Tags Posts tagged with "e-commerce"

e-commerce

A maioria das empresas estão fazendo esforços para aumentar o número de visitas ao site deles. No entanto, um alto tráfego não deve ser o único objetivo das suas campanhas de marketing digital. Para analisar a relevância do seu site e perceber se ele é capaz de atrair e capturar a atenção de seus visitantes, é essencial considerar outros indicadores, entre eles a taxa de rejeição (bounce rate).

A taxa de rejeição é a porcentagem de usuários que deixam o seu site sem visitar outras páginas dele e clicar em links disponibilizados na página de entrada.

Se uma grande quantidade de visitantes voltar para a página de resultados de pesquisa assim que eles entrem no seu site sem navegar pelas páginas dele, o Google pode considerar seu site como irrelevante para os usuários. Isso significa que a taxa de rejeição influencia diretamente os seus ranqueamentos.

Neste artigo vou explicar como implementar ações que diminuam a sua taxa de rejeição, a fim de melhorar tanto a experiência do usuário em seu site quanto o SEO.

Mas, antes de tudo, uma pergunta que não quer calar…

Ter alta taxa de rejeição é sempre um problema?

Na verdade, tudo depende da natureza do seu site. Em alguns casos, uma taxa de rejeição grande é muito normal, em outros, é problemática.

Sites de e-commerce

Como o objetivo de qualquer site de e-commerce é incentivar os visitantes a comprar, uma alta taxa de rejeição pode ser um sinal de uma estratégia de marketing inconsistente.

Se os usuários estão deixando o seu site após de visitar uma página só, é pouco provável que eles fizeram uma compra ou um pedido. Por esta razão, a taxa de rejeição é um indicador importante que os sites que oferecem produtos ou serviços devem ter em conta.

De acordo com o site da Hubspot, os sites de e-commerce normalmente têm taxa de rejeição em torno de 20-40%.

Blog

Quando estamos falando de um blog, a taxa de rejeição alta pode ser explicada com o fato que as pessoas já conhecem o seu site e voltam regularmente para ler novos artigos sem ir fundo e investigar outras páginas do site…

No entanto, também pode significar que os visitantes não acham o seu conteúdo interessante e saem logo depois de entrar. Devemos, portanto, encontrar maneiras de chamar a atenção deles e fazê-los querer descobrir outros conteúdos do seu site.

One-page

Se o seu site contém apenas uma página, os visitantes são obrigados a sair sem ter consultado outros conteúdos, mesmo se eles ficaram perfeitamente satisfeitos com a visita e as informações.

A taxa de rejeição não é um indicador relevante neste caso, e o Google sugere o uso de outros métodos de rastreamento, por exemplo, Eventos.

Em todos os casos

Depois de ter constatado uma alta taxa de rejeição, você tem que fazer uma análise, interpretá-la corretamente e tomar as decisões corretas.

Use o Google Analytics para estudar correlações com outros dados, tais como:

  • Tempo passado no site,
  • Relação de visitantes novos e antigos,
  • Tipo de páginas que têm maior taxa de rejeição.

Com esses dados na mão você pode começar a agir.

Diminui a sua taxa de rejeição em 5 passos

Existem vários critérios que podem afetar sua taxa de rejeição. Neste artigo, vou mostrar os passos mais importantes que você pode tomar para diminuir o seu bounce rate.

Melhore a experiência do usuário desde os primeiros momentos no site

As máquinas de busca fornecem aos usuários uma infinidade de sites, por isso se torna cada vez mais difícil chamar e manter a atenção deles.

Os visitantes tomam a decisão sobre a relevância de um site em questão de segundos. Se você quiser que eles fiquem mais tempo no seu site, evite elementos que podem prejudicar a experiência do usuário.

  • Retire os elementos bloqueados como animações em Flash que requerem a instalação de um plug-in especial;
  • Diminui o tempo de carregamento da sua página. Pense em excluir o conteúdo muito pesado ou comprimir alguns elementos do seu site. De acordo com múltiplos estudos se o site não carregar em 3 segundos, 57% dos visitantes voltam para a página de resultados;
  • Retire os elementos que nunca agradam: música que começa tocar sozinha, publicidades pop-up etc.

Otimize a ergonomia do seu site

Um site bem otimizado de ponto de vista da ergonomia deve ser agradável aos olhos de usuários, têm uma estrutura bem organizada e navegação fácil e intuitiva. Você precisa atender esses critérios para manter seus visitantes no site por mais tempo.

  • Oferece uma navegação intuitiva no seu site. Certifique-se de que os usuários podem acessar qualquer informação em menos de 3 cliques e de que eles conseguem  retornar facilmente para a home page. Os elementos de navegação devem ser coerentes, visíveis e bem localizados na página;
  • Pense sobre a escolha de cores e fontes. Evite os fontes que são difíceis de ler (por exemplo, fontes manuscritas ou fontes com muitas curvas). Escolha uma boa combinação de cores, aqui a melhor estratégia é de optar por cores que facilitam a leitura e permitem os olhos dos usuários a descansar (por exemplo, na maioria dos casos é melhor não usar letras vermelhas com background verde salada). Para texto dê preferência à cores escuras, que não perturbam a leitura e o entendimento do conteúdo. Não coloque muito texto em negrito e itálico;
  • Use conteúdo visual: vídeos, imagens e infográficos atraem a atenção e ajudam a dar pausas à seus leitores. Conteúdo visual é considerado um conteúdo de fácil consumação, e além disso conteúdo visual é o mais compartilhado nas redes sociais;
  • Analise o design do seu site. Para idéias, tente as galerias de CSS que ofereçam coletâneas de melhores modelos do momento (Awwwards, CSSDesignAwards). Você também pode dar uma olhadinha nos temas usados por seus concorrentes ou selecionar um tema que tem a ver com a sua área dos temas sugeridos no WordPress ou PrestaShop.

