Tags Posts tagged with "estoque"

estoque

Se você possui uma loja virtual, então já sabe que um processo logístico bem organizado é indispensável para o crescimento sólido do seu empreendimento. No e-commerce, especificamente, um controle de estoque eficaz está diretamente ligado à satisfação dos clientes que recebem seus produtos dentro da expectativa gerada durante o processo compra.

Algumas estratégias podem te ajudar a garantir uma gestão de estoque eficiente em diferentes modelos de atuação.

Estoque tradicional

O estoque tradicional geralmente é mais indicado quando se tem uma demanda recorrente de pedidos que exige um acompanhamento mais próximo.

Nesse modelo de gestão, ter um espaço físico para armazenamento dos produtos é imprescindível. Ele pode pode ser incorporado nos seguintes formatos:

1. Estoque físico

Um local específico para estocar, conforme demanda, os produtos que você comercializa.

Vantagens: lojas que possuem um grande número de pedidos podem aderir a essa estratégia para controlar toda a operação e garantir a entrega mais depressa.

Desvantagens: alta aquisição e pouca saída devido a algum imprevisto pode gerar uma sobra de estoque e, consequentemente, perdas financeiras. Esse problema pode ser resolvido com algumas ações de emergência para comercializar produtos parados em estoque.

Estratégia: para garantir o controle do processo nesse formato, acompanhe de perto as tendências de consumo dos clientes para evitar a compra de produtos que, eventualmente, poderão ter uma baixa procura.

Como montar um projeto de centro de distribuição de e-commerce

2. Estoque compartilhado

Esse formato consiste em dividir o estoque utilizado na loja física com a loja virtual. O armazenamento dos produtos funciona da mesma forma do estoque físico.

Vantagens: investir somente em um espaço para armazenar e gerir o estoque de duas operações diferentes.

Desvantagens: é preciso ter atenção redobrada para não misturar a gestão do estoque de ambas operações.

Estratégia: para gerir um estoque compartilhado eficaz, utilize uma ferramenta que atualize os pedidos em tempo real e, assim, diminua as chances de erros no controle.

Quando comprar na loja ou no site

Estoque consignado

Esse é um formato bastante utilizado por empreendedores por facilitar o processo de armazenamento dos produtos. Dentro dessa modalidade existe um acordo entre lojista e fornecedor que possibilita, dentre outros benefícios, a devolução de produtos que não tiveram boa saída.

Vantagens: o risco e os custos para o empreendedor são muito menores, afinal, ele não terá prejuízos devido ao investimento em aquisição de um grande volume de produtos.

Desvantagens: esse é um formato que não se encaixa para todos os segmentos, pois somente produtos com longa data de validade ou alta sazonalidade podem entrar nessa modalidade.

Estratégia: o fornecedor precisa ser confiável. Qualquer problema que acarrete no atraso do envio ou na falta de entrega do produto, quem irá responder é a sua marca, que pode perder a credibilidade com seus clientes.

Manter um estoque mínimo é uma boa estratégia para driblar esses possíveis imprevistos.

Como escolher bons fornecedores para a sua empresa

Estoque terceirizado

Este é o formato ideal para e-commerces que desejam otimizar o espaço de armazenamento. Pode ser incorporado em dois formatos:

1. Drop Shipping

Integrado com um fornecedor geralmente de fora do país (que paga menos imposto, por exemplo), que será responsável pela gestão de estoque. Nesse formato, cada novo pedido recebido na loja virtual será redirecionado para o fornecedor, que terá a responsabilidade de enviar o produto diretamente ao cliente final.

Este modelo é considerado por muitos ilegal no Brasil. Principalmente por, de maneira geral, não deixar os procedimentos às claras, sem contar a desigualdade de condições tributárias.

2. Cross Docking

Trata-se de uma prática logística onde a loja 1 vende o produto mas não possui o item em estoque. Um sistema de back office consulta o estoque da loja 2 e consolida o pedido após a confirmação de pagamento. A loja 2 fatura e despacha o produto para a loja 1 que por sua vez envia ao consumidor.

