Tags Posts tagged with "mobile"

mobile

Muita gente não acreditaria na transformação, ou nos costumes da sociedade, se observasse o mercado 5 anos atrás. As transformações foram tantas que algumas coisas deixaram até de existir. Empresas tradicionais precisam se atualizar o tempo inteiro. É difícil prever como estaremos daqui a 5 anos, e o quão diferente também.

Há pouco tempo, blogs e sites eram uma realidade, netbooks eram um sonho de consumo. O Twitter pessoal ainda “bombava” e o Snapchat nem tinha sido criado. Agora, quase toda rede social possui função stories, quase ninguém mais usa o Snapchat. O Twitter continua importante para empresas, mas poucos ainda usam o seu velho perfil.

A maior mudança, no entanto, aconteceu com sites e blogs. Aqueles que não se atualizaram e não viraram aplicativos para tablets, smartwatches e celulares simplesmente foram passados para trás. Os smartphones democratizaram o acesso à internet – é difícil encontrar uma lan house – e todo mundo tem mais facilidade nos serviços e vendas.

As grandes lojas varejistas lançaram seus aplicativos próprios, como as Lojas Americanas. Serviços de delivery como PedidosJá, por exemplo, têm crescido por causa das mudanças tecnológicas e estão se beneficiando com a popularidade dos pagamentos online – mais da metade dos restaurantes cadastrados aceitam cartões. Ou seja, pagar em dinheiro está virando coisa do passado – literalmente. Até o governo resolveu apostar na praticidade dos apps para agendar serviços e resolver problemas burocráticos, como o DETRAN.

Tudo o que era feito em máquinas que custavam mil, mil e quinhentos reais – PCs e notebooks – agora é realizado por aparelhos que custam 300, 400 reais e executam o trabalho da mesma maneira. Sem precisar de conexão banda larga de internet, via wireless. Não é à toa que as empresas de telefonia passam por muitas dificuldades e é cada dia mais difícil encontrar alguém que tenha linha fixa.

Aplicativos coletivos, que fornecem SAC para diversas empresas ao mesmo tempo, também já funcionam com sucesso. Todos esses elementos levaram à criação de um serviço on-line eficiente e rápido, que é muito mais rentável do que os métodos comerciais tradicionais. Como conseqüência, as empresas que não acompanharam a evolução dos smartphones foram deixadas para trás.

Autora: Carolina Marialva

Como investir em novas tecnologias pode ser fundamental para o sucesso do varejo online

O comércio eletrônico, embora ainda considerado em estágio inicial quando comparado ao já estabelecido e sólido varejo tradicional, ganhou força na última década. Considerado um fenômeno global, só no Brasil o segmento e-commerce faturou R$ 44,4 bilhões em 2016, segundo dados da Ebit, empresa com foco em inteligência de mercado. Apesar do cenário econômico desfavorável, o setor apresentou aumento de 8% no tíquete médio, passando de R$ 388 para R$ 452.

O grande sucesso para essa forma de consumo se dá, principalmente, devido à adaptação do segmento às necessidades do consumidor contemporâneo. Isto significa que os desafios iniciais enfrentados pela indústria – especificamente relacionados à confiança do consumidor na qualidade do produto, formas de pagamento, cronograma de entrega, opções de devolução ou troca e escala de operações, entre outros – foram, até o momento, solucionados.

É chegada, então, a hora de destinar tempo e recursos para o aprimoramento de ferramentas, ações que se mostrarão fundamentais para resultar numa experiência de compras ainda mais significativa aos consumidores.

Com projetos digitais borbulhando a todo o momento e uma oferta de profissionais de tecnologia curiosos e criativos, apostar em projetos e investimentos voltados aos dispositivos móveis parece ser um movimento certeiro, para não dizer fundamental, quando o assunto é plataforma e-commerce.

Isso, claro, sem falar nas gigantes varejistas internacionais que já investem em práticas ainda mais visionárias, tendo como exemplo a chinesa Alibaba, que em julho de 2016 lançou a Buy +, um espaço que permite aos consumidores comprar em um ambiente virtual, com visualização 360º de produtos como roupas e calçados, utilizando apenas um capacete de realidade virtual e controladores de mão.

