Tags Posts tagged with "gamification"

gamification

Marca de moda feminina online, a AMARO tem como algumas de suas premissas a inovação digital e estratégia omni-channel. Ambos os conceitos acompanham uma produção verticalizada (que vai desde a criação e execução interna das coleções até a logística de entrega da peça ao cliente) e a preocupação com a experiência do consumidor.

Visando potencializar todos esses pontos, o e-commerce inovou ao usar o jogo sensação do momento, o Pokémon GO, como novo ponto de contato para atrair e engajar clientes e admiradores da marca.

Pokémon GO: como relacionar seu negócio à febre do momento

Com uma ação planejada para ativar os Guide Shops (espaço conceito que leva para o ponto de venda físico à experiência de compra do ecommerce) a marca oferece “Lure”, um artifício do jogo colocado em locais específicos para deixar o ambiente mais atrativo para os Pokémons, propondo que os consumidores vão até o shopping, atraiam os monstrinhos para dentro da Guide Shop e postem fotos com eles no cenário especial construído para a ativação.

Ao compartilhar a imagem nas redes sociais marcando a AMARO ou usando a hashtag “MundoAMARO”, o cliente recebe R$30 de desconto em compras acima de R$100.

amaro2

A ativação teve início no último sábado, 20, na AMARO Guide Shop do Pátio Higienópolis e conta com uma identidade visual criada especialmente pela equipe criativa da marca. Com um treinamento específico, as vendedoras foram preparadas para auxiliar as clientes durante todo o momento da ação.

A ação foi planejada para incentivar os consumidores a usufruírem do ambiente físico da AMARO, aumentar o engajamento e também apresentar a experiência da marca para novos clientes, em uma combinação inédita de realidade aumentada e gamificação.

“O objetivo de trazer o jogo Pokémon GO para os nossos Guide Shops foi fortalecer junto aos consumidores os valores da AMARO que unem os conceitos de omni-channel, tecnologia, inovação e últimas tendências”, diz Sandra Hayashida, head de physical retail.

Sua marca também conseguiu aproveitar a febre do Pokémon Go? Conte nos comentários. 🙂

A gamificação é um assunto em alta, porém algumas pessoas ainda tem dificuldade de entender o que exatamente é,  e como transformar em estratégia para o seu negócio. Gamificação é a aplicação de estruturas e mecânicas de design de jogos em outros contextos, que não são jogos.

Esta estratégia tem sido destacada por especialistas do setor, como uma das mais importantes tendências em tecnologia. A Gamificação pode potencialmente ser aplicada a qualquer tipo de negócio para criar experiências divertidas e atraentes, convertendo usuários em jogadores. Grandes marcas já estão utilizando esta estratégia, confira os cases de Nike, Fiat e Botícário.

O diferencial da gamificação é o seu grande potencial de criação de conteúdo em conjunto com os clientes, de incentivar o cadastro e o acompanhamento das novidades da sua loja virtual, e principalmente de gerar o compartilhamento de links, aumentando a visibilidade, o número de conversões de sua página e fortificando comportamentos de compra. Há diversas possibilidades para a sua empresa ou loja atingir seus consumidores de maneira mais direta, mais lúdica.

Leia também: Gamification pode dar o empurrãozinho que seu negócio precisa

Nem sempre quando você utiliza a gamificação como estratégia você precisa criar exatamente um jogo, existem várias outras formas de aplicar esse contexto, na Camiseteria, por exemplo, cada artista tem um perfil que mostra quantas estampas enviadas e quantas estampas aprovadas ele tem. Não é exatamente uma competição, mas todos que se cadastram como artistas podem comparar suas estatísticas com outros artistas, exatamente como funciona com aqueles jogos que de cartas, onde vence quem tem mais poder. Porém não é um jogo, é um e-commerce de camisetas.

A gamificação é uma estratégia recomendada para empresas que conhecem seu público e já estão estabelecidas no mercado, pois é uma estratégia de longo prazo. O retorno e o engajamento do público podem demorar para acontecer.

Um exemplo básico de gamificação no e-commerce é um sistema de milhagens, conforme o cliente for comprando ele acumula pontos que podem valer brindes ou virar desconto para compras futuras. Se o seu nicho é futebol, você pode contar gols ao invés de milhas e definir que cada R$5 equivalem a um gol.

