Tags Posts tagged with "Inbound Marketing"

Inbound Marketing

Investir em marketing digital é um tiro certo, isso todo mundo já sabe.

No Brasil, mais de 160 milhões de pessoas já são usuárias ativas da internet.

O que você e a maioria dos empreendedores não sabem é como fazer um investimento que trará resultados de vendas, e não métricas de vaidade como número de fãs na página, visitas no site, seguidores e outras coisas que você sabe que não pagam as contas da sua empresa.

Esse é você vendo que só está ganhando visitas no site.

Em alguns casos, a falta de recursos para investir não é o problema, mas sim a forma de aproveitá-los que está sendo pouco explorada.

Para explicar melhor vou contar uma pequena história: uma vendedora de roupas de Goiânia vendia mais de 15 peças por dia através do WhatsApp, a sua única ferramenta de marketing.

No dia 3 de maio de 2017, o WhatsApp ficou fora do ar. O resultado para essa vendedora e muitas outras foi o caos.

Após a tempestade, a empreendedora decidiu criar um perfil no Instagram para divulgar as suas peças.

Parecia uma ideia perfeita, pois lá poderia trabalhar com fotos incríveis dos seus produtos e conquistar mais e mais clientes.

O que ela não esperava era a dificuldade de gerir um perfil no Instagram.

E o que aconteceu foi o surgimento de uma tarefa obrigatória de produzir conteúdo dia após dia através daquela ferramenta, mas sem ver resultados de vendas logo no começo.

Muito frustrada, a empresária resolveu criar uma página no Facebook, a qual poderia fazer investimentos em mídia paga e alcançar pessoas.

Ela não pensou duas vezes, assim que criou a conta colocou R$ 1.000,00 em um anúncio do formato de fãs, ou seja, que gera novas curtidas na sua página do Facebook.

A chuva de mais de mil novas pessoas curtindo a página por mês animou muito a vendedora.

Agora ela começou a vender mais, certo? Não, necessariamente.

Com tanto trabalho eu não consigo gerar resultados?

As postagens não passavam de 12 curtidas, os seguidores não comentavam e muito menos tinham interesse em comprar os seus produtos.

Tudo aquilo se tornou muito cansativo e a empreendedora estava totalmente perdida com 3 redes sociais para gerir, mas nenhum resultado vindo de tanto esforço.

Um pouco do que a empresária (e provavelmente você também) não sabia era que as regras do Facebook são ditadas pelo próprio Facebook, e não pela página dela.

Hoje o conteúdo denominado orgânico, ou seja, tudo aquilo que é simplesmente postado na sua página sem nenhum investimento em mídia paga, não chega nem mesmo para 3% das pessoas que curtem a sua página.

Essa regra tem um objetivo muito claro: o Facebook quer que você coloque o seu dinheiro nele. Se quiser alcance, pague.

Em 3 meses a empresária havia comprado através de anúncios mais de 3 mil novos fãs, mas não consegue alcançar nem 90 deles sem colocar mais dinheiro, como se os R$ 3.000,00 não fossem gastos o suficiente.

Além disso, nenhum desses seguidores comprou (parece familiar?), o que gerou um retorno sobre o investimento de incríveis zero reais. (soa familiar [2]?)

É por isso que especialistas em Inbound Marketing sempre orientam: não faça de uma rede social a sua única estratégia de marketing digital, pois nelas você tem apenas um “terreno alugado”, que não pertence a você e onde você não dita regras. Por outro lado, você deve ter uma estratégia usando canais para que o seu negócio tenha total controle.

Controle da estratégia de inbound marketing
Você precisa estar no controle estratégico da situação.

Mas, calma! Não vou te orientar a fazer o que a vendedora fez, simplesmente, ir criando o seu site e torcer para ele te gere resultado, tornando-se só mais um local para gastar tempo e dinheiro.

Primeiro, você precisa descobrir o que funciona para o seu negócio investindo o mínimo de recursos possíveis para só depois colocar dinheiro em jogo.

 

1- Ensine muito bem os seus vendedores como eles devem atender os potenciais clientes do digital

Um bom trabalho no Inbound Marketing digital é aquele que consegue gerar oportunidades comerciais para o time de vendas;

No entanto, uma das principais dificuldades da equipe é saber como lidar com esses contatos, uma vez que uma pesquisa mostrou que os vendedores só entram em contato com 13% dos leads que recebem;

Se você quer gerar leads qualificados com Inbound Marketing, fale imediatamente com seu time de vendas e explique o valor que cada contato tem ensinando-os a abordar essas pessoas;

Geralmente, os leads do Inbound Marketing chegam com informações valiosas sobre os clientes, as quais eles colocaram nos formulários para baixar um eBook seu;

Deixe bem claro que seu vendedor não pode parecer um espião e chegar dizendo “eu vi aqui que você tem 2 filhos”!

O grande diferencial é: eles podem fazer perguntas das quais já sabem respostas e também já possuem um discurso voltado para essa resposta.

Exemplo: “Você tem filhos”, e o cliente responde “Sim, tenho dois”, e assim o vendedor continua “Nesse caso tenho um produto perfeito para a sua família…”

2- Pergunte para os seus melhores clientes porque eles achavam que precisavam do seu produto

Antes de qualquer coisa, o conteúdo da sua empresa deve ser enxergado como uma empresa de conteúdo;

De acordo com Jay Baer, autor do livro Youtility, quando você cria conteúdo, salvo as exceções de marcas como Apple, Coca-Cola etc, você precisa ser ÚTIL no que fala ou será ignorado;

Para ser útil, você tem que entender o que as pessoas não sabem para criar informação sobre esse determinado assunto;

Se você tem alguns clientes VIPs que já estão na casa há algum tempo, entre em contato com eles e pergunte “Por que vocês decidiram que precisavam do meu produto?”, e a sua resposta será o problema da sua persona que deve ser o maior guia de conteúdo;

Se você está começando e não tem clientes, experimente buscar os comentários na Amazon de livros relacionados ao seu produto ou buscar em blogs e páginas em redes sociais famosos do seu segmento os comentários das pessoas, elas geralmente fazem perguntas que vão te dar o caminho para esse problema.

3- Defina o que são métricas importantes para você e corra atrás delas

O termo “métricas de vaidade” te soa familiar?

Basicamente, são métricas que usamos para provar para nós mesmos que estamos chegando a algum lugar;

Em Inbound Marketing, nós não ignoramos métricas como curtidas, fãs na página, visitas no site e outras, mas elas simplesmente não são a prioridade quando falamos de resultados;

No Inbound Marketing nós construímos um Funil de Vendas com foco em atrair os visitantes, convertê-los em leads, criar um relacionamento que os encaminhe para o status de oportunidades de vendas e efetivamente vender para essas pessoas;

Então defina quais são as métricas que mostram que você está tendo resultados de verdade, ou seja, pagando a conta do investimento em digital e só aumente esse orçamento quando ver os resultados.

