Tags Posts tagged with "marketing digital"

marketing digital

Com o comércio eletrônico crescendo dois dígitos ao ano, oportunidades de promoção e publicidade surgem diariamente em contextos que fazem sentido ao anunciante, veículo e principalmente ao consumidor, que hoje é quem literalmente possui o poder nas mãos.

Os anunciantes buscam na publicidade digital uma alternativa efetiva para geração de performance e vendas de seus produtos e serviços, mas muitos ainda acreditam que o volume e insistência serão suficientes para entregar resultado. O mercado virtual é um ambiente democrático, com trocas frequentes nas cadeiras do poder, ocupadas sempre por quem investe no engajamento e interesse do usuário, que é quem realmente manda no jogo.

O maior problema nessa corrida em busca da preferência do cliente é a conjuntura, somada à maturidade das empresas. Em um mundo com mil possibilidades de personalização, fica fácil uma marca perder a medida e faltar com as boas práticas, tornando-se inconveniente aos olhos do consumidor.

Para garantir que isso não aconteça, é necessário que grandes marcas, anunciantes de produtos e promoções em sites de varejo busquem alternativas e metodologias para executar o papel do marketing sem prejudicar a experiência do público. Na era do e-commerce, é responsabilidade também do fabricante auxiliar um potencial consumidor a ter uma melhor visualização do item.

Um bom exemplo é a utilização de “hero Images”, as “imagens heroicas” que ajudam o usuário ao exibir características e benefícios do produto estampados de forma clara e principalmente adaptadas às telas de smartphones.

É sempre importante ter em mente que, mesmo em um período em que as lojas virtuais investem em chatbots para emularem o papel do atendente, além das ações de retargeting, ainda não existe a figura do vendedor para sugerir produtos mais adequados às necessidades do comprador ou para esclarecer dúvidas de uma forma mais humanizada. Portanto, o fabricante deve fazer a sua parte ao garantir que a exposição dos itens seja a melhor possível: chamativa, descritiva e com imagens em alta resolução que deem a devida noção do que é o produto.

Ao comunicar o consumidor com informações relevantes, indústria e comércio acabam contribuindo exponencialmente para a aceleração do processo de decisão de compra diminuindo atritos, alcançando o grande objetivo em comum: aprimorar a experiência de compra para aumentar as conversões.

Leia também:

3 coisas que vão acontecer com empresas que não usarem Inbound Marketing

Ainda faltam cerca de um mês para a Black Friday, que em 2017 acontece no dia 24 de novembro. Mas é preciso planejar com antecedência e estar preparado para a data que é uma das mais importantes para o comércio virtual. Segundo pesquisa da Google, divulgada dia 22 de agosto, as vendas durante o período devem somar R$ 2,2 bilhões, com crescimento entre 15% e 20%.

O estudo também diz que 68% das pessoas pretendem comprar algo na Black Friday deste ano, enquanto no ano anterior o índice era de 61%. Assim, é fundamental garantir que tudo no e-commerce funcione da melhor forma possível. Entre os principais pontos que precisam ser checados estão infraestrutura e relacionamento com o cliente.

De acordo com a All iN, o e-mail marketing foi o principal canal de conversão entre os varejistas durante a Black Friday de 2016 e a tendência é que a ferramenta mantenha o desempenho neste ano. Ainda segundo a marca, o envio de e-mails tradicionais no período deve crescer 15%, enquanto o disparo de e-mails comportamentais aumenta 25%.

Levantamento realizado pela Tray, informa que a movimentação nas lojas virtuais durante a Black Friday cresce em torno de 20 vezes em relação a um dia normal. O estudo também traz que o tíquete médio da data em 2017, deve ser em torno de R$ 350.

Já pensou o que pode acontecer ao criar uma campanha e perder todo o trabalho porque o número de acessos ultrapassou o limite que o site suporta receber? Ou criar uma ação inovadora e falhar na comunicação com os clientes?

Por isso, abaixo estão três dicas para que os empreendedores comecem a se programar e não percam a oportunidade:

Como está o site?

Aproveite que ainda há um tempo até a Black Friday e revise a estrutura das páginas e os conteúdos. Teste variações de cores e layouts, por exemplo, para deixar a navegação mais atrativa e intuitiva.

Inclua formulários de contato e/ou newsletters. Dessa forma, pode-se criar (ou aumentar) a base de clientes interessados em receber suas mensagens. Essa lista é fundamental para a divulgação de promoções e descontos, ou simplesmente para estreitar o relacionamento.

E se o site ficar fora do ar?

Faça uma análise do número de visitantes que o seu site recebe, acompanhe o histórico e, se possível, compare com o do ano anterior. Existem diversas opções, como Hospedagens ou Clouds, para ampliar a capacidade, mas é preciso entender o tamanho do negócio e o quanto pode-se investir em infraestrutura.

Como dito anteriormente, a estimativa é que o acesso às lojas virtuais durante a Black Friday cresça em torno de 20 vezes em relação aos dias regulares.

E-mail Marketing para avisar os clientes sobre os descontos?

É fundamental que os consumidores saibam o que acontece no e-commerce. As ferramentas de e-mail marketing são importantes para mantê-los atualizados sobre as novidades, promoções e novos produtos ou serviços. Assim, quando a Black Friday chegar, já haverá uma base trabalhada e engajada.

Uma campanha de sucesso depende, e muito, de um bom planejamento e de muita pesquisa.

