Tags Posts tagged with "marketing digital"

marketing digital

Na contramão da crise que atinge diversos setores do país, o e-commerce vem apresentando crescimento em relação aos outros segmentos do varejo. Apesar das boas estimativas para este ano, quem deseja começar a trabalhar ou já está nessa área, precisa ter em mente que o planejamento deve ser o principal aliado para o aumento das vendas online.

Muitas vezes, com ajustes simples e algumas inovações é possível realizar grandes transformações no negócio, com resultados altamente positivos.

Confira a seguir algumas dicas de como se planejar melhor, implementar essas mudanças e, claro, vender mais.

Faça uma avaliação do portfólio de produtos

O mercado de vendas online é altamente dinâmico, com alterações constantes nos padrões de consumo e nos tipos de produtos mais comprados.

Assim, é sempre interessante realizar uma análise crítica do negócio, de modo a identificar se o portfólio de produtos atual é condizente com o comportamento dos consumidores.

Essa análise pode revelar a necessidade de modificações no tipo, marca ou quantidade de produtos que são anunciados.

Reforce o estoque e otimize a logística

Depois de revisar o portfólio de produtos, é interessante fazer uma avaliação do preço de venda. Vale a pena monitorar os valores praticados por concorrentes, tanto no varejo físico quanto nas lojas online.

Em alguns casos pode ser interessante ampliar a quantidade de produtos em estoque para reduzir o valor médio pago pelo produto.

Além gerar maior competitividade ao negócio, isso também permite otimizar a logística de entrega dos produtos.

Um ponto relevante é calcular as despesas com preparo e envio dos produtos, verificando se existem soluções mais baratas sem reduzir a qualidade das entregas.

Nesse aspecto, além de fazer envios mais rápidos, é interessante avaliar a viabilidade de práticas como o overdelivering, visando ampliar a fidelização de clientes.

Qual modelo de gestão de estoque é ideal para seu e-commerce?

Investigue a jornada de compra do consumidor

Se a loja online já é eficiente em termos de produtos anunciados e preço de venda, vale a pena avaliar e otimizar a jornada de compra do consumidor.

Com isso é possível identificar possíveis gargalos na concretização das vendas, como má experiência de navegação, layout pouco convincente ou ambiente que não transmita segurança para a compra.

O uso de ferramentas para mapeamento da jornada pode ser um importante aliado nessa etapa.

O ciclo de compra e as práticas do Marketing Digital em um projeto de e-commerce

Otimize os resultados oriundos de buscas orgânicas

Para que um site gere vendas, é importante que ele receba muitos acessos diários, esteja bem posicionado nos buscadores e registre uma boa taxa de conversões.

Sendo assim é interessante investir em estratégias de otimização dos resultados para os buscadores (SEO).

Aposte no marketing de conteúdo, produza descrições ricas em detalhes, capriche nas fotos e títulos e realize um trabalho focado na otimização de palavras-chave relevantes ao negócio.

O incrível poder das buscas em uma loja virtual

Invista no storytelling

Para a maioria dos consumidores, tão importante quanto o produto adquirido é a experiência no processo de compra. Um dos melhores caminhos para otimizar essa experiência é investir no storytelling.

Se você não conhece esse conceito, trata-se da capacidade de uma empresa ou marca contar histórias relevantes, que cativem o público.

Uma narrativa interessante pode revelar a história da empresa ou mesmo detalhes sobre o produto ou o fornecedor do item anunciado. Assim, as chances de conversão também podem ser ampliadas.

Como destacar seu conteúdo com técnicas de storytelling

Reforce a segurança nas transações

Mostrar para os clientes que o site é um lugar seguro pode ser um fator decisivo para ampliar as conversões. Para isso vale a pena investir em certificados de segurança e deixar isso evidente para os consumidores.

O mesmo vale para os pagamentos, com a utilização de gateways que garantam a preservação dos dados e todo o suporte necessário em caso de problemas.

Anuncie nos marketplaces

Além de otimizar os aspectos já mencionados, uma medida que pode gerar resultados positivos e rápidos é diversificar os canais de venda.

Nesse contexto, comercializar seus produtos nos marketplaces é uma das melhores opções para ampliar o faturamento e assegurar mais vendas.

5 razões para colocar seu e-commerce em um marketplace

Para isso, existem no mercado soluções descomplicadoras que tornam o processo ainda mais fácil, garantindo agilidade sem burlar qualquer regra ou prejudicar seu próprio negócio.

Em resumo, e para concluir, o sucesso no comércio eletrônico exige melhorias constantes de gestão. Quanto mais rápidas elas forem identificadas e colocadas em práticas, mais velozes serão os resultados.

Por essa razão, um bom desempenho no varejo online em 2017 precisa ser construído agora mesmo.

O Gmail segue como o serviço de webmail mais popular do mundo. Há quase quatro anos, o provedor inovou ao lançar o recurso de classificação automática das mensagens, criada com o objetivo de permitir que os usuários visualizem os e-mails por categorias: promoções, social, atualizações, fórum e e-mails pessoais.

A novidade trouxe comodidade para os usuários, mas criou um ponto de atenção para os profissionais de marketing. De acordo com estudo da Return Path, intitulado Manual do Profissional de E-mail Marketing Sobre Categorias do Gmail, quase 10% dos usuários do Gmail avaliam que as mensagens não são classificadas corretamente.

A indicação de classificação incorreta dos e-mails pode ser uma má notícia para os profissionais de marketing, tendo em vista que os usuários do Gmail devem estar deixando de visualizar mensagens que, talvez, julgassem interessantes. Ou seja, é importante que as marcas estejam atentas à forma como suas campanhas estão sendo tratadas no ambiente virtual.

Relevância da Guia Promoções

A pesquisa revela que mais da metade dos usuários do Gmail (60%) têm ativada a Guia Promoções, que reúne ofertas, entre as quais as de marketing. Destes, 45,1% acessam a pasta em questão pelo menos uma vez por dia. Em resumo, enviar mensagens a uma pasta incorreta, que é monitorada com menos frequência, pode significar a perda de uma venda de produto ou serviço.

“No mercado competitivo de hoje, alcançar a caixa de entrada dos usuários de e-mail é fundamental. E, no caso do Gmail, é muito importante também que as mensagens sejam classificadas de acordo com a categoria esperada pelo consumidor”, explica Cecilia Belele, Diretora Regional para América Latina da Return Path.

“O Gmail criou o sistema de classificação de mensagens mais sofisticado da indústria, por isso é vital que os profissionais de marketing prestem atenção à forma como suas mensagens estão sendo classificadas”, completa.

Setores que mais enviam promoções

Sem surpresas, o estudo revela ainda que os setores com a maior porcentagem de mensagens classificadas como promoções, dentro do Gmail, são os de varejo, animais de estimação, artigos esportivos e de sites de ofertas e recompensas.