É exatamente o modelo que Americanas e Netshoes trabalharam no início:

O que a Netshoes pode ensinar aos lojistas de marketplace?

Vantagens: a principal vantagem é a otimização e redução de custo com o espaço para armazenar e gerenciar o estoque.

Desvantagens: falta de controle direto ao estoque e prazos mais longos para a entrega.

Estratégia: para que esse formato funcione, invista em uma plataforma de e-commerce que possibilite a integração ao controle de estoque. Além disso, estabeleça um contrato com fornecedores que realmente sejam confiáveis e tenham a responsabilidade de fazer toda a logística incluindo troca, devolução e embalagem com a mesma qualidade que você faria.

Nota: Não confundir cross docking (venda com estoque de terceiros) com cross border (compra de sites internacionais).

Dessa forma, mesmo que os produtos não sejam enviados diretamente por você, a qualidade e a expectativa geradas no início da compra em sua loja virtual se mantêm até o recebimento do pedido. Informe sempre muito bem seus prazos e certifique-se que sempre serão cumpridos.

Já escolheu qual o modelo ideal para controlar o estoque de sua loja virtual?

Compartilhe sua experiência conosco!

Com possibilidades de receber altas demandas, pedidos e encomendas, um vendedor no marketplace precisa se atentar à gestão de seu estoque, para garantir o sucesso das operações e a satisfação dos clientes. Hoje, falaremos sobre alguns cuidados necessários com o estoque, ao vender em um marketplace.

Por que é necessário redobrar a atenção neste quesito? Confira o nosso artigo do dia!

1- Fique atento à quantidade de produtos que você tem

Anunciar determinados produtos, de x características (como cor e tamanho) e não ter em estoque é um risco grande que você corre de receber um pedido (ou muitos deles) e não ter como entregar o que o cliente espera.

Ainda que você vá buscar no fornecedor o quanto antes — até mesmo por não dispor de um espaço muito amplo para manter estoques de pronta entrega — é necessário tomar cuidado para não gerar nos consumidores expectativas não condizentes com a realidade.

Isso pode ocasionar reclamação e insatisfação, resultando não só em clientes que não mais comprarão com você, como também em má reputação no ambiente online, afastando outros compradores.

2- Seja precavido

Experiência desagradável com alguma compra é mais do que suficiente para um cliente desistir de determinado vendedor e passar a “má fama” adiante. Ainda mais em um ambiente onde há espaço para se manifestar publicamente quanto à sua satisfação, como a internet.

Ao mínimo sinal de que as encomendas podem ultrapassar a capacidade imediata de sua loja, atender a todos os clientes com rapidez ou entregar produtos exatamente nas especificações anunciadas — como no caso de grandes promoções, que geralmente atraem muitos consumidores — deixe bem claro que os pedidos poderão ser entregues de acordo com a “disponibilidade de estoque”. Crie regras e gerenciamento para isso.

3- Esteja ciente de sua responsabilidade em entregar no prazo

Ao conseguir espaço nas prateleiras digitais de grandes empresas, você deve estar ciente de que existe a responsabilidade de atender bem, entregar o produto correto e no prazo certo, para ter uma boa imagem. Em um marketplace, você não arca com os custos de um e-commerce, mas a responsabilidade de entregas é como se você tivesse realmente sua própria loja.

O conceito de drop shipping, que aborda uma maneira de trabalhar sem estoque real (o que pode significar redução de custos, mas também necessidade de ter atenção redobrada para não ter problema junto aos clientes) deve ser cuidadosamente trabalhado em marketplace, se essa for a opção do vendedor.

Para se aplicar a esse tipo de negócio, é preciso ter muito cuidado com a escolha do fornecedor e uma boa comunicação com ele, visto que se depende do estoque sobre o qual você não tem controle.