4- Instale algum plugin de conversão no seu site atual

Antes de criar um site do zero, você pode tentar tirar mais proveito das conversões do seu, assim quando você tiver um retorno sobre o investimento em Inbound Marketing, pode começar a reservar um pouco da verba para um novo site no futuro.

O que você pode fazer é adicionar algum Plugin que te permite criar Pop-Ups de Saída que são ativados quando o usuário tenta sair da página, como no exemplo abaixo: As melhores plataformas para fazer material assim são o OptinMonster e o SumoMe.

Você também pode tentar usar conversões no modelo INLINE disponível na ferramenta Convertful que faz campos com call-to-actions para cadastro de newsletter, por exemplo.

Você também pode colocar uma HelloBar no seu site, que é uma barra que aparece dependendo da ação dos usuários nele, fica a seu critério. Minha dica é colocar uma que apareça após os usuários rolarem a página, pois isso já demonstra algum tipo de interesse.

5- Melhore os formulários de cadastro do seu site

Nome, E-mail, Telefone, Assunto, CPF, Mensagem zzZZzzzZZ.

Ninguém gosta de preencher formulários, então facilite para o seu usuário com algumas dessas opções:

  • Diminua os campos: você não precisa pedir telefone se não for uma prospecção efetivamente comercial.
  • Corte o campo “assunto”: se já existe o campo “mensagem”, por que o usuário iria querer preencher o motivo da conversa duas vezes?
  • Evite dados burocráticos: pedir CPF deixa qualquer visitante inseguro, pois provavelmente ele ainda não te conhece e não confia em você para isso (ainda).
  • Crie padrão para os formulários: seu visitante tem que saber exatamente o que precisa fazer, então dê maior destaque no botão de confirmação e faça-o diferente do de cancelamento.
  • Não perca seu visitante: já aconteceu de você começar a preencher um formulário e ir fazer outra coisa? Existem funcionalidades que lembram o usuário, experimente escrever algo na aba de publicação do Facebook e fechar a página, ele vai perguntar “tem certeza que deseja sair?”.
  • Dê sequência à conversão: exiba uma mensagem de agradecimento, mostre para o usuário (e rápido) que a solicitação foi enviada e logo você entrará em contato com ele.
  • Aproveite as suas conversões para divulgar conteúdo: ainda na ideia de dar sequência, uma página de “obrigado por se cadastrar” abre portas para “você pode baixar também”, então aproveite.

6- Crie uma oferta de conteúdo

Uma oferta de conteúdo nada mais é do que uma informação relevante para um determinado grupo de pessoas e é a melhor máquina de geração de leads que existe.

Para criar uma oferta de conteúdo siga os seguintes passos:

  • Pesquise o principal problema que o seu público vive hoje. Por exemplo: “como investir com pouco dinheiro?”;
  • Veja as sugestões que o Google te dá, copie elas e cole em uma nova aba, fazendo uma nova pesquisa;
  • Leia o primeiro resultado pelo menos de 6 abas;
  • Liste quais foram as 6 soluções apresentadas aos problemas (provavelmente algumas vão se cruzar, podendo reduzir para até mesmo 1 só solução);
  • Com seu conhecimento do mercado escreva um material completo sobre essa solução, incluindo dicas, aplicativos úteis, estudos de caso, exemplos e imagens;
  • Abra o seu PowerPoint e use algum modelo já salvo e coloque seu conteúdo lá;
  • Salve o material em PDF e pronto, você tem um conteúdo que é muito mais útil e informativo para seu público do que os 6 melhores posts sobre o assunto no Google.

7- Crie uma landing page para divulgar a oferta

Primeiro, porque uma landing page

O seu site provavelmente não fala, exclusivamente, sobre o assunto do conteúdo que você produziu, o que vai gerar um problema com os consumidores de hoje: disputa por atenção. 

Simplesmente colocar o seu conteúdo dentro do site não vai destacá-lo, pois ele vai competir com sua página inicial, institucional, de contato, de produto ou serviço e por aí vai.

Na landing page você tem uma atenção 1:1, totalmente, voltada para um único objetivo que é o cadastro em troca do conteúdo.

Você pode criar a landing page em ferramentas gratuitas, como InstaPage que só começa a cobrar após você atingir 100 visitantes.

O ideal é ter um domínio personalizado, usando ferramentas como RD StationLeadPages ou Unbounce, mas vamos nos focar no mínimo para começar aqui, não é mesmo?

8- Crie um anúncio certeiro para a sua oferta

Seguindo os passos da dica #6, naturalmente o seu conteúdo vai se disseminar, mas para acelerá-lo você tem a opção de criar anúncios patrocinados.

As ferramentas de anúncios, como Google AdWords e Facebook Ads são muito completas e cheias de funcionalidades, mas é muito fácil você seguir as recomendações do usuário e acabar queimando dinheiro a troco de nada ou a troco de leads não qualificados.

A solução para esse problema é o Público Semelhante do Facebook Ads.

É uma forma que o Facebook te disponibiliza de encontrar pessoas na rede social que possuem perfis de navegação e uso da ferramenta iguais ou semelhantes às pessoas que você determina.

Personalizar uma campanha leva a um aumento de pelo menos 89% nas taxas de conversão.

Para fazer um Público Semelhante (ou Lookalike) siga esse passo a passo:

  • Procure por alguma base de e-mails de clientes e/ou ex-clientes seus;
  • Se você não tiver, você pode ir até o seu LinkedIn e extrair a sua lista de conexões também, caso trabalhe com um modelo B2B. (Caso você não esteja conectado a sua conta, faça o login e volte a clicar no link e role a página até “Obter um arquivo com os seus dados”);
  • Em seguida, acesse o gerenciador de anúncios do Facebook Ads;
  • Clique em Ferramentas e depois em Públicos;
  • Selecione Criar Público e em seguida Público Semelhante;

  • Faça o upload da sua lista de e-mails em formato CSV (basta “Salvar Como” o excel e selecionar “csv – separado por vírgulas” nas opções de arquivo) e aguarde até a sua lista ficar pronta (vai levar alguns minutos, apenas);
  • Em seguida, crie um anúncio que direcione para a sua landing page no momento de escolher o público que você criou através desses passos;
  • A partir desse momento, o Facebook vai procurar por pessoas que tenham perfil igual ou parecido com as pessoas do seu mailing.

Dica extra: se você estiver com pouca verba (estou falando de menos de 100 reais), invista em anúncios na barra lateral do Facebook, pois é onde costumam ter o menor custo por cliques.

9- Faça um Webinar para vender o seu produto

Webinar são vídeos transmitidos ao vivo de uma pessoa falando para várias, semelhante a uma vídeo-conferência.

melhor forma de um micro ou pequeno negócio vender um produto ou serviço é através de um Webinar.