Confira a seguir os principais insights do estudo da Return Path, intitulado Manual do Profissional de E-mail Marketing Sobre Categorias do Gmail:

O estudo da Return Path, Manual do Profissional de E-mail Marketing Sobre Categorias do Gmail, está disponível para download gratuito no site da empresa. A pesquisa, realizada em dezembro de 2016, pesquisou 1628 usuários do Gmail. A análise de classificação tem como base mais de seis bilhões de mensagens enviadas.

Como consultor em uma agência de marketing digital, converso com empreendedores com seus projetos de loja virtual diariamente.  Uma das preocupações mais recorrentes que escuto é: montei minha loja virtual, e agora? Como vendo?

Há um preconceito no Brasil que chamo de “mito do e-commerce” que paira na mente de muitos empreendedores:

– Montar uma loja virtual é mais barato que uma loja física
– Vender online é muito mais fácil, pois posso vender para o Brasil todo
– Vou fechar minha loja física e ficar só com a loja virtual

Vender online ou vender offline tem dificuldades e facilidades inerentes a cada meio. O fato é que não dá para vender online sem uma boa estratégia de marketing digital. Por diversas vezes, os empreendedores estão mais preocupados em saber: loja em Magento ou em uma plataforma alugada?

Uma estratégia de marketing digital deve contemplar estratégicas para os seguintes momentos do ciclo de compras: Conhecimento > Consideração > Compra > Pós Venda

Em cada uma dessas fases, usamos uma estratégia diferente de marketing digital.

Fase de Conhecimento

Nessa fase os clientes nem sequem sabem o que comprar. É a fase em que devemos mostrar aos prospects que temos uma marca, que temos produtos que eles podem querer. Aqui podemos usar as seguintes práticas do marketing digital:

– Posts no Blog
– Posts institucionais nas Redes Sociais
– PubliPosts em outros blogs

Nesse momento do ciclo da compra, o prospect não está pronto para comprar. Ele nem se quer tem a intenção de comprar.

“Vou dar uma navegada pela internet hoje: no Facebook, em alguns blogs que gosto, em portais”

Fase da Consideração

Nessa fase, o prospect já reconhece que precisa/quer algo.  Aqui ele costuma buscar o máximo de informação sobre o produto: preço, marcas disponíveis, comparativo entre produtos, produtos similiares, etc… Nessa fase, devemos ter outro tipo de conteúdo para os prospects. Ele está buscando informações mais profundas.

– Ter uma boa presença no Google, já que o Google é o principal canal que se usa para buscar informações
– Reviews de produtos em seu site próprio
– Reviews de produtos em sites de terceiros (Publipost)
– Remarketing

“Nossa lembrei de uma bota que vi na festa ontem. Deixa eu ver algumas botas nesses sites de calçados”

Fase da Compra

Uma vez considerada a solução e escolhida a empresa que resolverá o problema, devemos expor nossos produtos, para quem está nesse estágio do ciclo de venda.

Uma boa ferramenta para isso são os links patrocinados. A ideia é expor nossos produtos para quem esteja procurando por eles, no momento em que eles estejam fazendo isso: marketing de intenção.

Outra ferramenta importante é estar bem ranqueado no Google para que as buscas dos prospects no Google, encontre os seus links e não os do concorrente.

Nessa fase, o cliente está no auge da excitação. É o momento mágico. Ele acabou de descarregar toda a indecisão de comprar ou não, ele passou da barreira da desconfiança se deve comprar nessa ou naquela loja virtual. Atingimos o objetivo!

Fase de Lealdade

Depois de transformar o prospect em cliente (compra), o ciclo deve continuar, estabelecendo relacionamento de pós-venda com o cliente. As ferramentas mais usadas para essa fase são:

– Email marketing
– Ferramentas de Reviews
– Remarketing pós compra

Depois do momento da compra é um dos momentos mais importantes. Fidelizar o cliente e fazê-lo reconsiderar novas compras é essencial. Alcançando novas compras, você vai reduzir o seu CAC (Custo de Aquisição de Cliente) e aumentar sua lucratividade. Além disso, você vai reafirmando seu mindshare na mente do cliente.

Essas sãs as fases que completam o ciclo de compra. Entender cada uma delas e saber trabalhar as ferramentas e práticas do marketing digital para cada fase em que se encontra o consumidor é vital para ter um negócio lucrativo na web.

Saber que há práticas que trazem resultados no curto prazo e práticas que visam o longo prazo também é muito importante.

Não foque apenas na fase da COMPRA.  Execute práticas para todas as fases, pois pessoas em todas as fases do ciclo entrarão em contato com suas redes sociais, marca, loja virtual, etc..

De acordo com Janrain & Harris Interactive, 74% dos consumidores online ficam frustrados quando encontram conteúdos irrelevantes no website em que estão navegando. Dados como este empurram a indústria da tecnologia programática rumo ao desenvolvimento de mecanismos de anúncios online cada vez menos invasivos e mais assertivos.

A Infosys, por exemplo, descobriu que 86% dos consumidores consideram a personalização um diferencial para suas decisões de compra. Isso ocorre porque o uso de recomendações altamente precisas fortalece o relacionamento da marca com seus consumidores, melhorando as taxas de conversão e aumentando as receitas.

Em outras palavras, é necessária uma abordagem precisa e persuasiva, não só para o comércio eletrônico de varejo, mas para todos os setores, seja o bancário, de seguros, viagens ou mesmo nas compras diárias de supermercado.

Steve Jobs é frequentemente citado por sua frase que diz que “as pessoas não sabem o que querem até que você mostre para elas”. E novas práticas e estudos sugerem que a Inteligência Artificial pode ser a chave para que essa façanha se torne uma experiência comum, automatizada para todos os usuários na era digital, e o mais importante, de maneira extremamente assertiva.

O que os computadores sabem sobre você

A era digital tornou as jornadas de compra mais acessíveis, mas cada vez mais complexas. Ter de escolher uma entre centenas ou mesmo milhares de opções torna as decisões mais difíceis. Pensando nisso, os sistemas de recomendações online vêm mudando a maneira como navegamos e escolhemos produtos – eles direcionam nosso processo de tomada de decisão, aproximando-nos do que estamos procurando, sugerindo produtos complementares ou mesmo alternativos.

Este “conhecimento” sobre a sua personalidade de compras geralmente se baseia em informações como o que você comprou ou visualizou no passado, o que compradores com perfis semelhantes visualizaram ou compraram, bem como a data e hora de visualização. Basicamente, as tecnologias de recomendação reúnem e analisam milhões de pontos de dados sobre suas preferências para gerar sugestões.