Existem muitos tipos de jogos, prêmios, concursos, troféus e outras formas de reconhecimento. Se o seu “jogo” não tem nada a ver com a sua marca ou seu setor, ele só irá confundir as pessoas. Além disso, certifique-se que é adequado para o seu público, uma vez que consumidores, empresas e clientes em faixas etárias diferentes, se comportam de forma muito diferente.

Os Recursos da gamificação são muito úteis para guiar os seus usuários para as ações que fazem sentido para o seu site, como encher o carrinho, compartilhar lançamentos, e qualquer outra ação que se converta em retorno financeiro para você.

Assim como nos jogos, a estratégia de gamificação precisa gerar alguma recompensa para o cliente, nem todos gostam de “jogar” apenas por jogar. Avalie o que conta mais para o seu público status social, desconto, brinde… Assim como o E-bit avalia suas lojas, você também pode dividir seus clientes em bronze, prata, ouro e diamante, dependendo do número de pedidos de cada um.

As pessoas gostam de completar um jogo e chegar ao nível superior, mas elas adoram muito mais um desafio. É muito mais motivador para que os “jogadores” realmente se motivem para alcançar resultado, do que alcançá-lo com um pequeno esforço. Recompensas de primeiro nível são importantes para desencadear o interesse dos jogadores a seguirem no jogo e continuarem em busca de novas conquistas.

A Gamificação é uma técnica sólida, porém cada caso é um caso, cada negócio funciona diferente do outro. É o tipo de coisa que pode dar certo muito rápido, mas também dar errado muito mais rápido. E aí todo seu investimento vai por água abaixo. Lembre-se que como qualquer outra estratégia de marketing, é preciso muito planejamento. Caso contrário, não reverterá no seu principal objetivo: vendas.

Estou à frente da Uni Buscapé há quase quatro anos e tenho acompanhado o surgimento de novos conceitos e possibilidades de negócio na internet. O Marketing de Conteúdo foi um deles que acompanhei e “bebi da fonte” ao usufruir em ser um dos primeiros do mercado brasileiro à investir na estratégia. O Profissional de E-commerce, blog que você lê neste momento é um dos frutos disto. O curso de Mídias Sociais é outro exemplo excelente que investimos forte em 2012.

Eis que você já deve ter entendido que este próximo tema à explodir no Brasil é Gamification. Os jogos, desde os tempos do Atari com o Pac-Man até os jogos de tabuleiro como o Banco Imobiliário, sempre encantaram e até mesmo “viciaram” milhares pelo mundo todo. Hoje então as possibilidades são muito maiores, na Era dos Smartphones acompanhamos, por exemplo, os relatórios deaplicativos rentáveis da Apple e 70% são jogos.

A área de Treinamentos (em Recursos Humanos principalmente) é uma que já usufrui muito bem do engajamento e motivação através das técnicas baseadas em games. Entendo que se trata de uma das principais tendências do Marketing Digital, E-commerce e muitas outras áreas de negócios para 2016.

Tanto que busquei um profissional que também pensa assim. Acredita mesmo, até iniciou uma startup focada na área. Este cara é o Felipe Marlon, um dos pioneiros à trabalhar o conceito na TV Globo, que hoje está entre seus clientes.

Nesta parceria desenvolvemos o curso totalmente online Gamification Marketing. Além de explicar com exemplos práticos todos os conceitos e elementos que a gamificação pode trazer para agregar valor às estratégias de negócio da sua empresa, o curso vai abrir sua mente para estas novas possibilidades.

Assim como faço com todos meus alunos, te convido à navegar um pouco aqui no Profissional de E-commerce, entender bem as possibilidades do mercado e posteriormente conhecer nossa proposta. Vejo oportunidades concretas aqui. Segue o link do curso: Gamification Marketing – Como motivar clientes utilizando estratégias de games

Gravamos este vídeo com o Felipe para explicar melhor nossa proposta, assista:

Você já foi no McDonalds com “pouca fome” e pensou: Vou pegar apenas o lanche. Mas na hora de fazer o pedido, percebe que a diferença do valor do lanche para “Combo com refrigerante e batata” é pequena, logo, não vale a pena “pedir só o lanche” e você decide pela compra do Combo.

Tudo parece natural, entretanto, do ponto de vista econômico sua decisão deveria ter sido “Comprar apenas o lanche”, pois era o que sua fome demandava e o custo seria o menor.