Melhore a qualidade e a relevância de seus conteúdos

A ideia principal é de postar conteúdos úteis e informativos com valor real para que os visitantes queiram ler mais. Analise o perfil do seu cliente, descubra quais são as necessidade deles e quais palavras-chave eles usam para pesquisar nas máquinas de busca. Escolha temas que correspondem às necessidades de seus usuários e ofereça soluções para problemas específicos.

Lembre-se de otimizar o seu conteúdo para que eles fiquem interessantes e atraem o seu público-alvo.

  • Verifique tags de título e descrição meta. Eles também devem ser relevantes com o conteúdo que você oferece, caso contrário, os visitantes sairão decepcionados ao clicar na descrição do seu site nos resultados de busca.
  • Evite colocar backlinks para sites cujo tema não coincide com o tema do seu. Para detectar esse tipo de backlinks e outros backlinks tóxicos que podem afetar o ranqueamento do seu site, você pode usar Ahrefs ou Auditoria de Backlinks da SEMRush.
  • Evite palavras-chave genéricas que podem ser usadas para falar de temas heterogêneos. Se o seu site aparecer entre os primeiros resultados de busca mas o tema da pesquisa não coincidir com os seus produtos e serviços, sua taxa de rejeição vai disparar.

b1

Fonte: SEMrush

Também não se esqueça de verificar que as promoções que você faz nas redes sociais sejam coerentes. Se você anunciar algo diferente de conteúdo do seu post, os visitantes vão sair do seu site em questão de segundos.

Analise os links internos do seu site

Otimize os links internos do seu site para fazer os melhores conteúdos mais disponíveis para os usuários.

  • Crie links interligando conteúdos relevantes. Lembre-se que o mais a estrutura temática do seu site será clara para os usuários o mais ela será clara para o Google.
  • Crie âncoras para seus conteúdos que descrevem os textos sem mentir e ao mesmo tempo chamam atenção dos usuários
  • Ofereça artigos e conteúdos relacionados ao conteúdo da página que o seu usuário estiver consultando no meio ou no final do texto – assim você aumentará os chances de levar o visitante para outras páginas do seu site
  • Personalize a página 404. Opte por uma página divertida e original com links que levam para os artigos mais lidos ou para páginas relevantes e importantes do seu site.

b2

Texto: “Desculpe por ter devolvido um erro de site. Eu poderia ter comido o cabo…e seus sapatos favoritos… Por favor, tente novamente) Fonte: tutorgrafico.com

Crie call to actions incentivando o clique

Para diminuir a taxa de rejeição, é também essencial criar call-to-actions para incentivar os visitantes a explorar páginas estratégicas do seu site. Os call-to-action relevantes também podem permitir-lhe converter seus visitantes em leads.

  • Coloque call-to-actions estrategicamente em suas páginas, certificando-se do que eles são relevantes.
  • Verifique que os botões são visíveis. Escolhe uma cor que permita destacar o botão na página
  • Deixe os benefícios bem visíveis e fáceis de clicar. Reforce o valor prático que você está oferecendo.

b3

Fonte: Resultados Digitais

Qual é a ordem correta de ações para melhorar as páginas?

Para começar identifique quais páginas têm a maior taxa de rejeição. Uma boa técnica, em seguida, é melhorar as páginas na ordem no qual eles aparecem para o usuário, como se você estivesse desfazendo gradualmente nós em uma corda.

Atenção, não se esqueça que, para algumas páginas, uma taxa de rejeição grande é normal. Este pode ser o caso de página de contatos, onde a conversão é feita quando o usuário leva seu telefone para ligar. Isso é o último passo da viagem do usuário pelas páginas do seu site.

Conclusão

A alta taxa de rejeição é muitas vezes um sinal de que o visitante não encontrou o que ele esperava ao chegar em uma página, ou que a navegação pelo site não estava nas alturas e não conseguiu proporcionar uma boa experiência.

Devemos, portanto, identificar os problemas do site usando as ferramentas certas, e implementar as soluções necessárias, para enviar um sinal positivo para o Google: seu site atrai usuários.

Novamente, o segredo de sucesso consiste em entrar na pele do seu visitante: o que ele espera, de onde vem, qual é o seu propósito e o que o impede de alcançar o objetivo?

A taxa de rejeição é uma questão de experiência do usuário em todos os níveis: melhorando essa métrica você terá outros impactos positivos, que você poderá rastrear monitorando tais indicadores como, por exemplo, tempo de permanência na página!

Janeiro: você pode imaginar um período melhor para fazer um plano para o ano que está começando?

Tenho certeza de que há um lugar especial para o propósito, a cada ano mais promessas e menos sucesso, “ir para a academia toda vez que puder”. Mas talvez em sua lista também tenha “encontrar uma nova oportunidade de trabalho”: em caso afirmativo, você precisará ter um bom plano para encontrá-la.

Bem, um grande ponto de partida é entender onde você pode encontrar mais oportunidades, ou melhor, é ter uma ideia, com base em dados reais, de qual é a distribuição das oportunidades de trabalho no Brasil: este artigo vai tentar ajudá-lo a construir esta ideia**.

Leia também:

7 Competências para te destacar no mercado de e-commerce

Em primeiro lugar, um olhar geral para a distribuição das oportunidades de trabalho nas principais cidades do Brasil, e, depois, um olhar mais atento para o campo específico das ofertas de emprego para o e-commerce (e o confronto com as vagas de estágio):

1- A distribuição geral das ofertas de emprego no Brasil

Vamos começar a partir de uma perspectiva mais ampla: todo o Brasil. Quais são as melhores cidades para disponibilidade de emprego? Deixe os números falarem!