O grande motivador para a posição visionária da companhia é o seu lucro anual, que quase duplicou no quarto trimestre de seu exercício 2016-2017, impulsionado principalmente pelas transações através de smartphones e tablets, o que levou o grupo a atingir a marca de US$ 7,67 bilhões de receita total arrecadada.

Para as empresas que ainda não bateram a casa dos bilhões, o foco para investimentos em tecnologia pode permanecer sem maiores ressalvas na dupla de sucesso desktop & mobile, principalmente quando os dados reais do público-alvo mostram que o caminho não poderia ser mais seguro.

No Brasil, por exemplo, a chegada dos smartphones mudou o comportamento dos consumidores, que passaram a usar o dispositivo móvel como um dos principais caminhos para acessar o produto ou serviço desejado. De acordo com o relatório semestral Webshoppers, também apresentado pela Ebit, em 2016, 21,5% das transações online foram realizadas por meio desses dispositivos.

Somente no ano passado, a participação das compras virtuais via smartphones mais do que dobrou, chegando a 26% das compras online, no mês de dezembro. Ademais, 2016 também foi marcado por mudanças no algoritmo da Google, que passou a privilegiar os sites mobile-friendly, justamente em decorrência do aumento da busca e a do acesso a informações por meio de smartphones.

O mais importante, atualmente, é encontrar um meio-termo entre o extremo do investimento em um projeto de realidade virtual ou uma honesta adaptação do formato desktop para o mobile. Se os dispositivos ganharam força, com ela também há a responsabilidade em criar um ambiente capaz de transmitir a mesma segurança a qual os consumidores já estavam habituados a experienciar diante dos monitores de seus tradicionais PC’s.

O avanço da tecnologia versus o comportamento do consumidor online

Nessa discussão, entra em cena a dúvida sobre a melhor forma de apresentação do conteúdo para a otimização dessa experiência digital por meio dos dispositivos. O mais relevante, obviamente, é conseguir agradar os consumidores e fazer com que eles permaneçam o maior tempo possível conectados a um endereço de varejo online.

Entretanto, há sempre a dúvida sobre como balancear investimento e desenvolvimento, diante das opções de:

1) criação de um aplicativo nativo (o app);

ou 2) o ajuste do conteúdo do website já existente de acordo com as orientações de padrões de design responsivo ou adaptável – no qual a diferença se encontra na lógica que será aplicada para a apresentação da informação. 

Atualmente, acredita-se que os apps somam uma série de vantagens ao e-commerce. Os usuários desses aplicativos, muitas vezes, são os mais fieis clientes da marca, encorajados a utilizar repetidamente a ferramenta, diante de vantagens como a possibilidade de salvar itens favoritos, agilizar as formas de pagamento ou receber informações sobre ofertas especiais.

O fato de ter o ícone de uma loja presente na tela dos smartphones de seus clientes, por si só, já é uma forma de garantir presença no radar desses usuários. Entretanto, a pesquisa global Total Retail Survey 2016, realizada pela consultoria PwC revela que 60% dos e-consumidores temem a segurança cibernética de seus dados e não apreciam a ideia de ter informações bancárias armazenadas num aplicativo conectado a um dispositivo móvel.

Diante dessa realidade, volta à tona a discussão sobre a importância de oferecer um ambiente para mobile que seja tão eficiente quanto o desenvolvido para desktops, dando ao consumidor também a opção de acesso a essa versão, sem a obrigatoriedade de baixar um aplicativo, mas com a mesma garantia de uma transação segura e eficiente.

Não é de hoje que a Google mostra seu apreço por sites capazes de prover exatamente uma proveitosa experiência ao usuário, independentemente do recurso que ele tenha escolhido para navegar na web. Ainda em 2012, a pesquisa What Users Want Most From Mobile Sites Today, promovida pela própria Google mostrou, por exemplo, que 79% dos usuários de smartphones abandonariam o site em que estivessem navegando, caso ele não fosse claramente adaptável para seus celulares.