Parece simples, mas essas tecnologias precisam de enormes volumes de dados para fornecer previsões realmente precisas. E, claro, quanto mais informações disponíveis, melhor. E é justamente nesse ponto que entra em jogo o Deep Learning – um subcampo da Inteligência Artificial que simula o cérebro humano no processamento de dados e na criação de padrões de tomada de decisão.

A Inteligência Artificial pode prever o que você quer

Os motores de recomendação estão ficando cada vez mais inteligentes com algoritmos de autoaprendizagem baseados em Deep Learning. Em suma, essa metodologia tenta descobrir os hábitos do usuário depois de apenas algumas visitas ao website – às vezes durante o primeiro acesso – para então poder personalizar a sua experiência. Quando aplicada juntamente com análises em tempo real, a técnica pode melhorar drasticamente as recomendações, chegando ao nível de realmente prever os interesses do consumidor.

De acordo com a RTB House, ao tornar as recomendações mais precisas os algoritmos de autoaprendizagem podem garantir até 50% mais eficiência às campanhas online.

Mas como o Deep Learning funciona na prática?

Algoritmos de Deep Learning simulam a nossa maneira de pensar e aprendem sem qualquer interferência humana. Uma máquina irá analisar inúmeros conjuntos de dados implacavelmente, em tempo real, sem ficar cansado ou entediado, e produzirá decisões lógicas, confiáveis, sem estresse, dúvida ou o envolvimento de emoções.

Ele obedecerá às regras gerais do anunciante, mas também poderá aprender e escrever suas próprias regras. Esta é a essência dos algoritmos de autoaprendizagem e a razão pela qual eles são tão eficazes para a indústria de anúncios.

A maioria dos mecanismos tradicionais de recomendação simplesmente reúnem informações e, em seguida, selecionam produtos para serem exibidos com regras predefinidas por um ser humano, como: mostrar joias apenas para aqueles que visitaram roupas femininas, seguindo a lógica de que, muito provavelmente, são mulheres.

Já o sistema baseado em Deep Learning consegue interpretar inúmeras outras variáveis. Ele reconhece que a visita à seção de roupas femininas é um indicador para a compra de joias, mas também consegue cruzar outras informações para identificar eventuais homens que pretendem comprar joias como um presente, por exemplo.

No campo da previsão de compra, os algoritmos de autoaprendizagem já obtiveram tanto conhecimento que tornaram desnecessárias as interferências manuais. Além de otimizar o processo, essa automação também reduz as chances de interpretações errôneas ou tendenciosas, garantindo anúncios mais assertivos e menos invasivos.

Ter mais de um retargeter tem se mostrado uma estratégia inteligente e eficaz para um número cada vez maior de anunciantes. No Brasil, a Polishop é um exemplo de como a prática pode alavancar a efetividade de campanhas de performance

O conceito de múltiplo retargeting ainda desperta curiosidade e desconfiança em muitos anunciantes. A prática possibilita, entre outras coisas, estimular a concorrência saudável entre dois ou mais fornecedores de retargeting – a lógica é que ao atuarem juntos para um mesmo cliente, eles seriam levados ao seu máximo potencial de entrega.

Além disso, utilizar mais de um retargeter significa ter mais opções de personalização de campanha. Por outro lado, há ainda aqueles que temem perder eficiência ou interferir negativamente nos resultados do outro retargeter – o que já não deveria mais ser um problema nos dias de hoje.

A verdade é que já existem diversos casos que demonstram a eficiência da utilização de múltiplos retargeters. É o caso, por exemplo, da rede varejista Polishop, que utiliza a estratégia desde 2016, quando decidiu implementar a sua segunda ferramenta de retargeting personalizado.

Como resultado, a empresa viu o volume total de vendas geradas a partir de suas campanhas de retargeting aumentarem, em média, 64% – isso considerando-se o retorno de ambas as ferramentas utilizadas. Em uma análise mais detalhada, isso se traduziu em um crescimento de 9% no ROI.

Isso acontece por três motivos principais:

1- A inexistência ou diminuição da canibalização e da inflação dos leilões

A canibalização dos anúncios – como poderíamos chamar o eventual impacto negativo da competição entre dois retargeters – já não é uma grande questão, como foi há alguns anos. Antes, quando o mercado de RTB (real time bidding) era focado quase que exclusivamente em leilões abertos, era mais difícil controlar o orçamento e estabelecer limites de gastos.

Atualmente, não só o próprio cenário de venda de anúncios está mais maduro, como as ferramentas de retargeting também estão mais focadas em eficiência de custo.

Tendências como o header bidding, que busca promover um cenário mais igualitário e justo para anunciantes e publishers, ou mesmo a negociação de inventários privados em marketplaces como o do Google, que oferece diversas possibilidades e formatos de negócio, possibilitam estratégias de retargeting mais específicas, com maior previsibilidade e controle.

Já sob a ótica das ferramentas de retargeting, o deep learning é um exemplo de metodologia que possibilita a compra de mídia para usuários muito específicos, cuja concorrência é baixa ou nula. Esse tipo de precisão faz com que a canibalização dos anúncios hoje possa ser facilmente identificada, e praticamente anulada.

2- Tecnologias diferentes segmentam usuários de maneiras distintas

Voltando ao exemplo da Polishop, uma vez mitigados os riscos de canibalização e inflação dos leilões, a introdução do segundo retargeter foi feita então com a missão de aumentar o volume de vendas e melhorar o ROI sem impactar negativamente os resultados da campanha que já estava em andamento.

Como resultado, a segunda ferramenta conseguiu gerar sozinha, já no primeiro mês, 22% de vendas adicionais, sem interferir negativamente nos resultados do outro retargeter. Já no terceiro mês, o volume adicional de vendas atingiu o pico de 122%.

Isso foi possível a partir de uma visão de complementaridade sobre as ferramentas adotadas. Afinal, tecnologias diferentes, construídas com base em algoritmos próprios, possibilitam a segmentação de usuários de maneiras distintas. Em outras palavras, ao utilizar mais de um retargeter as possibilidades de personalização e segmentação tornam-se ainda maiores.

Vale sempre lembrar que os resultados tendem a melhorar ainda mais com o passar do tempo, à medida que a personalização das ferramentas vai se alinhando com as necessidades específicas do negócio e da audiência.

3- A concorrência faz com que o mercado se desenvolva mais rapidamente

A grande questão é que, em um ambiente muito competitivo como o dos e-commerces, os anunciantes precisam sempre pensar em formas eficazes para atrair o maior número possível de compradores potenciais. Com uma estratégia de múltiplo retargeting, eles podem não apenas ampliar suas possibilidades de segmentação – e de obtenção de resultados – como também reduzir sua dependência sobre um único fornecedor.

