Tags Posts tagged with "infográfico"

infográfico

No próximo dia 24 acontece a Black Friday. A expectativa é que a data seja responsável por movimentar cerca de R$ 2,2 bilhões no Brasil, segundo o estudo Thanks God It’s Black Friday realizado pela Provokers e encomendado pelo Google. Como uma das indústrias que mais se beneficiam da data é a de tecnologia, para atender este crescimento é preciso estar atento ao perfil dos brasileiros interessados em tecnologia.

A Navegg observou toda a sua base de conhecimento sobre o internauta, filtrou apenas aquilo que dizia respeito aos brasileiros interessados em tecnologia e reuniu toda essa informação no infográfico abaixo.

Na esfera sociodemográfica observamos que a maioria dos brasileiros interessados em tecnologia é mulher (61%), casada (67%), com idade entre 35 a 59 anos (51%), da classe Alta (68%) e graduada (51%).

Os três produtos pelos quais este público mais busca são impressoras, artigos de fotografia e software. Para realizar tais buscas, utilizam smartphones (52%), em sua maioria.

Quando o assunto é tecnologia, esse público se interessa por Fotografia, Apple e Gadgets. Fora deste tema, o interesse é por Esportes com motor, Coleccionismo e Museu. Além disso, a maioria deles pertence ao cluster Exploradores (27%) do Navegg EveryOne. Ou seja, aqueles que são altamente conectados, arrojados, curiosos e valorizam a satisfação interna de viver intensamente.

Quando o assunto é comportamento de consumo dentro da indústria de tecnologia, a maioria deles se encaixa no perfil Fascinados (42%) do Navegg EveryBuyer – composto por pessoas antenadas em lançamentos e tendências e, como consumidores compulsivos, estão suscetíveis às facilidades de crédito e promoções -, seguido do perfil Visionários (31%) – composto por jovens que assumem riscos e buscam ser especialistas em tudo que há de novo – e do perfil Profissionais (28%) – formado pelas pessoas que buscam qualidade e segurança na hora de escolher um produto e são fiéis às marcas clássicas.

Confira o infográfico completo abaixo e saiba mais sobre o perfil dos brasileiros interessados em tecnologia.

Evento teve o segundo maior faturamento do setor, em 2016

O segundo maior evento do comércio eletrônico brasileiro está para começar. À meia-noite do dia 24/11 será dada a largada oficial para a Black Friday 2017, e a expectativa para o faturamento no e-commerce nunca foi tão alta.

Mesmo em anos de crise, o setor se mostrou forte, com aumento no faturamento em 2015 e 2016. Com o intuito de demonstrar esta evolução, a vitrine virtual UmSóLugar desenvolveu um infográfico listando os eventos de maior impacto no e-commerce brasileiro e a conquista do segundo lugar no pódio pela Black Friday, em 2016.

Fonte: Ebit Informação – www.ebit.com.br

Segundo dados da Ebit, apesar da desaceleração do varejo nos anos de crise, o e-commerce mostrou expressivos +15% de faturamento, em 2015, registrando 41,3 bilhões em vendas. Em 2016, o setor fechou o ano com número ainda melhores, faturando R$ 44,4 bilhões, ou seja, um crescimento nominal de 7,4%.

Fonte: Ebit Informação – www.ebit.com.br

A Black Friday, que no começo trouxe bastante desconfiança aos consumidores, acabou por garantir seu lugar ao Sol poucos anos após estrear em solo nacional, em 2011. Ao menos no que diz respeito a vendas online o evento bateu o segundo lugar em faturamento, nos anos de 2015 (R$ 1,64 bi) e 2016 (R$ 1,90 bi), ficando atrás apenas do Natal e superando datas tradicionais, como Dia das Mães e Dia dos Namorados.

Lembrando que a Black Friday está dentro do período de faturamento do Natal.