Como profissionais de marketing de desempenho, nossa tarefa mais desafiadora é garantir que nossos ativos de marketing se destaquem. Todos os dias, há uma enorme quantidade de novas mensagens lançadas no universo on-line. E então, há o desafio de se certificar de que sua mensagem não só se destaca, mas também atinge a audiência mais relevante…

Ao iniciar sua jornada no mundo da descoberta, queremos compartilhar nossas melhores práticas para que sua campanha tenha destaque e sucesso dentro das plataformas de recomendação e descoberta. Seguir estas melhores práticas colocará a sua campanha um passo mais perto do sucesso.

1- Defina metas claras para sua campanha

Você pode ter uma ótima ideia para uma campanha de descoberta, mas você definiu metas?

É importante estabelecer os objetivos da sua campanha na fase inicial. Quer seja para gerar leads, vender produtos, downloads de aplicativos ou gerar conhecimento de marca, o KPI precisa ser claro e mensurável.

Ao estabelecer metas específicas, mensuráveis, claras e com limite de tempo, você saberá exatamente o que está trabalhando. É sempre uma boa ideia associar os objetivos da sua campanha aos seus objetivos de negócios. 

2- Pense nos seus ativos de marketing que melhor se encaixam nesses objetivos

Ao escolher seus recursos, não se conforme apenas com o tráfego. Gerar ações específicas para seu público-alvo deve ser o seu foco. E lembre-se, sua mensagem está chegando à sua audiência em um momento de descoberta.

Como qualquer outro usuário da internet, eles provavelmente terão pouca paciência. Seja curto e conciso e chegue ao ponto rapidamente.

Aqui estão algumas boas dicas:

• Certifique-se de que a página de destino tenha uma mensagem que promova uma ação;
• Headline, subheadline, imagens e design devem representar a mensagem da página;
• Garanta que a chamada promova claramente a ação desejada (certifique-se de colocá-la em uma seção diferente da sua página de destino).

3- Headlines e imagens: a chave para CTR

Se você não conseguir que seu público-alvo clique em seus anúncios, todos os esforços que você investiu na etapa um e dois foram à toa.

Certifique-se de mencionar a sua audiência em sua manchete e lembre-se de que imagens de close funcionam melhor do que imagens vagas. Neste Infográfico, você pode aprender tudo sobre as melhores práticas de Outbrain Amplify para headlines e imagens.

4- Segmente a audiência

Você tem seus objetivos, recursos de marketing e CTRs – agora é hora de pensar em segmentar seu público. Ter a audiência certa com a mensagem certa, no lugar certo, no momento certo, é uma grande parte de todas as campanhas de marketing bem sucedidas.

E a descoberta não é diferente. Pense por meio de qual dispositivo você deseja conhecer o seu público e onde. Certifique-se de ter os recursos de marketing corretos que atendam ao mindset da audiência. 

5- Estruture a campanha

Nós sabemos que você provavelmente tem sua preferência de como estruturar sua campanha. No entanto, cada plataforma de marketing tem sua própria estrutura de campanha. Aqui estão algumas das melhores práticas que aprendemos com o gerenciamento de nossas próprias campanhas de descoberta.

• Separar campanhas móveis e de desktop. Existem dois motivos principais para fazer isso: CPCs e experiências de usuário diferentes.

• Comece sua campanha com pelo menos 10 variações de título e imagens. Você vai querer ver quais anúncios performam melhor e, para fazer isso, você deve fornecer ao nosso algoritmo alguns materiais para trabalhar e testar.

• Considere seus lances. Pessoalmente, eu prefiro começar alto. Dessa forma, estou me certificando de que minha campanha comece a ter entregas em seus estágios iniciais, obtenha alto volume de impressões e que eu possa otimizar de acordo com os resultados.

Conclusão

Agora você está pronto para começar a sua nova campanha de descoberta. Lembre-se que, nos primeiros dias da sua campanha, você precisará otimizar o CTR. Uma vez que sua campanha esteja sendo executada por algumas semanas e você tem quantidade suficiente de dados, pode-se começar a otimizar para conversões. 

Vamos dizer que você é o gerente de uma operação de e-commerce que vende brinquedos para empresas (B2B), e investiu num simpático stand em uma grande feira de negócios do segmento. Você tem em suas mãos uma pilha de cartões e agora precisa fazer valer dinheiro investido.

Depois do evento, normalmente o profissional sofre com uma “ressaca”. Dia seguinte no escritório, você não quer nem ouvir falar daquele dia cansativo, muito menos daquela lista gigantesca de leads.

O que acontece normalmente?

O responsável entrega a lista para os vendedores, que por sua vez ligam pra quem achar que deve. Isso se alguém de fato der a continuidade nesta lista. Na maioria das vezes, as listas ficam paradas, envelhecem e o investimento é perdido, assim como a chance de impulsionar um retorno real sobre ele.
 
A inteligência na automação de marketing é a chave. Feita da maneira correta, conseguimos trabalhar a lista e filtrar os contatos que realmente podem significar retorno sobre seus objetivos, iniciando um relacionamento com os novos leads.
 
Mas como começar? Na verdade uma ação desta começa pelo menos 1 a 2 meses antes do evento. Então vamos desenhar aqui os principais pontos que você deverá considerar para ter o resultado esperado.

E o primeiro ponto a saber é… Qual resultado esperado?