Adaptando aqui o conceito de livre concorrência amplamente defendido por Adam Smith, entendemos que, ao incentivar este tipo de competição “leal” entre os fornecedores, o mercado de programática como um todo deverá se desenvolver mais rapidamente. Afinal, os retargeters serão estimulados a sempre entregar o melhor serviço com a melhor performance.

O múltiplo retargeting, portanto, é mais do que uma alternativa inteligente e ousada para gerar mais resultados de vendas. É um caminho que promete desenvolver toda a indústria programática.

Como definir o preço de venda de um produto? A resposta a esta pergunta envolve diversas variáveis.

Na definição do preço que será praticado no mercado devem ser levados em conta, entre outros atributos, custos operacionais, concorrência e percepção de valor junto ao cliente. Para além de uma simples decisão comercial, a definição do preço de venda está diretamente relacionada à atração de clientes, servindo, portanto, também como uma tática de marketing.

Isso permite uma série de combinações distintas que podem ser adotadas pelos lojistas para gerar vendas, sendo que cada uma delas serve a interesses e objetivos diversos. Confira a seguir, cinco dessas estratégias:

Preço alto-baixo

Na estratégia de preço alto-baixo, a loja oferece um desconto temporário para um determinado grupo de produtos, para depois retorná-lo ao preço normal.

Essa redução de preço costuma ser amplamente divulgada e visa gerar um aumento pontual no fluxo de clientes. Os consumidores podem ser fidelizados ou estimulados a comprarem mais produtos na mesma transação, elevando o ticket médio.

Um dos principais desafios para essa prática é a gestão de estoque. A loja precisa estar preparada para comportar o aumento na demanda sem ruptura (indisponibilidade de produtos), já que isso pode despertar reclamações.

Preço baixo todo dia

A prática do preço baixo todo dia é uma decisão deliberada da loja em praticar o menor preço possível, diariamente.

Nesse caso, não há grande variação de preços, resultando em uma curva de vendas mais estável e um volume de produtos em estoque mais equilibrado.

O objetivo desse modelo é transmitir uma imagem positiva para a loja no longo prazo. Assim, não é necessário realizar gastos pontuais para divulgar promoções específicas, por exemplo.

O principal desafio para o êxito dessa estratégia é o fato de que muitos consumidores ainda são seduzidos por grandes ofertas e promoções. Isso exige um esforço maior para superar os concorrentes.

Preço por volume

O preço por volume se assemelha às vendas por atacado. Essa estratégia privilegia os consumidores que compram uma quantidade maior de um item, oferecendo descontos.

Em geral isso é feito na forma de kits ou pacotes com várias unidades. Para reforçar a divulgação, costuma-se destacar por quanto acaba saindo o valor unitário do produto nessa compra em escala.

Essa prática permite que a loja obtenha ganhos de escala, ampliando o ticket médio e reduzindo o volume parado em estoque.

Preço sazonal

O preço sazonal é aquele influenciado pelo calendário. Datas comemorativas ou períodos de elevada demanda por um produto geram elevação dos preços. Isso é compensado em momentos de queda na procura, quando são realizadas ofertas e promoções.

Para que essa prática seja efetiva, a alta nos preços não pode soar abusiva para o consumidor.

Também é preciso ter bom senso. Recentemente, um site de vendas online foi duramente criticado por ter elevado o preço das camisas do time da Chapecoense logo após o acidente que vitimou a delegação da equipe. A empresa argumentou que a alteração foi feita por algoritmos, sem intervenção humana, mas ainda assim houve repercussão negativa.

Preço psicológico

O preço psicológico tem o objetivo de confundir a percepção de valor do cliente frente a um produto. Para isso, um item é anunciado com preços como R$ 9,99 ou R$ 9,90. Mesmo custando praticamente R$ 10, essa diferença sutil é percebida como um desconto ainda maior pelo consumidor, que muitas vezes acaba ficando propenso a efetivar a compra.

A análise desses diferentes modelos permite concluir que a definição da estratégia praticada por uma loja reflete a imagem que ela deseja transmitir para seus consumidores. Sendo assim, a precificação deve estar alinhada com as ações de marketing e construção da marca.

Cada um dos exemplos citados tem maior eficiência para um determinado perfil de consumidores e segmentos de mercado. Portanto, é fundamental realizar testes e um estudo prévio antes de escolher uma estratégia.

Leia também:

Estratégia de Preço para ampliar vendas

No e-commerce, é muito comum que algumas pessoas acrescentem um produto no carrinho de compras, mas acabem abandonando o processo. Esta estratégia de marketing digital visa recuperar as vendas para usuários que selecionaram produtos na loja online, mas não finalizaram a compra.

Para fazer isso, é preciso usar ferramentas de automação que consigam rastrear os passos dos usuários no processo de compra e trabalhar na reversão dessa desistência.

5 ações para evitar carrinhos abandonados no e-commerce

Para exemplificar a situação, apresento aqui embaixo 3 empresas diferentes que conseguiram ampliar seu faturamento graças à recuperação de carrinho abandonado.

THMotorSports

Como estratégia, a empresa THMotorSports enviava quatro e-mails de recuperação após a desistência.

O primeiro disparo acontecia só 10 minutos depois do abandono do carrinho, e a taxa de abertura chegava a quase 70%, com o CTR – taxa de cliques – de 15%. Isso culminava em um faturamento de US$42 mil.

No dia seguinte, eles disparavam um segundo e-mail. Eles obtiveram 65% de abertura, CTR de 15% e geraram mais uma renda de US$ 11 mil, quebrando todos os argumentos de quem achava que no segundo dia ninguém abriria o e-mail.

6 dicas para reverter carrinhos abandonados em vendas

Legion Athletics

Neste e-commerce, após ter o carrinho abandonado, o primeiro e-mail era disparado 30 minutos depois. A taxa de abertura era de 63%, o CTR era de 10%, e isso gerava uma receita de US$ 26 mil.

O segundo e-mail era enviado um dia depois, já oferecendo 10% de desconto, e a taxa de abertura era de 58%, com CTR de 16%.

A grande sacada desta empresa era não usar o atrativo do desconto logo no primeiro e-mail de recuperação, mas no segundo e no terceiro e-mail.

No último e-mail, que era disparado 3 dias depois, ele apresentava taxa de abertura de 55%, CTR de 17%, e uma receita ainda maior: US$ 29,5 mil.

Peak Design

A empresa tinha a estratégia inteligente de perguntar se a pessoa teve algum problema para a finalizar a compra, logo no primeiro e-mail, 2 horas após o abandono do carrinho.

A taxa de abertura, nesse caso, foi de 65%, com CTR de 12% e uma receita de US$ 52 mil. O empresário conta que o segundo e-mail é enviado 30 horas depois, oferecendo 5% de desconto e frete grátis, o que resultava em taxa de abertura foi de 57%, CTR de 18% e gerou uma receita de US$ 87 mil.