Fonte: Ebit Informação – www.ebit.com.br

Durante todo o ano, o e-commerce brasileiro é movimentado por importantes eventos que já fazem parte do calendário do consumidor, como datas comemorativas, feriados e ofertas sazonais. Dentre eles, alguns se mostraram especialmente relevantes para o setor em termos de faturamento, nos últimos dois anos, como o Dia das Mães (R$ 1,51 bi) e 2016 (R$ 1,62 bi), o Dia dos Pais (R$ 1,51 bi) e 2016 (R$ 1,76 bi), e o Natal (R$ 7,40 bi) e 2016 (R$ 7,7 bi).

Mais sobre o faturamento de datas anteriores:

Os números do mercado de E-commerce

O que esperar do ano de 2017

O relatório Webshoppers 36 mostra que o e-commerce já faturou R$21 bilhões no primeiro semestre de 2017, apontando um crescimento nominal de 7,5% ante o mesmo período de 2016, e a estimativa é de que o mercado volte a registar expansão de dois dígitos, atualizando para 10% a expectativa de crescimento no acumulado do ano.

A Black Friday, por sua vez, tem um papel fundamental nas perspectivas para o segundo semestre de 2017, juntamente com Dia das Crianças e o Natal. Num estudo realizado pela Google Brasil/Provokers sobre as expectativas para Black Friday 2017, 68% dos entrevistados declararam sua intenção de fazer compras nesta edição, o que representa 7% mais pessoas que no ano passado.

Fontes: Ebit, Webshoppers 36, Thinkwithgoogle.com

Após um duro período de crise para a indústria da moda, os primeiros sinais de recuperação já se apresentam. Segundo uma pesquisa feita pela consultoria McKinsey & Company, no ano de 2017, o segmento de roupas esportivas deve crescer de 6,5% a 7,5%, o de acessórios de 4% a 5%, o de relógios e jóias de 3% a 3,5% e o de roupas e calçados de 1,5% a 2,5%. Para atender este crescimento é preciso estar atento ao perfil dos brasileiros interessados em moda.

Segundo a base Navegg, na esfera sociodemográfica observamos que a maioria dos brasileiros interessados em moda é mulher (82%), casada (67%), com idade entre 25 a 34 anos (34%), da classe Alta (61%) e não graduada (59%).

Os três produtos pelos quais este público mais busca são hidratantes, produtos para banho e corpo e lápis de boca. Para realizar tais buscas, utilizam smartphones (61%).

Quando o assunto é moda, esse público se interessa por Moda Masculina, Moda Infantil e Cosméticos. Fora deste tema, o interesse é por Musculação, Colecionismo e Esportes com veículos. Além disso, a maioria deles pertence ao cluster Seguidores (36%) do Navegg EveryOne. Ou seja, aqueles que desejam sempre estar na moda e são sempre conectados.

Quando o assunto é comportamento de consumo dentro da indústria de telecomunicações, a maioria deles se encaixa no perfil Sofisticados (42%) do Navegg EveryBuyer– composto por pessoas que estão sempre conectadas à moda e às tendências -, seguido do perfil Varejo (31%) – composto por pessoas para as quais bons preços e descontos têm grande influência em sua decisão – e do perfil Exclusivos (28%) – formado pelos visionários da moda, aqueles que seguem tendências e celebridades internacionais.

Confira o infográfico completo abaixo e saiba mais sobre o perfil dos brasileiros interessados em moda.

Mais uma Black Friday se aproxima. Neste ano, a data que é considerada o segundo Natal para muitos lojistas pois movimenta a economia e estimula o consumo será celebrada no dia 24 de novembro. Além disso, em tempos de crise, os descontos que a data proporciona são vistos com ótimos olhos.

Há o internauta que compra na data para antecipar as compras de Natal e aquele que presente usar a data para adquirir produtos que já estavam em suas listas de desejos há algum tempo.

