Tags Posts tagged with "metas"

metas

O principal desafio de pequenos e-commerces é garantir o crescimento do negócio e a satisfação do cliente. Em busca desses objetivos, muitas questões passam pela mente do empreendedor: Como melhorar a experiência do usuário? Como ter um site melhor? E como definir estratégias que aumentem o número de vendas e, consequentemente, a receita da loja?

Para garantir a expansão do negócio só há uma maneira: investir em pesquisa e planejamento, e isso inclui a análise de diversos dados para ter insights relevantes e assertivos. Felizmente há uma maneira rápida de alcançar isso. Por meio das metas SMART.

Metas SMART: o que são e para que servem

O primeiro passo é entender o que são as metas SMART.

SMART-goals-768x331

Como mostra a imagem acima, SMART é a sigla de Specific (específica), Measurable (mensurável), Attainable (alcançável), Relevant (relevante) e Time based (temporal). As metas SMART, também conhecidas como metas inteligentes, servem para definir os objetivos do negócio concentrando-se na obtenção de resultados, ou seja, ajudam a tornar as metas alcançáveis e realistas.

Pode parecer algo óbvio se pensarmos que todo objetivo visa um resultado, mas, na gestão de uma loja virtual, a definição de uma métrica ou objetivo errado pode causar sérios prejuízos na análise dos resultados e, consequentemente, na conversão de clientes. Por isso é tão importante definir as metas certas, que ajudem a alcançar o sucesso do negócio.

Como aplicar as metas smart no planejamento estratégico do seu e-commerce

Conheça detalhadamente cada objetivo SMART e saiba como inclui-los no planejamento estratégico do seu e-commerce:

Metas SMART – Específico (“S” specific)

Defina um objetivo quantificável para o seu site, como: aumentar o número de leads qualificados em 15%, melhorar a taxa de conversão em 5% e melhorar a satisfação do cliente em 10%.

A análise da taxa de conversão costuma ser uma das mais importantes, pois mede o verdadeiro desempenho do site. Andrew Kucheriavy, CEO e cofundador da Intechnic, empresa especializada em soluções web para e-commerce, afirma que prefere a definição de objetivos relativos (10% mais leads) ao invés de números absolutos (como 1000 leads), pois isso também mede o desempenho do site, independentemente de flutuações no tráfego.

Metas SMART – Mensurável (“M” measurable)

Estabeleça critérios concretos para medir o progresso de cada objetivo. Os principais métodos de medição são o acompanhando de leads por meio da sua plataforma de envio de e-mails, acompanhando da taxa de conversão (o Google Analytics pode ajudar nisso) e pesquisas com clientes antes e depois de mudanças no design do seu site.

Não há como fugir dessa análise: se você não acompanhar o desempenho de cada métrica, não saberá como está o desempenho do seu e-commerce. É como trabalhar no escuro.

Metas SMART – Atingível (“A” attainable)

Não adianta definir objetivos muito baixos ou impossíveis. Para que o seu e-commerce cresça de maneira contínua e progressiva é preciso estabelecer metas reais, que sejam possíveis de atingir. Aumentar o número de leads de 0 para 100.000, por exemplo, é uma meta real? E quais ações vai desenvolver para que esses leads sejam qualificados?

Para definir metas tangíveis, compare o desempenho atual do seu site, analise se os seus objetivos realmente podem ser atingidos e, o mais importante, reflita sobre como você pode agir para alcançar isso.

Segundo Kucheriavy, as médias do mercado sugerem que é possível aumentar a taxa de conversão em 5% apenas apresentando fotos de melhor qualidade dos produtos, vídeos e depoimentos de clientes. Um adicional de 10% pode ser conquistado por meio de publicidade paga e SEO para aumentar o tráfego. Além disso, testes de usabilidade sugerem que o uso de user experience design (UX) para melhorias no site pode resultar no aumento da satisfação do cliente em 10% ou mais.

Metas SMART – Relevante (“R” relevante)

Pare e pense: por que determinada meta é importante para o seu negócio? Em que vai ajudar a alcançar a visão e missão da empresa? Ela está de acordo com as necessidades da empresa e dos clientes?

Para obter essas respostas, é importante analisar se cada meta é consistente com os outros objetivos que você estabeleceu a curto e longo prazo. Por exemplo, o aumento de 5% nas vendas da sua loja virtual está alinhado com a meta da empresa de aumentar a receita em 10% no próximo ano?