Primeiro: você consegue fazer de graça! Siga esses passos:

  • Defina um tema e se possível faça um roteiro se for o seu primeiro Webinar;
  • Use o ScreenFlow para fazer uma apresentação para o Webinar;
  • Crie uma conta no Clickmeeting para transmitir o seu Webinar;
  • Use alguma ferramenta gratuita de e-mails para avisar seus contatos do Webinar, como o Mailchimp;
  • Na hora da transmissão dê um show falando sobre os problemas do seu público e como você tem uma solução incrível para eles.
  • Ao final do Webinar você poderá vender o seu produto ou a sua solução, e eu garanto que a taxa de compras é de 20 a 40% dependendo da sua performance.

Dica extra: se não conseguir muitos resultados de primeira não desanime, tente de novo, afinal de contas é grátis!

10- Crie uma semana de vendas

Essa ideia serve para você potencializar a dica #9, então se você já realizou um ou dois Webinars pode ser que esteja preparado para o próximo passo;

A ideia aqui é usar conteúdo ao longo de alguns dias, não necessariamente uma semana, para vender ao final dela;

Para fazer uma semana de vídeos com webinar e conteúdo, você vai precisar de:

  • Um ímã digital: a sua oferta de conteúdo pode desempenhar esse papel, pois vai ser responsável por captar os leads que vão receber os próximos passos;
  • Uma sequência de e-mails (de 3 a 4) com conteúdo que foque totalmente em gerar interesse na solução que você tem.
  • Exemplo: se o seu imã digital é um eBook de título “12 passos simples para fazer um planejamento de SEO em menos de uma semana”, os seus e-mails devem mostrar estudos de caso, formas diferentes de aplicar, quais são os benefícios ao longo prazo do SEO dentre outros temas que provam a validez do produto;
  • Durante essa sequência convide os seus leads para participar de um Webinar, imediatamente, após a sequência de e-mails;

Na transmissão você vai precisar seguir os passos:

  • Chame a atenção: explique o tema novamente e como ele é feito para a sua audiência. Exemplo: Hoje vocês vão aprender a fazer SEO como um expert e nunca mais ter resultados ruins.
  • Problema X Solução: fale sobre o problema de não ter a sua solução e explique bem como ela funciona. Exemplo: investir em AdWords é como alugar uma casa enquanto o SEO é construir uma, por isso fazer um planejamento de SEO hoje é garantir um fluxo de tráfego constante no futuro.
  • Credenciais: fale sobre estudos de caso que comprovam o que você falou.
  • Prove socialmente, se puder: caso você tenha algum testemunhal de cliente seu, essa é a hora de usar.
  • Faça a oferta e crie urgência: ofereça o seu produto e diga para as pessoas que precisam comprar agora. Exemplo: revele que vai disponibilizar uma consultoria completa de SEO por metade do preço usual para quem comprar durante a transmissão do Webinar.
  • Deixe bem claro o que seu produto não é: evite entregas ruins e explique o que a compra do seu serviço não fará. No caso do exemplo, é importante falar que não se tratará de Redes Sociais ou AdWords.
  • Encerre abrindo para perguntas e dê lembretes.

Se a suas taxas através do Webinar foram boas, provavelmente com uma estratégia dessas você vai duplicar suas vendas! 😉

Concluindo:

Inbound hacks geram novos inbound hacks

A grande jogada aqui é usar recursos mínimos de investimento e mais esforços de equipe para alcançar resultados reais.

Vamos imaginar que você executou dois webinars em uma semana de vendas (dicas #9 e #10) e conseguiu ter um retorno sobre o investimento (ROI) de mais de 9 mil reais (e isso é totalmente possível).

Agora sim, é um bom momento para pensar em criar um novo site ou fazer campanhas na mídia paga para atrair novas pessoas.

O termo que eu gosto de utilizar é:

Arrume o balcão do seu negócio primeiro. Depois você leva pessoas até ele.

Se você levar pessoas para um site que não converte, não terá resultados.

Gostou desses hacks? Espero ter contribuído com os seus resultados!

Texto publicado anteriormente no Jornada Marketing Digital.

Inbound Marketing – Vantagens da web para atrair mais clientes para seu e-commerce

“Não corra atrás das borboletas, cuide do seu jardim e elas virão até você”. Essa pequena frase traduz a essência do que é o Inbound marketing.

A metodologia tornou-se popular nos últimos anos e se baseia na essência das novas formas de consumo de informação, em que a borboleta, ou o cliente tem o poder de escolher qual conteúdo ela quer acessar e quando acessar.

Como se fazia antes do Inbound marketing? Corríamos atrás das borboletas

A técnica chamada de outbound, ou marketing de interrupção interrompia o fluxo de navegação do usuário e inseria a publicidade no meio da busca pelo conteúdo. Era o comercial no intervalo do jornal, ou o pop-up que se abria na frente de um conteúdo.

Essas técnicas ainda existem e se forem bem usadas podem trazer grandes benefícios para sua estratégia de inbound. Porém, em regra, são invasivas, geram repulsa no cliente e muito cara e desaconselháveis para sua primeira entrada no marketing digital.

Como eu faço agora? Cuide do seu jardim

Ir atrás do cliente não é indicado, então o ideal é que ele venha até você. Mas por que ele viria até você. Por que você tem algo relevante e de valor que é justamente o que ele procura, que pode ser o seu produto, mas se você quiser atrair muitos clientes, talvez não seja ideal começar falando sobre o que você faz.

“Inbound marketing não é sobre o que você faz, mas sobre o que você sabe”

Possivelmente, a maioria dos seus potenciais clientes ainda não cogitou comprar o seu produto. A depender do seu mercado, a maioria deles nem se quer sabe que seu produto existe. Então, antes de pensar em apresentar todos os atributos incríveis e o preço inacreditável é melhor entender o que o seu cliente deseja e como seu produto pode ajudá-lo.

Se você é dono de uma academia, por exemplo, deve possuir conhecimentos únicos sobre treinamentos e programas de emagrecimento. Então, antes de falar sobre a nova modalidade de treinamento funcional, ou hit, não seria melhor apresentar algumas dicas e técnicas para emagrecer? Veja só quantas pessoas pesquisam por isso no Google todos os meses.

Não plante um jardim onde não há borboletas

Não adianta colocar um outdoor em uma avenida na qual não passam carros, tampouco anunciar produtos eróticos em um programa religioso. Então, seja bem criterioso antes de escolher as mídias nas quais pretende divulgar sua marca. Não é incomum a criação de uma conta em uma rede social, ou lançamento de um site não servir para nada. Quantas não foram as empresas que correram para criar sua conta no Google Plus, ou no Vine?

Restrinja bem quem são os seus clientes em potencial e estude-os para saber como chegar até eles. Seja muito criterioso nesta etapa. A maior parte dos empreendedores tendem a pensar que qualquer pessoa é um cliente em potencial, que sua marca tem abrangência ampla e isso apenas prejudica toda a estratégia.

Pense bem quem é seu melhor cliente. Aquele com o maior tíquete, que compra com maior frequência. Chegue a um ou dois perfis no máximo. Aí sim, você começa a produzir conteúdo e divulgá-los em seu site e redes sociais.

