pesquisados, sete apresentaram quedas de preço e três, aumentos, havendo expressiva diferença entre os grupos de produtos que compõem o índice, que vai de uma queda de -12,96%, em Telefonia, a um aumento de 1,94% em Cosméticos e Perfumaria. Dada a importância dos produtos importados no e-commerce brasileiro, a continuidade dessa tendência de queda anual dos preços depende significativamente do quanto será a valorização do dólar frente ao real.

O relatório completo estará disponível para download gratuito a partir desta quinta-feira, 5 de fevereiro, no site Ebit.com.br/WebShoppers.

A Black Friday é a principal ação de vendas do ano nos Estados Unidos, acontece sempre na sexta-feira precedida pelo feriado de Ação de Graças. Segundo a Wikipedia, o termo surgiu quando a polícia da Philadelphia denominou Black Friday o caos gerado com filas e congestionamentos pelos altos descontos e início de compras de Natal após o dia de Ação de Graças. Porém, outras fontes dizem que na Economia a cor preta significava um período de conforto financeiro para lojistas, e a vermelha valores negativos.

Fato é que diante do sucesso da ação de altos descontos nos Estados Unidos, outros países também adotaram a data. Hoje no mesmo dia do ano, Canadá, Austrália, Reino Unido, Portugal, Paraguai e o Brasil já colhem os frutos da tradição importada.

Muito se fala que no Brasil, a data nada mais é do que uma grande fraude. Encontra-se facilmente inúmeras piadas com a Black Fraude, fruto de ações mal feitas de lojistas no passado. Porém, analisando os números podemos concluir que não é bem assim.

Em 2014, a Black Friday nos Estados Unidos cresceu mais 26% em relação ao mesmo dia de 2013, enquanto a brasileira registrou um crescimento de mais 51% neste ano. Números expressivos e que registram pela primeira vez mais de 1 bilhão de reais em vendas em um único dia (R1,16 bi).

No gráfico comparativo abaixo produzido em parceria com a Universidade Buscapé Company (dados de E-bit, Statista e ComScore), podemos ter uma visão mais precisa dos números significativos que a Black Friday no Brasil conquistou. No demonstrativo, convertemos os valores de faturamento dos Estados Unidos para a média do valor anual do Dólar em Reais. Para assim, termos a noção exata da relevância dos números gerados pelas lojas virtuais do Brasil.

Os números do E-commerce na Black Friday do Brasil são realmente bons?

Note que os valores atingidos pelas vendas dos E-commerces no Brasil em 2014 já se aproximam dos resultados obtidos pelo mercado americano em 2011. Se levarmos em consideração que os números há dois anos atrás eram totalmente inexpressivos (comparando com o mercado dos Estados Unidos), a expectativa de crescimento para os próximos anos é animadora.

Ainda destaco que nos Estados Unidos a participação do m-commerce (vendas realizadas através de dispositivos móveis) representou quase 1/3 (30,3%) do total das vendas. No Brasil a participação do m-commerce foi de 7%. Lembro que em junho de 2013 a participação foi de apenas 3,6% (conforme divulgado na época pelo Relatório WebShoppers 30).

Um indicador negativo importante, até então inesperado pelos americanos foi o retorno obtido através das mídias sociais, apesar da Black Friday ter sido muito mencionado em Facebook, Twitter, Instagram e Pinterest o retorno foi extremamente baixo: apenas 1,7% das vendas.

Levando em consideração toda esta estatística é muito simples concluir que a Black Friday já é a mais importante data para nosso Comércio Eletrônico com números excepcionais. A resistência de alguns tende a diminuir com o comprovado sucesso de vendas. E você? Acha que ainda falta alguma coisa para a nossa Black Friday?

Obs.: A Forbes divulgou um crescimento de 20,6%, já a Statista.com, que utiliza dados da ComScore divulgou o crescimento de 26% nos Estados Unidos.

Fontes de informações: E-bitStatista, Forbes, Bloomberg e Mashable.

Foram registrados mais de 2 milhões de pedidos na Black Friday 2014. Na busca pela melhores ofertas, usuários aumentam em quase 500% acesso ao site do Buscapé. As ofertas atraíram 1,2 milhão de consumidores em todo o País, sendo que 18% desse público realizaram sua primeira compra online

A Black Friday deste ano no Brasil resultou num faturamento de R$ 1,16 bilhão, o que representa um crescimento nominal de 51% em relação a 2013. A informação refere-se às vendas realizadas somente na sexta-feira (28). Se formos considerar também as compras efetuadas na véspera, o valor chega a R$ 1,4 bilhão, 51% maior que o ano anterior, já que muitas das ofertas estavam no ar desde quinta-feira, ação que atraiu muitos consumidores por antecipação.

Para o diretor executivo da E-bit, Pedro Guasti, a previsão foi confirmada, já que a cada ano o evento ganha maior adesão do varejo e do próprio público. “O faturamento da Black Friday neste ano atingiu a expectativa que aguardávamos e representou o maior faturamento em um único dia no e-commerce”, assinala.