Exatamente. O passo inicial é saber qual o objetivo a ser atingido e ter isso muito bem definido na sua estratégia.

Vejamos aqui alguns dos possíveis objetivos que podem ser considerados:

• Divulgar a empresa para o mercado de brinquedos;
• Medir a aceitação de um novo produto de alto valor agregado;
• Aumentar o faturamento de vendas;
• Angariar novos fornecedores.

Se você acredita que pode fazer todos estes objetivos no mesmo evento, com certeza irá perder o foco e consequentemente diminuir o retorno sobre o investimento.

Vamos dizer então que você estabeleça como objetivo “aumentar o faturamento“. Agora sim, temos um ponto de partida.

Vejamos então como proceder, passo a passo:

✅ Definição/mensuração do objetivo – atrele parâmetros de controle (KPIs) para este objetivo, por exemplo: ROI (retorno sobre o investimento) igual a 5,  faturamento líquido igual a R$ XXXX,XX e custo máximo estimado do evento de R$ YYYY,YY;

✅ Definição da buyer persona – qual buyer persona(s) para os produtos a serem oferecidos? No caso pode ser o Alberto, 42 anos, responsável de compras de uma rede de lojas de brinquedos.

✅ A estratégia (o coração desta ação de marketing) – para aumentar o faturamento o que será oferecido para estes novos clientes (baseado na buyer persona definida no próximo passo)? Condições especiais de pagamento? Produtos (no caso brinquedos) com grande diferencial de mercado? Bonificações em produtos atrelados a volume de compras?

✅ A escolha do evento – quais os eventos que mais atraem esta buyer persona que desejamos impactar? Quando eles ocorrem? A data do evento é boa para o “timing” da ação?

✅ Análise de custo/benefício – dos eventos pesquisados, qual o valor do stand/localização estratégica – o ideal é que você já tenha frequentado o evento como visitante para saber se é realmente uma boa opção.

✅ Material promocional – definidos evento e stand. Qual o material você necessitará para embasar sua venda? Panfletos, vídeos demonstrativos, hotsites de produtos…

✅ Material para personalizar o stand – este serviço será feito internamente ou será terceirizado?

✅ Equipe – qual equipe interna (time de vendas) e externa (ex. modelos) será escalada e qual a abordagem será utilizada para atrair e encantar a buyer persona?

✅ Leads – como serão captados os dados do cliente (cartão de visita/digitalização de crachá) Quais os dados serão coletados (perguntas estratégicas como, “Qual o nível de interesse em adquirir o produto X?”, podem ser definidas nesta etapa);

✅ Pós evento – como será a abordagem pós-evento? Via e-mail? Qual o conteúdo do e-mail e a oferta ou convite a ser feito;

✅ Ferramenta de automação de marketing – para envio/caso tenha blog quais os conteúdos serão utilizados nos e-mails;

✅ Monitoração dos leads – e mensurarão de resultados. Os KPIs foram alcançados? No caso negativo, quais as lições aprendidas que justificam o insucesso.

Pode parecer muita coisa, mas o checklist acima vai aumentar muito a sua chance de êxito, e vale ser seguido à risca. 

A Agência Saatis se especializou nesta área, justamente por lidar constantemente com clientes que desperdiçavam ações após eventos. Seja por falta de planejamento, ou por falta de recursos operacionais para o seguimento necessário dos contatos conquistados.

E então? Preparado para incluir a exposição da sua empresa em um evento no seu plano de marketing? Agora você sabe o caminho para conquistar resultados de fato.

Levantamento apresenta que o modelo marketplace, promissor de negócios, pode virar tendência, e que o consumidor tem demonstrado um maior poder de compra no período

O número de lojistas que passou a ofertar seus produtos nos marketplaces registrou avanço de 32,1% no segundo trimestre do ano em relação aos três primeiros meses de 2017. É o que aponta o estudo Panorama dos Marketplaces no Brasil, criado pela Precifica em parceria com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).

A maior presença de comerciantes nestes shoppings centers virtuais comprova a necessidade de exposição dos produtos em grandes portais que já estão no inconsciente dos consumidores. Além disso, indica um aumento no consumo de itens do varejo, demonstrando maior poder de compra da população.

Este modelo promissor de vendas tem despontado como tendência, já que muitos varejistas percebem uma oportunidade de divulgar seus produtos com redução no investimento em mídia. O valor cobrado por cada venda varia entre cada marketplace e é o único pagamento obrigatório.

A quantidade de novos vendedores que comercializa seus itens dentre os meios analisados avançou no segundo trimestre, com um total de 1.496 varejistas que passaram a oferecer suas marcas nestes canais.

O ganho de eficiência na ativação de vendedores está principalmente ligado ao emprego de tecnologias e processos que garantem a qualidade do catálogo de produto final dos marketplaces. Os grandes desafios são evitar a duplicação de páginas e o agrupamento de ofertas distintas no mesmo espaço, prejudicando a experiência de compra do consumidor.

Com 28,7% de crescimento no número de ofertas publicadas, o departamento de Esporte e Lazer apresentou a maior evolução, atingindo um total de 2.728; seguido de Móveis e Decoração, com 2.591; Informática, com 2.542; Utilidades Domésticas, com 2.335 e Automotivo, com 2.048.

Por fim, o estudo destaca oportunidades para quem busca um nicho com menor nível de competitividade dentro desses grandes shoppings virtuais, com destaque para DVDs e Blu-Rays; Alimentos e Bebidas e Livros; todos abaixo de 60% da média de concorrência.