3 coisas que vão acontecer com empresas que não usarem Inbound Marketing

Como aplicar inbound marketing em sua micro, ou pequena empresa

Acho que apresentei bem o conceito de inbound e espero que você já esteja convencido a utilizá-lo para atrair e encantar seus cliente. A pergunta é: como colocar minha empresa na internet da melhor forma e com o máximo de resultado em vendas? A resposta é tema do meu infográfico reproduzido abaixo.

6 passos para começar sua estratégia de marketing digital

Leia também:

A grande diferença entre Inbound Marketing e Growth Hacking

Investir em Inbound Marketing não é mais uma questão de estar à frente dos concorrentes: é uma obrigação para um negócio se manter. O Inbound Marketing é um conceito que envolve diversas ações de marketing, sempre focando a comunicação do produto e a construção de um relacionamento com os usuários que chegam até a sua marca.

Utilizar a estratégia de Inbound Marketing permite enxergar todas as pessoas que podem vir a se tornar clientes e se comunicar com cada uma delas de maneira diferente. Com isso, você vai saber exatamente o que oferecer de acordo com o momento, para que o público veja a marca como referência, já que ela consegue suprir as necessidades dele.

Lembrando que são necessárias algumas ferramentas para gerenciar os leads – que são os contatos qualificados de uma pessoa (ou empresa) que demonstra interesse através de algum meio em algum produto ou serviço. Para alertar as empresas, destaco 3 consequências que acredito que vão ocorrer com as empresas que não investirem nestas estratégias.

1- Perda de espaço na internet

Como as técnicas de Inbound Marketing são responsáveis por manter a marca presente na internet e sendo vista por aqueles que importam, que são as pessoas interessadas na área, a falta de investimento vai fazer com que a marca pare de ser vista.

Além de não ser encontrada pelos termos de busca, ela vai perder espaço para os concorrentes que fizerem o investimento primeiro, a concorrência é cada vez maior. Além disso, esse investimento permite destacar-se em nichos específicos, o que permite uma diferenciação dos concorrentes.

Ao perder espaço na internet, e considerando que estar presente no ambiente online é imprescindível, a marca perde sua força em todos os ambientes.

2- Queda no valor da marca

Já se foi o tempo em que o valor da marca era dado apenas pelas estratégias de publicidade. Vivemos na era em que o conteúdo dita as regras. Assim, as marcas precisam oferecer informação e experiência aos usuários, e isso só é possível com o investimento em Inbound Marketing.

Mais do que tudo, as marcas precisam entender que as pessoas não querem saber apenas sobre os produtos ou serviços. Essas pessoas precisam de ajuda, com conteúdo simples e objetivo, que agregue valor de verdade no dia a dia.

Caso contrário, ele explica que a percepção de valor da marca passa a ser menor e pode perder para a concorrência.

3- Estagnação

O Inbound Marketing é o grande responsável pelo crescimento de qualquer empresa, seja qual for o segmento e o foco dela. A empresa que não estiver voltada a nutrir os leads tende à estagnação, e no mercado atual, estar estagnado é o primeiro passo para a crise. Não é só o faturamento e o crescimento da empresa que estão em jogo, mas o valor da marca e o posicionamento da empresa.

Não se trata mais de sair na frente. Com as mudanças rápidas do mercado, já é uma questão de não ficar para trás.

Dentre as diversas formas de marketing digital, estratégias de inbound marketing têm se destacado ultimamente por sua efetividade e custo mais acessível.

Pesquisas revelam que o inbound marketing custa 61% menos do que o marketing tradicional, que usa anúncios em TV e revistas, por exemplo.

Além disso, empresas que usam estratégias de inbound marketing bem executadas têm resultados 10 vezes melhores, e apontam um retorno sobre o investimento positivo, na opinião de 79% das empresas que usam um blog em suas ações na internet.

Isso acontece porque o inbound marketing não interrompe as pessoas que buscam entretenimento ou informação com anúncios ou chamadas, mas, ao contrário, atrai seus clientes por meio de conteúdos interessantes e relevantes para o mercado-alvo de seu e-commerce.

Outros dados da mesma fonte comprovam que 80% dos decisores de compras nas empresas preferem receber informações em uma série de artigos do que em um anúncio publicitário.

É por esses e outros motivos que estratégias de inbound marketing devem fazer parte das ações do seu e-commerce.

Aprenda agora como fazer isso e ter excelentes resultados.

Estratégias de inbound marketing no e-commerce

Como você viu, técnicas de inbound marketing estão focadas em conteúdo relevante para atrair clientes potenciais. Mas não apenas nisso.

É preciso destacar mais dois importantes elementos da estratégia de inbound marketing:

  1. SEO: Search Engine Optimization, que consiste (de modo simplificado) em achar as palavras-chave mais usadas nas buscas de seu público na internet e usá-las em seu site e blog para atrair seus clientes potenciais.
  2. Mídias Sociais: usar as plataformas onde seu público-alvo mais interage para apresentar seu conteúdo a eles.

Além disso, as boas-práticas do inbound marketing indicam 4 fases que seu cliente deve percorrer ao entrar em contato com seus conteúdos e seu e-commerce:

  1. Atrair visitantes para seu site
  2. Colher dados dos visitantes (transformá-los em leads)
  3. Transformar leads em clientes (ao converter vendas)
  4. Fidelizar e encantar seus clientes, vendendo cada vez mais

Para cada uma dessas fases, vamos apresentar algumas estratégias de inbound marketing

1- Atraindo visitantes

Se é o conteúdo de qualidade que vai atrair seu público, é preciso conhecê-lo bem para saber o que é relevante para ele.

Para isso, depois de fazer pesquisas, entrevistas e usar ferramentas de BI e analytics na internet, você deve construir a persona (ou personas), de seu público.

Persona é um personagem fictício, com nome, idade, profissão e outras características que vão ajudar você a entender quais os assuntos que interessam a ele, para produzir os conteúdos certos.

Agora que você sabe quais os assuntos para desenvolver os conteúdos, crie um blog ligado ao seu e-commerce para falar sobre eles, sem esquecer de usar as palavras-chave identificadas através de ferramentas de SEO e empregá-las em seus textos.

Além disso, seu próprio site pode usar essas palavras-chave, de forma estratégia. Por fim, use os perfis e páginas de sua empresa nas mídias sociais para atrair ainda mais prospects com os assuntos relevantes para eles.

2- Transformando visitantes em leads

O conceito de lead define aqueles visitantes que demonstram algum interesse em seu produto ou serviço e deixam, espontaneamente, informações de contato para você poder falar com eles.

Assim, crie em seu blog conteúdos mais profundos e ricos, como e-books, infográficos, webinars, acesso a cursos e vídeos etc., e solicite que seus visitantes deixem dados como e-mail e nome, em um pequeno formulário, para poderem ter acesso a esses conteúdos especiais.