Como anunciar para o internauta que compra na Black Friday

Para aproveitar a data, as marcas precisam comunicar aos consumidores suas ofertas. Como encontrar tais consumidores e anunciar para o internauta que compra na Black Friday?

Com o objetivo de auxiliar os lojistas a aprimorar suas estratégias de marketing para a data, desde a edição de 2015, a Navegg oferece segmentos especiais para quem quer anunciar para internautas com intenção de comprar neste período. São eles:

Infográfico: O perfil do internauta que compra na Black Friday

Este estudo da Navegg permitiu observar que a maioria dos compradores em Black Friday são homens (75%), com idade entre 25 e 34 anos (41%), de classe alta (70%), graduados (75%) e pertencentes ao cluster Exploradores (43%). Os Exploradores tendem a estar altamente conectados, são arrojados, curiosos e valorizam a satisfação interna de viver intensamente. São eles que normalmente aceitam as evoluções tecnológicas e os produtos inovadores primeiro e, a partir disso, criam tendências.

No tema intenção de compra e marcas foi observada uma variação nas buscas por alguns produtos e marcas. A variação referente ao ano passado e a este ano, é representada ao lado de cada gráfico. Além disso, a coluna Black Friday 2017 corresponde a pesquisas feitas nos últimos 30 dias, período que pode refletir uma tendência para a Black Friday de 2017. Por fim, os itens estão ordenados do mais buscado para o menos buscado nos últimos 30 dias.

Nesse cenário, produtos de Comidas e Bebidas, Tecnologia e Artigos para a Casa são os produtos mais buscados para a Black Friday de 2017. Comidas e Bebidas foram os produtos com maior curva de busca em relação ao ano passado. Falando sobre marcas, as mais buscadas são Samsung, Microsoft e Apple. Sendo que a segunda se destaca na variação de buscas do ano passado para cá.

Confira o infográfico completo abaixo e saiba mais sobre o perfil do internauta que compra na Black Friday.

Mais sobre o mercado:

Os números do mercado de E-commerce

O Rock in Rio é só um dos eventos que movimentam a economia do setor e que agradam os brasileiros interessados em entretenimento. Em levantamento divulgado no ano passado pela Global Entertainment and Media Outlook 2016-2020 da consultoria PwC a previsão é que este setor cresça 6,4% ao ano até 2020, atingindo um faturamento anual de US$ 48,7 bilhões em 2020.

A Navegg observou toda a sua base de conhecimento sobre o internauta, filtrou apenas aquilo que dizia respeito aos brasileiros interessados em entretenimento e reuniu toda essa informação no infográfico abaixo.

Na esfera sociodemográfica observamos que a maioria dos brasileiros interessados em entretenimento é mulher (60%), casada (62%), com idade entre 25 a 59 anos (60%), da classe Alta (66%) e não graduada (54%).

Os três produtos pelos quais este público mais busca são Séries de TV, Humor e Downloads. Já as três marcas preferidas são CEE, Microsoft e Philco. Para realizar tais buscas, utilizam smartphones (50%).

Quando o assunto é entretenimento, esse público se interessa por Música, Celebridades, TV e Cinema. Fora deste tema, o interesse é por Notícias, Família, Tecnologia e Negócios. Além disso, a maioria deles pertence ao cluster Exploradores (25%) do Navegg EveryOne. Ou seja, aventureiros em busca de novas experiências e sensações.

Quando o assunto é comportamento de consumo dentro da indústria de telecomunicações, a maioria deles se encaixa no perfil Cult (38%) do Navegg EveryBuyer – composto por pessoas intelectuais e muito ligados à arte -, seguido do perfil Festeiros (33%) – composto por pessoas que gostam de estar em grupo, são comunicativas e entusiasmadas – e do perfil Digital (29%) – formado por aficcionados por tecnologia, inovação e investem em produtos e serviços digitais.

Confira o infográfico completo abaixo e saiba mais sobre o perfil dos brasileiros interessados em entretenimento.