Top Três (total do Brasil: 539.000 vagas disponíveis)

São Paulo (SP) (94.397 vagas disponíveis)
Rio de Janeiro (63.689)
Campinas (SP) (42.529)

Depois deles, encontramos Maringá (31.268), Porto Alegre (25.886), Belo Horizonte (MG) (18.997), Fortaleza (14.777), Curitiba (14.693), e Brasília (8.472).

A mesma imagem é confirmada se olharmos para uma representação estadual:

Estado de São Paulo (SP) com 229.873 vagas disponíveis
Rio de Janeiro (RJ) com 71.829 vagas disponíveis
Paraná (PR) com 55.280 vagas disponíveis

Assim, esta é a imagem na sua perspectiva geral; é o mesmo para o mercado de e-commerce? Vamos ver!

2- A distribuição específica das ofertas de emprego em e-commerce

Agora, o olhar mais atento: como parece o mapa da disponibilidade de trabalhos em e-commerce?

Top Três (total do Brasil: 4.600 vagas disponíveis):

São Paulo (SP) (865 vagas disponíveis)
Rio de Janeiro (681)
Campinas (SP) (538)

Depois deles, encontramos Maringá (298), Porto Alegre (242), Belo Horizonte (MG) (233), Fortaleza (205), Brasília (149), e Manaus (111).

Novamente, procurando por estado:

Estado de São Paulo (SP) com 1980 vagas disponíveis
Rio de Janeiro (RJ) com 728 vagas disponíveis
Paraná (PR) com 487 vagas disponíveis

Bem, o olhar mais próximo parece quase uma cópia perfeita do mais amplo: na verdade não há nenhuma mudança nas melhores cidades e estados. As mesmas cidades onde estão disponíveis mais ofertas de emprego no total, também são as mesmas onde há uma maior disponibilidade de oportunidades para encontrar emprego no campo de comércio eletrônico.

Quase o mesmo é visível se olharmos para a disponibilidade de estágios no e-commerce (mas para ser honesta, os números são tão pequenos que não são muito significativos).

Top Três (total do Brasil: 80 vagas disponíveis):

São Paulo (SP) (19 vagas disponíveis)
Porto Alegre (13)
Belo Horizonte (MG) (6)

Procurando por estado:

Estado de São Paulo (29)
Rio Grande do Sul (20)
Minas Gerais (8)

Então, este é o mapeamento das cidades com mais oportunidades de emprego no campo do comércio eletrônico: espero que seja útil para sua busca de trabalho neste começo de 2017… E boa sorte!

** Todos os dados apresentados provém da base de dados da Jobbydoo.

Mais sobre o assunto:

As principais carreiras e habilidades para um Profissional de Marketing Digital

Oferecer ao cliente a opção de retirar seu produto em um comércio local é uma maneira eficiente de integrar sua loja on-line com lojas físicas, mesmo que sua empresa não possua uma.

Esse sistema permite que o produto comprado através da internet fique à disposição em lojas locais, chamadas pontos de retirada. Isso aumenta a possibilidade de escolha de entrega do produto ao cliente, que poderá optar por buscar pessoalmente a mercadora adquirida em sua loja virtual.

É um sistema que pode apresentar inúmeras vantagens, seja para a empresa que oferece esse serviço, para o consumidor final e até mesmo para o comércio local que serve como Ponto de Retirada.

Diminui o custo de transporte para seu cliente

Durante a experiência de compra on-line muitos consumidores acabam desistindo no processo final, devido ao elevado custo com o transporte da mercadoria. É importante para uma empresa de e-commerce encontrar formas eficientes de reduzir esse custo final ao cliente, sem influenciar no seu lucro, para conseguir alavancar nas vendas.

Em geral, o sistema de logística no Brasil é defasado, mas o sistema de Pontos de Retirada traz um conceito onde essa redução de custo se torna totalmente possível. Através de entregas centradas em um único endereço, o custo com transporte é reduzindo entre 30% a 50% para o consumidor final.

Isso é garantia de satisfação para o cliente e para você, que não verá mais carrinhos sendo abandonados no momento final da compra.

Garante uma entrega satisfatória para seu cliente

A grande vantagem apresentada por consumidores on-line é a praticidade e comodidade de realizar suas compras através da internet. Isso significa que, na grande maioria, esses consumidores são pessoas ocupadas, com uma vida ativa e que realizam suas compras durante uma pausa no trabalho ou no momento de descanso em casa.

Receber o produto em casa parece uma alternativa viável para esse perfil de consumidor, mas na prática não ocorre dessa forma.

Os atuais sistemas de logística de distribuição exigem que, no momento da entrega, o cliente esteja em casa, a fim de receber a mercadoria. Mas essas entregas ocorrem quase sempre em horário comercial, sem uma hora exata definida, tornando inviável a presença do consumidor no momento da entrega.

Esse é um dos maiores problemas com e-commerce e batem recordes de reclamações no Procon. O cliente coloca a culpa de todo e qualquer problema na logística de distribuição na sua empresa, não diferenciando a empresa responsável pelo transporte da empresa da qual ele efetuou a compra do produto.

Isso pode trazer uma imagem muito negativa para a empresa e, caso o comprador decida publicar sua opinião em mídias sociais, o alcance desse desastre pode se tornar ainda maior.

Disponibilizar ao seu cliente, através do sistema de Pontos de Retiradas, a alternativa de retirada do seu produto em pontos distribuídos na cidade, poderá fazer toda a diferença na garantia de uma entrega satisfatória.

A possibilidade de escolha de retirada em vários pontos estrategicamente distribuídos, garantem que seu cliente posso receber o produto de maneira prática, eficiente e sem atrasos, sem que seja necessário desviar de seu caminho usual.