Esses exemplos servem de lição, pois com esses dados, dá para observar como está a ferramenta de recuperação de carrinho do seu e-commerce e experimentar estratégias diferentes, com ou sem desconto, por exemplo.

Além disso, não se deve menosprezar o cliente que abandonou o carrinho logo na primeira tentativa. Como vimos, é possível fechar vendas até 30 dias depois. O abandono de carrinho deve ser visto não como uma perda, mas como uma oportunidade de converter e entender o cenário do cliente.

Antes de escolher a plataforma, confira estes 12 requisitos

Como aumentar as vendas do meu negócio online sem ter que investir muito mais em marketing e mídia? Meu site já tem um grande número de acessos orgânicos, então, será que não é melhor fazê-los comprar do que atrair mais visitantes que talvez também não comprem?

Se essas duas perguntas já passaram pela sua cabeça ultimamente, saiba que grandes empresas do mercado que tiveram esse problema encontraram uma solução: CRO para e-commerce.

Simplificando, CRO representa um conjunto de técnicas baseadas em estatísticas para melhorar a taxa de conversão do seu e-commerce.

Isso quer dizer: AUMENTAR SUAS VENDAS, transformando os visitantes em clientes.

Não está familiarizado com o termo? Não se preocupe.

Irei explicar como funciona essa metodologia, por que já é uma realidade entre as empresas de venda online e as técnicas que a tornam um modelo de otimização tão preciso e de resultados impressionantes.

Confira!

Mas o que é CRO mesmo?

CRO é uma sigla para Conversion Rate Optimization, traduzido como Otimização da Taxa de Conversão ou somente Otimização de Conversão.

É um conjunto de técnicas baseadas em testes A/B que une melhorias em copywriting, usabilidade e design, para alavancar as conversões no seu site. No caso de um e-commerce, isso significa aumentar a quantidade de visitantes que se transformam em compradores.

Você não investe um centavo a mais em mídia e marketing. A ideia é otimizar seu site atual no menor tempo possível, acelerando os resultados.

Por isso a maioria das empresas especializadas em CRO costumam fazer uma auditoria gratuita com os clientes para avaliar se essa melhoria rápida é possível.

Se, por exemplo, o site for muito ruim ou o investimento em marketing seja insuficiente para gerar resultados, somente a otimização de conversão não resolverá os problemas. Mas se a sua empresa já estiver madura no ambiente digital e acostumada com investimentos em mídia online, essa estratégia pode trazer um grande retorno. Por que?

CRO nunca irá diminuir a taxa de conversão do seu site porque é baseado em dados e experiências. Os testes são feitos um a um, para saber o resultado trazido por cada mudança feita.

Pode ser necessário um tempo até achar a solução ideal. Entretanto, uma vez encontrada, pode representar um grande aumento percentual nas suas conversões. E muito dinheiro a mais na conta da sua empresa.

E como funciona o CRO para e-commerce na prática?

Otimização de conversão para e-commerce é totalmente focada em testes A/B.

Testes A/B funcionam da seguinte maneira: suponha que você tenha problema na página específica de um produto. Suponha que de 100 visitantes que chegam à página de compra do produto, só 5 convertem, uma taxa muito baixa.

Após analisar o mapa de calor da página e fazer testes de usabilidade, sua equipe de otimização decide que a mudança primordial deve ser no texto do botão de compra.

A partir dessa definição, a equipe cria duas possibilidades de texto para o botão, coloca as duas alternativas no ar para a mesma quantidade de pessoas e verifica qual performa melhor.

Caso uma das duas supere os resultados anteriores, então a mudança é efetivada. Por isso a otimização de conversão é tão certeira: só a hipótese que trará resultados vai para o ar. Citei o botão como exemplo, mas poderia ser o texto da landing, da home do site, a posição do botão de compra, adicionar um selo de segurança, enfim, diversas hipóteses.

O importante é saber que não se trata de apostas e chutes. A criação das hipóteses é feita após entrevistas com leads ou prospects, testes de usabilidade, análise de dados, diagnóstico de heat maps e reuniões.

Testes A/B – Uma metodologia que você precisa conhecer

Como posso aplicar otimização de conversão no meu e-commerce

Comentei anteriormente que o processo de CRO é baseado em analisar o site, descobrir o problema, criar hipóteses, fazer teste A/B e analisar resultados.

Portanto, podem haver diversas causas para a taxa de conversão do e-commerce estar aquém do potencial.

Contudo, existem alguns hackings – técnicas de melhoria – de CRO que costumam dar ótimos resultados na maioria dos casos.

Vou apresentar 5 deles!

Consiga um programa de testes

Para que seus testes sejam bem feitos, você irá precisar de um programa específico.

São muitas as opções e a qualidade não varia tanto entre elas. Costumam ser um pouco caras, mas use uma versão trial de cada para verificar qual você mais gosta e aproveite para conhecer melhor as ferramentas.

As melhores opções do mercado são:

Inclua testemunhos

Sua melhor propaganda sempre será seus clientes.

Nada gera mais confiança do que uma história de como outra pessoa teve o mesmo problema que você resolvido por um determinado produto.

Crie essa mesma impressão nos seus visitantes.

Consiga uma declaração de algum cliente satisfeito com a compra e coloque-a no ar na página de conversão. E siga essas dicas:

  • Mostre o nome da pessoa;
  • Use fotos reais;
  • Diga qual produto/serviço ela comprou;
  • Não foque apenas em consumidores “famosos”, os comuns têm até mais valor para o público por não passarem a imagem de publicidade “paga”.

Diminua os formulários e ofereça uma boa “troca” ao visitante

Aumentar as conversões significa diminuir eventuais impeditivos e objeções à compra dos visitantes.

E se tem uma coisa que assusta consumidores na compra online é o fornecimento de dados.

É simples: vá direto ao ponto. Do que você precisa para converter? Nome, endereço e e-mail? Então peça só isso. Numa segunda oportunidade, tente solicitar dados como telefones, CPF e dados do cartão de crédito.

Outra coisa: o cliente tem que se sentir muito recompensado pelo fornecimento dos dados.

Cupons de desconto, ofertas e promoções realmente vantajosas são ótimas iscas para diminuir a rejeição dos usuários em fornecer os dados.

Faça um copy direto

Copy é o texto publicitário da sua home, landing page ou qualquer outra página de conversão.

Na grande maioria das vezes, ele é o responsável – depois da necessidade de solucionar um problema particular – do visitante se tornar um comprador no seu site, ou seja, converter.

Em vez de falar das funcionalidades do seu produto/serviço, sempre dê preferência aos benefícios que ele traz para o consumidor. Digamos que você venda máquinas de cortar cabelo.