De acordo com o resumo executivo financeiro do primeiro trimestre de 2017 divulgado pela Telebrasil (Associação Brasileira de Telecomunicações), de janeiro a março deste ano a indústria de telecomunicações obteve uma receita bruta de 56,2 bilhões de reais.

Considera-se, neste cálculo, todos os setores da indústria de telecomunicações: indústria, telefonia fixa, banda larga fixa, telefonia móvel, TV por assinatura e trunking. Além disso, de acordo com essa mesma pesquisa, desde 2014 observa-se uma queda nas receitas anuais desta indústria.

Por este motivo, faz-se ainda mais necessário que as empresas deste ramo observem o perfil dos brasileiros interessados em telecomunicações para que possam conhecê-lo em profundidade, gerar insights sobre as suas necessidades e entregar publicidade relevante.

Na esfera sociodemográfica observamos que a maioria dos brasileiros interessados em telecomunicações é mulher (69%), casada (75%), com idade entre 35 a 59 anos (39%), da classe Alta (59%) e não graduada (51%).

Os três produtos pelos quais este público mais busca são TV, quarto infantil e sala de estar. Já as três marcas preferidas são Brastemp, Tramontina e Panasonic. Para realizar tais buscas, utilizam smartphones (57%).

Fora do tema telecomunicações se interessam por Corrida de carros, Design e Botafogo. Além disso, a maioria deles pertence ao cluster Seguidores (25%) do Navegg EveryOne. Ou seja, os responsáveis por replicar as tendências, pois estão sempre antenados.

Quando o assunto é comportamento de consumo dentro da indústria de telecomunicações, a maioria deles se encaixa no perfil Pré-pago (43%) do Navegg EveryBuyer – composto por pessoas que consideram que o preço é o principal fator na hora da decisão, portanto, preferem planos básicos e não se importam se for necessário abrir mão de alguns itens para reduzir o valor -, seguido do perfil Conforto (35%) – composto por pessoas práticas, que pagam mais para ter mais comodidade – e do perfil Casa Nova (22%) – formado por pessoas que estão em fase de transição, seja mudança de residência, casamento, categoria social ou grande transformação profissional.

Confira o infográfico completo abaixo e saiba mais sobre o perfil dos brasileiros interessados em telecomunicações.

Em tempos de crise, uma das indústrias mais afetadas é a de imóveis. Segundo o Banco Central, no primeiro trimestre de 2017, o brasileiro comprou imóveis na faixa dos R$ 160 mil. Para realizar tais compras em tempos instáveis da economia nacional, é ainda mais importante que os brasileiros interessados em imóveis façam pesquisa antes de efetuar uma compra.

Na esfera sociodemográfica observamos que a maioria dos brasileiros interessados em imóveis é mulher (62%), casada (72%), com idade entre 35 a 59 anos (42%), da classe Alta (67%) e graduada (53%).

Dentro desse tema, os três produtos pelos quais os brasileiros mais buscam são apartamentos, imóveis e móveis para cozinha. Já as três marcas preferidas são Philco, Brastemp, e Tramontina. Para realizar tais buscas, utilizam smartphones (50%).

No tema imóveis se interessam pelo Mercado Imobiliário, Móveis e Decoração e Arquitetura. Fora dele, se interessam por Literatura, Culinária Gourmet e Museu.

Além disso, a maioria deles pertence ao cluster Exploradores (25%) do Navegg EveryOne. Ou seja, valorizam a exclusividade e tendem a pagar mais por isso, mas são os que mais analisam as variáveis que definem o custo-benefício daquilo que desejam adquirir.