E isso gera um marketing positivo e gratuito para sua empresa, porque da mesma forma que clientes insatisfeitos compartilham suas opiniões em mídias sociais, clientes satisfeitos tendem a ter a mesma atitude.

Transmite segurança para seu cliente efetuar a compra on-line

Para algumas pessoas, a compra através da internet ainda é uma questão que gera desconfiança. Ao permitir que seu cliente retire o produto em um comércio local que ele está familiarizado, você aumenta, indiretamente, a sensação de confiança desse consumidor, que se sentirá mais seguro para realizar a compra.

Outro grande diferencial é a possibilidade de devolver o produto no mesmo local de retirada, caso este venha a ter algum defeito ou não apresente as características esperadas.

O processo de troca das compras on-line, costumam ser outro ponto que acarreta uma visão muito negativa da empresa para o consumidor, que por vezes se vê obrigado a encarrar filas enormes e gastar altos valores para devolver um produto que não o agradou.

Receber um produto diferente do esperado já causa uma sensação de mal-estar. A forma que você lida com isso fará toda a diferença para seu cliente passe por essa experiência de forma menos negativa possível.

Ajuda a atrair consumidores para o comércio local

Além do e-commerce e do consumidor final, o comércio local que serve de Ponto de Retirada também pode se beneficiar com esse serviço, através do aumento do fluxo de pessoas no estabelecimento. Com isso, alguém que inicialmente pretendia apenas retirar um produto já adquirido, pode se tornar um cliente em potencial.

O funil de vendas, conhecido pela maioria dos gestores de negócios, é associado ao conceito de AIDA e defende que, antes de efetivar uma compra, o consumidor passa por quatro processos: Atenção, Intenção, Desejo e Ação.

Talvez a parte mais difícil, principalmente por exigir estratégias com alto custo financeiro, seja atrair a atenção do cliente em potencial, para que, dessa forma, o comércio tenha a oportunidade de apresentar seus produtos para posteriormente dar sequência as demais partes do processo.

Tornar-se um parceiro garante que uma quantidade maior de pessoas tenham contato com o produto do comércio local, facilitando que a primeira etapa do funil de vendas seja efetivada com maior sucesso e sem qualquer custo.

É um sistema que apresenta benefícios para todos os envolvidos, visto que, ao mesmo tempo que o comércio local é capaz de alavancar as vendas do e-commerce, o e-commerce consegue levar mais clientes ao comércio local.

O sistema de Pontos de Retirada é muito utilizado por toda a Europa e Estados Unidos, sendo uma das formas de entrega preferidas por quase metade dos consumidores.

Consumidores de todo o Brasil já podem escolher suas prediletas do e-commerce. A votação para a escolha das Lojas Mais Queridas de 2016 será realizada até o dia 31, no site da Ebit, empresa referência em comércio eletrônico no Brasil. As vencedoras serão homenageadas durante o 14º Prêmio Ebit, que acontecerá no dia 16 de fevereiro, em São Paulo.

São nove categorias em disputa: Lojas Diamante (principal medalha Ebit); alimentos e bebidas; bebês e companhia; casa, decoração e jardinagem; cosméticos e perfumaria; livros; moda e acessórios; pet shop e saúde.  No total, 165 empresas de todas as regiões do país concorrem ao prêmio.

Vote na loja mais querida de 2016.

O CEO da Ebit, Pedro Guasti, afirma que o anúncio das lojas mais queridas é sempre o momento mais aguardado do Prêmio Ebit. “Essas lojas são premiadas diretamente pelo consumidor. E a satisfação do cliente é o componente mais importante para o sucesso de qualquer empresa, especialmente do e-commerce”, disse.

Para despertar o interesse do consumidor e conseguir vencer o prêmio mais importante do e-commerce brasileiro, as empresas usam as mais variadas estratégias, obedecendo o regulamento da premiação. Algumas optam por pedir apoio em seus canais nas redes sociais.

Outras, por sua vez, lançam mão de diversas aplicações para chamar a atenção do cliente e direcioná-lo para a página de votos. “Isso é motivo de muito orgulho. É um sinal que os mais importantes players do setor veem muito valor na premiação e no trabalho realizado pela Ebit”, afirmou.

Além do prêmio de votação popular, o Prêmio Ebit também homenageará as Melhores Lojas do E-commerce, as Melhores Plataformas e os Melhores Executivos do E-commerce, escolhidos por meio de critérios técnicos.

Quantos e-mails, diariamente, você recebe em sua caixa postal? Desses que chegam lá, quantos, na verdade, você tem a chance de ver em sua caixa de entrada porque não foram capturados pelo filtro de spam?

Agora, pense assim: do montante de e-mails que aparecem em sua caixa de entrada, quantos você simplesmente joga fora (ou marca como spam), sem nem abrir? Depois de abrir, quantos deles você percebe que são inúteis ou desinteressantes, e deleta novamente?

Dos poucos que sobreviveram a isso tudo, quantos destes heróis têm uma oferta que realmente te interessa e você começa a ler, mesmo não sendo um assunto de trabalho ou pessoal?

E após ler seu conteúdo, se é que você termina de ler, quantos têm apelo suficiente para que você clique em um link e seja direcionado para uma página de vendas?

E, finalmente, após este direcionamento para a tal landing page de vendas, quantas vezes você se decidiu por realmente fazer aquela compra?

Caso não tenha notado, são 7 filtros consecutivos do recebimento até a conversão da compra.

Se você quer aprender a gerar mais vendas com e-mail marketing, deverá usar estratégias específicas para fazer seu e-mail não cair nessas peneiras, em cada uma das 7 etapas da venda.

Disposto a encarar este desafio?

Então, acompanhe com a gente:

As 7 estratégias para gerar mais vendas com e-mail marketing!