Desde então, a companhia não deixa de influenciar e alertar aos e-commerces ao redor do mundo sobre como uma boa experiência pode transformar um mero visitante em um cliente leal. Para se ter uma ideia, em seu último release relacionado ao tema, anunciado em janeiro deste ano, a Google fala sobre inovações na ferramenta Mobile Friendly Test, que testa a usabilidade dos websites e aponta as possíveis melhorias que podem ser realizadas, também disponível em versão API para monitoramento preciso de URL específicas.

Portanto, toda a avalanche de informações sobre novas tecnologias voltadas ao varejo online reforça a importância da constante atualização pela qual os e-commerces devem sempre atravessar com o intuito de fidelizar seus clientes, atrair novos consumidores e assegurar que as aquisições sejam realizadas com êxito.

Ao lado de uma estratégia de marketing muito bem estruturada, a tecnologia chega para atender as reais necessidades dos consumidores, que estão hoje num patamar diferenciado de exigência, em uma realidade na qual não há mais tempo para se perder.

O uso de tablets e smartphones nas experiências de busca, navegação e conclusão de compras no comércio eletrônico já faz parte da realidade comportamental da maioria dos consumidores. Para se ter uma ideia da amplitude desse modelo de venda, dados do relatório WebShoppers 35, produzido pela Ebit, apontam que cerca de 32% das compras virtuais deverão ser efetuadas via m-commerce ainda neste ano. Em muitas lojas, o share já supera os 50%, principalmente em categorias como moda e acessórios, e perfumes e cosméticos.

Em países em desenvolvimento, como Índia, China e Brasil, a navegação por smartphones tem potencial de ser superior à de países desenvolvidos pela redução de preços de telefonia móvel, baixo poder de compra para uma 2a tela e economia gerada pela adoção de smartphones na base da pirâmide da população.

Esse cenário cria um ambiente propício para a navegação pelo usuário pois permite uma redução nos custos de comunicação (redução de ligação tradicional) e acesso a preços e informações que caracterizam um empoderamento por parte do consumidor.

No caso específico do e-commerce brasileiro, existem particularidades elementares em relação ao uso de dispositivos móveis na jornada de compra. Segundo pesquisa recente da MMA Mobile Report, desenvolvida pela Millward Brown, em parceria com a Mobile Marketing Association (MMA), os brasileiros possuem, em média, cerca de 20 aplicativos instalados em seus aparelhos, sendo que sete são de natureza social.

Isso torna possível afirmar que a maioria de dispositivos circulando na mão de um possível comprador não possuem alta capacidade de armazenamento e processamento.  O desafio contínuo do lojista é provar por que o aplicativo de sua loja deve ser escolhido para estar presente nesse seleto grupo.

A fim de que o lojista esteja preparado para esse panorama, é fundamental proporcionar um cenário cada vez mais familiar e facilitador para o consumidor final. O desenvolvimento de um ambiente de navegação responsivo, que atenda e comporte com eficiência os múltiplos tamanhos de telas, tem se apresentado como uma estratégia eficiente de retenção e na conversão para a efetivação da compra.

Quando falamos de e-mail marketing, o mesmo propósito deve ser levado em conta. A eficiência em qualquer dispositivo é, de fato, ponto crucial para a potencialização das vendas.

Os consumidores querem cada vez mais canais de atendimento ágeis e com maior integração com a web. Além disso, estamos passando cada vez mais tempo em aplicativos de mensagens. Diante disso, soluções como os chatbots foram desenvolvidas. Elas facilitam a automação do atendimento de várias demandas e, ao mesmo tempo, ampliam os meios que a empresa pode utilizar para atender aos seus consumidores.

Quer saber mais sobre eles? Então veja, no post que preparamos, tudo sobre essa tecnologia e qual a relação entre chatbots e e-commerce!

O que são os chatbots?

Chatbots são robôs, construídos a partir de regras de negócio e inteligência artificial, que permitem que os clientes interajam por texto ou voz. Ele pode ser implementado em sistemas de chat em websites ou mesmo em aplicativos de mensagens de redes sociais para auxiliar consumidores a resolverem demandas diversas.