Quando o assunto é comportamento de consumo dentro da indústria de Imóveis, a maioria deles se encaixa no perfil Luxo e Família (35%) do Navegg Buyer – composto por pessoas que têm preferência por imóveis em condomínios de luxo ou condomínios-clube -, seguido do perfil Vida Moderna (34%) – pessoas que preferem imóveis menores ou individuais e condomínios mistos do tipo home business – e do perfil Minha Casa, Minha Vida (31%) – pessoas que têm poder de consumo médio/baixo, portanto, aceitam morar mais longe para ter conforto.

Confira o infográfico completo abaixo e saiba mais sobre o perfil dos brasileiros interessados em imóveis.

[Infográfico] O perfil dos brasileiros interessados em imóveis

 

Pesquisa elaborada pela área de Pesquisa e Inteligência de Mercado do grupo Abril traz um olhar inédito sobre a Geração X, que representa, aproximadamente, as pessoas com idade entre 35 e 54 anos. Segundo o estudo, esse ainda é o público que mais consome, embora grande parte da publicidade das empresas seja focada nos Millennials.

Segundo os números, o X representa hoje aproximadamente ¼ da população e é responsável por mais da metade da renda gerada no país e com um uso diário de e-mail na faixa de 94%, o uso de ferramentas de marketing por e-mail tornam-se uma excelente oportunidade para segmentar e personalizar o conteúdo para que o retorno financeiro sobre este público extremamente representativo seja o melhor possível.

Mailify Ferramenta de Email Marketing  | blog.pt.mailify.com

Algumas dicas para atingir o coração e o bolso do “X” segundo o estudo

• Estética, símbolos e contexto são imprescindíveis
• Represente-o de fato: nem mais novo, nem com mais cabelo ou menos barriga
• Geração multiplataforma: os X construiu a ponte entre o on e o off-line
• A razão tem destaque na equação entre o racional e o emocional
• Mais sobre o produto, menos sobre o propósito
• Família: um clichê que dá certo
• Conteúdo é sempre bem-vindo
• Quebre paradigmas sem apelar para estereótipos
• Reflexão: ajude-o a refletir e o conquistará
• Cuidado com as generalizações ao utilizar um target baseado apenas em demografia

Publicado anteriormente no blog da Mailify.

Inbound Marketing – Vantagens da web para atrair mais clientes para seu e-commerce

“Não corra atrás das borboletas, cuide do seu jardim e elas virão até você”. Essa pequena frase traduz a essência do que é o Inbound marketing.

A metodologia tornou-se popular nos últimos anos e se baseia na essência das novas formas de consumo de informação, em que a borboleta, ou o cliente tem o poder de escolher qual conteúdo ela quer acessar e quando acessar.

Como se fazia antes do Inbound marketing? Corríamos atrás das borboletas

A técnica chamada de outbound, ou marketing de interrupção interrompia o fluxo de navegação do usuário e inseria a publicidade no meio da busca pelo conteúdo. Era o comercial no intervalo do jornal, ou o pop-up que se abria na frente de um conteúdo.

Essas técnicas ainda existem e se forem bem usadas podem trazer grandes benefícios para sua estratégia de inbound. Porém, em regra, são invasivas, geram repulsa no cliente e muito cara e desaconselháveis para sua primeira entrada no marketing digital.

Como eu faço agora? Cuide do seu jardim

Ir atrás do cliente não é indicado, então o ideal é que ele venha até você. Mas por que ele viria até você. Por que você tem algo relevante e de valor que é justamente o que ele procura, que pode ser o seu produto, mas se você quiser atrair muitos clientes, talvez não seja ideal começar falando sobre o que você faz.

“Inbound marketing não é sobre o que você faz, mas sobre o que você sabe”

Possivelmente, a maioria dos seus potenciais clientes ainda não cogitou comprar o seu produto. A depender do seu mercado, a maioria deles nem se quer sabe que seu produto existe. Então, antes de pensar em apresentar todos os atributos incríveis e o preço inacreditável é melhor entender o que o seu cliente deseja e como seu produto pode ajudá-lo.