Como escolher um operador logístico para a loja virtual

4- Cumpra o prometido para não perder classificação

Por abranger uma grande área de atuação, atendendo e vendendo a clientes de diversas áreas, o e-commerce exige mais atenção. Se for o caso de trabalhar sem estoque ou depender de condições especiais na negociação com a logística, deixe bem claro que as condições de entrega podem variar de acordo com a região, condições de estrada e acesso.

Pega muito mal vender sem ter a mercadoria, atrasar ou chegar em desajuste. Isso pode trazer prejuízos até mesmo por haver custos com a entrega e o consumidor ter o direito de desistir ou de devolver.

Em marketplace, é necessário lembrar que há muitos concorrentes e qualquer erro pode significar perda de vantagem competitiva.

Leia também:

Como preparar sua loja virtual para vender nos maiores Marketplaces do Brasil

Nesse sentido, a gestão do estoque influencia diretamente na posição que o vendedor ocupa na plataforma e, consequentemente, no destaque dado aos produtos. Um vendedor que tenha descumprido prazos e gerado insatisfação em algum cliente pode ser mal avaliado e decair no ranking de melhores vendedores, perdendo confiança de potenciais consumidores novos.

Texto publicado anteriormente no Blog da Olist.

Nos últimos dias as máscaras do Chewbacca sumiram nos maiores varejistas americanos e o preço em vendedores independentes na Amazon explodiu

Tudo causado por uma transmissão pessoal no Facebook Live, a mais vista na rede social até hoje e que mostra na prática como um vídeo inesperado e despretensioso pode viralizar e incrementar as vendas no varejo, principalmente das lojas virtuais.

Se você não entendeu nada até agora, talvez você tenha estado na Lua nos últimos dias. Estou falando do vídeo de Candace Payne, transmitido ao vivo pelo Facebook no estacionamento da loja de departamentos Kohls logo após ela comprar uma “máscara do Chewbacca“. No vídeo, Payne gargalha até não aguentar mais ao abrir e vestir a máscara que imita os sons do Wookiee mais famoso de Guerra na Estrelas.

É bem capaz que você já tenha visto o vídeo, afinal já foram milhões de views desde nas últimas semanas, mas em caso negativo, pare tudo e assista. Agora.

Toda essa atividade social tem sido muito benéfica não só para a Kohls como para outros grandes varejistas online como Walmart.com, Target.comToysRUs.com, todos com seus estoques das máscaras esgotados nos últimos dias.

Busca da máscara no site da Kohls:

growth-hacking-chewbacca

Busca da máscara no site do Walmart:

growth-hacking-chewbacca-2

Busca da máscara no site da Target:

growth-hacking-chewbacca-3

Busca da máscara no site da ToysRUs:

growth-hacking-chewbacca-4

O fato foi confirmado pela própria Kohls poucos dias atrás na CNBC:

“Tivemos um interesse enorme e inesperado pela máscara do Chewbacca desde que a Candace publicou o seu vídeo. Estamos sem estoque da máscara desde então”.

A máscara é o produto “mais popular” na área de Fantasias no site da Target.com e item mais vendido na ToysRUs.com na categoria de Fantasias de Heróis.

O vídeo viral também está fazendo sucesso entre os vendedores independentes na Amazon.com já que o preço original da máscara que era de U$29,99 ficou para trás e agora o produto varia de U$90 a U$213.

growth-hacking-chewbacca-5

O impacto nas redes sociais

O vídeo de Payne também impactou positivamente as redes sociais da Kohls. Na sexta, um dia após a publicação do vídeo, a marca presenteou a simpática americana com mais máscaras do Chewbacca para o resto da família, diversos outros produtos relacionados a Guerra nas Estrelas e um vale compras de U$2.500.

O tweet oficial da Kohls com esta notícia já teve mais de 6700 curtidas e mais de 2700 retweets.

A Kohls também publicou um vídeo (abaixo) com a entrega dos presentes para Payne e sua família em seu canal do Youtube e o mesmo já teve mais de 190.000 views até o momento.