O que nos leva a tomar tal decisão irracional? Quebrando com a expectativa racional da economia clássica, a ECONOMIA COMPORTAMENTAL leva em conta que é natural tomarmos decisões “satisfatórias” em vez de sempre a ideal/racional/melhor, pois ela leva em conta fatores psicológicos, hábitos, experiência, momento e outros fatores que afetam nossas decisões.

Sendo assim, quando olhamos para nosso negócio, devemos olhar como está montada a Arquitetura de Escolhas para nosso cliente, ou seja, olhando para o fluxo de escolhas que ocorrem do momento do primeiro contato até a efetivação da venda. Quais são os caminhos que levam a tomada de decisão?

Mapear esse processo é interessante, pois podemos encontrar pontos importantes para nosso cliente e partir daí podemos criar Nudges, ou empurrõezinhos, para nossos clientes seguirem o melhor fluxo dentre tantas escolhas que ele tem nesse processo.

A ideia dos Nudge é que possamos criar pequenas intervenções que direcionem o caminho de decisão ideal, isso sem proibir outras possibilidades, assegurando a liberdade de escolha do nosso cliente.

É neste ponto que a Gamificação é eficiente e vai resolver independente do seu negócio. Pois ela cria mecanismos simplificados e com baixo custo para implementação. A Gamificação (ou Gamification) se fundamenta no uso de mecânicas de games e técnicas de game-design, para gerar interesse e ações em outros contextos, como o do seu negócio.

Leia também:

Eu acredito em Gamification, e você?


Livros para ir além:
Nudge – O Empurrão para a Escolha Certa – Richard Thaler
For The Win – Kevin Werbach

Curso:
– Gamification Marketing – Como motivar clientes utilizando estratégias de games – Por Felipe Marlon

Mais de 9 em cada 10 usuários de smartphones no Brasil jogam em seus smartphones de acordo com pesquisa realizada pela Blend New Research e pela Sioux em janeiro de 2015. Quase 6 em cada 10 “jogadores digitais” brasileiros eram homens em 2013, este ano, os homens representavam apenas uma pequena maioria, 52,9%.

dispositivos-usados-para-jogar

Entre os usuários de smartphones no Brasil com idades entre 14 e 84 que se declaram “gamers”, o dispositivo mais utilizado é o smartphone, com 82,8% dos jogadores. São significativos 26 pontos percentuais a mais do que os entrevistados que utilizam consoles e mais de 11 para os que utilizam PCs.

O grupo de entrevistados indicaram que jogar é sua atividade mais comum no smartphone. Mais de 90% desses usuários que jogam consideram que jogam mais que usam as redes sociais, baixam aplicativos, assistem vídeos ou escutam música.

Evidentemente entre estes usuários a categoria número 1 entre aplicativos baixados é a de Games, mais de 20% à frente dos aplicativos de Entretenimento e mais de 32% à frente de apps de Fotos ou de Comunicação.

Apesar de quase dois terços dos entrevistados relatarem estar abertos para receber anúncios em troca de jogos gratuitos, quase o mesmo percentual entendem que estes anúncios interrompem os jogos. Desde 2013, os entrevistados se tornaram mais propensos a reclamar destas interrupções. A pesquisa atual apontou mais de 10% a menos estão propensos a aceitas os anúncios “atrapalhando” os jogos gratuitos.

Pesquisas anteriores do Symantec descobriram que 59% dos usuários de smartphones no Brasil pensam nos games quando falam em suas atividades de aplicativos mais agradáveis, apenas atrás de “socializar com amigos e familiares” e da “música”, com 61% das respostas em outubro de 2014. Texto traduzido do eMarketer.com


O mundo Mobile aparentemente está dominando os jogos também, a facilidade e acessibilidade do dispositivo com certeza acaba sendo decisiva. Neste texto que aponta o faturamento da Apple com venda de aplicativos (e por aplicativos) em 2014. O Keine Monteiro mostrou que entre os top 20 aplicativos mais rentáveis, 16 são aplicativos de jogos. O líder Clash of Clans, por exemplo, tem um faturamento médio de mais de 1 milhão de dólares por dia.

Poderoso não? Pois saiba que este sucesso dos games não é por acaso. E os conceitos utilizados para rentabilizar e “viciar” os jogadores podem (e devem) ser utilizados na estratégia do seu negócio.