3- Convertendo vendas

Conhecendo o e-mail de seu lead, passa-se à fase de nutrição de leads, que consiste em enviar cada vez mais conteúdos relevantes para eles, por meio do disparo de e-mail marketing, com o objetivo de educá-los sobre seus produtos e serviços, mostrar como podem ser uma solução para seus problemas, oferecer mais materiais ricos ou outros conteúdos do interesse deles.

Com ajuda de software de automação de marketing, você descobrirá quais desses leads estão se interessando mais por seus materiais e como eles interagem com seus e-mails, blogs e mídias sociais.

Assim, será possível definir regras de como saber quais deles já estão interessados a ponto de poder receber um telefonema de sua equipe de vendas, por exemplo, no caso de negócios B2B, ou e-mails com links para ofertas em seu e-commerce, no caso de B2C, direcionados para landing pages especialmente criadas para melhorar a conversão, com auxílio de:

  • Boas imagens
  • Um site leve que abre rapidamente
  • Navegação intuitiva
  • Layout atrativo e responsivo
  • Elementos que caracterizam um site seguro
  • Call to Action engajador

4- Fidelizando e encantando seus clientes

Acha que depois da primeira venda, a estratégia de inbound marketing acabou? Pelo contrário, é hora de continuar conhecendo cada vez melhor seu cliente e enviar os conteúdos certos, para que ele compre cada vez mais e divulgue sua marca nas mídias sociais.

Este foi um roteiro rápido das principais estratégias de inbound marketing. Se você quiser saber mais sobre o assunto, sugiro que leia este artigo: Guia prático sobre o que é marketing digital

Landing page, ou página de conversão de vendas, é uma página web para onde são direcionados seus clientes e prospects com o objetivo de adquirirem um produto ou serviço que está sendo oferecido.

Estes consumidores, muitas vezes, são atraídos por diversos canais, como mídias sócias, e-mail marketing, blogs e links patrocinados, por exemplo.

Aliás, uma boa ferramenta de BI que mensure de onde vem o tráfico para sua landing page ajudará muito a pensar nas formas de marketing digital mais adequadas para seu negócio.

Nesta postagem, vamos apresentar 10 fatores que não podem faltar em bons exemplos de lading pages.

Mas, antes das dicas, vamos a uma nomenclatura importante, o termo Above the Fold.

O espaço que fica visível para seu usuário, assim que abre sua landing page, sem que tenha que usar a barra de rolagem, é o chamado Above the Fold (algo como “acima da dobra”).

Apesar de variar de computador para computador, em função das especificações determinadas pelo usuário, é possível definir quais são os formatos mais usados pelo seu público.

Esta é a área mais nobre da landing page e deve conter a maior quantidade possível dos elementos citados a seguir, mas sem ficar poluída! Um desafio, claro, em que o segredo é escolher o que é mais importante e construir um layout agradável.

Checklist: os 10 elementos essenciais de uma landing page que converte

Vamos dividir estes 10 itens em 2 partes. Os 3 primeiros se referem a cuidados técnicos, ou mais gerais, sobre a página de conversão, os 7 seguintes, a elementos que devem fazer parte da landing page para converter mais.

1- Leve e com abertura rápida

Este é um detalhe importante: ninguém ficará esperando sua página abrir, as pessoas são ansiosas e têm pressa. Use imagens leves e contrate um web designer que não pense apenas no layout, mas que leve este ponto em consideração também.

2- Esqueça o menu

A landing page, como dissemos, deve ser agradável, sem poluição ou excesso de informações que possam distrair seu usuário. Remova o menu geral de seu site desta página, ele é desnecessário e apenas mais uma “rota de fuga” para seus clientes!

3- Landing page responsiva

Uma pesquisa da empresa Adyen indicou que 15% das transações na internet no Brasil são realizadas em dispositivos móveis. Por isso, além de responsiva, isto é, se adaptar facilmente e sem problemas a dispositivos móveis, suas landing pages devem ter um layout atraente e uma boa usabilidade nesses aparelhos.

4- Headline que funcione

Também chamada de título, ela tem que ser curta, com no máximo 6 palavras, criativa, se possível, e atrair a atenção dos usuários. Além disso, deve informar claramente qual o benefício em adquirir o produto ou serviço. Não foque em características, foque nos benefícios!

5- Subtítulo explicativo

Agora é preciso esclarecer um pouco melhor do que se trata a oferta. Use de persuasão para mostrar de forma ainda mais esclarecedora como sua oferta vai resolver um problema de seu cliente potencial.

6- Call to Action

O velho e bom Call to Action (CTA) é o botão “mágico” que vai direcionar seu cliente para fazer uma compra, baixar um material, assistir um vídeo ou seja qual for o objetivo de sua landing page.

Todo mundo diz que os CTAs devem ser BOB: Big Orange Botons, mas isso é um exagero! A cor do CTA pode até ser mais chamativa, e geralmente é, mas isso vai depender do layout de sua página.

Quanto ao texto do CTA, as boas práticas de marketing dizem que:

  • Deve ter um verbo de ação;
  • Despertar senso de urgência;
  • Indicar o benefício de se clicar naquele link.

7- Formulário para coletar dados de leads

Um pequeno formulário, com poucos campos, preferencialmente nome e e-mail, deve constar de sua landing page para promover a nutrição de leads, posteriormente.

E para estimular o preenchimento deles, você deve criar conteúdos extras e dar de presente a seus clientes que te fornecem essas informações.

8- Conteúdos extras

Pode ser uma planilha, um template, um curso grátis, um e-book, não importa! O que é preciso é que este conteúdo seja tão relevante e útil para seu cliente que ele estará disposto a te entregar o e-mail dele em troca. Capriche nessa criação!

9- Vídeo curto

Um vídeo curto explicando o funcionamento do produto ou as vantagens e benefícios do serviço costuma ter um grande feito de persuasão sobre os leitores de uma landing page, pense nisso.

Este site ajuda a criar vídeos por conta própria e tem um plano gratuito, confira: www.rawshorts.com

10- Depoimentos e avaliações

Mostrar boas avaliações e depoimentos de clientes satisfeitos sempre dá mais credibilidade a sua empresa.

DICA EXTRA: testes A/B

Absolutamente tudo que você usa em uma landing page deve ser testado e melhorado com o uso de testes A/B, com o objetivo de sempre otimizar a taxa de conversão – Conversion Rate Optimization, em inglês. Faça 2 versões de sua landing page e direcione metade dos usuários para cada uma.

Idealmente, cada versão deve ter apenas um elemento diferente da outra, para testar qual dos dois funciona melhor. Por exemplo: teste 2 CTAs, escolha o melhor e depois teste 2 Headlines, e assim por diante, até ter uma landing page perfeita e que converte muitas vendas.

Para exemplificar o potencial desse trabalho, em um dos nossos testes, alterando apenas o conteúdo em uma dobra da nossa home, conseguimos aumentar o número de leads gerados pela página em 40%.