Não fale das lâminas super afiadas de titânio ou dos mil botões de velocidade. Fale que o consumidor irá economizar em cortes no salão, que não precisará comprar pentes diferentes, que ganhará muito mais tempo, etc.

Sempre foque em benefits – benefícios – em vez de features – funcionalidades -, como dizem os americanos.

Copywriting: 6 técnicas essenciais para aplicar na sua escrita

Adicione selos de segurança e credibilidade

Há variedade de e-commerces por setor faz com que as pessoas estejam cada vez mais seletivas em suas opções de compra. Em meio à desinformação sobre o que é um site seguro ou não, as pessoas optam por páginas confiáveis para consumir sem medo.

Principalmente em landing pages, gerar confiança no visitante é um desafio a ser vencido. E não é tão difícil.

Você pode:            

  • Destacar a logo da sua marca na página;
  • Adicionar selos de segurança reconhecidos, como de antivírus e coisas do tipo;
  • Usar links de fontes seguras e respeitadas (notícias e reviews).

Otimizar a conversão de e-commerce traz resultados grandiosos em relação aos outros mercados.

Muitos sites possuem grande número de visitantes e já investem em mídia online. Portanto, alavancar em 100% uma taxa de conversão pode aumentar as receitas absurdamente do seu negócio.

Claro que, como comentei lá no começo do texto, você precisa ter uma base – fazer SEO para e-commerce, marketing de conteúdo, ter boa quantidade de visitas, investir em mídia online, links patrocinados – e algumas noções de que o resultado pode vir rápido ou demorar um pouco mais, todavia, ele virá.

Ficou interessado ou tem alguma dúvida no assunto? Deixe o seu comentário para que possamos conversar mais, ok?!

Conteúdo desenvolvido em colaboração com Ciclo Agência Digital.

Dentre as diversas formas de marketing digital, estratégias de inbound marketing têm se destacado ultimamente por sua efetividade e custo mais acessível.

Pesquisas revelam que o inbound marketing custa 61% menos do que o marketing tradicional, que usa anúncios em TV e revistas, por exemplo.

Além disso, empresas que usam estratégias de inbound marketing bem executadas têm resultados 10 vezes melhores, e apontam um retorno sobre o investimento positivo, na opinião de 79% das empresas que usam um blog em suas ações na internet.

Isso acontece porque o inbound marketing não interrompe as pessoas que buscam entretenimento ou informação com anúncios ou chamadas, mas, ao contrário, atrai seus clientes por meio de conteúdos interessantes e relevantes para o mercado-alvo de seu e-commerce.

Outros dados da mesma fonte comprovam que 80% dos decisores de compras nas empresas preferem receber informações em uma série de artigos do que em um anúncio publicitário.

É por esses e outros motivos que estratégias de inbound marketing devem fazer parte das ações do seu e-commerce.

Aprenda agora como fazer isso e ter excelentes resultados.

Estratégias de inbound marketing no e-commerce

Como você viu, técnicas de inbound marketing estão focadas em conteúdo relevante para atrair clientes potenciais. Mas não apenas nisso.

É preciso destacar mais dois importantes elementos da estratégia de inbound marketing:

  1. SEO: Search Engine Optimization, que consiste (de modo simplificado) em achar as palavras-chave mais usadas nas buscas de seu público na internet e usá-las em seu site e blog para atrair seus clientes potenciais.
  2. Mídias Sociais: usar as plataformas onde seu público-alvo mais interage para apresentar seu conteúdo a eles.

Além disso, as boas-práticas do inbound marketing indicam 4 fases que seu cliente deve percorrer ao entrar em contato com seus conteúdos e seu e-commerce:

  1. Atrair visitantes para seu site
  2. Colher dados dos visitantes (transformá-los em leads)
  3. Transformar leads em clientes (ao converter vendas)
  4. Fidelizar e encantar seus clientes, vendendo cada vez mais

Para cada uma dessas fases, vamos apresentar algumas estratégias de inbound marketing

1- Atraindo visitantes

Se é o conteúdo de qualidade que vai atrair seu público, é preciso conhecê-lo bem para saber o que é relevante para ele.

Para isso, depois de fazer pesquisas, entrevistas e usar ferramentas de BI e analytics na internet, você deve construir a persona (ou personas), de seu público.

Persona é um personagem fictício, com nome, idade, profissão e outras características que vão ajudar você a entender quais os assuntos que interessam a ele, para produzir os conteúdos certos.

Agora que você sabe quais os assuntos para desenvolver os conteúdos, crie um blog ligado ao seu e-commerce para falar sobre eles, sem esquecer de usar as palavras-chave identificadas através de ferramentas de SEO e empregá-las em seus textos.

Além disso, seu próprio site pode usar essas palavras-chave, de forma estratégia. Por fim, use os perfis e páginas de sua empresa nas mídias sociais para atrair ainda mais prospects com os assuntos relevantes para eles.

2- Transformando visitantes em leads

O conceito de lead define aqueles visitantes que demonstram algum interesse em seu produto ou serviço e deixam, espontaneamente, informações de contato para você poder falar com eles.

Assim, crie em seu blog conteúdos mais profundos e ricos, como e-books, infográficos, webinars, acesso a cursos e vídeos etc., e solicite que seus visitantes deixem dados como e-mail e nome, em um pequeno formulário, para poderem ter acesso a esses conteúdos especiais.

3- Convertendo vendas

Conhecendo o e-mail de seu lead, passa-se à fase de nutrição de leads, que consiste em enviar cada vez mais conteúdos relevantes para eles, por meio do disparo de e-mail marketing, com o objetivo de educá-los sobre seus produtos e serviços, mostrar como podem ser uma solução para seus problemas, oferecer mais materiais ricos ou outros conteúdos do interesse deles.

Com ajuda de software de automação de marketing, você descobrirá quais desses leads estão se interessando mais por seus materiais e como eles interagem com seus e-mails, blogs e mídias sociais.

Assim, será possível definir regras de como saber quais deles já estão interessados a ponto de poder receber um telefonema de sua equipe de vendas, por exemplo, no caso de negócios B2B, ou e-mails com links para ofertas em seu e-commerce, no caso de B2C, direcionados para landing pages especialmente criadas para melhorar a conversão, com auxílio de:

  • Boas imagens
  • Um site leve que abre rapidamente
  • Navegação intuitiva
  • Layout atrativo e responsivo
  • Elementos que caracterizam um site seguro
  • Call to Action engajador

4- Fidelizando e encantando seus clientes

Acha que depois da primeira venda, a estratégia de inbound marketing acabou? Pelo contrário, é hora de continuar conhecendo cada vez melhor seu cliente e enviar os conteúdos certos, para que ele compre cada vez mais e divulgue sua marca nas mídias sociais.