O e-mail marketing tornou-se a técnica mais eficaz para venda online. Pense nisso, quantas vezes você ouve sobre ofertas ou descontos das marcas que você gosta em newsletters que você recebe? Muitas.

Ter uma ferramenta de envio de e-mail marketing profissional para criar campanhas tornou-se essencial para qualquer empresa. Mas hoje vamos dar algumas dicas para fazer o melhor e-mail marketing comercial e gerar um grande número de vendas por e-mail.

1- Concentre sua mensagem nos benefícios do seu produto

​Quando você cria as campanhas projetadas para vender seus produtos, há algo que você não deve esquecer: o único protagonista desses e-mails é o produto.
 
É essencial que, ao longo do e-mail, destaque as qualidades de seus produtos, a utilidade que eles possuem e os benefícios que serão obtidos por aqueles que os adquirem. Ele deve provocar o desejo de comprar, e não se esqueça, crie a necessidade. Convença o usuário de que ele precisa do produto. As razões podem ser milhares: é o melhor do seu setor, é a última moda, usado pelas estrelas de Hollywood…
 
Um elemento muito importante que aumentará suas vendas por e-mail são as imagens que você incorpora na campanha de e-mail marketing. Pense que essas imagens são a única referência que tem o destinatário do produto, então adicione a melhor que você tem.
 
As imagens devem ser feitas por profissionais e estar em alta qualidade. O produto deve ser apreciado perfeitamente e deve fazer com que você clique para saber mais sobre ele.

2- Ofereça descontos e ofertas reais

É muito importante que o que você anuncia no seu e-mail seja totalmente verdadeiro. De acordo com o estudo realizado em 2016 pela ONG FACUA, 82% dos consumidores consideraram que as empresas distorciam seus descontos.

Um anúncio enganoso fará com que os usuários acessem seu site uma vez, mas, se não houver descontos reais ou apenas tenham o desconto se gastarem mais que X$, eles não confiarão em você e irão sair da sua lista de contatos.

A Black Friday é propícia para fazer ofertas de todos os tipos. O mesmo estudo já acrescentou que oito consumidores em dez acreditam que as empresas oferecem descontos falsos durante essas festividades. Eles consideraram que o desconto que eles encontraram não foi aplicado no preço real.

Agora você pode aproveitar as festividades para gerar mais vendas por e-mail não usá-los como isca, pensar em uma estratégia que é benéfica para ambas as partes e deixar claro as vantagens de comprar nesse dia ou semana.

3- Use uma linguagem emocional e não racional

Uma conexão com seus destinatários é básico para criar motivação e desejo de compra. Se você usa uma linguagem séria, seca e sem emoção, dificilmente conseguirá bons resultados.

Você precisa recorrer ao usuário, usar um tom confiável e uma linguagem emocional. Storytelling funciona, você precisa de pessoas para se identificar com a marca e torná-la sua. Isso se reflete em seus produtos.

4- CTA efetivo, vendas seguras

Para obter vendas por e-mail, há um elemento muito importante e são chamadas para ação (CTA). Estes são os responsáveis ​​pela geração de tráfego para a sua página online.

A chamada para a ação eficaz é aquela que se destaca sem perturbar… Não coloque desenhos ou efeitos que não estão em sintonia com o resto da newsletter. Normalmente, os CTAs são tipicamente imperceptíveis.

As chamadas para ação devem abordar diretamente o que está sendo falado no e-mail. Se você levar o assinante para a Home, talvez fique cansado e desista antes de chegar ao produto. Quanto mais fácil para o usuário, melhor. Elimine todas as barreiras possíveis.

Se você fala sobre descontos em camisas e o CTA leva diretamente para essas camisas, ótimo. Não desperdice o tempo do usuário fazendo-o navegar sem necessidade.

Se você seguir estas dicas verá como suas vendas por e-mail aumentarão gradualmente. Fazer campanhas de e-mail marketing é a técnica mais rentável e eficaz no mercado, não perca!

Texto publicado anteriormente no Blog da Mailify.

O Brasil é o quinto país com maior acesso à internet no mundo, ultrapassando a marca de 105 milhões de internautas. Nesse cenário, um acontecimento comum é o abandono de carrinho no e-commerce, que chega a 63%, ou seja, a cada 100 consumidores, 63 não finalizam as compras.

Em um levantamento feito pelo Ibope E-commerce, os principais motivos para o abandono de carrinho apontados pelos internautas foram, respectivamente:  “alto valor do frete”, “consumidor não estava pronto para finalizar a compra”, ou “simulação para comparação de preços e desistência após alto preço”.

Com isso em mente, algumas medidas podem ser tomadas para melhorar a experiência dos seus consumidores e consequentemente alavancar as suas vendas.

1- Facilite o frete dos seus clientes

Os custos logísticos tornaram-se os principais vilões do e-commerce. Com o alto preço pago pelo envio, os clientes chegam a escolher os produtos e desistem após inserir o CEP para finalizar a compra. Para evitar que isso aconteça, ofereça opções de frete de acordo com a necessidade do cliente.

Fretes com prazos e valores diferentes permitem ao cliente comparar os preços e a sensação de ganho é sentida. Ofereça frete expresso, rápido e simples, com tempos de entrega inversamente proporcionais aos valores investidos. Além disso, oferecer um endereço físico para a retirada do produto dentro de um prazo estipulado pode ser a alternativa que o seu cliente busca para fugir dos custos do frete.