O principal objetivo de um assistente virtual é atender pessoas em uma linguagem natural, como se ele estivesse em uma conversa. Conforme o usuário enviar perguntas, o sistema deve ser capaz de identificar a demanda e apresentar a resposta mais adequada.

Em sistemas mais completos é possível realizar integrações com outros bancos de dados, como CRM ou outros bancos de dados, para oferecer um serviço mais completo, como gerar 2a via de boleto, saber sobre entrega de produtos, localizar a loja mais próxima, agendar compromissos etc.

Marketing no varejo: as 3 tecnologias que vão revolucionar o e-commerce em 2017

Como um chatbot funciona?

Os chatbots funcionam com o auxílio de uma base de dados e integração com outros sistemas utilizados pela empresa. As versões modernas, que são implementadas em sistemas de mensagens de texto, são programadas para reconhecer comandos a partir da linguagem natural.

Uma vez que a pergunta é enviada, o software consulta uma (ou mais) base de dados a partir das palavras-chave detectadas e também o resultado de outras consultas realizadas com base no feedback dos próprios usuários.

A resposta deve ser exibida ao usuário conforme o tipo de demanda executada, em uma linguagem próxima a que seria usada por um atendente humano, com possibilidade de utilização de recursos multimídia, como imagens e vídeos, o que torna a interação ainda mais rica.

Qual a relação entre chatbots e e-commerce?

Lojas virtuais possuem em seu serviço de pós-vendas uma importante ferramenta para fidelizar consumidores. Antes mesmo de comprar um produto ou após Quando uma pessoa compra um produto, várias perguntas podem surgir, e é o suporte da empresa que definirá se a pessoa voltará a fazer compras com a empresa ou não.

Nesse sentido, os chatbots são uma importante ferramenta para que a empresa consiga atender um grande número de solicitações, com custo operacional reduzido, grande agilidade (com respostas praticamente instantâneas) e disponibilidade (atendem 24 horas por dia, 7 dias por semana). Com o auxílio de APIs, os robôs conversadores são integrados a várias plataformas.

Redes sociais, como o Facebook, já possuem uma plataforma nativa para a criação e gerenciamento de chatbots. Além disso, aplicativos de mensagem instantânea como o Telegram permitem a integração de chatbots nativamente. Assim, consumidores podem escolher o canal preferido para entrar em contato com o negócio.

Para criar um chatbot, a empresa deve levar em conta todas as demandas que podem ser automatizadas. Troca de senhas, exibição de status de entrega de um produto e solicitação de segunda via de contas são alguns exemplos.

A Cemig, por exemplo, concessionária de energia mineira, possui um chatbot integrado ao aplicativo Telegram para resolução de demandas simples. Pelo @CemigBot, clientes podem cadastrar os seus dados, obter débitos de pagamento, informar leitura e reportar falta de energia diretamente na janela do aplicativo.

Utilizando chatbots como uma ferramenta de atendimento ao consumidor, empresas conseguem diminuir os seus gastos com suporte pós-vendas e, ao mesmo tempo, implementar um número maior de canais de atendimento. Os profissionais que atuam na área não precisarão lidar com demandas simples, enquanto o consumidor contará com canais mais ágeis para solucionar as suas demandas.

Por que criar um chatbot se você já tem outros canais de relacionamento?

Chatbots se tornaram definitivamente uma grande oportunidade, pois pela primeira vez na história as pessoas estão usando mais aplicativos de mensagens do que redes sociais!

Pense um pouco sobre isso! As pessoas passam mais tempo em aplicativos de mensagens, como Whatsapp e Facebook Messenger, que nas redes sociais (se você notar é bem provável que você mesmo tenha este comportamento).

Então, se um e-commerce precisa estar onde as pessoas estão, hoje as pessoas estão nos aplicativos de mensagens!!

E você, o que acha da integração de chatbots e e-commerce? Compartilhe este post nas redes sociais para que outras pessoas saibam mais sobre o assunto!

Texto publicado anteriormente no Blog da DDS.