Este foi um roteiro rápido das principais estratégias de inbound marketing. Se você quiser saber mais sobre o assunto, sugiro que leia este artigo: Guia prático sobre o que é marketing digital

Recentemente, estive pesquisando algumas alternativas de ferramentas para automação de marketing e envio de e-mail-marketing. Imagino que muitos leitores do Profissional de E-commerce devem ter as mesmas dúvidas.

Se você não estiver familiarizado com o conceito, uma ferramenta de automação de marketing irá ajudá-lo a executar, por exemplo, sua campanha de marketing por e-mail com base no comportamento de seus visitantes.

O conceito de automação de marketing não é uma ideia nova, embora essa terminologia possa soar algo diferente. Aqui está uma breve visão geral:

“A Automação de Marketing é uma plataforma para economizar tempo, eliminar erros e melhorar a eficiência de uma ampla gama de tarefas de marketing em vários canais.”

Os profissionais de marketing modernos reconhecem que a automação simplesmente não é suficiente.
Para fornecer o valor mais relevante para os clientes, e clientes certos em todas as fases do ciclo de vida, é necessária uma nova abordagem.

O Marketing vai além da automação, comunicando-se efetivamente com sistemas em todo o ecossistema de clientes e em toda a sua cadeia de marketing.

Por exemplo, se eu fosse dono desse blog e você tivesse uma conta nele e estivesse lendo essas linhas, eu poderia pedir a essa automação de marketing para enviar um e-mail pré-escrito para sua caixa de e-mail para perguntar: “Precisa de uma mão para melhorar sua automação de marketing?”.

Como você passou algum tempo lendo essas linhas, eu poderia presumir que você está interessado em automação de marketing e poderia lhe oferecer meus serviços. Eu também poderia esperar 2 dias depois que você abriu este e-mail, para lhe enviar uma incrível oferta, apenas para você! E caso não tenha aberto, outra super oferta algum tempo depois.

Se também perceber que você verificou várias vezes algumas páginas no meu blog sobre automação de marketing ou qualquer outro tópico semelhante, eu poderia “marcar” o seu potencial em pontos e depois de uma certa quantidade de pontos, o pessoal de vendas poderia entrar em contato com você diretamente. Maravilha, hein?

Esta é uma prática bastante comum e que está disponível para micro, pequenas e médias empresas, não apenas às grandes, com orçamentos gigantescos.

Embora você pode se sentir “espionado”, este tipo de ferramenta é muito apreciada e usada por profissionais e empresas, pois eles podem economizar uma quantidade significativa de tempo, proporcionando um bom serviço aos seus clientes.

Ótimo para produtividade

Mas espere, este tipo de ferramenta não é apenas para as empresas, ela poderia ser usado de muitas maneiras diferentes, como por exemplo para escolas, associações ou qualquer nicho que possa se beneficiar da automação de e-mail marketing.

Porém, como eu e minha consultoria somos especializados em micro, pequenas e médias empresas, não teria nexo sugerir produtos que poderiam, combinados, ficarem mais caros que meu próprio serviço.

Assim tive de pesquisar muito e acabei encontrando boas ferramenta de automação de marketing, como Mailchimp ou Infusionsoft.

Mas sempre batia no ponto CUSTO, pois nenhuma delas é open source, ou seja, grátis …
Pois bem,  essa espera acabou quando eu conheci a ferramenta chamada Mautic.

Agora que você conhece um pouco mais sobre automação de Marketing vou lhe apresentar o Mautic:

O Mautic é uma plataforma que lhe fornece um alto nível de integração com sua audiência, permitindo que você faça conexões mais significativas com o cliente.
O fato de ser Open Source  (assim como Magento para o e-commerce e o WordPress para CMS), você terá APENAS o custo de hospedar a ferramenta em um provedor. Como esse custo é baixo, R$ 20 a 50,00/mês isso a torna praticamente GRÁTIS se comparada as ferramentas mais conhecidas de mercado como RD Station, LeadLovers, HubSpot, entre outras que cobram de R$150,00 a R$ 2.000,00/Mês . 

Além de tudo isso, tem também um belo design e diversos recursos como:

– Calendário: Para acompanhar todas as campanhas que você está executando;
– Leads: Para acompanhar os leads anônimos e conhecidos com métricas-chave como visualizações de página, tempo gasto no site, etc;
– Campanhas: Construtor de campanha para definir as ações e eventos que seus leads seguirão, de forma automática;
– Formulários: Para criar facilmente suas páginas de destino para coletar informações importantes ao promover sua oferta/serviço.
– Pontos (ou score): Para marcar seus leads com base em quão bem eles responderam às suas campanhas, isso poderia ajudar a desencadear campanhas diferentes depois);
– Relatórios: Para obter uma visão geral do sucesso de suas campanhas e ajudá-lo a aprimorá-las.

Eis abaixo as características mais importantes segundo a própria Mautic:

Design Poderoso

Aumentar sua base de clientes, elevando o nível de comunicação com eles. Da prospecção à fidelização, automatizamos o processo de comunicação para que você possa se concentrar nas coisas importantes – ser criativo e aumentar sua base de clientes.

Marketing Inteligente

Envolva seus contatos e use poderosos relatórios e painéis para analisar as atividades deles. Deixe nossa ferramenta de inteligência de campanha ajudá-lo a enviar comunicações mais oportunas e relevantes para fortalecer ainda mais os relacionamentos com seus clientes potenciais e clientes atuais.

Integrações abertas

Entenda melhor seus clientes potenciais e clientes atuais, olhando todas as informações que você tem sobre eles em um só lugar. Integre sua tecnologia de marketing para obter uma visão de 360 graus de seus contatos.

Ainda segundo a própria Mautic, as soluções principais foram desenvolvidas para atender às demandas de negócios e clientes.

A partir do momento em que um visitante interage com a sua marca on-line, essas soluções irão fornecer-lhe uma variedade de abordagens para reunir informações mais profundas, desenvolver relacionamentos baseados no valor, validando os seus esforços de marketing.

Essas soluções englobam, por exemplo:

1- Gestão de contatos

O aspecto mais importante do seu esforço de automação de marketing começa com as pessoas que você está alcançando.

Sejam visitantes desconhecidos ou contatos conhecidos, cada conexão fornece a inteligência necessária para construir relacionamentos mais profundos e fornecer um valor mais significativo. Exemplos:

  • Contatos: Qualquer visitante anônimo, cliente potencial, cliente potencial ou cliente; Contatos que poderiam estar em qualquer área da viagem de compra.
  • Segmentação: Crie filtros e listas que coloquem contatos em grupos diferentes, permitindo que você envie mensagens mais relevantes e personalizadas.
  • Integrações: As empresas usam inúmeros sistemas e tecnologias para atingir seus objetivos. Controle e gerencie inúmeras integrações para maximizá-los todos.