Aumente as vendas do seu e-commerce com pontos de retirada

Outra saída é oferecer promoções que isentam o frete caso seja efetuada a compra acima de um valor especificado.

2- Facilite a compra em sua plataforma

Alguns sites oferecem a opção “one-click buy”. Através dela, o cliente pode salvar as informações do cartão, endereço de entrega, entre outras, para que em compras futuras ele consiga realizá-las com apenas um clique. A função pode aumentar as vendas por impulso, assim como ajudar o consumidor que não está encontrando seu cartão no momento em que está fazendo a compra no site e depois acaba esquecendo de finalizá-la.

Caso o comprador ainda não esteja cadastrado em seu site, facilite a inscrição. Ofereça a opção para o cliente preencher os dados a partir das informações das redes sociais, como o Facebook. Desta forma, ele economiza tempo e diminui as chances de desistência.

3- Envie e-mail marketing relevante

Com o e-mail do cliente em mãos, preenchido no cadastro de seu site, envie informações personalizadas sobre os produtos que ele visualizou recentemente, em especial os que colocou no carrinho, mas não finalizou a compra.

Também é possível enviar informações sobre queda de preço ou facilidades de pagamento, ações que possibilitam o resgate de clientes que desistiram de compras nas últimas etapas do processo.

4- Crie um espaço para comentários sobre os produtos

Se o cliente considera o preço do produto alto, sua relação entre custo e benefício não está correta. Para facilitar a tomada de decisão dos consumidores nesses casos de dúvida, crie um espaço para que outras pessoas que compraram em seu site contem sua experiência sobre o produto.

Sejam boas ou ruins, isso torna mais palpável o que é o produto para o cliente, já que, através de um site, ele não está vendo o produto fisicamente. Caso esteja tendo dificuldades para as pessoas opinarem sobre sua compra, incentive-as, oferecendo cupons de descontos para a próximas aquisições àqueles que avaliarem o produto.

Com o avanço da tecnologia e a rapidez do mundo moderno, tudo indica que o e-commerce continuará crescendo desde que tenha o cliente como missão de vida. Entregar uma experiência de qualidade para os seus usuários e buscar sempre conhecimento é o que fará o abandono de carrinho diminuir cada vez mais em seu negócio.

O feedback digital tem o potencial de impactar profundamente os negócios na definição de métricas, como fidelização de clientes e receita. No entanto, isso acontece apenas se o retorno for aproveitado corretamente. Para que esse seja o caso, há muitas estratégias fundamentais que devem ser seguidas. A primeira delas é garantir a captura de dados corretos.

Parece fácil, mas é surpreendente a quantidade de grandes empresas que não sabem por onde começar. Então, qual é o primeiro passo? Simplesmente ouvir o que os clientes têm a dizer e em suas próprias palavras. Isso pode parecer óbvio, mas muitas empresas fazem de forma errada.

De acordo com pesquisas recentes, 61% das organizações que possuem programas de Voz do Cliente bem desenvolvidos e US$ 500 milhões ou mais de receita anual acreditam que os retornos oferecem mais valor quando estão de acordo com a percepção dos clientes, o que faz sentido. Quando os consumidores iniciam uma conversa com a empresa, eles dizem exatamente como ela pode melhorar e quais são os aspectos de experiência que eles esperam para que a companhia adote uma ação para melhorar.

1- Ouça o que os clientes têm a dizer

Se a empresa já usa uma solução de feedback digital ou se está capturando o ponto de vista do cliente de modo on-line, é necessário estar claro que existe uma distinção sutil, mas importante, entre deixar o cliente falar com a companhia e realmente ouvir o que ele tem a dizer.

Ouvir envolve uma troca de comunicação bidirecional, em que os clientes falam com a empresa e então ela demora um tempo para considerar o que eles realmente estão dizendo. À medida que mais e mais trocas entre consumidores e organizações ocorram on-line, menos oportunidades existirão para ter o mesmo nível de troca bidirecional típica da comunicação presencial.

Um dos principais objetivos na coleta de feedbacks é permitir a comunicação entre a companhia e o consumidor: a informação é entregue (pelo cliente) e uma mensagem é recebida (pela empresa). E, idealmente, as mensagens dos clientes obrigam a organização a agir.

2- Certifique-se de não influenciar as respostas

Para obter o verdadeiro e sincero feedback digital de que a empresa precisa, é necessário garantir que as respostas dos clientes não sejam influenciadas de forma alguma. Ao solicitar o retorno digital, é importante pensar em alguns pontos.

Deixe os consumidores usarem suas próprias palavras, permita que eles façam comentários reais sobre o que querem dizer. A maneira como a pergunta é feita é importante: solicite um feedback on-line com comentários para não influenciar a natureza do que os clientes querem dizer.

Se, por exemplo, a questão for específica de atitude (por exemplo, “como você se sente sobre o conteúdo do nosso site?”), as chances serão de que a informação obtida foque especificamente no conteúdo.

Além disso, é preciso se certificar de que o local para fornecer o comentário esteja à frente e ao centro. Ao exibir de forma proeminente a caixa de comentários quando o cliente optar por deixar comentários digitais, os consumidores contarão exatamente o que primeiro veio à mente quando escolheram falar com a empresa.

O melhor e mais útil feedback é direto, puro e mais reflexivo sobre a experiência do consumidor. Então convide os clientes a fornecerem comentários que incentivem essa percepção.