Como você viu, o ponto chave aqui é analisar a relevância dos seus objetivos de acordo com o todo. Por isso é tão importante definir metas reais, que sejam fundamentais para o crescimento do seu e-commerce, e constantemente acompanhá-las.

Metas SMART – Temporal (“T” time based)

Defina prazos para as suas metas, assim você terá um alvo claro para trabalhar. Mas, lembre-se: o prazo também precisa ser realista, ou seja, deve ser determinado por um período em que seja possível alcançá-las.

“O aumento de 20% em leads provenientes do seu site vai começar com o percentual inicial de 10%, resultante de melhorias que você pode realizar no design do site em 6 meses, contando a partir de agora. Os outros 10% serão resultado do tráfego adicional para o site através de publicidade paga e SEO, que vai demorar pelo menos mais seis meses para produzir resultados desejáveis”, explica Kucheriavy.

Como você pode ver, a elaboração de um calendário é fundamental para atingir seus objetivos, mas é essencial que os prazos sejam condizentes com a realidade. No exemplo dado por Kucheriavy, é preciso levar em conta não só o tempo que vai demorar para redesenhar o site, mas também levar em consideração que o resultado de algumas ações, como SEO, pode não ser imediato.

Objetivo smart: definir metas assertivas é o que realmente importa

Todos os tópicos que garantem a eficiência das metas SMART envolvem a definição das principais tarefas do dia a dia para acompanhar o progresso da empresa e chegar ao objetivo final.

Na gestão de um pequeno e-commerce, muitas vezes é preciso lidar com recursos escassos, tanto de mão de obra quanto de investimento, tornando o desafio do crescimento ainda maior. No entanto, vale lembrar que nenhum império se ergueu sozinho, todo grande negócio teve um começo muitas vezes modesto, que exigiu inovação, criatividade e um olhar perspicaz para alçar o crescimento.

Para implementar as metas SMART em seu negócio:

– Defina as suas principais metas.
– Determine as tarefas que precisará realizar para alcançar essas metas.
– Alcance seu objetivo.

keep-calm-and-make-smart-goals
“Mantenha a calma e faça metas inteligentes”.

Coloque esses passos em prática e siga confiante rumo aos seus objetivos. Aproveite e deixe um comentário contando as principais dificuldades e alegrias que você enfrenta no dia a dia do seu empreendimento. Compartilhe suas experiências!

Texto publicado anteriormente no Mandaê Blog.

“Lembre-se sempre: seu foco determina a sua realidade. ”

A conhecida frase de Star Wars não faz sentido apenas na ficção. Para chegar aonde você quer, é preciso estabelecer uma direção e concentrar-se diariamente em segui-la. Sonha em se tornar um empreendedor de sucesso, com um público mundial? Há um caminho, mas não fórmulas: cabe a você criar o seu mapa.

Não é apenas a questão financeira que precisa de um bom planejamento – o que verdadeiramente impulsionará sua empresa será a sua atitude diária. E, para ter em mente exatamente os cenários de que você precisa alcançar para conquistar seu sonho, as metas são o recurso ideal.

Qual é a diferença entre objetivos e metas?

Primeiramente, é importante esclarecermos que objetivos e metas não são a mesma coisa. O primeiro é o que você deseja alcançar, em um conceito mais abstrato. O segundo é um marco real, quantitativo.

Aproveitando o exemplo acima, gerenciar um empreendimento bem-sucedido presente em diversos países seria um objetivo. No cotidiano, porém, esta ideia poderia ser muito vaga e difícil de ser colocada em termos práticos. As metas, portanto, seriam resultados, como “abrir uma filial internacional em dois anos” ou “abrir filiais em três continentes diferentes em cinco anos”. Percebe a diferença? Suas tarefas visarão as metas, os pontos “palpáveis”.

Como estabelecer metas para a sua empresa

Podemos dizer que existem três tipos de metas: as de curto prazo (a serem atingidas em até um ano), as de médio prazo (que levarão de um a três anos) e as de longo prazo (que requerem períodos maiores, como cinco anos). Cada um deles, contudo, precisa estar relacionado a atitudes presentes, em andamento no momento atual.

Para criar e selecionar as metas ideais, você pode utilizar o método SMART, comum entre os administradores. Trata-se de uma sigla com conceitos importantes que devem ser considerados em seu planejamento:

Specific (Específica)

Cada meta precisa ser relacionada a um único aspecto do seu negócio, além de contemplar todos os detalhes possíveis: pessoas envolvidas, período de tempo, limitações e o lugar de realização.