Veja, a seguir, como criar um e-mail marketing seguindo o passo a passo de 7 etapas:

1- Preparando seu mailing

O primeiro passo para que uma quantidade razoável de e-mails disparados ao menos chegue nos aplicativos de correio eletrônico dos usuários é usar uma lista de e-mails estruturada e segmentada.

Nada de comprar listas prontas, nem enviar e-mail sem o consentimento do cliente. Se seu endereço de e-mail começar a ser identificado como responsável por muitas denúncias de spam por parte dos usuários, pode cair até nas listas negras dos servidores, cuidado!

Além disso, é preciso contar com um remetente de e-mail corporativo, no estilo seu.nome@suaempresa.com e usar plataformas de disparo de e-mail marketing profissionais, como Mailchimp ou Benchmark (ambas têm planos gratuitos!).

Para criar seu mailing adequadamente, é preciso atrair clientes com uso de várias formas de marketing digital, com conteúdos tão relevantes que seus clientes estarão dispostos a preencher formulários fornecendo seus e-mails para receber mais informações como essas.

2- Passando pelos filtros de spam

Algumas das providências acima também ajudam a evitar ser classificado como spam.

A dica principal é evitar usar nos assuntos dos e-mails palavras como “grátis”, “promoção”, “compre agora” etc. Elas são detectadas como indício de spam pelos provedores.

Outra dica é criar contas nos principais e-mails, como Gmail, Outlook, Uol etc. e verificar se estão recebendo seus e-mails marketing ou se estão sendo barrados por esses servidores.

3- Aumentando a taxa de abertura

Uma boa estratégia para gerar mais vendas com e-mail marketing é aumentar a taxa de abertura.

Para isso, você conta com uma única arma: o assunto do e-mail!

  • Use números e lista no assunto do e-mail: os TOP 5…
  • Acrescente “emoticons”: ♠☼♂
  • Faça perguntas e desperte a curiosidade do leitor: Você sabia que…?
  • Mostre uma solução: Tudo que você queria saber sobre…
  • Surpreenda: Revelação surpreendente de cientistas, confira!
  • Faça parecer exclusivo: Você que é contador encontrou a solução…
  • Evite mais que 40 ou 50 caracteres no assunto.
  • Evidencie conhecimento: O GUIA definitivo para…

Estas são apenas algumas técnicas.

Mas a melhor forma de testar isso, assim como vários dos elementos citados a seguir (como CTAs, cores e imagens), é fazendo testes A/B para otimizar a conversão (CRO em inglês). Você cria dois assuntos diferentes, envia para amostras diferentes de usuários, vê qual funciona melhor e depois dispara para todo mailing!

4- Fazendo seu cliente ler o e-mail

Além de um título instigante e que mostre, de cara, o benefício que o cliente vai ter lendo o e-mail, é muito importante tomar cuidado para que ele não fique pesado e lento para abrir.

Se isso acontecer, as pessoas vão fechar o e-mail. Não use imagens pesadas e crie o e-mail com código de programação HTML, e não se esqueça de torná-lo responsivo, isto é: abrir sem problemas em smartphones e tablets.

Capriche no layout com ajuda de designers profissionais!

5- Não deletar o e-mail depois de ler

Aqui um pouco de tudo que você já fez vai contribuir para isso. E, principalmente, se sua segmentação do público estiver adequada ao conteúdo do e-mail, as pessoas podem querer guardá-lo para acessar a oferta no futuro ou mesmo indicar para um amigo.

Layout, títulos e imagens são importantes também: é o “conjunto da obra” até aqui que fará o e-mail não ser deletado depois de lido!

6- Aumentando a taxa e cliques!

Neste ponto, o Call to Action (CTA) é o fator mais importante para aumentar suas vendas com e-mail marketing.

Usualmente eles têm cores fortes e chamativas, como vermelho ou laranja, mas isso não é uma regra obrigatória. Além disso, o texto do Call to Action deve:

  • Ter um verbo de ação
  • Mostrar um certo senso de urgência
  • Identificar os benefícios imediatos de clicar nele

Como dito anteriormente, o melhor para se certificar sobre o Call to Action é fazer testes A/B.

7- Landing page

A landing page é a página web para onde seu cliente é direcionado para fazer a compra depois de clicar no CTA.

As melhores estratégias para gerar mais vendas com e-mail marketing, neste ponto, além da página ter um layout semelhante ao e-mail e corresponder ao que foi prometido, incluem os chamados elementos de confiança, tais como:

  • Selos de segurança (tipo site seguro)
  • Depoimentos
  • Avaliações de usuários
  • Notícias sobre a empresa na mídia
  • Lista de clientes, filiais, plantas, montante de receitas e outros números “impressionantes”
  • Acesso fácil às redes sociais
  • Canais de atendimento do tipo SAC e outros

Estas foram as nossas 7 dicas para aumentar suas vendas com e-mail marketing. Comece com uma boa segmentação, siga o passo a passo e veja como terá ótimos resultados!

2016 foi o ano das mudanças no Instagram. O aplicativo mudou mais o ano passado  do que em todos os outros anos somados, trazendo novas ferramentas, novos usuários e passando a competir com o Snapchat.

E antes que o ano acabasse, a rede social anunciou mais algumas novidades: transmissões de vídeos ao vivo, fotos e vídeos que desaparecem no Direct e possibilidade de salvar posts.

Transmissões ao vivo

Seguindo a mesma tendência do Facebook, o Instagram disponibilizou aos seus usuários a opção de transmitir vídeos ao vivo. Essa ferramenta é encontrada no mesmo lugar dos vídeos e fotos do Instagram Stories.