As oportunidades sempre existem. Mas, antes de sair mexendo em tudo que aparecer na sua frente, é importante que você saiba o que está errado em sua landing page. Estude suas ferramentas de Analytics. Entenda como o usuário se comporta na página. Desta forma, você diminui muito as chances de perder tempo fazendo alterações que são irrelevantes para suas conversões.

Inbound, termo tão utilizado ultimamente, chegou ao e-commerce. Mas, o que é Inbound Commerce e como utilizá-lo? Neste post, vamos te ajudar a entender o que esse novo conceito significa e como levá-lo à sua loja virtual. 😉

O que é Inbound Commerce e como usá-lo em seu negócio

O Inbound Commerce significa entregar conteúdos relevantes ao seu cliente/lead independente da etapa de conversão em que ele se encontra. O Inbound Commerce é o Inbound Marketing voltado para um público bem específico: pessoas que compram online. Então, é necessário saber onde o seu potencial cliente procura por produtos, informações, promoções e etc. É em cima desses dados que sua equipe deve trabalhar.

Os sites de buscas como o Google, as redes sociais (Facebook, Instagram, Twitter, Snapchat e outros), Youtube e blogs são essenciais para a criação de uma estratégia de Inbound Commerce. Esteja onde o seu público está!

Será a partir dessas ações que você vai elevar o posicionamento do seu e-commerce nos buscadores (de forma orgânica), aumentar seus fãs nas redes sociais e, consequentemente, tornar o seu nome uma referência na área.

Por fim, mas não menos importante, foque em criar laços com o seu público, fazendo com que ele se sinta especial para você e não apenas números  em seu orçamento.

Lembre-se: as pessoas necessitam de atenção. Antes de consumidores, elas são seres humanos. Então, trabalhe isso em sua estratégia.

Para que o Inbound Commerce funcione, é necessário entender o funil de vendas. E é isso que vamos fazer agora!

Como atrair um lead com o Inbound Commerce

Esse é o momento em que você deve mostrar à sua buyer persona o que a sua loja virtual oferece. É por meio disso que o seu site alcançará tráfego em seus canais de comunicação e, assim, se transformar em leads.

Inbound-commerce-1

Para que isso aconteça, indicamos a criação/aperfeiçoamento das seguintes ferramentas:

Blog

Ter um blog é conversar, sempre, com o seu público. Nele, você pode dar dicas sobre os seus produtos, mostrar tendência do seu mercado, sugerir livros e filmes, além de publicar artigos e editoriais assinados pela sua equipe.

O blog é tido como uma das principais estratégias de Marketing de Conteúdo e, claro, Inbound Commerce. Esse será o seu espaço e, se bem trabalhado, garantirá que a sua empresa seja referência em sua área de atuação.

Porém, essa ferramenta precisa de compromisso e planejamento. Pense, semanalmente, em pautas e publique-as de duas a três vezes por semana. Crie um layout limpo e intuitivo e não se esqueça de ter um buscador eficaz em seu blog.

Se coloque no lugar do usuário e provoque uma boa experiência de navegação.

SEO

A compra online começa com uma busca na internet. Então, o seu site/blog precisa estar bem posicionado.

Para isso é necessário que você faça um estudo de SEO com palavras-chave, títulos, otimização de páginas, conteúdos relevantes e e inserção de links externos e internos.

Mais uma vez, coloque-se no lugar de quem vai procurar pelos seus produtos na rede. Quais palavras você usaria? Você digitaria qual pergunta nos buscadores? Pesquise e faça testes.

Mídias Sociais

As mídias sociais são um mundo de oportunidades e criatividade. Para que isso dê certo, é necessário estar atendo às mudanças que acontecem a todo o momento.

Um estudo do Big Data Corp. mostrou que 61% dos e-commerces brasileiros utilizam as redes sociais em suas estratégias de comunicação.

Então, observe o comportamento dos usuários e interaja com eles. Seja informativo, mas sem perder a leveza. Use emojis quando a situação permitir. Crie artes que gerem engajamento. Esteja presente!

PPC ou Custo por clique

O PPC ou Custo por clique nada mais é do que anúncios pagos. Como exemplo, podemos citar o Facebook Ads e o Google Adwords.

Se a sua loja virtual acaba de lançar um produto, usar o Facebook Ads é uma estratégia mais que indicada. A partir dessa divulgação, você gera mais tráfego para o seu site e chama a atenção de novos leads.

Como converter um lead com o Inbound commerce

Agora que você já sabe onde deve estar, chegou o momento de trazer essas potenciais compradores para a sua lista de e-mails.

inbound-commerce-2

Nesse ponto, precisamos ressaltar que é sempre mais fácil converter alguém que já recebe e acompanha os seus conteúdos. Afinal, fechamento de vendas está diretamente ligado à confiança.

Então, seguem algumas dicas de como aumentar as suas conversões de forma sustentável, levando em conta o tamanho do seu comércio eletrônico. Não se prenda às estatísticas, ok? Isso varia muito de acordo com o porte do negócio.

Crie formulários

Formulários precisam ser práticos para não correrem o risco do seu futuro cliente desistir de preenchê-lo. Assim, pense em perguntar apenas o que  será essencial nesse momento de atração.

Itens como nome, sobrenome e e-mail podem ser um bom início para o relacionamento com o usuário. E-mail cadastrado, lead gerado.

Landing Pages

E já que falamos em landing pages em um dos tópicos anteriores, vamos conversar um pouco mais sobre elas!

A landing page é onde você vai colocar todas as informações sobre determinada ação e convidar o seu cliente/lead a participar.

Vamos à prática? Se você vai fazer lançar um novo produto, a landing page é o espaço onde a pessoa vai encontrar detalhes sobre ele. É lá que você vai contar tudo o que a pessoa precisa saber para, então, comprá-lo.

Essa ideia é ótima e eficaz para a conversão de leads. Abuse dela.

Call to action

Call to action é o conjunto de links (ou um link apenas, de acordo com a sua necessidade) que estimulará a ação de compra dentro do seu e-commerce. Sabe quando você é direcionado ao fechamento da venda após ler todas as informações sobre o produto? É exatamente isso.

Para que um call to action seja eficaz, ele deve ser intuitivo. Então, nada de elaborar chamadas mirabolantes. Faça com que ele seja atraente, mas sem forçar a barra.

Organize seus contatos

Contatos convertidos, hora de organizá-los e direcioná-los. Uma boa saída (na verdade, a melhor) é escolher uma ferramenta de automação de marketing.

Como sugestão, indicamos o Mautic, que utilizamos aqui na Bertholdo, ou o Hubspot. Ambas são plataformas de automação de marketing e vendas, em que você cria campanhas de forma fácil e sem perder tempo.

Como transformar o seu lead em venda com o Inbound commerce

Você atraiu as pessoas, as transformou em leads e, consequentemente, começou a se comunicar com elas? Ótimo! Agora, chegou a hora de estimular o desejo da compra.