3. Solicite feedback em todos os pontos de contato digitais

É necessário oferecer aos clientes a capacidade de fornecer feedback em todos os pontos de contato digitais. Em outras palavras, deixe-os falar com a companhia em todas as páginas do site, aplicativos móveis e outras plataformas.

Em muitas situações, as empresas encontram lacunas em suas perspectivas sobre os fatores de CX (Customer Experience) – tudo porque as principais seções do site, subdomínios ou mesmo ferramentas digitais específicas estão desprovidas de uma solução de escuta contínua. Muitas vezes, nesses momentos, as organizações assumem que não existem problemas nesses pontos de contato negligenciados simplesmente porque nenhum feedback está sendo transmitido – o que obviamente é um grande erro.

As janelas de pop-up modais para recuperação de senha são um exemplo perfeito de uma oportunidade comumente perdida de reunir feedback, particularmente em dispositivos móveis. Se o objetivo é criar uma visão abrangente de todas as trocas possíveis entre a empresa e os clientes, é preciso permitir que os usuários deixem comentários digitais em todos os pontos de contato digitais.

4- Faça com que o feedback digital seja fácil para os clientes

Se a empresa quer que os clientes falem com ela sobre o que eles pensam, é preciso facilitar os meios para obter esse retorno.

Um exemplo é incorporar um convite para fornecer feedback por meio de uma aba no lado direito da página e no cabeçalho, que é espelhada em todo o site. Os usuários não têm dúvida em qualquer ponto da interação sobre como dizer à companhia o que eles pensam sobre ela. O convite é facilmente encontrado, acessível e sempre presente em toda a experiência.

Um benefício natural de um convite altamente visível para deixar comentários é que a empresa fica com uma visão muito mais equilibrada. Por exemplo, se colocar um convite de feedback digital no rodapé de um site ou no menu em formato “hambúrguer” das aplicações móveis, mais tendenciosos negativamente os comentários tendem a ser porque os clientes terão dificuldade para descobrir como deixar suas impressões sobre os serviços. Apenas os consumidores mais motivados deixarão registrada sua experiência – e quanto mais difícil o acesso for, mais irritados eles ficarão.

Se a companhia deseja que os comentários digitais sejam úteis e relacionados aos “pontos de dor”, é preciso fazer com que os usuários finais falem facilmente com a empresa o mais próximo possível do “momento da verdade” (MV – ponto crítico em que o cliente forma uma opinião sobre o nível de serviço prestado pela organização), seja esse “momento” o próprio site ou mesmo um aspecto de uma página específica, como detalhes da conta ou resultados de busca.

Essa abordagem também encoraja o feedback em canais cruzados. Onde é o primeiro lugar em que os clientes interagem com a empresa ou pesquisam sobre seus produtos ou serviços? Na maioria das vezes, é no site da companhia. Disponibilizar uma plataforma fácil de encontrar para fornecer feedback significa que a companhia não só receberá insights para melhorar a experiência digital do cliente, mas também a jornada dentro da loja ou rede de agência ou a qualidade dos produtos.

Ainda sobre tornar mais fácil o feedback, implementar um “seletor de canais” significa que a empresa pode segmentar e rastrear as informações facilmente para a tomada de ação enquanto também solicita questões específicas para cada canal ou serviço.

5- Deixe os clientes serem seu guia

Os comentários vindos diretamente dos clientes em suas próprias palavras capturados em feedbacks digitais ajudam a trazer as questões da experiência com os clientes à vida. Lembre-se: cada comentário representa a voz de uma pessoa real. Ouvir ajudará a incutir uma maior sensação de empatia organizacional e melhor permitirá à empresa ver realmente os processos de negócios na perspectiva das jornadas dos clientes reais.

Familiarizar-se com o feedback digital em texto é a melhor maneira de desafiar os próprios pressupostos sobre a experiência do cliente, obter uma noção verdadeira dos resultados desejados desses consumidores e ajudar a esclarecer as necessidades não atendidas que a companhia nunca considerou como fatores para a satisfação geral com a empresa.

Pensando desta forma, o impacto do feedback digital na experiência do cliente, tanto off-line quanto on-line, pode ser grande, apontando o potencial para descobrir as percepções tangíveis da experiência com os clientes e as melhorias nos processos de negócios.

O uso de ferramentas tecnológicas no mercado de vendas é uma tendência que surge como reflexo natural de um novo modelo de comportamento social. Afinal, o que temos visto é que a tecnologia está cada vez mais presente no dia a dia das pessoas de todas as idades e classes sociais – até mesmo das crianças da nova geração, que já parecem nascer com um smartphone na mão, 100% conectadas.

É justamente para conseguir se conectar com o público que o mercado de vendas tem modernizado seus processos, se adaptando ao uso dessas novas ferramentas tecnológicas. Vale destacar que estamos entendo como “novas ferramentas tecnológicas” todas as ferramentas surgidas com o advento da internet, contando aí smartphones, tablets, redes sociais, softwares, aplicativos, etc.

Embora essas ferramentas sejam consideradas de forma geral como importantes aliadas na hora de impulsionar as vendas, na prática muitos empreendedores ainda têm receio de empregá-las na gestão de seus negócios. E foi justamente por isso que nossa equipe foi atrás de descobrir: será que a tecnologia está de fato tornado o mercado de vendas melhor?