O estudo destas técnicas (como por exemplo a Diversão) dos jogos de sucesso se chama Gamification (ou Gamificação) e tem apresentado inúmeros cases de empresas com sucesso na aplicação destas mecânicas, em marketing principalmente.

Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification

Para ter uma introdução melhor ao tema, desenvolvemos este e-book abaixo. A utilização das mecânicas de games em ambientes que normalmente não tem este propósito têm crescido de uma maneira significativa e é uma grande aposta nossa aqui na Universidade Buscapé.

Recomendo o download do material e manter-se por dentro do assunto:

Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification

Quando se trata de vendas online, todo dia surge uma nova estratégia prometendo alavancar o número de clientes e aumentar os lucros. Porém, algumas delas vão além, e aproveitam técnicas de outras áreas para melhorar os resultados do e-commerce.

O Círculo Mágico da Gamification é um deles. Utilizando técnicas dos mecanismos de jogos, a estratégia busca despertar o interesse e engajamento do público-alvo, melhorando os resultados da sua loja virtual. E para aproveitar ao máximo a técnica é preciso, antes de mais nada, conhecê-la de perto. Continue acompanhando e saiba mais!

O que é Gamification e Círculo Mágico?

A gamification, ou gamificação em português, é a técnica que aplica as estruturas dos jogos orientados em contextos reais com o objetivo de resolver problemas, educar, despertar o engajamento, aumentar a produtividade, realizar treinamentos etc. De forma lúdica e dirigida, essa ferramenta vem se popularizando, especialmente em escolas, empresas, organizações não governamentais e, mais recentemente, no comércio.

Dentro dessa técnica existe conceito batizado de “Círculo Mágico”. Ele representa a divisão espacial entre o jogo e não-jogo. É ele que assegura que o jogo seja mantido dentro daquele ambiente definido e separado do “mundo real”, protegendo a passagem entre a ficção e vida cotidiana.

Essa realidade criada, e aceita por todos os participantes do jogo, pode ser completamente diferente da que vivemos nossas vidas — sejam as regras, o clima, as pessoas, a normas sociais, os objetivos etc. É preciso, portanto, aprender essas novas regras para poder entrar nesse circulo mágico.

A importância do aprendizado

Esse processo de aprendizagem é essencial também para quem pretende vender pela internet. É o chamado “desenvolvimento de clientes’”. A prática consiste em educar seus consumidores para que eles tenham noções mais clara sobre o que você produz, seja um produto ou serviço, qual a importância e os pontos que devem ser levados em consideração na hora de optar por você ou pela concorrência.

Assim como em um jogo, é preciso estabelecer essas “regras” e criar um ambiente, ou “círculo mágico”, onde o que importa para eles é atingir aquilo que é mais vantajoso. Tendo conhecimento desse processo e noção de quais pontos devem ser valorizados, fica mais fácil convencer o cliente de que a sua oferta é a melhor opção para ele.

O Círculo Mágico de Johan Huizinga

O professor e historiador Johan Huizinga (1872-1945) é o criador da Teoria do Círculo Mágico:  “o círculo mágico de um jogo é onde o jogo acontece. Jogar um jogo significa entrar em um círculo mágico, ou talvez em criar um quando o jogo começa. O círculo mágico de um jogo pode ter um componente físico, como o tabuleiro(…). Mas muitos jogos não têm limites físicos (…). O jogo simplesmente começa quando um ou mais jogadores decide jogar“.

circulomagico

Este vídeo brinca um pouco aplicando o conceito de Círculo Mágico. Um projeto de graduação da Bezalel Academy of Arts, Sight – Believe in Gamification mostra como seria a vida com elementos de games.

Aplicando as técnicas de Círculo Mágico

Para te ajudar a passar esse aprendizado para seus clientes, poucas ferramentas são tão eficazes quanto o círculo mágico. Isso porque, diferente da nossa realidade — onde as respostas para todos os problemas já estão dadas —, dentro do círculo mágico é possível criar um novo espaço, com novas possibilidades, novas experiências, novas ferramentas e novas respostas para problemas antigos.

Assim, ao vivenciar uma dimensão diferente da qual estamos acostumados, um novo mundo se abre diante dos nosso olhos — e é impossível retornar à realidade da mesma forma que saímos.