Measurable (Mensurável)

Deve haver uma forma de mensurar a sua meta, ou seja, ela precisa estar atrelada a números. Defina variáveis para que você possa realizar o acompanhamento constante do seu progresso.

Attainable (Atingível)

Lembre-se de manter os pés no chão. Estabelecer metas inalcançáveis, além de não gerar direções confiáveis para o seu trabalho, trará apenas frustrações – e o que deveria ser uma motivação se tornará exatamente o oposto.

Realistic (Realista)

Este ponto está diretamente relacionado ao anterior. Além de atingível, sua meta precisa ser realista, estando de acordo com os recursos da sua empresa. Considere o que poderá ser realizado a partir da sua atual situação.

Timely (Em tempo)

Ao definir o prazo para a realização da sua meta, é preciso considerar o tempo que será necessário para atingi-la. Mantenha o seu bom senso e determine apenas ações realmente viáveis para cada período.
Se você contar com uma equipe, é importante convidá-la para o processo e definir cada uma das suas metas em acordo com os outros membros. Assim, além de reunir ideias, participar deste planejamento fará com que os seus colaboradores se sintam motivados e até mesmo mais comprometidos.

Como elaborar um plano de ação

Estabelecidas as metas da sua empresa, é hora de preparar os seus planos de ação. Considere cada meta como um projeto, ou seja, uma sequência de ações menores que estão interligadas. Visualizando cada etapa separadamente, fica mais fácil manter o foco no dia a dia.

O ideal é que cada ação da sua meta conte com o seu próprio plano. Você pode elaborá-lo aplicando o método 5W2H que, apesar da sigla complicada, consiste-se em definir sete questões simples para a sua ação:

What (O que)

Qual será a tarefa? É importante determinar exatamente o que precisa ser feito da maneira mais objetiva possível. Pense sempre em verbos de ação: “escrever”, “pesquisar”, “apresentar”, entre outros.

Why (Por que)

Reflita sobre a importância desta ação para a sua meta. Com um propósito claro e visualizando o efeito final, será mais fácil priorizá-la e dedicar-se a fazer todo o possível.

Where (Onde)

Sabendo o local onde a ação deverá ser executada, é possível organizar melhor a sua rotina de trabalho. Se for uma atividade externa, por exemplo, você já considerará o tempo de locomoção e agendará a saída com antecedência.

When (Quando)

Assim como para as metas, é fundamental estipular uma data ou prazo final para a execução da sua ação. Ter um deadline, além de ajudar a manter o foco, irá definir a prioridade das suas tarefas.

Who (Quem)

De nada adianta uma ação se não há quem se responsabilize por realizá-la, certo? Atribua a tarefa à pessoa mais adequada e, posteriormente, mantenha um acompanhamento de tudo o que for delegado.

How (Como)

Deixe registrados os pontos fundamentais a serem contemplados na execução da ação para garantir seu cumprimento completo. Dependendo do caso, vale a pena incorporar uma checklist ou um passo a passo.

How much (Quanto)

Este tópico é especialmente válido ao considerarmos as finanças da sua empresa. Se a ação demandar algum investimento financeiro, também será necessário incorporá-lo ao orçamento.
Para facilitar o seu cotidiano, você poderá montar cada plano de ação em uma planilha diferente e agrupar todos os planos de uma mesma meta em um único documento. Assim, todas as informações ficarão reunidas e de fácil acesso.

Mãos à obra!

Com todas as suas metas e ações estruturadas, resta apenas a prática! Mantenha o seu objetivo em mente e gerencie a sua rotina de trabalho da maneira mais equilibrada possível, garantindo que tudo esteja sendo executado dentro das condições previstas inicialmente.

Texto publicado anteriormente no Blog da Nuvem Shop.

Google Analytics: Configure corretamente e descubra se sua loja virtual está bem de verdade (Bônus: Enhanced Ecommerce)

Depois de muito tempo eu aprendi que dizer que uma loja virtual está indo bem baseado apenas no número de vendas é tão ingênuo quanto dizer que seu carro está perfeito só por que ele está andando.

Se as pastilhas de freio estiverem carcomidas e você não fizer nada uma hora você vai beijar o volante.