Se você é dono de uma academia, por exemplo, deve possuir conhecimentos únicos sobre treinamentos e programas de emagrecimento. Então, antes de falar sobre a nova modalidade de treinamento funcional, ou hit, não seria melhor apresentar algumas dicas e técnicas para emagrecer? Veja só quantas pessoas pesquisam por isso no Google todos os meses.

Não plante um jardim onde não há borboletas

Não adianta colocar um outdoor em uma avenida na qual não passam carros, tampouco anunciar produtos eróticos em um programa religioso. Então, seja bem criterioso antes de escolher as mídias nas quais pretende divulgar sua marca. Não é incomum a criação de uma conta em uma rede social, ou lançamento de um site não servir para nada. Quantas não foram as empresas que correram para criar sua conta no Google Plus, ou no Vine?

Restrinja bem quem são os seus clientes em potencial e estude-os para saber como chegar até eles. Seja muito criterioso nesta etapa. A maior parte dos empreendedores tendem a pensar que qualquer pessoa é um cliente em potencial, que sua marca tem abrangência ampla e isso apenas prejudica toda a estratégia.

Pense bem quem é seu melhor cliente. Aquele com o maior tíquete, que compra com maior frequência. Chegue a um ou dois perfis no máximo. Aí sim, você começa a produzir conteúdo e divulgá-los em seu site e redes sociais.

3 coisas que vão acontecer com empresas que não usarem Inbound Marketing

Como aplicar inbound marketing em sua micro, ou pequena empresa

Acho que apresentei bem o conceito de inbound e espero que você já esteja convencido a utilizá-lo para atrair e encantar seus cliente. A pergunta é: como colocar minha empresa na internet da melhor forma e com o máximo de resultado em vendas? A resposta é tema do meu infográfico reproduzido abaixo.

6 passos para começar sua estratégia de marketing digital

Leia também:

A grande diferença entre Inbound Marketing e Growth Hacking

A decisão de construir ou reformar um imóvel pode acontecer por diversos fatores: casamento, a chegada de um filho, uma mudança na carreira e outros. Como em outras indústrias, para decidir quais fornecedores, móveis e lojas escolher, muitos brasileiros vão para a Internet para pesquisar sobre o tema e efetuar suas compras.

Na esfera sociodemográfica observamos que a maioria dos brasileiros interessados em casa e construção é mulher (74%), casada (83%), com idade entre 35 a 59 anos (46%), da classe Alta (64%) e graduada (56%).

Dentro desse tema, os três produtos pelos quais os brasileiros mais buscam são móveis de quartos, climatizadores e materiais de construção. Já as marcas preferidas são Brastemp, Tramontina e Panasonic. Para realizar tais buscas, utilizam smartphones (55%).

No tema casa e construção se interessam por jardinagem, arquitetura, móveis e decoração. Fora dele, se interessam por esportes motorizados, colecionismo e literatura.

Além disso, a maioria deles pertence ao cluster Vencedores (28%) do Navegg EveryOne. Ou seja, valorizam a exclusividade e tendem a pagar mais por isso, mas são os que mais analisam as variáveis que definem o custo-benefício daquilo que desejam adquirir.

Quando o assunto é comportamento de consumo dentro da indústria de Casa e Construção, a maioria deles se encaixa no perfil Mobiliando (52%) do Navegg EveryBuyer – composto por pessoas que estão em período de mudança e precisam adquirir vários produtos ao mesmo tempo -, seguido de um empate entre o perfil Marido de Aluguel (24%) – representados pelas pessoas que sempre estão realizando pequenas construções ou fazendo reformas, por isso, tendem a comprar pouco e com frequência – e Luxo e decoração (24%) – composto por pessoas sofisticadas, que trocam a decoração de sua casa de acordo com as tendências.

Confira o infográfico completo abaixo e saiba mais sobre o perfil dos brasileiros interessados em casa e construção.

Fonte: Navegg