Para aplicar esse conceito ao seus clientes, é preciso criar um ambiente virtual onde ele consiga se afastar da “vida real” e imergir nesse circulo mágico. Também é necessário deixar claro quais as regras daquele espaço, dando-lhes a segurança para explorar aquela nova realidade sem medo. Por fim, é preciso encontrar uma boa forma de inserir um “call-do-action” ao fim do processo, transformando-o em uma experiência real para seus clientes.

Gostou da ideia? Então comece agora mesmo a explorar as diferentes maneiras de aplicar essa técnica no seu e-commerce e boas vendas! E se você ficou com alguma dúvida escreva para nós através dos comentários!

Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification

Gostou do tema? Quer mais sobre o assunto? Clique abaixo e faça o download de nosso e-book Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification.

Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification

 

O processo de vendas online ocupa uma parcela importante no mercado mundial, sendo muitas vezes o ponto de decisão que irá assegurar o sucesso de um negócio. Ao proporcionar ao cliente a comodidade de comprar algum produto em sua casa, o e-commerce possibilita uma aceitação mais rápida e gera uma maior demanda ao comerciante.

Porém, a criação de um espaço de vendas online não é suficiente para geração de possíveis compradores, havendo a necessidade da gamificação (gamification) nos processos de construção do layout da página e elementos de interatividade com o internauta.

O principal intuito dessa prática é engajar pessoas com a marca, através de estímulos facilmente empregados nas relações humanas, como, por exemplo cooperativismo, competitividade, status social, etc. Mas o que esse mecanismo pode fazer pelo meu negócio? Listamos algumas aplicações do gamification e quais suas vantagens nas ações de comércio online, confira:

A brincadeira de vender

A impessoalidade de alguns conteúdos — principalmente os de caráter técnico — costuma gerar um distanciamento das pessoas que visitam o site, não propiciando uma venda efetiva. Como solução, a criação de um personagem ou mascote para a marca ajuda no desenvolvimento da comunicação, criando empatia com os leitores e gerando mais interesse no produto ofertado.

Esses personagens facilitam tanto no manuseio correto da página, quanto nas especificações dos produtos e políticas da empresa (formas de pagamento, garantias, assistência técnica, etc). Desta forma, fidelizar clientes torna-se uma prática divertida e dinâmica.

Os jogos

Outra prática bastante saudável na sua loja virtual é a criação de disputas entre os próprios consumidores, através de jogos e atividades que possibilitem a conquista de pontos, moedas ou premiações na plataforma utilizada. Além de ser eficaz na geração de mais tráfego para o site, a aplicação de apelos de rivalidade instigam a compra e reforçam a marca na mente dos usuários virtuais.

Acompanhado dessas ações, a possibilidade de descontos com o acúmulo de pontos agrega maior relevância às disputas e amplia uma característica tão inerente nas pessoas: a competitividade.

O passo a passo

Quem nunca desistiu de uma compra por imaginar que as etapas da loja online seriam longas e burocráticas, que atire o primeiro mouse. Para realizar uma compra online, na maioria das vezes é necessário fazer um cadastro, registrando todos os dados pessoais para a entrega e pagamento da mercadoria.

Isso, apesar de necessário para a efetivação da compra, gera desgaste e desistência, prejudicando o e-commerce. Para amenizar esse problema, o mapeamento das etapas da compra é essencial para manter os consumidores até o final da transação, já que eles saberão o início, meio e fim de todo processo. Assim como qualquer game, o processo precisa ser instintivo, sem necessitar de qualquer instrução.

O prêmio final

O investimento em estratégias e ferramentas, apesar de parecer oneroso, propicia uma otimização dos resultados, facilitando a identificação das necessidades e desejos dos clientes, segmentando os produtos e serviços de acordo com a demanda existente. Uma pesquisa feita pela consultoria em tecnologia Gartner prevê que metade das empresas pertencentes ao Global 100 usará o conceito de gamificação até 2017, transformando definitivamente a forma como o empreendedor se relaciona com os seus clientes.

E então, está pronto para apostar na gamificação para fidelizar os seus clientes? Se você ficou com alguma dúvida não deixe de escrever para nós através dos comentários!

Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification

Gostou do tema? Quer mais sobre o assunto? Clique abaixo e faça o download de nosso e-book Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification.

Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification

As empresas pioneiras vivem um esforço constante para encontrar novas formas de aprimorar o relacionamento com seus consumidores. Nessa tentativa, surgem modismos que prometem soluções rápidas, mas desaparecem com a mesma velocidade com que costumam surgir no mercado. Por sorte, outras tendências evoluem lado a lado com as organizações e indivíduos, proporcionando excelentes resultados para as empresas que as adotam.

A Gamification, ou Gamificação, é uma dessas vertentes que parecem ter chegado para ficar quando o assunto é o relacionamento das marcas com seus consumidores. Prova disso são os números de um relatório divulgado pelo Gartner, empresa de pesquisa de marketing: até 2018, a gamificação será um mercado de mais de 5 bilhões de dólares em todo o mundo.

Ficou curioso? Conheça um pouco mais sobre essa tendência e descubra como ela pode transformar o seu relacionamento com os clientes:

Mais participação e engajamento

Uma das melhores formas de definir a gamificação é pensá-la como uma estratégia de aplicação de elementos de jogos em problemas não relacionados a jogos (como negócios, gestão ou ações sociais). Para as empresas, essa inciativa tem como principal objetivo engajar seu público com a marca, utilizando recursos de interação que são, na maioria das vezes, lúdicos.

A mecânica da gamificação no marketing é simples: a empresa oferece oportunidades para que os clientes realizem algumas ações e, caso elas sejam completadas de acordo com as regras pré-estabelecidas, uma recompensa é recebida.

Uma das razões para o seu amplo sucesso entre as empresas de diferentes segmentos é o seu apelo psicológico: a gamificação explora características inerentes aos seres humanos, como a cooperação em comunidades, a competitividade, a realização pessoal, o status social, o altruísmo, entre outras. Com isso, uma marca se utiliza de elementos de diversão em suas iniciativas empresariais, ao mesmo tempo em que influencia o comportamento de seus consumidores.

No mundo real

A tendência da gamificação pode ser aplicada tanto de forma virtual (com usuários ganhando recompensas e incentivos na web, como medalhas, pontos, cupons ou ‘badges’) quanto física.

Atualmente, a tendência é que as empresas busquem criar interações fáceis de serem aprendidas e executadas, e que também estimulem a participação dos usuários de forma repetida. Essa estratégia possui um apelo particularmente forte nas redes sociais, um ambiente em que as pessoas já estão altamente propensas a interagir com as marcas de sua preferência.

Para aplicar a gamificação no negócio, basta que a empresa encontre as mecânicas que se apliquem ao seu perfil de público e contribuam para o estabelecimento de uma conexão emocional com a marca, o que pode aumentar a lealdade dos clientes em relação a ela.

Para algumas organizações, a solução pode ser oferecer recompensas à medida que seus produtos e serviços são comprados, desenvolvendo programas de fidelidade que fazem com que os consumidores retornem constantemente.

Gamification: a estratégia que vai transformar o seu relacionamento com clientes

Já para outras, o importante é muito mais a interação do que a compra em si: em comunidades virtuais e fóruns, por exemplo, os internautas podem ganhar pontos por realizarem ações como criar tópicos, responder a perguntas, iniciar discussões, entre outras formas de contribuição, acumulando benefícios que podem ser aproveitados junto à empresa.

Outro uso inteligente da gamificação é como uma alavanca para a adoção de novidades e inovações pelos consumidores, como uma nova versão de um software ou um novo serviço baseado na web. Com isso, os usuários podem receber desafios para interagir de forma mais profunda nesse novo ambiente, sentindo-se estimulados a descobri-lo progressivamente e a aceitar as mudanças de forma mais positiva.

Cases de sucesso

Muitas pessoas associam as soluções de gamificação a jogos complexos e elaborados que exigem elevados investimentos para seu desenvolvimento. No entanto, alguns casos de sucesso mostram que aproveitar essa tendência pode ser bem mais fácil do que parece.

Gamification: a estratégia que vai transformar o seu relacionamento com clientes

O acúmulo de milhas em viagens aéreas, desenvolvido de forma pioneira pela PanAm, é considerado uma das primeiras iniciativas voltadas para a gamificação. Ainda que não envolva recursos lúdicos, o acúmulo de pontos para troca por novas passagens estimula um comportamento esperado em seus clientes, contribuindo para o aumento das vendas e da fidelização.