O Google Analytics é uma ferramenta gratuita que dá informações valiosas sobre as visitas e visitantes de um site ou loja virtual.

As informações vão das mais básicas, como número total de visitas, até as mais avançadas, como número de pessoas que colocaram produtos no carrinho e não compraram.

Isso significa que você pode até estar vendendo, mas o GA vai te dizer se você está vendendo como deveria. Não é o mesmo que te impedir de beijar o volante, mas é quase.

Nesse post eu vou te ajudar a dar o primeiríssimo passo: configurar o Google Analytics para receber corretamente informações para gerenciar sua loja virtual.

Parece algo idiota a se ensinar, mas é muito comum as pessoas deixarem passar batido configurações básicas que sem elas não é possível saber se a loja está indo bem ou mal.

Criando uma conta

Quando você entrar na página inicial do GA terá que fazer login usando uma conta Google, ou seja usando seu e-mail Gmail ou Google Apps.

Supondo que você nunca se aventurou usando o GA a página que ele te mostrará será parecida com a de baixo.

Captura-de-Tela-2015-11-19-às-19.49.281

Clique no botão grandaralhão escrito “Sign up“.

Preencha os campos de acordo com os ensinamentos do Mestre Yoda:

• Nome da Conta é o nome da sua conta. Preencha com o nome da sua marca ou empresa. A ideia é que se você tiver um site, um blog e um e-commerce para uma determinada marca/empresa tudo ficará “de baixo” dessa conta. Eu vou preencher Marca X;
• Nome do website é o nome do projeto, exemplo se é um site pode ser Site da Marca X, se for um blog pode ser Blog da Marca X ou se for um e-commerce Loja Virtual Marca X. Se você tem os 3 projetos se preocupe primeiro com um, posteriormente você pode criar a conta dos outros;
• URL do website é o link do projeto, exemplo http://marcax.com.br/;
• Categoria do setor a categoria que seu negócio está inserido. Se você não preencher ou preencher errado não afetará em nada nos resultados. Esse campo é usado apenas para o GA te dar dicas voltadas para sua área de atuação.
• Fuso horário dos relatórios é o fuso horário de onde você mora.

Depois de preencher tudo e aceitar os temos de uso você receberá seu Tracking ID. Esse é o número de sua conta que deve ser configurada na plataforma.

tracking-id

Você verá nessa mesma página que o GA dá o código Javascript para ser inserido em todas as páginas do seu e-commerce. Todas as plataformas já o colocam automaticamente, então basta você informar o Traking ID (destacado na imagem acima) que a plataforma fará todo o resto.

Exemplo: Informando código do GA no Magento
Exemplo: Informando código do GA no Magento

Configurações básicas da propriedade

administrador

Sempre que quiser editar alguma configuração da sua conta você irá clicar no menu Administrador (circulado na imagem acima).

O que vamos editar agora é a vista da propriedade da sua conta (onde a seta vermelha está apontando).

Clique em Visualizar configurações.

As configurações padrão nunca vem otimizadas. Algumas eu até me pergunto por que pois são tão importantes que na minha opinião deveriam vir já pré-configurado. Vai entender né? ¯\_(ツ)_/¯

Nessa página você irá editar os seguintes campos:

• Moeda exibida como
Selecione Real Brasileiro;
• Filtragem de bots
Marque a opção;
• Acompanhamento da pesquisa no site
Ative a opção e informe o parâmetro de consulta. Aí depende da plataforma, mas é fácil identificar. Faça uma busca na sua loja e olhe o link que se forma. Na minha eu busquei por “camisa” e o link que se formou foi: http://marcax.com.br/catalogsearch/result/?q=camisa

Logo, eu informei como parâmetro da consulta a letra “q”.

• Eliminar os parâmetros de consulta da URL
Se essa opção não estiver marcada cada resultado de busca será contado como um link diferente e isso só é bom em casos muito específicos. Se for o seu mantenha desmarcado, mas eu aconselho sempre marcar.

O que fizemos aqui foi dizer ao GA qual será a moeda que ele contabilizará os valores de conversão e como ele descobrirá as palavras-chave usando na busca interna da sua loja.

Esse último será de grande valor pois você terá informações importantes como Canais ou Regiões de quem busca por uma determinada palavra chave.

Configurando o Google Analytics para receber informações de compra ou “Olha como o Enhanced Ecommerce é lindo”

Nota: A partir daqui as configurações serão um pouco mais avançadas e exigirão que a sua plataforma envie ao GA vários dados específicos. Caso a sua não faça isso eu apresento no final do post uma alternativa.