Lembre-se de que um objeto precisa trazer um “quê” a mais e, assim, fidelizar o consumidor. Pessoas não compram coisas, pessoas compram experiências.

inbound-commerce-3

Vamos às táticas que te ajudam a transformar leads em consumidores?

E-mail marketing

O e-mail marketing é a porta de entrada para as vendas. Capture o lead e envie boas-vindas a ele, acompanhado de um desconto para a primeira compra. Dê a ele vantagens para fazer negócio com você. Seja atrativo.

Conteúdos de qualidade

Conteúdo é a chave do sucesso do Inbound Commerce. Por isso, ele aparece em todas as etapas desse processo. A diferença, agora, é que esse material deve ser personalizado.

Acompanhe o histórico de visitas de forma a saber as páginas visitadas. Se a pessoa navegou e pesquisou preços de várias panelas, por que não enviar mais opções à ela?

Outra dica é ter conteúdos para reverter o abandono de carrinhos. A pessoa abandonou o carrinho com determinada mercadoria? Envie um e-mail marketing com um cupom de desconto para ser utilizado na compra desse produto.

Lead Scoring

Lead Scoring são formas de pontuar os seus leads. Por meio dessa estratégia, você cria um ranking de qualificação de leads e trabalha a comunicação ideal para cada um.

O intuito é acompanhar a evolução e investimento em conteúdo para determinado lead. Quanto maior a pontuação, mais perto da venda você estará.

Como fidelizar e encantar o seu lead com o Inbound Marketing

Venda fechada, momento de estreitar o contato e fidelizar o, agora, cliente.

inbound-commerce-4

Tenha em mente que, hoje, as pessoas são fãs de uma marca. E você deve trazer isso à sua realidade. Vamos às estratégias?

Pesquisas de satisfação

Após o pagamento, procure saber se o seu cliente navegou com facilidade pelo site, se teve dificuldades em algum formulário ou no ato da compra. Assim que o produto chegar, pesquise como foi o recebimento e se o mesmo chegou nas condições prometidas.

A premissa de menos é mais também cabe no formulário criado para pesquisa de satisfação. Seja o mais breve possível em suas perguntas.

Up Selling e Cross Selling

Calma que a gente explica! Vamos por partes:

o Cross Selling é a prática de oferecer produtos complementares ao que foi adquirido. Se a pessoa comprou um tênis para corrida, ofereça shorts, meias e camisas para essa modalidade.

Já o Up Selling é a melhora da venda por meio da oferta de um produto com uma qualidade melhor ou outras cores e tecidos, por exemplo.

O importante é fazer com que essas ações sejam benéficas para o cliente, instigando ele a investir nas ofertas. Lembre-se, sempre, de oferecer algum desconto ou outra ação em que ele se sinta “ganhador” de algo. O frete gratuito é uma boa ideia!

Se você gostou desse conteúdo, clique nas estrelas abaixo e ajude com que mais pessoas o encontrem na internet!

Conteúdo publicado anteriormente no Blog da Bertholdo.

No relacionamento com a sua base de e-mails, é necessário tomar cuidados importantes

Nutrição de leads é a palavra-chave para qualquer negócio digital. Afinal, não basta captar novos leads e esperar que eles se tornem compradores do seu produto ou serviço em um passe de mágica: é necessário oferecer conteúdo de qualidade.

Listei 6 erros muito comuns que precisam ser combatidos pelos empreendedores digitais.

1- Desrespeitar os princípios do funil de venda

É necessário compreender que o consumidor passa por diversas etapas antes de realmente fazer uma compra. Todo empreendedor digital precisa entender que os leads que acabaram de conhecer a empresa estão no topo do funil, e por isso tem que receber uma abordagem diferente daquela dos leads no fim do funil.

Pode ser ruim usar uma abordagem de venda para quem “acabou de chegar”. É necessário criar um fluxo de nutrição baseado no conteúdo de cada fase. Crie artigos complementares para quem baixou um material gratuito, por exemplo.

Funil de vendas: Como escolher o tipo de conteúdo correto para seus objetivos

2- Tratar a nutrição de leads como um processo manual

Para conseguir enviar todos os e-mails personalizados de forma eficiente, é fundamental contratar uma ferramenta de automação de marketing.

Ao tentar enviar o conteúdo mais adequado para cada lead com base nas interações, o empreendedor comete duas falhas: corre riscos de errar e desperdiça seu dinheiro e tempo com algo que pode ser simples.

Como deve ser um fluxo de nutrição de leads?

3- Focar apenas na geração de leads

Muitas empresas não conquistam grandes resultados porque direcionam seus esforços apenas para a geração de leads. É importante colocar parte do esforço na manutenção do lead já conquistado. Tente mandar conteúdos que derrubem as objeções e resolvam os problemas dos consumidores.

Desta forma, o contato passa a compreender ainda melhor o que você vende, e ajuda a economizar, já que o lead quente é capaz de comprar com muito mais facilidade que o lead recém-conquistado.

4- Esquecer-se do Call to Action

Todo e-mail enviado para os lead precisa, obrigatoriamente, de um Call to Action (ou CTA). É esta nova ação que vai fazer com que o lead avance no funil de vendas. Além de serem objetivos, os CTAs devem ser destacados no texto. Quanto mais irresistível for a chamada para ação, maior a chance de ter respostas das pessoas.

3 pontos-chave para a sua call-to-action

5- Enviar e-mails sem frequência

Não existe uma periodicidade ideal para enviar e-mails aos leads. É preciso definir o melhor fluxo para o seu público e determinar os intervalos para cada ação.

Um exemplo: Se o tempo ideal para ler um e-book é uma semana, envie um novo e-mail uma semana depois de pedir o download.

6- Unir os leads “frios” e “quentes” em uma mesma lista

Existem dois tipos de leads: os que interagem aos e-mails enviados e os que não interagem. O segundo grupo é chamado de “leads frios”.

Crie uma lista só com os leads menos interessados para saber quais são os que realmente podem se tornar clientes. Esta lista pode ser uma ótima forma de experimentar as copys e descobrir os argumentos mais poderosos, capazes de converter.

O grande segredo para conseguir ampliar os resultados de venda é conhecer os leads a fundo e estabelecer estratégias inteligentes.

Muitas empresas já realizam alguma coisa de Growth Hacking ou Inbound Marketing em suas estratégias sem sequer saber destes termos. De acordo com uma pesquisa da empresa Opinion Box, dentre todos os entrevistados, 61% não sabem o que é Inbound Marketing, e 71% nunca ouviram falar de Growth Hacking.

Provavelmente por este motivo, ainda são poucas empresas que utilizam estas estratégias plenamente. Para tratar deste assunto, preciso explicar a diferença entre estes termos no Marketing Digital.

Growth Hacking é uma forma de maximizar a aquisição de clientes por meio de técnicas do Marketing Digital, como captação de e-mails, anúncios no Google e Facebook, melhorias em conteúdo, entre outras estratégias que normalmente são chamadas de Hacks, e que costumam ser um pouco mais incisivas na busca por impactar os usuários e torná-los clientes da forma mais eficiente possível.