Já no ambiente mobile, o Foursquare é uma das marcas que trabalham bem o conceito de gamificação, desafiando seus usuários a ganharem ‘badges’ e status na rede social ao fazerem check-in nas localidades que visitam. Visitando um mesmo estabelecimento várias vezes, um usuário pode virar prefeito do local e ganhar descontos em produtos e serviços ou outros tipos de recompensas.

Outro exemplo célebre de gamificação foi o serviço de armazenamento na nuvem do Dropbox. Os usuários do sistema que completam certas tarefas (como fazer um tour pelo serviço, conectar a conta às redes sociais, fornecer feedbacks ou indicar a marca para amigos) ganham espaço adicional de armazenamento, se tornando experts e embaixadores da marca de uma só vez.

Alinhamento

Não se esqueça de que, para proporcionar resultados realmente valiosos para o negócio, é fundamental que a estratégia de gamificação esteja alinhada aos objetivos da organização. Dessa forma, a empresa garante que os usuários irão se sentir motivados a interagir com a marca pelos motivos certos e não somente pelo puro entretenimento.

Além disso, é fundamental que a sua empresa seja capaz de monitorar o feedback dos usuários que estão aderindo a essa inciativa. Somente assim será possível realizar melhorias e adicionar funcionalidades que tornarão a experiência sempre divertida e recompensadora para seus usuários, assim como acontece nos jogos.

Com tudo isso, fica mais fácil perceber por que a gamificação vem se consolidando como uma importante tendência nas organizações nos últimos anos. Afinal, não é por acaso que o Gartner estima que 70% das 200 empresas que compõem o ranking global da Forbes estejam planejando utilizar a gamificação para aprimorar suas estratégias de marketing.

E quando pensamos que as estratégias de jogos podem ser adotadas não somente para o relacionamento com consumidores, mas também para aprimorar treinamentos, gestão e até mesmo acompanhar a carreira de funcionários, fica óbvio que a gamificação não é um simples modismo que está prestes a desaparecer.

E você? Entendeu o potencial da gamificação? Acredita que essa tendência realmente veio para ficar? Não perca tempo e saiba mais a respeito dessa estratégia.

Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification

Gostou do tema? Quer mais sobre o assunto? Clique abaixo e faça o download de nosso e-book Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification.

Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification

Videogame ensina. Muito se fala em Gamificação (ou Gamification) nos últimos tempos. Adotar mecânicas de jogos em ambientes que não propõem originalmente essa funcionalidade têm gerado bons resultados quando utilizadas da maneira correta. O artigo a seguir publicado no Exame.com diz muito do porquê isto pode trazer tantos benefícios mesmo utilizando APENAS o universo dos games.

Agora pense nestes benefícios inseridos dentro de um contexto… Então!

Por Camila Pati. O videogame está entre os ganhos deste Natal? Comemore. Além de um investimento para o seu lazer, você acaba de ganhar uma ótima ferramenta para exercitar seu cérebro e ser um profissional mais bem preparado para o mercado de trabalho.

Isso mesmo, jogar videogame é bom para a carreira. Para se ter uma ideia, uma pesquisa da universidade de Denver revelou que as habilidades dos jogadores de videogame são 14% superiores aos não jogadores e a capacidade de retenção de informações é 9% maior. Foram mais de 6,4 mil estagiários avaliados pelos pesquisadores.

Leia também: Gamification: A arte e os desafios de fidelizar consumidores pelos games.

Os quatro especialistas ouvidos por EXAME.com concordam. De acordo com Flora Alves, sócia da SG Soluções e Gestão Empresarial, se bem utilizados, os videogames são uma ferramenta de aprendizagem que pode ser muito bem aproveitada pelas organizações, durante o expediente. “Os videogames devem ser mais do que um momento de descontração porque permitem a aprendizagem de forma mais divertida”, diz.

Confira algumas habilidades estimuladas ao jogar videogame, segundo os especialistas:

1. Criatividade

Ao iniciar um jogo, ninguém consulta um manual para entender regras e jogadas. “O jogo tem uma forma lúdica de permitir ao jogador experimentar situações na base da tentativa e erro”, diz Eline Kullock, especialista em Geração Y. Essa experimentação é um estímulo para a criatividade, de acordo com ela.

6 habilidades que o mercado exige e o videogame ensina.

2. Pensamento estratégico

Para passar de uma fase a outra de um game geralmente é preciso traçar um plano mental do que fazer. “Tem que planejar como vai chegar à próxima etapa, isso é planejamento estratégico”, lembra Eline.