Ainda no menu da vista da propriedade, clique em Configurações de comércio eletrônico.

Em Status marque “Ativado” e passe para a próxima etapa.

O campo Ativar relatórios avançados de comércio eletrônico é a parte polêmica dessa configuração. Sua plataforma precisa implementar o que o GA chama de Enhanced Ecommerce. Sem ele não vai adiantar habilitar essa opção.

Depois de ativar, na parte de Etapas do Funil você deve configurar de acordo com que a sua plataforma manda. Nas lojas que fazemos aqui na Bleez, as configurações ficam assim:

Captura-de-Tela-2015-11-23-às-16.04.37

O que você verá ao habilitar essas configurações?

Para ver o resultado das configurações você deverá esperar pelo menos 24 horas para o GA colher dados. Depois vá a parte de relatórios e no menu do lado esquerdo clique em Conversões > Comércio Eletrônico > Análise de compras > Comportamento do checkout.

Você verá um relatório parecido com esse:

Captura-de-Tela-2015-11-24-às-13.34.111

Esses são exatamente os mesmos passos que cadastrei lá em Etapas do Funil.

Ele me diz as visitas que avançaram em cada seção do meu checkout, ou seja, quem caiu no carrinho (coluna 1), avançou para preencher seus dados pessoais (coluna 2), depois informou seu endereço e selecionou o frete (coluna 3), em seguida selecionou a forma de pagamento (coluna 4) e finalmente concluiu a compra (coluna 5) ou quem desistiu em cada etapa (as áreas abaixo das setas vermelhas).

Como nem toda plataforma tem checkouts parecidos esse relatório pode mudar. E para ele funcionar corretamente é imprescindível que você o configure corretamente como expliquei anteriormente. Se você não souber como devem ser cadastrado fale com o suporte de sua plataforma.

Uma das coisas mais legais desse relatório é a possibilidade de clicar em uma das setas vermelhas e criar seguimentos.

Captura-de-Tela-2015-11-24-às-13.46.12-258x300

Isso significa que você pode mandar o GA exibir, por exemplo, dados apenas de quem adicionou produto no carrinho e não comprou.

Daí você começa a investigar. Quais são as fontes de tráfego ou campanhas que estão trazendo essas personae non gratae? Você está gastando quanto pra trazer elas a sua loja? Quais os produtos que elas mais visualizam?

Além disso ao implementar o Enhanced Ecommerce você tem relatórios que dão outro post só sobre eles. Mas toma uma palinha do que você terá em mãos:

• Comportamento de compra completa. Das visitas totais quantas visualizaram um produto, dessas quantas colocaram produto no carrinho, dessas quanta foram ao checkout e dessas quantas concluíram?
• Desempenho do produto. Quais produtos mais visualizados? Qual a taxa de adição ao carrinho em relação às visualizações? Qual a taxa de compra em relação às visualizações?
• Desempenho de vendas. Quais foram os maiores pedidos que você teve?
• Desempenho da lista de produtos. Desempenho das categorias dos produtos. Quais categorias mais tiveram vendas?

Pesquisa no site

Também configuramos o parâmetro de pesquisa no site.

Para ver os resultados vá em Comportamento > Pesquisa interna. Lá possui 4 relatórios que te dará uma noção dos resultados que as buscas na sua loja está dando.

Por exemplo, no menu Utilização tem informações de visitas e receita gerada a partir de pessoas que buscaram e que não buscaram na loja.

Já em Termos de pesquisa tem todas as palavras-chave procuradas junto com outras informações relevantes como o tempo de navegação após a pesquisa ter sido realizada.

Também dá um outro post completo só sobre esse assunto.

Não vá se perder

Eu sei que é fácil olhar para os relatórios e ficar perdido sem saber o que fazer com tanta informação. Mas fique calmo e não se desespere.

O GA é meio que um Mestre dos Magos da Era Moderna. Para você obter as respostas certas precisa fazer as perguntas certas.

Não me pergunte qual é a do ventilador lá atrás por que eu não sei
Não me pergunte qual é a do ventilador lá atrás por que eu não sei

O que quero dizer é que antes de você olhar, por exemplo, para o relatório de pesquisas no site você deve estar se fazendo pelo menos uma dessas perguntas:

As pessoas estão buscando por algo na minha loja?
Elas estão encontrando o que procuram?
Depois que encontram os resultados elas compra?
Quanto tempo elas passam navegando depois que fazem uma busca?