A seguir você confere o nosso levantamento com os principais prós e contras da influência da tecnologia no mercado de vendas:

⇓ Concorrência Globalizada

Com clientes e concorrentes todos conectados à rede mundial, a concorrência realmente mudou de nível. O seu negócio não está mais competindo com a loja vizinha de quarteirão ou com algum centro comercial próximo: a sua empresa agora está no big game, competindo globalmente com outras empresas on-line.

As desvantagens associadas a isso estão no fato de que sabemos que nem sempre é possível igualar em preço os produtos e serviços de outras empresas online, visto que situação de oferta dessas empresas e os custos que elas embutem em seus produtos são outros, diversos daqueles que temos aqui em nosso país. Mas é claro que nem só de preço se trata uma venda.

Um segundo aspecto da concorrência globalizada está no surgimento de um novo perfil de consumidor, mais exigente e consciente de suas opções – o que, por si, não é algo necessariamente negativo, mas que implica em um novo perfil de vendas, com foco na experiência de compra do consumidor. Não basta mais oferecer o velho feijão com arroz, é preciso conhecer as expectativas de seu cliente e superá-las, saber encantar para fidelizar o seu público.

Na prática, para enfrentar essa nova concorrência de peso, o mercado de vendas se adapta investindo no desenvolvimento de um relacionamento mais próximo com o cliente, melhorando a comunicação por meio de ferramentas tecnológicas como redes sociais, aplicativos próprios e blogs.

⇑ Novas Ferramentas de Prospecção: Marketing Digital

Se por um lado a concorrência está mais acirrada, por outro, alcançar o seu público alvo nunca esteve tão ao alcance do seu negócio. Afinal, a internet permite ao seu negócio projetar-se globalmente!

E isso de forma bem simples, graças a ferramentas como os famosos buscadores (leia-se Google e outros da mesma família). O desafio para sua empresa está em garantir que o cliente vai encontrar a sua marca bem posicionada no buscador, se pesquisar pelo serviço ou produtos que a sua empresa oferece. Para isso, os serviços de uma consultoria de marketing digital serão mais que bem-vindos!

Garantir que sua empresa seja vista é essencial para a sobrevivência da sua marca em tempos de alta conectividade: por isso, invista em perfil nas redes sociais, como Facebook e LinkedIn. Mas vá além: faça uso das ferramentas de marketing direcionado que essas mesmas redes oferecem. Afinal, elas oferecem a chance única de atingir exatamente o público alvo do seu negócio, permitindo chegar aos usuários da rede segundo idade, gênero, escolaridade, região de moradia, interesses, etc…

⇑ Ferramentas de Gestão Integrada

A chegada da internet de melhor qualidade e estabilidade permitiu o desenvolvimento de diversas ferramentas online para melhoria dos processos de gestão do seu negócio. Uma das principais ficou conhecida como sistema ERP, do inglês Enterprise Resource Planning. Os ERPs apresentam uma série de funcionalidade que permitem um controle maior de todas as áreas do seu negócio: pagamentos, recebimentos, vendas, estoques, etc.

Ao centralizar as informações da sua empresa em um só sistema, o ERP online permite um melhor planejamento dos investimentos e das estratégias de marketing e fidelização de seus clientes, além de possibilitar um maior controle dos recursos disponíveis. O ERP oferece ainda uma série de relatórios gerenciais que possibilitam um melhor processo de tomada de decisões, e ferramentas de vendas que oferecem uma maior agilidade no contato com o cliente – atual e potencial – favorecendo a melhoria da taxa de conversão em vendas da sua equipe.

A funcionalidade de controle de estoque permite acompanhar em tempo real os materiais disponíveis para venda, além de contatar seus fornecedores on-line para pedidos de orçamento e reposição dos seus estoques. Vale lembrar que um bom controle de estoques é essencial no mercado de vendas: afinal, ele permite identificar quais são as tendências de consumo do momento, planejar suas estratégias de marketing e ações promocionais, programando a reposição de estoques de acordo com seu planejamento.

A rápida conversão de uma cotação em ordem de serviço, com emissão de boletos e geração de nota fiscal eletrônica são outros exemplos da agilidade permitida pelo uso de um ERP, com impacto positivo nas vendas da sua empresa.

⇑ Otimização do Processo de Vendas

Todo vendedor sabe que a conversão da venda é um processo complexo e que envolve uma série de fatores. A tecnologia vem justamente para simplificar e otimizar esse processo. Você sabia que um ERP trás vários benefícios para suas vendas?

Geração de orçamentos, controle de estoques, registro de vendas realizadas, pagamento de comissão à equipe de vendas, emissão de notas fiscais e boletos: tudo pode ser centralizado em um sistema ERP on-line, que pode ser acessado a qualquer momento e de qualquer lugar pelo empreendedor. Ao cobrir todas as etapas da venda, o ERP torna o processo mais simples tanto para o controle do gesto, quanto para a prática diária do seu vendedor.

Os ERPs mais modernos apresentam ainda um registro de vendas inteligente, permitindo diferenciar a venda de produtos, serviços e de balcão. Se a sua empresa lida com um fluxo grande de clientes, a tecnologia vem ajudar a organizar o processo de vendas por meio dos PDV on-line (ponto de venda).