Manter-se constantemente atualizado com as novas tecnologias de comércio eletrônico e de marketing pode ser uma tarefa assustadora. Com a rápida evolução que vemos lá fora, não é fácil identificar em quais novidades vale mesmo a pena investir.

Uma coisa, porém, é certa: para obter uma vantagem competitiva, os e-commerces devem se concentrar em soluções realmente inovadoras, que ajudem a mantê-los próximos das necessidades dos clientes e que otimizem sua presença digital.

O fato é que em 2017 o e-commerce brasileiro deverá crescer 12%. Esse crescimento gera um ambiente de comércio eletrônico cada vez mais competitivo, ao mesmo tempo em que os clientes, mais ambientados com este universo, tornam-se mais exigentes.

Com base nisso, listamos três tecnologias que prometem revolucionar a forma como as marcas interagem com seus consumidores na internet, gerando vantagem competitiva e alavancando seu poder de vendas online:

1- Facebook Messenger Chatbots

Não há dúvida sobre a importância das mídias sociais no processo de tomada de uma decisão de compra. Uma pesquisa do Gartner mostra que as marcas perderão 15% de seus clientes se não responderem àqueles que os contatam através das mídias sociais.

Já um segundo estudo realizado pela Bain & Company mostrou que, ao responder aos clientes através deste canal, uma marca pode esperar um aumento na receita por cliente entre 20 e 40%. Nesse cenário, o Facebook Messenger Chatbot tem se mostrado um recurso interessante para estreitar essa comunicação.

Quando devidamente implantados, os chatbots permitem uma interação eficiente e responsiva com os clientes. Eles tornam-se ainda mais robustos com recursos de automação, tendo o mesmo impacto que um assistente pessoal, sendo capaz de estimular mais conversas e construir um compromisso verdadeiro do público com a marca.

Ele pode, por exemplo, responder a muito mais perguntas do que um FAQ padrão e ainda utilizar como contexto o conhecimento sobre o cliente em questão, fornecendo informações atualizadas sobre uma determinada entrega ou disponibilidade de produtos.

A automatização do chatbot não só melhora a satisfação do cliente como reduz instantaneamente os custos operacionais no atendimento e suporte.

Aplicativo Facebook Messenger promete revolucionar o jeito de comprar online

2- Aplicações progressivas para a web

O mobile cresceu tão rapidamente que já se tornou a plataforma digital mais utilizada. A atividade total em smartphones e tablets representam dois terços do tempo total gasto em mídia digital.

Os aplicativos de smartphones sozinhos agora capturam cerca de metade desse tempo, de acordo com a agência de pesquisa internacional ComScore. Nesse cenário, os consumidores estão cada vez mais avessos a sites que não são amigáveis às plataformas móveis.

Em paralelo a essa tendência, o baixo desempenho de aplicativos de e-commerce para dispositivos móveis têm levado as marcas a recorrerem cada vez mais a aplicativos progressivos para a web como uma alternativa. Este ecossistema basicamente combina as vantagens dos aplicativos e da web.

Ele tem a funcionalidade completa dos sites, como dados dinâmicos e acesso ao banco de dados, ao mesmo tempo em que mantém a facilidade de uso do aplicativo mobile.

Em resumo, isso significa criar um site totalmente responsivo no celular ou no tablet e extremamente rápido – dando aos usuários a oportunidade de trabalharem off-line e em qualquer dispositivo sem a necessidade de baixarem um aplicativo nativo. Além disso, permite às marcas diminuírem os grandes investimentos em apps, sem deixarem de atender às expectativas dos clientes.

3- User Experience baseado em Deep Learning

Os algoritmos avançados de deep learning são hoje a espinha dorsal de muitas tecnologias preditivas, como o motor DeepText do Facebook, por exemplo, cujo objetivo é melhorar a experiência dos chatbots.

Eles também são usados em uma variedade de motores de processamento de imagem, como na seleção de ofertas similares no e-commerce para fins de recomendação, ou ainda na solução de reconhecimento de imagem do Yahoo, ajudando a identificar automaticamente imagens não adequadas para o trabalho (NSFW).