E etc, etc, etc…

Mais importante que fazer a pergunta certa é tomar alguma atitude a partir das informações que o GA vai te dar. Ou seja, se você não tem perguntas é por que não está atrás de melhorar nada, logo não tem por que se preocupar com esse relatório.

Portanto se você não tem perguntas comece a fazê-las ou desencane e seja feliz. 🙂

Alternativa ao Enhanced Ecommerce: Metas e Funis

O GA é tão legal que te permite definir objetivos estratégicos. Ele chama isso de Metas.

Basicamente as Metas são qualquer resultado que você deseja alcançar em relação a métricas. Pode ser receber uma ou mais visitas à uma página, pode ser receber cliques em um banner ou pode ser receber visitas que duram mais de 1 minuto navegando.

A sua Meta depende exatamente da sua… Meta.

No nosso caso, um e-commerce, uma das Metas é o visitante finalizar uma compra.

Geralmente as páginas de compra tem uma URL, por exemplo, http://marcax.com.br/finalizar-compra/sucesso/. Logo vamos dizer para o Google Analytics que a nossa meta é receber visitas na página /finalizar-compra/sucesso/.

Então siga o caminho das pedras: Vá no já conhecido menu Administrador e na Vista da propriedade clique em Metas.

Depois de clicar no botão Nova Meta você terá de colocar o nome da meta e dizer ao GA qual é a sua meta.

No primeiro passo selecione Personalizado e avance.

No segundo informe o nome e depois escolha Destino.

No terceiro passo o destino deve ser igual ao endereço da sua página de sucesso. No meu caso eu preenchi com /finalizar-compra/sucesso/.

Até aqui já temos o que precisamos para criar nossa Meta, mas se pararmos aqui vamos perder o mais legal que são os Funis.

Um Funil te dá passo a passo ate a finalização da compra. A visão que o GA te dará será parecida com essa:

Imagem gentilmente cedida pelo Google Images por que não tenho nenhum funil de checkout configurado aqui :(
Imagem gentilmente cedida pelo Google Images por que não tenho nenhum funil de checkout configurado aqui :(

O último quadrado do seu Funil será sua Meta. E acima são todos os passos que os visitantes seguiram até atingir a meta com números de quem prosseguiu e quem abandonou.

“Como eu crio isso?”

Parecido como criamos Metas, usando URLs.

Vamos imaginar que cada passo até o fim da compra tem uma página diferente:

• Carrinho: /finalizar-compra/carrinho
• Login: /finalizar-compra/login
• Pagamento: /finalizar-compra/pagamento

Então ative a opção funil e crie as etapas de acordo com as URLs dos passos que sua plataforma segue. No meu caso, criei as etapas exatamente como listei acima.

Depois de um tempo coletando dados você pode ver como ficou indo em Conversões > Metas > Visualização de funil.

Fazendo isso você terá o mínimo de noção se sua loja está indo realmente bem, em que passo do checkout as pessoas estão indo embora e você deve melhorar (não se esqueça que mais importante que ter a informação é tomar uma atitude com ela).

Metas e Funis não é essa Coca-Cola toda – comparada com o Enhanced Ecommerce – mas é o que tem pra hoje.

Texto publicado no Blog da Bleez.

Em que momento do processo de compra os clientes abandonam a sua loja? Possivelmente, essa pergunta já passou pela sua cabeça. Você deve saber quantas visitas a sua loja virtual recebe e o faturamento gerado, mas reconhece qual das suas páginas te faz perder dinheiro?

Neste post, aprenderemos como o Google Analytics pode responder a essas perguntas. Se você ainda não conhece essa ferramenta, confira nosso antigo anterior que explica o que é Google Analytics e como utilizá-lo.

O que são metas no Google Analytics?

Conversões são as ações que os usuários podem realizar em seu site, gerando valor para a sua empresa. No caso de uma loja virtual, por exemplo, a conversão principal seria a venda. O Google Analytics permite que você defina e meça quatro tipos de metas relacionadas à conversão em seu site:

• URL de destino: é a página visitada pelo usuário. Pode ser uma em que você agradece pela compra ou recepciona um novo cliente;
• Duração da visita: é o tempo médio que os visitantes costumam passar na página. Se eles ficam poucos segundos, você pode se perguntar se o conteúdo está atrativo o suficiente;
• Páginas visitadas: corresponde à quantidade de páginas que o usuário visita em uma sessão, ou seja, em um único acesso;
• Evento: ocorre quando algum visitante realiza uma ação previamente definida como um “evento” por você: compartilhamento nas redes sociais, clique em um anúncio etc.