Os pedidos da sexta-feira chegaram a 2,2 milhões com o tíquete médio de R$ 522 – um crescimento de 32% em relação à última edição. Segundo o diretor, “a elevação do tíquete médio foi reflexo do aumento da confiança na data pelo consumidor e a possibilidade de efetuar bons negócios e economizar, muitas vezes para antecipar as compras de Natal”.

As ofertas atraíram o total de 1,2 milhão de consumidores únicos, sendo que 18% deles aproveitaram o momento e realizaram sua primeira compra pela Internet. As categorias que mais venderam no dia da Black Friday foram Telefonia e Celulares, Eletrodomésticos, Moda & AcessóriosInformática e Eletrônicos.

blackfriday2014

Em comparação a uma sexta feira comum (no caso, a última sexta feira de outubro de 2014), a Black Friday se destacou por superar dados nos seguintes quesitos: 867% no faturamento; 619% na quantidade de pedidos; e 536% em número de consumidores únicos.

A situação se repete no mobile commerce com 609% de aumento no faturamento e 600% na quantidade de pedidos. Na plataforma móvel, os shares transacional e financeiro foram de 7%.

Veja mais números do E-commerce: E-bit: Os números do E-commerce no Brasil

Site do Buscapé registra crescimento

No Buscapé, líder global em comparação de preços, o volume de acessos no dia 28 de novembro subiu quase 30% em comparação ao evento do ano passado (somente o dia oficial). Com relação a uma sexta-feira normal, o aumento do tráfego foi de 494,5%.

Já se considerarmos três dias de ofertas (de quinta-feira a sábado), visto que as lojas ofereceram descontos além do dia 28, o aumento no número de usuários pesquisando preços no site foi de 16,5% em comparação a 2013 e 275,6% em relação a estes mesmos dias na semana anterior.

Prêmio E-bit 2014. Todos os anos a E-bit, reconhecida como a mais respeitada fonte de informações do e-commerce, entrega o troféu Excelência em Qualidade Comércio Eletrônico B2C para as melhores lojas virtuais do Brasil.

A premiação ocorreu hoje (dia 13/08/2014), no Fórum E-Commerce Brasil, um dos eventos mais importantes do país com painéis sobre tendências e atualizações do mercado, com os maiores nomes do varejo digital.

O critério de elegibilidade para as lojas foi ter mantido suas respectivas medalhas por pelo menos 184 dias, no período entre 1º de janeiro de 2013 e 31 de dezembro de 2013. Veja as melhores lojas virtuais de 2013!

Melhor Loja Diamante.

Submarino - As melhores lojas virtuais em 2014.

Melhores Lojas Diamante (Top 5).

Submarino, Livraria Cultura, Ponto Frio, Magazine Luiza e Walmart - As melhores lojas virtuais em 2014.

Melhor Loja Ouro.

Girafa - As melhores lojas virtuais em 2014.

Melhor Loja Prata.

Paulinho Motos - As melhores lojas virtuais em 2014.

Melhor Loja Bronze.

Utilplast - As melhores lojas virtuais em 2014.

Loja Mais Querida Diamante.

Americanas - As melhores lojas virtuais em 2014.

Loja Mais Querida Alimentos e Bebidas.

Pão de Açúcar - As melhores lojas virtuais em 2014.

Loja Mais Querida Bebês.

Tricae - As melhores lojas virtuais em 2014.

Loja Mais Querida Casa e Decoração.

Mobly - As melhores lojas virtuais em 2014.

Loja Mais Querida Cosméticos.

O Boticário - As melhores lojas virtuais em 2014.

Loja Mais Querida Moda.

Dafiti - As melhores lojas virtuais em 2014.

Loja Mais Querida Saúde.

Ultrafarma - As melhores lojas virtuais em 2014.

Prêmio Inovação.

Extra - As melhores lojas virtuais em 2014.

Prêmio Mobile.

Walmart - As melhores lojas virtuais em 2014.

Mais sobre a premiação você pode encontrar no site da E-bit.

Veja também: As campeãs do ano passado.

Todos os anos a E-bit entrega o troféu “Prêmio Excelência em Qualidade Comércio Eletrônico B2C” para as melhores lojas do varejo online brasileiro. As Melhores Lojas Virtuais do Ano são premiadas, que são as que tiveram as melhoras notas do ano de 2013; e também levam prêmios as Lojas Mais Queridas, escolhidas pelo público.

As melhores lojas virtuais do ano. Vote na sua loja mais querida!

Este prêmio é uma forma de reconhecer as lojas que prestam um serviço de qualidade para o cliente. Assim, ganhar este prêmio é motivo de muito orgulho para os varejistas brasileiros!

A E-bit então te convida a eleger sua loja predileta, não demora 2 minutos. Vote agora!