Além disso, o Google faz uso do deep learning no seu sistema de tradução, reduzindo os erros em 60% – o que poderia ajudar os operadores de comércio eletrônico a abrirem serviços em ambientes multilíngues.

Algoritmos de deep learning também representam uma grande oportunidade para campanhas de publicidade programática. Por exemplo, a tecnologia de retargeting tem sido usada já há algum tempo, mas o deep learning está mudando rapidamente a maneira como o retargeting personalizado funciona.

Tais métodos são capazes de melhorar a experiência do usuário de várias maneiras, predizendo o seu comportamento e indicando probabilidades de eventos específicos com mais precisão.

Dados internos da RTB House mostraram que o uso de algoritmos de deep learning pode levar rapidamente ao aumento do desempenho das campanhas de exibição em 13% para cliques e 25% para conversões. Isso ocorre porque a análise abrangente de dados que vem com o deep learning pode revelar uma compreensão muito mais ampla das intenções dos visitantes do site, ajudando os players de comércio eletrônico a anunciarem de forma eficaz, além de tornar os processos de compra online ainda mais fáceis.

O Omnichannel já deixou de ser tendência e tornou-se primordial para o sucesso de qualquer negócio, já que todos sabemos que o consumidor está, cada vez mais, multicanal.

Essa palavrinha, um pouco complicada, significa mais que utilizar vários meios de comunicação para atender o seu cliente. Ela, hoje, tem a ver com oferecer a melhor experiência de compra ao seu público.

Por essa importância, vamos abordar o omnichannel na prática, mostrando cases e sugestões para que você leve a ideia à sua loja virtual independente do tamanho do seu negócio.

Omnichannel: um novo modo de fidelizar seu cliente

A gente acredita muito em trabalhar a fidelização e não focar apenas em vendas. Um cliente satisfeito volta à sua loja virtual sempre. Por isso, tenha em mente que oferecer uma perfeita experiência ao seu público é essencial.

Mas, como o omnichannel pode ajudar nessa questão? Ora! Ele é exatamente isso. Vamos entender melhor.

O que é ser ominichannel?

O prefixo “omni”, em latim, significa tudo, algo que é universal e variável. Por isso, ele é confundido com os termos multichannel e crosschannel. Mas não se engane! O primeiro refere-se a muitos, já o segundo tem a ver com plataformas que se cruzam.

O omnichannel ultrapassa essas barreiras e mostra que para o e-commerce é possível oferecer possibilidades que vão além de ofertar produtos online. Com estratégias que unem os canais on e offline, o usuário encontra todas as informações necessárias, tira dúvidas, compra e troca os produtos independente se está na loja física, aplicativo ou e-commerce.

Abaixo, o exemplo da grife britânica Burberry, onde a pessoa pode comprar os produtos por meio de várias plataformas, além de também conhecer as coleções nas lojas físicas. Outro ponto-chave é propiciar que fãs da marca comprem as roupas e acessórios em locais onde a Burberry não possui pontos de venda.

Burberry_Mobility-600x346

Outro caso inspirador de omnichannel é a Sephora, loja de cosméticos. Por vender produtos que exigem testes, como perfumes e maquiagem, as vendas no e-commerce costumam acontecer após uma visita às lojas físicas. Muito esperta, a marca disponibiliza provadores com todos os produtos em seus pontos físicos e deixa as pessoas livres para circular pelo espaço.

Mas, de olho em locais que não têm lojas Sephora, outra ideia foi oferecida às clientes. Por meio da tecnologia, é possível experimentar os produtos e saber qual é o tom ideal para determinada pele.

sephoras-new-innovation-lab

Vamos a mais um exemplo? Dessa vez, destacamos o pioneirismo da Amazon ao divulgar o lançamento da Amazon Go que, segundo a empresa, será uma nova maneira de fazer compras, levando a melhor experiência ao usuário junto a mais avançada tecnologia.