A seguir, nos concentraremos nas metas de URL de destino, uma das mais importantes para quem investe no e-commerce. Para mais informações sobre os objetivos da ferramenta, visite o Centro de Atendimento do Google.

O que são funis no Google Analytics?

Um funil de conversão permite que você especifique o caminho que os visitantes do seu site precisarão seguir para realizar um determinado objetivo. Pode ser, por exemplo, a série de páginas pelas quais seu cliente deve passar para completar uma compra em sua loja.

Com a definição dos passos de um funil de conversão, o Google Analytics possibilita o acompanhamento da página de entrada e saída do site, ou seja, por onde os visitantes chegam e em que momento eles abandonam seu e-commerce. Assim, você identifica as páginas em que está perdendo dinheiro e pode elaborar estratégias para otimizá-las.

Como configurar metas e funis?

Agora que você já sabe o que são funis e metas, vejamos como configurar o Google Analytics para medir a quantidade de vendas geradas em sua loja virtual. É importante lembrar que esses objetivos não medirão o faturamento e outros fatores relacionados: apenas as vendas em si. Preparado?

1. Acesse seu painel do Google Analytics e clique em “Administrador”;

Como configurar meta e funil no Google Analytics 0

2. Selecione sua conta, a propriedade à qual deseja adicionar um objetivo e o perfil que será utilizado para medir o tráfego da sua loja (caso possua apenas uma opção de cada, não se preocupe: você pode conferir este artigo do suporte do Google para mais informações);

Como configurar meta e funil no Google Analytics 12

3. Clique em “Metas” e, na tela seguinte, selecione “Nova meta”;

Como configurar meta e funil no Google Analytics 2

4. Preencha os atributos da meta que você deseja definir;

Como configurar meta e funil no Google Analytics 3

5. Em “Detalhes da meta”, ative o funil de conversão e configure todas as etapas pelas quais o cliente passará até concluir a compra.

Como configurar meta e funil no Google Analytics 42

Se você tiver por exemplo uma Nuvem Shop, pode incluir as seguintes páginas:

• /checkout/order/new
• /checkout/order/shipping_address
• /checkout/order/shipping_method
• /checkout/order/payment
• /checkout/order/confirmation

Lembre-se de não adicionar como etapa a página exibida quando uma compra é finalizada, pois ela se trata, na verdade, da URL de destino de meta. Recomendamos também não tornar nenhum passo obrigatório, para que a conversão não deixe de ser contabilizada caso o usuário siga um caminho alternativo.

Quais as informações fornecidas pelos funis?

Uma vez configurados os objetivos e funis para a sua loja, você poderá conferir um relatório que mostrará o comportamento dos seus clientes durante o processo de compra. Para visualizá-lo, acesse Conversões Metas Fluxo da Meta no menu à esquerda.

Relatorio Fluxo da Meta do Google Analytics exemplo

Entendido?

Seguindo estes passos, você poderá acompanhar constantemente a experiência de compra dos seus clientes e saber exatamente as partes do processo que geram mais ou menos resultados. E aí, curtiu? Sobrou alguma dúvida? Comente.

Texto publicado anteriormente no Blog da Nuvem Shop.

Cuidando da carreira. Sexta-feira, dia de Sol, um bom dia para pensar na sua carreira? O ideal é cuidar diariamente da sua imagem e maneira de agir no trabalho, então já passou da hora de começar, corre! <o> Compilamos alguns pequenos vídeos do Portal Exame com dicas de pequenas práticas que podem melhorar sua produtividade e imagem dentro da empresa.

No primeiro temos Pablo Aversa, sócio da Alliance Coaching, que ajuda a tirar o melhor dos seus erros:

Agora três do “Guru” Vicente Falconi, renomado consultor em gestão. Seja humilde, afinal somos todos procrastinadores. Estabeleça metas, elas ajudarão, e muito, no aprendizado.

Qualquer líder terá que lidar com procrastinação, como lidar com isso?

Como atingir metas desafiadoras? Aprendendo!