6 habilidades que o mercado exige e o videogame ensina.

E, cada vez mais sofisticados, há jogos que apostam em desafios bem complicados e que demandam raciocínio estratégico dos jogadores.

3. Agilidade

A velocidade é uma característica dos tempos (e dos jogos) atuais. Grande parte dos videogames estimula a habilidade de resposta rápida a estímulos. É muito comum a rapidez ser bem recompensada com pontos nos jogos.

6 habilidades que o mercado exige e o videogame ensina.

“O mundo exige pessoas preparadas para a vida atual que tem como característica a rapidez da transmissão de informações por meio de tablets, smartphones, computadores. Os jogos fazem parte deste contexto”, diz Reinaldo Passadori, CEO do Instituto Passadori.

4. Poder de concentração

“Nos jogos, as pessoas precisam de um nível de concentração elevado”, diz Igor Cozzo, diretor de comunicação da ABTB (Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento). Por isso, dificilmente um jogador vai tirar os olhos da tela se alguém o interrompe para perguntar alguma coisa. Essa capacidade de manter o foco é uma das regras básicas para ser mais produtivo durante o expediente.

6 habilidades que o mercado exige e o videogame ensina.

5. Foco em solução de problemas

“Os jogos apresentam um objetivo claro e são pensados de forma a restringir o caminho mais fácil”, diz Flora Alves. Essas restrições para atingir a meta, segundo Flora, naturalmente levam o pensamento ao foco na solução de problemas.

6 habilidades que o mercado exige e o videogame ensina.

6. Capacidade de trabalho em equipe

Muitos jogos são colaborativos, exigindo interação com outros jogadores tendo em vista o objetivo em comum a ser alcançado. Segundo Passadori, mais uma vantagem que o jogador garante: capacidade de trabalho em equipe.

6 habilidades que o mercado exige e o videogame ensina.

Texto publicado no site Exame.com – 6 habilidades que o mercado exige e o videogame ensina.

Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification

Gostou do tema? Quer mais sobre o assunto? Clique abaixo e faça o download de nosso e-book Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification.

Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification

O que é Gamification?

Nesta semana (de 22 a 26 de julho/2013) , o ProXXIma preparou uma série de cinco vídeo-reportagens explicativas para mapear estratégias e desafios de fidelizar clientes com “gamificação”.

Em outras palavras, você adota mecânica de jogos, em plataformas que não tem necessariamente essa funcionalidade. O conceito é aplicar características envolventes aos elementos de uma marca de maneira que exponencie e qualifique a experiência do consumidor com determinada empresa.

A demanda por campanhas Transmídia que utilizam recursos lúdicos e de competição para engajar consumidores à interagir por mais tempo de maneiras diferentes e em diversos canais cresce a cada dia. O engajamento, retenção e viralização gerado por uma mecânica dessas é geralmente bem maior.

Exatamente por isso, um dos objetivos é fazer  o mercado entender melhor como funciona e quais são as possibilidades que o gamification traz. De início, um panorama-geral, com o professor, economista e pesquisador da USP, Gilson Schwartz e com o CEO da agência Hive, Mitikazu Lisboa.

“O primeiro problema é não saber o que é gamification e o segundo problema é não saber executar ele bem…”

Na segunda reportagem falam Aline Rossin, diretora de atendimento da LiveAD – agência responsável por diversos trabalhos com plataformas gamificadas – e Paulo Santamaria, gerente de digital e social media da Lenovo Brasil.

Agora, Bruno Henz, profissional de marketing e Leo Xavier, fundador da Pontomobi, fazem o link entre gamification e mobile.

Encaminhando-se para o fim da série de reportagens, chegamos ao Gamification nas Mídias Sociais para o quarto episódio. Algo impensável seria uma campanha com Gamificação ausente das redes sociais. Destaque para o case da Mitsubishi.

E foi publicado hoje o último episódio: As vantagens das startups em produzir plataformas gamificadas:

Veja as originais no site da ProXXIma: Especial Gamification: A arte e os desafios de fidelizar consumidores pelos games

Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification

Gostou do tema? Quer mais sobre o assunto? Clique abaixo e faça o download de nosso e-book Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification.

Como conquistar engajamento e motivar seus clientes com gamification