Na Amazon Go, o cliente acessa a loja física por meio de um aplicativo, escolhe os produtos desejados e vai para casa, sem filas ou demais burocracias. Podemos dizer que essa é uma verdadeira experiência omnichannel. Realmente inovador! Entenda mais no vídeo:

Agora que você já sabe o que é ser omnichannel e conheceu três cases de sucesso, vamos dar dicas simples para que você aplique a ideia na sua loja virtual, independente do tamanho do seu negócio!

O que o Amazon Go pode nos ensinar sobre experiência do usuário para e-commerce

Omnichannel: como levar a ideia ao seu e-commerce

Se você possui uma loja física, tenha em mente que não importa de onde sairá a venda. O importante é o cliente sentir confiança em você. Então, se uma pessoa entrar em sua loja, olhar um produto e não comprar naquele momento, apresente o seu e-commerce e explique que ela também terá mais essa opção.

Agora, se você está apenas na internet, utilize os chats onlines e fique atento aos demais canais de comunicação como e-mail e redes sociais. Não demore, jamais, nos retornos. Essa falha pode levar esse cliente potencial para o concorrente.

Tanto para quem tem ponto físico + e-commerce, ou quem tem apenas loja virtual, é importante oferecer uma navegação responsiva, que é quando um site funciona perfeitamente no desktop e dispositivos mobile. Lembre-se de que os acessos via smartphones só crescem e a tendência é que tudo seja feito por eles.

Com certeza, focando nesses detalhes essenciais, você irá fidelizar o seu público e oferecer uma satisfatória experiência omnichannel.

Texto publicado anteriormente no Blog da Bertholdo.

A SEM Rush entrevistou 20 referências em Marketing Digital e trouxe as principais tendências para 2017 nas áreas de Email Marketing, Marketing de Conteúdo, SEO, RP, Social Media e ecommerce. Confira!

Dezembro é sem dúvida o mês de olhar para o ano que está indo embora para tirar conclusões e olhar para o ano que está chegando para fazer planos e previsões. E é justo isso que queremos fazer neste post – olhar para o futuro.

Pedimos aos principais especialistas da área de Marketing Digital para compartilhar conosco as principais tendências de marketing e empreendedorismo digital em 2017 por um simples motivo – acreditamos que se os líderes de opinião da nossa área sentem que essas tendências vão influenciar o mercado no ano que vem, e é melhor você ficar sabendo delas antes de planejar a sua estratégia para 2017!

Preparado? Aqui estão as tendências para as áreas de E-mail Marketing, Marketing de Conteúdo, SEO, RP, Social Media e ecommerce

E-mail Marketing

tendencias-de-marketing-digital-2017-john-viana

O uso do Email Marketing vem crescendo internacionalmente e, com isso, os consumidores também vêm se tornando mais exigentes. Ou seja, eles não querem apenas receber ofertas e afins, eles estão ansiosos por conteúdo. Creio que, no próximo ano, essa tendência venha a se multiplicar inúmeras vezes.

Portanto, se eu pudesse ter uma previsão para 2017, seria que o Email Marketing irá crescer exponencialmente. Sabendo que 9 em cada 10 brasileiros utilizam e-mail, esse ainda é – e será por um bom tempo – o melhor e maior meio de comunicação corporativo do mundo. E afirmo novamente que as empresas que não conquistarem o seu espaço digital irão fracassar, queiram ou não.

A utilização do Email Marketing precisa ser feita de forma assertiva, evitando spam e similares. Sabemos que nem todas as empresas respeitam isso, algumas até compram listas de email (coisa que não é legal) e saem por aí enviando emails de venda. Até os servidores comuns, como Gmail, Hotmail, Yahoo, entre outros, perceberam isso e começaram uma verdadeira campanha contra spamers. Eles criaram e otimizaram algoritmos para evitar esse tipo de email nas caixas de entrada de seus clientes.

Para combater isso, a melhor forma é criar sua própria lista de emails, coisa que já é comum entre empreendedores digitais da atualidade.

tendencias-de-marketing-digital-2017-rodolfo-benetti

Email Marketing somente focado em promoções está fadado a não performar tão bem quanto nos últimos anos.