6 erros que não podem ser cometidos com os leads gerados

2- Gerenciamento do Ciclo de Vida do Cliente

A partir do momento em que a necessidade é reconhecida, até o momento em que a necessidade é atendida,  e além, cada ponto de contato é criticamente importante.

Quando você toma o tempo para entender todo o ciclo de vida do cliente e atribuir suas atividades de marketing a cada segmento da jornada de compra, você terá a oportunidade de criar experiências relevantes e cheias de valor. Exemplos:

  • Planeje: Use o calendário de marketing para agendar comunicações de marketing e acompanhar quais já foram executadas.
  • Execute: Envolva seus contatos imediatamente. Sem semanas de treinamento para desenvolver e lançar uma única campanha.
  • Acompanhe: Use integrações e abordagens de rastreamento avançadas para monitorar a atividade em qualquer lugar em seu site e trazer esses dados de volta à Mautic.

3- Marketing Multicanal

Comunique-se com seu público-alvo enviando mensagens personalizadas que são fáceis de criar, não importa onde elas estejam.

Envolver seus clientes potenciais com conteúdo, dentro do canal certo, irá ajudá-lo a reunir dados mais inteligentes, adicionando maior valor e construindo relacionamentos mais significativos com os clientes. Exemplos:

  • E-Mail: Utilize o editor intuitivo para criar e-mails profissionais em minutos e visualizar relatórios em tempo real sobre métricas-chave.
  • Mídias Sociais: Construir dados para seus contatos, puxando os dados das mídias sociais. Compartilhe as mensagens que você cria no Mautic para os seus canais sociais.
  • Web e SMS: Envie mensagens de texto e multimídia para um dispositivo móvel para contatos conhecidos. Compartilhe conteúdo relevante por meio do seu website no navegador.

4- Relatórios e Painéis

O objetivo de qualquer iniciativa de marketing são os resultados. Resultados para o seu cliente e os resultados para o seu negócio. Reconhecemos que cada empresa, indústria e campanha exige a obtenção de informações exclusivas.

Atribuir a atividade do comprador não é apenas medido pela percepção que você coleta através de relatórios, mas também é medido nas conexões de longa duração que são feitas. Exemplo:

  • Relatórios interativos: Selecione seus conjuntos de dados e adicione os filtros necessários para criar relatórios personalizados. Agora, seu relatório está disponível para toda a equipe.
  • Painel de controle: Acompanhe a atividade de cada campanha, e-mail, contato, página de destino e mais de vários painéis encontrados em toda o Mautic.
  • Multi-instância: Painel personalizado permitirá que você agregue dados e execute campanhas em várias instâncias de Mautic com facilidade.

5- Marcação, Criação e Conversão

Cada iniciativa de marketing é projetada para mover seus clientes e possíveis clientes da descoberta para decisão e à advocacia de marca. Acompanhe cada passo e interação, desencadeando comunicações de uma maneira determinada.

Então, quando sua contagem lhe disser que é o momento certo, criar o apelo perfeito à ação que transformará prospects em clientes. Exemplo:

  • Pontuação: Atribuir pontos com base em dados demográficos, sociográficos ou de atividade. Acionar ações adicionais quando um número específico de pontos for atingido.
  • Nutrição: A interface de arrastar e soltar ajuda a criar campanhas baseadas em tempo ou ativadas por atividade para entregar mensagens via email, SMS, social ou web.
  • Chamada à ação: Fácil de criar formulários que podem ser hospedados em seu site, página de destino ou e-mail para capturar informações adicionais sobre seus contatos.

Ficou interessado ? Tem mais ainda !!

6- Marketing de Mídias Sociais

Envolva suas conexões através de poderoso marketing de mídias sociais. Ouça o seu público-alvo e interaja diretamente com eles em sua plataforma de mídia social. Construa suas listas de Leads através de menções sociais, hashtags, palavras-chave e muito mais.

Isso é ter o Marketing de Redes Sociais ativo e integrado em suas campanhas.

7- Gestão de Contatos

Acompanhe sem esforço contatos anônimos e conhecidos. O Mautic fornece um acompanhamento detalhado, incluindo visualizações de páginas, tempo gasto no site e interesses específicos.

Uma vez que você começou o rastreamento, você pode nutrir esses contatos com uma série de processos poderosos e o Mautic torna isso mais fácil.

8- E-mail Marketing

Envie e-mails personalizados para seus contatos. Use o E-mail marketing em massa sem limites de envio. Ah, o Mautic também se integra com soluções de terceiros existentes.

Assista a abertura de e-mail, clique em cliques e envie follow-ups com base nas decisões dos usuários, tudo isso através do Mautic e do e-mail marketing.

9- Formulários

Crie formulários valiosos à sua campanha para coletar informações, criar segmentos, fornecer conteúdo ou comercializar seu próximo webinar com o construtor de formulários altamente personalizável.

10- Campanhas

Gerenciamento de campanha flexível e fácil de usar. Crie uma campanha e defina as ações e eventos que seus contatos seguirão. Automatize o processo de conexão com contatos e alimente-os ao longo do funil de vendas.

11- Relatórios

Use os dados coletados de cada uma de suas campanhas para melhorar seus esforços de marketing. O feedback detalhado dos relatórios da campanha permite melhorar e aperfeiçoar o seu marketing.

Agora que já sabem o que é automação de marketing e (quase) tudo que o Mautic pode fazer por você, vamos às duas opções de uso que o Mautic lhe dá:

1 – Você pode testar o Mautic na opção hospedada por eles mesmo, que é gratuita (claro, com alguns limites, mas ótima para se familiarizar com o Mautic.

Para saber mais sobre isso, clique aqui => https://mautic.com/pricing/. Claro, existe a versão paga também, e no mesmo link você pode comparar ambas.

2 – Você é um profissional Roots e quer partir pro arregaço? Você pode instalar o Mautic diretamente no seu servidor e começar a dominá-lo imediatamente.

Para isso, clique nesse link => https://www.mautic.org/

Finalizando, e para deixar vocês com água na boca, os próximos posts serão sobre:

Parte II – Instalando o Mautic Corretamente (é, nem tudo são flores).
Parte III – Criando Formulários e Campanhas no Mautic.

PS.: No Post Instalando o Mautic Corretamente, lhe ensinarei também a integrar uma ferramenta de disparo de E-mail que lhe dá 100.000 disparos grátis por mês com limite de até 20.000 por dia.

Para quem já quiser ir se aventurando, estou à disposição e responderei as perguntas pertinentes abaixo. Obs.: Não mandem perguntas por e-mail, redes sociais, etc, pois a sua dúvida pode ser a dúvida de outro, e queremos focar essa discussão aqui no Profissional de E-commerce, ok?