De acordo com dados da Amobee Brand Intelligence, o engajamento digital do conteúdo relacionado à Kohls cresceu 101% de 18 a 22 de Maio em relação aos cinco dias anteriores. De sábado a domingo mais de 48% do engajamento da marca era relacionado ao evento “máscara Chewbacca”.

De acordo com a Amobee, o vídeo de Payne não foi só positivo para a Kohls já que a Amazon, Walmart e ToysRus também tiveram um aumento de engajamento significativo relacionado ao evento.

Uma análise rápida no Google Trends dos últimos 3 meses, mostra de forma clara o impacto no volume de buscas para as palavras “Chewbacca mask”, “Kohls” e “Chewbacca”.

growth-hacking-chewbacca-7

Fatos como este deixam claro que os virais, quando relacionados a produtos ou marcas, impactam diretamente no volume de vendas e a Kohls soube muito bem aproveitar esta onda de forma positiva – os comentários entusiasmados sobre a marca no vídeo são unânimes neste sentido.

É por estas e outras que não há como não amar a internet <3


Artigo originalmente publicado em MarketingLand, traduzido e adaptado por Raphael Lassance.

Growth Hacking para E-commerce

O estoque é um setor crucial na gestão de uma loja virtual. Quanto menor o inventário e maior sua movimentação, mais receitas entram para a empresa. Agora, quando o contrário acontece, é sinal de desvalorização das mercadorias compradas e prejuízo no caixa.

Nesse cenário, o que resta ao empreendedor é se livrar desses produtos com pouca ou nenhuma saída, um desafio para empreendedores. Mas o que dificulta a saída de determinadas ofertas e quais seriam as soluções para vender produtos parados no estoque de um e-commerce? Vejamos!

O que faz um produto ficar encalhado?

Há uma série de fatores que contribuem para um produto ser indesejado pelo público, até mesmo em liquidações. São eles:

Público não enxerga o real valor no produto

Esse problema ocorre quando uma oferta não é bem apresentada ou seus benefícios não são bem explorados pelo e-commerce. Quando vão para liquidações, há uma tendência por parte dos consumidores de acreditar que esses produtos possuem qualidade inferior ou algum tipo de defeito. Desse modo, a saída dessas ofertas torna-se mais difícil.

A psicologia por trás da Percepção de valor

Preço muito alto se comparado aos concorrentes

As pessoas costumam usar os comparadores de preço para decidir suas melhores opções de compra. Quando algumas ofertas da loja estão com valores médios acima da concorrência, o público tende a descartá-las.

Os consumidores precisam enxergar um custo-benefício no seu produto e ver que, mesmo com um preço mais alto, valerá a pena comprá-lo.

Preço muito baixo pode significar baixa qualidade

Nesse caso, aplica-se aquele velho ditado: “Quanto maior a esmola, mais o santo desconfia”. Pois é, valores muito abaixo da média podem estar associados à qualidade inferior e duvidosa. As pessoas precisam ser convencidas de que se trata de um produto qualificado e dos motivos que levaram à queda no preço. Transparência é fundamental!

Outros erros comuns são:

• Dificuldade de achar o produto no site.
• Falta de comentários de outros clientes na página de oferta e nas redes sociais.
• Escassez de informações técnicas e mais detalhes sobre os produtos.

Leia também:

Como gerenciar o estoque de sua loja virtual em tempos de crise

Você sabe a diferença entre liquidação e promoção?

A liquidação tem como objetivo esvaziar um estoque acumulado. O termo vem do verbo liquidar, acabar, sumir com o que resta, portanto, o foco não é promover uma marca e nem lucrar, mas sim dar descontos agressivos e eliminar os produtos parados para movimentar o inventário.

Já as promoções são mais planejadas, feitas para impulsionar as vendas e as receitas da loja virtual. A ideia é transmitir aos consumidores a sensação de que eles estão levando alguma vantagem extra ao adquirir determinada oferta, como um desconto, a participação em um sorteio etc.