Ágil, simples e intuitivo, o PDV possui integração com o controle de estoques e gestão financeira do seu ERP, permitindo efetuar a venda e já, automaticamente, dar baixa no estoque do produto vendido e registrar o pagamento – tudo em um só sistema. Para as empresas que trabalham com caixa, fica ainda mais fácil realizar o controle com um PDV: com ele, é possível realizar a abertura do caixa no início do dia, controlar as movimentações financeiras realizadas (vendas, retiradas de valores, inclusão de troco, estorno) e fechar o caixa ao final do dia.

⇒ A tecnologia está tornando o mercado de vendas melhor ou pior?

Por fim, a partir dessa análise, é possível perceber que a tecnologia vem para ajudar o mercado de vendas a crescer e que não há por que adiar a modernização da sua empresa. Se o seu negócio ainda não utiliza as ferramentas tecnológicas mencionadas, ela está correndo o risco de ficar para trás.

Para cuidar de campanhas de e-mail, é preciso tempo. E este é, provavelmente, um dos principais desafios enfrentados pelos profissionais, especialmente os empreendedores que têm negócios inteiros para gerir.

Assim, como otimizar seu tempo para envios mais rápidos e eficazes? Através deste post, vamos rever algumas técnicas organizacionais que ajudarão você a economizar tempo em cada etapa da criação de seus e-mails.

Tenha um planejamento

A primeira coisa a fazer antes mesmo da criação da sua mensagem é configurar um cronograma de envios com antecedência. Defina as próximas datas de disparo e tópicos que você irá abordar em seus e-mails para não tem que pensar nisso quando criá-los.

Você vai ganhar organização estratégica de comunicação, definindo bases específicas de marketing de acordo com sua atividade, calendário promocional e festividades. Isto irá permitir-lhe poupar tempo em muitos níveis.

Prepare um template de e-mail por tipo de campanha

Obviamente, a maneira mais conveniente para poupar tempo ao criar seu e-mail é preparar templates. Tome um ou dois dias para pensar sobre uma estrutura e um desenho pré definido para cada tipo de campanha de e-mail que você enviar: newsletter, e-mail comercial, anúncios, ofertas promocionais…

Com um editor drag & drop você pode facilmente criar templates de newsletter pré definidos que pode então personalizar para cada envio com base em temas que irá abordar.

Com uma paleta de templates personalizados disponíveis, você vai ganhar um tempo considerável cada vez que criar uma campanha.

Use um editor drag & drop

Os editores de e-mails são mais fáceis do que nunca de usar. A tecnologia de arrastar e soltar existe na maioria das soluções de e-mail marketing profissionais para compor uma newsletter com apenas alguns cliques de distância. É uma ferramenta baseada em um método simples: mover blocos de conteúdo dentro de um molde com um simples movimento do mouse, posicionando-os onde desejar.

Esta é, obviamente, uma solução muito mais rápida e acessível do que usar um software padrão de HTML/CSS que requer habilidades mais especializadas na codificação.

Bibliotecas de imagens

No processo criativo, podemos ser confrontados com o problema da estética geral da mensagem. Se procurar fotos e ilustrações na rede pode ser um desperdício de tempo, opte por soluções que integram diretamente um banco de imagens grátis.

Isto vai poupar tempo valioso através da realização de uma simples busca por palavra-chave dentro do seu software e irá remover muitas etapas desnecessárias (abrir o navegador, pesquisar no Google, encontrar uma imagem royalty free, abrir a imagem, salvar, importar para o software…).

Importe automaticamente o seu conteúdo em uma newsletter via WordPress

Alguns softwares de e-mail marketing profissional podem importar artigos do seu blog WordPress diretamente em sua newsletter. Basta um módulo de sincronização integrado à solução.

Estes módulos são extremamente convenientes para blogueiros e empresas com um blog, porque eles permitem que você importe em um clique os últimos artigos criados em WordPress para um template de newsletter.

São então integrados o título, a imagem principal e o início do texto do artigo, sem qualquer esforço adicional.

Se a sua solução de e-mail marketing não possui um sistema desse tipo, saiba que existem soluções para blogueiros para criar newsletters no WordPress e enviá-los automaticamente quando uma série de artigos forem criados.

Crie formulários para importar diretamente seus destinatários

A importação de contatos em sua solução de e-mail marketing pode ser uma etapa tediosa, especialmente quando se trata de fazê-lo manualmente ou se você não tem a capacidade de automatizar esse processo.

Para economizar tempo, use uma ferramenta profissional de e-mail marketing que permita a criação de formulários. Estes estão ligados à listas de contatos e sincronizados em tempo real com o seu software.

Assim, você deixa seus visitantes se inscreverem em seu formulário, e você encontra diretamente em uma lista de contatos personalizada os dados de cada um.

Esta é provavelmente a maneira mais rápida e mais fácil de gerenciar por exemplo, sua lista de assinantes para sua newsletter ou obter RSVPs para um evento que pretende promover.

Use uma ferramenta de pré-visualização

Como garantir que sua mensagem será exibida corretamente em todas as caixas de entrada? Para não enviar testes para endereços de e-mails incontáveis ​​e verificar um por um o  processamento em cada webmail ou software, use uma ferramenta de visualização!

Algumas empresas oferecem no software de e-mail marketing uma ferramenta de visualização nas principais caixas de entrada do mercado. Então você não perde tempo enviando testes para todos os seus colegas, ou criando várias contas de e-mail e webmail. Conveniente, não é?

Com todas essas dicas, você deve gastar menos tempo ao criar suas campanhas para que você possa se concentrar em outros aspectos do seu negócio.