Quando uma pessoa começa uma transmissão ao vivo, seus seguidores receberão uma notificação para assistir e poderão fazer comentários que vão aparecer no canto esquerdo da tela. Além disso, na mesma barra em que aparecem as histórias novas, as pessoas que estão transmitindo vídeos em tempo real são mostradas com uma etiqueta de “ao vivo”.

Uma das principais diferenças dessas transmissões para as que são feitas no Facebook é que, depois que forem finalizadas, elas desaparecem completamente, ou seja, não ficam salvas no app. O tempo máximo de cada transmissão é de uma hora.

image002

Fotos e vídeos efêmeros no Instagram Direct

Outra novidade é que o Instagram ficou ainda mais parecido com o Snapchat. Agora também é possível mandar fotos ou vídeos que desaparecem depois de alguns segundos para pessoas específicas ou grupos. Isso se dá por meio do Instagram Direct.

Além disso, assim como no Snap, é possível saber quem viu seu conteúdo mais de uma vez ou ainda quem fez um print screen da tela e salvou aquele vídeo ou foto.

image007

Posts Salvos

Agora também será possível salvar fotos ou vídeos que você gostou em uma pasta dentro do próprio aplicativo. Essa medida deixa o Instagram um pouco parecido com o Pinterest, onde você pode buscar referências e inspirações e salvar em uma pasta.

A pasta é privada e a pessoa que publicou a foto ou vídeo não saberá que o conteúdo foi salvo.

image008

Gostou?

Com tantas novidades não tem como deixar de usar o Instagram, né? Ele pode ser vantajoso para qualquer tipo de negócio.

Se você vende pela internet, pode aproveitar para divulgar seus produtos, contar histórias, fazer transmissões ao vivo de eventos da sua marca e se comunicar com clientes.

Trabalhando com e-commerce, há vários anos seja na gestão de lojas virtuais de terceiros ou no marketing digital dos clientes, os números das datas sazonais sempre me fascinaram.

Calma, este não é mais um post para dizer sobre a importância das datas comemorativas do varejo online :-). Acontece que ao baixar o Calendário do E-commerce para 2017, me inspirei e compilei as informações fornecidas pela Ebit fornecidas ao longo dos últimos 4 anos.

Os números do mercado de E-commerce

Quem trabalha com  e-commerce, normalmente acompanha anualmente as edições do Webshoppers, mas por se tratarem de relatórios semestrais,  não matavam a minha curiosidade de ver a evolução dos números comparados ano a ano.

Segue então uma fotografia do varejo online separadas em FATURAMENTO, CRESCIMENTO, e TÍQUETE MÉDIO representado pelas seguintes cores:Legenda das Datas

1- Faturamento (em bilhões de R$)

Sem dúvida, o quesito que mais fascina os profissionais de e-commerce, pois mostram muito claramente a temperatura da “e-conomia”, perdoem o trocadilho. Ainda não temos divulgado o faturamento do Natal 2016, mas atualizarei o gráfico quando a Ebit divulgar o número.

Faturamento nas Datas Sazonais

Neste gráfico fica muito claro por que o Natal continua sendo a “menina dos olhos” dos varejistas e mostra também algumas curiosidades.

Em 2013 o Dia das Crianças foi a data que mais faturou depois do Natal, tirando o posto tradicional do Dia das Mães e notamos que foi quando a Black Friday realmente pegou tração no Brasil (vide gráfico de Crescimento).

Outro ponto importante  é constatarmos que em 2016, todos os faturamentos evoluíram mostrando que estamos começando a recuperar o fôlego.

2- Crescimento (em %)

Acostumado a ver os números do e-commerce crescerem sempre na casa dos “dois dígitos” desde que a Ebit começou a mensurar os números no ano de 2.000, e no caso da Black Friday em 2.013 “3 dígitos”, quando olhamos para 2015 dá uma sensação de tristeza :-(.

Mas basta olharmos para 2016 e vermos que com exceção do Dia das Mães o “dois dígitos” voltaram. Lembrando que o Dia do Consumidor, começou a ser promovido no Brasil em 2.015, encabeçado principalmente pelo Portal de Comparação de Preços Buscapé.

Crescimento nas Datas Sazonais

Poucos  sabem, mas o Dia do Consumidor  tem a missão (para os varejistas) de aquecer as vendas em um período praticamente sem data sazonal que vai de janeiro a abril, até chegarmos em maio que temos o Dia das Mães.

3- Tíquete Médio

Sem dúvida um dos KPIs preferidos dos profissionais de e-commerce. Quem acompanha os relatórios da Ebit, sabe que em 2015 a classe C que dominava o volume de pedidos há muitos anos no e-commerce, passou a ter uma participação tímida.

Enquanto que a classe A e B, viu no varejo online a possibilidade de conseguir melhores negociações em produtos de alto valor agregado.

Tiquete Médio Sazonalidade

O interessante é olhar para o “quadrante” dos gráficos e ver que o tíquete médio da Black Friday em 2016, quebrou a barreira do R$ 600,00, mostrando que para quem quer trocar de TV, Smartphone, entre outros produtos, vale a pena esperar chegar o mês de novembro.

Enfim, encerro este post, esperançoso que em 2017 manteremos a retomada do crescimento do nosso varejo online, não só baseado na fé (que é muito importante), mas com base nos últimos números.

Agora é preparar as turbinas de olho no Calendário e Feliz 2017!

O pensador romano Horácio, que viveu entre 65 a.C e 8 a.C, já dizia que “a adversidade tem o efeito de despertar talentos que em circunstâncias prósperas teriam continuado adormecidos”. Viajando mais de 2000 anos no tempo e trazendo esse pensamento para a realidade atual da economia brasileira e, mais particularmente do e-commerce, pode-se afirmar que nunca esta frase fez tanto sentido quanto em 2016.