Quais as melhores práticas para vender produtos parados?

Não só as promoções e liquidações ajudam a reestimular o desejo de compra por ofertas encalhadas. Separamos mais 4 ações para dar esse empurrãozinho nas vendas. Confira:

Transmita senso de urgência ao consumidor

Sabe aquelas ofertas incríveis que “só valem até amanhã!” ou que “são os últimos do estoque!”? Então, senso de urgência é exatamente isso, quando os lojistas querem mostrar aos consumidores que eles têm poucas chances para comprar aquele produto. Isso costuma funcionar muito bem!

Envie descontos para seus melhores clientes

Antes de abrir a liquidação para todo o público, que tal dar esse privilégio para uma seleta lista de clientes? Vá atrás de seus melhores e mais ativos compradores e promova esses produtos de forma mais personalizada.

Insira comparadores de preço com produtos relacionados

Os comparadores de preços são eficientes para servir de referência aos consumidores. Quando o público tem pouca noção sobre o preço do produto que está sendo vendido, colocar outro semelhante e com um valor maior ou menor pode facilitar as vendas de ambas as ofertas.

Utilize a tática da vendas combinadas

Essa tática é usada para livrar-se de produtos em liquidação ao associá-los com uma venda normal. Por exemplo, se uma linha de camisetas estiver encalhada no estoque, seus produtos podem ser oferecidos com descontos na compra conjunta com uma calça, por exemplo. O consumidor enxerga valor agregado nesse tipo de oferta.

4 maneiras de criar mais valor no e-commerce

Não é novidade que novos produtos sempre atraem mais compradores, melhorando as vendas em médio a curto prazo principalmente se a sua loja ainda é nova e está buscando espaço no mercado, mas investir em estoque com essa finalidade nem sempre é seguro.

Em época de crise como esta que estamos atravessando agora, todo cuidado é pouco e o risco de sofrer prejuízos por conta de produtos parados na prateleira do seu estoque pode ser desastroso.

Manter um bom relacionamento com seus fornecedores é fundamental para manter seu estoque saudável e, ao mesmo tempo, livre de dívidas e dores de cabeça.

Sendo assim, seguem algumas dicas:

Mantenha um estoque mínimo de seus principais produtos

O carro chefe da sua loja deve sempre estar disponível para pronta entrega, ainda mais se você divulga esse produto através de mídias pagas como Google Adwords, por exemplo. Tenha sempre uma quantidade mínima segura para entrega.

Se necessário faça reposições semanais. Em um período de oscilações nas vendas fica mais fácil gerenciar o estoque em curto prazo.

Negocie com fornecedores e use cross selling

O conceito de cross selling pode funcionar muito bem, para isso faça ajustes no seu prazo de entrega para que haja tempo de receber o produto do seu fornecedor e entregar o pedido para o seu cliente sem que haja problemas. Também será necessário negociar com o seu fornecedor.

Lembre-se que este pode não ser o modelo ideal de fornecimento, mas manterá o ciclo de vendas ativo e, no final, todo mundo sairá ganhando.

Estoque parado há muito tempo? Promoções já!

Melhor ter algum lucro que nenhum, ainda que o mínimo. Se um determinado produto está parado sem vender, faça promoções, ainda que a preço de custo. Essa estratégia ajuda a renovar o estoque e manter o dinheiro girando.

Seu produto é a base do seu negócio, então cuide dele.

Ter muitos produtos encalhados no estoque reflete, muitas vezes, um mal desempenho nas vendas durante um determinado momento. A Black Friday ano após ano tem crescido seus números no Brasil. As empresas investem pesado em marketing, logística e em cargas de novos produtos para garantir o suprimento da demanda em um período com alto potencial de aumento de consumo.

Contudo, enfrentamos um ano de desaceleração na economia, e principalmente um e-commerce novo que ainda não testou seu potencial inteiramente, pode acabar sofrendo com produtos que não venderam. É um problema bem comum.