O que é growth hacking? O que isso pode contribuir para o desenvolvimento de negócios?

O Inbound Marketing é o encapsulamento de várias técnicas do marketing digital baseadas no relacionamento com o cliente, com o objetivo de trazer o lead ou contato até o produto ou serviço, solidificando esta relação até que o lead se torne cliente.

5 dicas de Inbound Marketing para E-commerce

Em resumo, podemos dizer que o Inbound Marketing é uma base para a aquisição de clientes através de relacionamento, e o Growth Hacking é uma amplificação de canais para melhorar a performance da geração de novos clientes. Ambos consistem em aumentar o número de clientes, seja vender diretamente ou capturar leads, e o ideal é sempre investir nestes dois caminhos, especialmente porque o Inbound Marketing tem resultados de médio e longo prazo.

Muitas empresas já utilizam algumas estratégias semelhantes sem saber da terminologia correta. Mesmo assim, quanto mais se conhece dos termos, mais fácil será para descobrir pesquisas e notícias da área, especialmente cases da área, que serão apresentados com os termos que já fazem parte do mercado. Quem quer ser avançado na área será muito beneficiado ao pesquisar por estes termos.

Quanto investir em Marketing Digital?

Sempre me perguntam qual valor deve-se colocar nestas estratégias, mas o fato é que não há um número exato. Mesmo assim, diante da realidade que vejo, acredito que as empresas devem investir de 15% a 30% do faturamento em Marketing Digital, variando entre as duas estratégias.

O mais importante é calcular detalhadamente o retorno em relação ao que foi investido, o que é o grande segredo de qualquer estratégia de marketing digital: você sabe exatamente qual o retorno.

Investir nestas estratégias é essencial para as empresas nos dias de hoje, independente da área de atuação. Sei que no e-commerce, por exemplo, o tempo de resposta é mais rápido, mas toda empresa pode se beneficiar destas técnicas se fizer com profissionais preparados.

Seu site é o cartão de visitas e seu maior recurso de marketing e vendas. Quando ele é feito, possui uma meta clara para atrair e consolidar seus clientes. Um site criado à partir do método tradicional, apresenta dificuldades para se modificar de maneira dinâmica, e isso acarreta em uma mudança completa, com alta demanda de tempo e de custo.

Esse ciclo se repete algumas vezes, em um largo espaço de tempo, ao longo da vida da empresa e não atende as necessidades do mercado atual.

É nesse momento que surge uma tendência online: Growth-Driven Design (ou GDD) é uma nova metodologia para abordar este tópico.

O Growth-Driven Design se baseia em um desenvolvimento gradual do website, focando em resultados, novos recursos e funcionalidades para o público. Isso mantém sua página atualizada, clean, moderna e correspondente às tendências do mercado e objetivos da sua empresa.

Veja os benefícios dessa tendência no infográfico abaixo.

inbound-infografico-gdd_unibuscapé-01

Antes de montar um fluxo de nutrição de leads, é preciso entender o que é a nutrição de leads e o que ela pode fazer por seu e-commerce. A nutrição é um processo de relacionamento com o público com base em conteúdos ligados aos interesses dos seus leads, e o método mais comum é o disparo automático de e-mails para os seus contatos.

Seu objetivo é aquecer seus potenciais e atuais clientes enquanto estão em sua jornada de compra. No post de hoje, saiba como investir nessa ideia!

O papel da nutrição de leads

A nutrição de leads resolve o problema do cliente que está interessado em uma solução, mas ainda não está pronto para comprar. Assim, a criação de fluxos faz com que ele avance pelo funil de vendas ao se educar acerca da oferta e seus benefícios.

Se um visitante se converte em lead ao baixar um e-book chamado “Como escolher a melhor ração para o seu cachorro”, na nutrição ele deve receber conteúdos complementares e que o mantenha aquecido até se convencer da compra.

Logo, quando ele decidir comprar, irá se lembrar da empresa que o auxiliou enquanto pesquisava opções de ração.

A montagem do fluxo de nutrição de leads

Não basta apenas um fluxo — criando um único caminho você descarta a possibilidade de segmentar os envios para o público. Há de se considerar que existem pequenos nichos em sua lista e que seu público pode ser dividido de acordo com localização, idade, gênero ou interesses.

Você pode criar diferentes fluxos a partir desses parâmetros e dos dados fornecidos pelos visitantes no momento da conversão.

Retomando ao exemplo do tópico anterior: se na landing page pede-se, além de nome e e-mail, a raça do animal, um fluxo voltado para cuidados com aquele tipo de cão pode ser montado, assim como vários outros fluxos para cachorros de diferentes portes e/ou raças.

A frequência de envio de e-mails

Não existe um padrão definido sobre qual é a frequência ideal de envio de e-mails. Você deve considerar o ciclo de venda do produto, a sua complexidade, o preço, as dificuldades normalmente encontradas pelos interessados e outros fatores que possam afetar a jornada de compra.

Suponhamos que o ciclo de venda de um produto seja de dez dias — você pode criar uma sequência de três ou quatro e-mails para uma campanha de sete dias, sendo uma semana um bom tempo para que o lead se mantenha interessado na compra.

Os e-mails não precisam necessariamente ser disparados todos os dias; um intervalo de um dia pode ser respeitado ou aproveitado para reenviar para aqueles que não receberam, ou com títulos diferentes para quem recebeu e não abriu o e-mail.

Os tipos de conteúdo a serem trabalhados

Para o conteúdo dos e-mails, você pode variar entre artigos, e-books, webinars, vídeos, estudos de caso e depoimentos de clientes.

O que se deve ter em mente é sempre educar o lead, eliminar suas objeções de compra e aproximá-lo da empresa. É uma relação baseada na cooperação e reciprocidade.

O envio da proposta de venda

A sua proposta pode ser colocada nos e-mails em todos os disparos. Afinal, desde o primeiro envio, o cliente já pode estar decidido por comprar o seu produto. O ideal é não ser tão direto com a intenção de venda nas primeiras mensagens; pouco a pouco, você aumenta o botão de conversão, fala mais sobre os benefícios da oferta ou oferece um link onde o lead possa falar com um consultor.

Você também pode enviar uma proposta quando o lead der um sinal ativo do seu interesse, como em um abandono de carrinho originado de um e-mail do seu fluxo, por exemplo.

A montagem dos fluxos de nutrição de leads parte de um planejamento claro que organize as ações a serem tomadas. São esses esforços para acertar os detalhes iniciais que fazem a diferença lá na frente. Importante também é contar com ferramentas que auxiliem a execução desse processo, como Hubspot e RD Station, pois realizar todos os disparos e registrar cada interação dos lados manualmente é um processo complicado.

Ainda tem dúvidas sobre nutrição de leads? Como ela geralmente se baseia no envio de e-mail marketing, nada mais propício do que você saber porque ele é o aliado perfeito para o e-commerce no nosso post sobre o assunto!