O ano foi desafiador para um setor que, por si só, já é extremamente competitivo: crise econômica e cenário político agitado, impactando diretamente no bolso e na confiança do consumidor e do empresariado. Se não bastassem esses pontos cruciais, mudanças nas regras de cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e o anúncio do fim do e-Sedex – uma liminar atualmente em vigor obriga a manutenção deste serviço pelos Correios – também colaboraram para deixar o ambiente do e-commerce ainda mais conturbado.

Essas dificuldades foram comuns para todo o varejo eletrônico brasileiro, mas alguns players souberam transpor os obstáculos melhor do que outros e vão reportar resultados robustos, mesmo em meio a tanta adversidade. Essas empresas lançaram mão de diversas táticas, como adoção de novas tecnologias e estratégias de marketing, novos canais de vendas inovadores e de CRM, ou ainda implementaram políticas para melhorar seus processos de gestão a acompanhar bem de perto o retorno sobre o investimento (ROI).

Não importa o método ou ferramenta escolhidos, o componente humano é e sempre será a parte mais importante deste e de qualquer negócio. Não existe mudança ou melhoria que se sobressaia no ambiente empresarial sem ter por trás uma equipe coesa. E mais do que isso: não há sucesso alcançado por um time sem a presença marcante de um líder.

O grande gestor é quem dá o tom da organização. Mais do que o reconhecimento por sua grande bagagem técnica sobre o negócio, ele se destaca por inspirar, engajar, transmitir credibilidade e entender que a sua equipe é o principal ativo da empresa.

Dessa forma, o mercado precisa reconhecer esses líderes que fizeram a diferença em 2016 e premiar seus cases de sucesso. Pensando nisso, o 14º Prêmio Ebit, a principal premiação do varejo eletrônico nacional, homenageará pela primeira vez os verdadeiros responsáveis pelo sucesso das empresas e não apenas estas como um todo.

Podem concorrer ao troféu os CEOs, CMOs e diretores de Inovação das lojas virtuais conveniadas à Ebit e certificadas com as medalhas Diamante e Ouro. Criamos ainda uma terceira categoria para premiar os empreendedores de startups, para consagrar a importância dessas empresas, que são fontes quase inesgotáveis de inovação para o e-commerce.

A Ebit espera que esse prêmio seja um grande marco nas carreiras de seus vencedores. Se você é líder e fez a diferença, inscreva-se até 13 de janeiro. Você já agrega valor para o seu time e para a sua empresa, mas pode também escrever seu nome na história do e-commerce brasileiro.

Foi-se o tempo em que um fabricante podia se dar ao luxo de dizer: “Pode escolher a cor que quiser para seu carro, desde que seja preto”, como Fazia Henry Ford.

O foco da gestão empresarial mudou muito ao longo do tempo, da produção (como nesse exemplo), para a gestão, depois para o cliente e finalmente para a experiência do cliente.

E uma das experiências mais relevantes para qualquer pessoa ao fazer uma compra são as cores. Segundo estudos antropológicos citados no livro “Comunicação e Marketing”, da professora Clotilde Perez, o homem das cavernas só enxergava em preto e branco, tendo a evolução da espécie nos propiciado esse dom de visualizar toda uma gama de cores e seus significados.

E quem somo nós para ir contra a evolução da humanidade, não é mesmo?

É por isso que selecionamos aqui algumas dicas de como usar a psicologia das cores para melhorar suas vendas.

Mas, como o assunto é bem amplo, vamos focar em 3 temas principais:

  1. Posicionamento através das cores.
  2. CTA, o famoso Call to Action
  3. Combinação de cores.

Além disso, trouxemos diversos vídeos e links para infográficos.

Como usar a psicologia das cores para posicionar seu e-commerce

Não só para um e-commerce, mas qualquer marca precisa escolher as cores de forma a mostrar claramente seu posicionamento para o público.

E é fácil entender isso com exemplos, veja:

Imagine que você tenha um e-commerce especializado em livros de direito. Passaria por sua cabeça fazer uma página de e-commerce multicolorida, em tons de laranja, verde cítrico e amarelo?

Provavelmente não. Possivelmente você usaria tons de azul e cinza, eventualmente complementados com detalhes em outras cores.

No entanto, se esse e-commerce fosse especializado em equipamentos para esportes radicais, surf, skate, escalada etc., essa combinação de laranja, verde e amarelo poderia cair muito bem.

É este tipo de cuidado que você deve ter ao escolher as cores de seu e-commerce para posicionar sua marca criando uma identidade visual online adequada.

Veja um resumo rápido da psicologia das cores:

Azul: segurança, conhecimento e confiança.
Verde: juventude, crescimento e fartura.
Amarelo: luz, riqueza e atenção.
Vermelho: paixão, emoção e perigo.
Laranja: aconchego, proximidade, calor.
Preto: luxo, exclusividade e luto.
Branco: pureza, limpeza e paz.
Roxo: nobreza, criatividade e imaginação.

Para saber mais sobre isso, dê uma olhada nesta videoaula:

Usando a psicologia das cores em CTAs

Existe a chamada teoria BOB, que diz que CTAs devem ser “Big Orange Bottons”, isto é: grandes botões cor de laranja.

Como toda generalização, a verdade não é bem esta. Ainda mais quando se trata de um elemento tão importante para seu e-commerce quanto o Call to Action.

Sim, é usual empregar CTAs (Botões de Call to Action) em cores chamativas, mas esta não é uma regra infalível. Dependendo do contexto e da identidade de sua marca, outras cores podem ser usadas, assim como outros fatores que interferem nisso tudo, tais como a frase ideal para usar, em que local da página colocar o CTA e outras dicas para seu uso.