A solução é transformar o problema da falta de movimentação nas vendas em novas oportunidades. Criamos uma pequena lista com 5 maneiras para você comercializar os produtos encalhados depois da Black Friday.

Cyber Monday

É, sabemos que para este ano já passou (alguns sites estão fazendo uma Cyber Week), mas a Cyber Monday que passou a ser adotada no Brasil desde 2012, traz muito deste conceito, limpar os estoques. Ela ocorre toda segunda-feira após a Black Friday. A diferença é que na Cyber Moday somente as lojas virtuais participam e é normalmente focada na categoria de Eletrônicos.

No Brasil os descontos chegam até 80% e geralmente são comercializadas as ofertas que não vingaram na Black Friday. Essa é uma ótima chance para voltar a movimentar o estoque. Um trabalho de marketing para alertar os consumidores é importante para mantê-los informados sobre os descontos do Cyber Monday.

É preciso ter cuidado com a escolha dos produtos a serem ofertados e no valor das ofertas. Cliente nenhum irá gostar de saber que um produto comprado na Black Friday aparece com um desconto ainda maior na Cyber Monday.

Faça promoções

Independentemente da Cyber Moday ou qualquer outra data comemorativa, você pode realizar promoções e liquidações para chamar a atenção do público para as ofertas disponíveis. Uma dica é aproveitar um dia que nenhum concorrente direto da sua empresa esteja oferecendo descontos. Promoções relâmpagos também costumam funcionar bem.

Você pode usar as promoções e comercializar os produtos não só para fazer lucro. É possível separar parte do estoque e criar concursos ou sorteios que estimulem o engajamento do público com a sua marca de alguma maneira. Assim, mesmo perdendo em receitas, você pode expandir o alcance da sua marca, tornando-a mais presente na vida dos consumidores e fazendo com que mais pessoas conheçam. Pense que você está investindo o valor do produto-prêmio em propaganda.

Isso pode gerar um bom retorno em médio prazo, já que esse tipo de estratégia envolve um público maior. Mesmo que não estejam dispostos a comprar no momento, muitos desses consumidores podem lembrar da sua empresa no futuro.

Economize e reserve para o Natal

A vantagem da Black Friday é que ela é realizada a menos de um mês do Natal, outra data que movimenta o comércio eletrônico. Logo, há de se imaginar que muitos dos produtos preparados para o primeiro evento venham a servir para o segundo.

Não é o cenário ideal e nem deve ser realizado com todo o estoque. Mas parte dele pode ser aproveitado para voltar a ser comercializado no Natal.

Estabeleça acordos com outras lojas e fornecedores

Essa é uma outra solução bem viável. Existem várias empresas, como a varejista online de moda Privalia, que trabalham com a revenda de produtos encalhados em estoques de outras empresas. As renegociações dessas ofertas por meio desse tipo de parceria são boas para a empresa, intermediário e consumidor final.

Um modelo parecido pode ser aplicado com os fornecedores. Em caso de problemas para esvaziar um estoque, um e-commerce pode negociar possíveis trocas de parte do seu estoque por novos produtos.

Elabore kits para venda

Outro modo para se livrar do estoque encalhado é fazendo combinações de produtos similares ou complementares. Com um desconto perceptível, esse tipo de oferta pode ser bem recebida pelos consumidores.

Por exemplo, um e-commerce de moda e vestuário pode criar um kit com calça, sapato e camisa polo selecionado diretamente do estoque.

Só tenha o cuidado de não praticar venda casada — quando um produto só pode ser comprado se for junto com outro —, pois isso é crime.

De fato, se livrar de produtos encalhados não é fácil. Uma oferta que não atrai a atenção do consumidor, principalmente em uma data onde o movimento no comércio eletrônico é maior, dificulta as coisas. Mas acredite, usando a criatividade e pensando em outras formas de gerar algum ganho com essas mercadorias, sua empresa poderá obter bons resultados.

Você tem alguma sugestão para comercializar as possíveis ofertas encalhadas?