Com certeza, não há como escolher a melhor cor para um CTA sem fazer testes A/B. Isto é: crie duas páginas idênticas e varie apenas a cor do CTA. Faça uma campanha usando uma boa ferramenta de envio de e-mail marketing e direcione metade dos usuários para uma página e metade para a outra. Depois, verifique a cor que funcionou melhor. Só assim você terá a resposta mais adequada.

Você pode ir refinando o processo e testar outras cores, assim como frases e outros elementos do CTA (uma coisa de cada vez!).

Neste vídeo, veja outras dicas sobre o uso de cores no marketing virtual:

Combinando cores no e-commerce

A melhor forma de se fazer isso é com o uso do círculo cromático.

Esta ferramenta de design consiste em um círculo em que você pode visualizar as cores complementares, as cores análogas e as cores triádicas, entre outras combinações harmônicas possíveis.

circulo-cromatico

Entenda um pouco melhor:

  • Complementares: Cores diretamente opostas no círculo e, por isso mesmo, se complementam muito bem. Bom para usar em sites mais dinâmicos e criativos.
  • Análogas: Cores que são quase que variações de tom entre si. São parecidas, transmitindo mais suavidade e estabilidade, indicadas para lojas virtuais mais acadêmicas ou técnicas.
  • Triádicas: São usadas 3 cores distantes proporcionalmente entre si, criando um contraste não muito forte e, ao mesmo tempo, uma combinação menos “rígida” das cores, o que pode atrair uma variedade maior de públicos.

Se você quiser se aprofundar neste assunto, dê uma olhada neste interessante vídeo:

De que adianta seu site ser líder em visitas se isso não se traduz em vendas para você? Tão importante quanto a visibilidade, a taxa de rejeição é um índice primordial quando você precisa avaliar o desempenho do seu e-commerce. Contudo, pode não ser tão simples medir este indicativo, já que os motivos que levam um potencial cliente a abandonar seu site são os mais variados possíveis.

Entender a taxa de rejeição provê informações valiosas sobre seu público-alvo, a qualidade do seu conteúdo e que estratégias de marketing adotar para ter o melhor resultado possível. Desta maneira, preparamos 10 dicas de boas práticas que podem impulsionar seu negócio e reduzir a taxa de rejeição. Confira:

1- Capriche no conteúdo

Procure sempre ter conteúdos de valor para seu público-alvo, seja na sua landing page, blogs ou perfis nas redes sociais. Também é importante manter as informações atualizadas, mostrando aos mecanismos de busca e clientes que você acompanha o mercado e as suas novidades;

Cadastro de produtos: como convencer o cliente a comprar

2- Preste atenção no layout

Não adianta ter o melhor e mais atual conteúdo na sua página se você entrega isso de uma forma esteticamente negativa. O layout deve sempre ser limpo e agradável, sem usar cores muito chamativas – reserve-as para os botões de Call To Action e outros elementos de destaques. Prefira também fontes sem serifas e que facilitem a leitura;

6 dicas de design para loja virtual

3- Navegabilidade é preciso

Menus escondidos, imagens e páginas que demoram muito para carregar. Os fatores que podem afetar a navegabilidade se apresentam de inúmeras formas e evita-los é de suma importância para reduzir a taxa de rejeição do seu e-commerce. Prefira plataformas leves e intuitivas para capturar a atenção do seu público;

3 bons motivos para pensar em reformular o layout da sua loja virtual

4- Utilize práticas de SEO

O Search Engine Optimization (SEO) é uma poderosa ferramenta que pode coloca-lo à frente dos seus concorrentes. Sempre crie conteúdos otimizados para aumentar as chances da sua página aparecer em primeiro lugar nos sites de busca e capturar a atenção de clientes em potencial;

4 maneiras de aproveitar SEO de conversão para e-commerce

5- Mantenha o tráfego internamente

Sempre que possível, faça links internos que direcionam o internauta a outras páginas e conteúdos dentro do seu site. Desta forma, você mantém os visitantes por mais tempo dentro do seu e-commerce, aumentando as chances de convertê-los em clientes.

6- Evite links externos

Complementando a dica anterior, fuja ao máximo dos links que redirecionam para páginas externas. Obviamente, há momentos em que é necessário citar alguma informação de fonte externa, apenas se certifique de que o link seja aberto em uma nova aba.

7- Sugira produtos e faça comparativos

Outra forma de manter o visitante na sua página é oferecer recomendações e comparativos. Mostrar produtos semelhantes buscados por outros clientes é um método popular de sugerir um novo item e pode agradar quem está em busca de informações antes de efetuar uma compra.

5 estratégias para melhorar o cross selling e upsell do seu e-commerce

8- Seja criativo com seus CTAs

Os Call To Action (CTA) são as chamadas que induzem o visitante a tomar alguma ação. Neste momento, ser criativo ajuda a fisgar a atenção do internauta. Use cores chamativas, botões flutuantes que acompanhem a rolagem da página e abuse dos mapas de calor para descobrir quais partes da sua página são mais visualizadas e saber onde posicionar seus CTAs.

3 pontos-chave para a sua call-to-action

9- Mapeie para facilitar

Seu site pode ter exatamente o que o visitante quer comprar, mas se ele não conseguir chegar até o produto, você perderá a venda.

Por este motivo, é importante ter um mapa do site, que aponte exatamente onde está a informação ou item que ele deseja encontrar. Indexar seu mapa também é uma boa prática para aumentar a visibilidade nos sites de busca.

10- Fique sempre alerta

Mesmo tomando todas as precauções e seguindo essas dicas, influenciar a taxa de rejeição não é um trabalho do dia para a noite. É necessário estar sempre monitorando suas métricas para perceber em quais áreas é preciso focar mais seus esforços e quais ações surtiram efeito positivo.

Configure o Google Analytics no e-commerce corretamente