Focar em histórias que cativam, que gerem interesse e entreguem algo relevante ao usuário deve gerar muito mais conversões!

tendencias-de-marketing-digital-2017-sara-zimmermann

As pessoas não aguentam mais receber tantos emails, mas ainda assim se inscrevem para recebê-los e contam com a sua caixa de entrada para ficarem atualizados sobre alguns assuntos e ofertas.

A dica? Repensar a estratégia de quantidade de emails para focar em qualidade.

Menos é mais, neste caso. Ao trocar 3 envios semanais por 1 diferenciado, o público agradece, fica na expectativa e você garante a leitura do seu conteúdo.

tendencias-de-marketing-digital-2017-pedro-renan

Em 2017 iremos apostar na segmentação e behavior target para melhorarmos nossos resultados com Email Marketing.

Temos diversas segmentações na nossa base. Por exemplo, se o Lead está no topo, meio ou fundo de funil, se ele veio das nossas ferramentas, se ele veio de uma Landing Page, de um eBook, etc.

Isso já é um avanço, mas longe do ideal, pois não mapeia o comportamento de forma completa.

O que estamos apostando agora é em um ciclo de emails interativos de acordo com seu comportamento no nosso site. Por exemplo, se você se cadastrou em uma Landing Page para comprar um logo, vai receber emails para comprar logo. Se nesse período você entrar em uma outra Landing Page para comprar, por exemplo, um site para médicos, automaticamente você irá parar de receber emails de logo e irá receber emails de site para médicos.

Dessa forma esperamos atingir o usuário no detalhe máximo da sua personalização e com isso aumentarmos o engajamento e receita.

tendencias-de-marketing-digital-2017-rodrigo-nogueira

Você já deve ter percebido que as taxas de abertura e cliques de Email Marketing estão caindo com o passar o tempo, certo? Isso acontece por duas causas principais:

  • 1. A maneira errada de construir a lista de emails (por exemplo, quando o email é conseguido em troca de eBook sem conteúdo, sem direcionamento específico e percebendo isso o Lead não quer mais abrir seus emails);
  • 2. A manutenção errada da lista (envio de emails sem entender qual a hora certa de enviar uma oferta, em qual etapa de conversão aquele Lead está etc).

Eu acredito que somente as empresas que tiverem uma captação e nutrição inteligente de Leads vão ter resultados sólidos, seguindo esses pilares:

  • Entrega de alto valor percebido, e não um e-book descartável para guardar no computador;
  • Inteligência de lista: ter um mapeamento individual dos interesses dos seus Leads baseado em comportamento e não uma sequência genérica para todos;
  • Fazer ofertas no tempo certo e não oferecer produtos errados para pessoas certas no tempo errado, ou pior, oferecer seu produto para pessoas erradas;
  • Campanhas de vendas inteligentes: criar ofertas para as pessoas que dizem não para sua proposta, identificando as objeções e contornando-as.

RP e Social Media

tendencias-de-marketing-digital-2017-raphael-lassance

Com a popularização de conceitos como growth e sales hacking, é cada vez maior a quantidade de empresas que estão conseguindo exposição nos canais de mídia de massa com táticas não convencionais, de forma independente e, o mais importante, sem gastar muito.

As startups ditam o ritmo com suas agressivas táticas na busca por rápida tração, mas acredito que em 2017 estes conceitos se fortaleçam e propaguem para todo os tipos de negócios, on e offline.

tendencias-de-marketing-digital-2017-jhon-martin

Indexação do Conteúdo Social. Se você pesquisa por uma notícia hoje talvez você encontre um tweet nos resultados, mas acredito que logo mais veremos tweets e outros resultados sociais.

Não tenho dúvida que a indexação do conteúdo nas mídias sociais será um grande avanço do Google, que poderá usufruir dessa quantidade enorme de dados de social media como respostas a muitas pesquisas, podendo também usá-los como fatores de posicionamento.

Os sinais sociais devem crescer substancialmente como fatores de posicionamento orgânico e acredito que nos próximos estudos já teremos indícios de sua evolução. Agora já não basta só otimizar seu site, é necessário engajar e fazer um bom trabalho de mídias sociais.

tendencias-de-marketing-digital-2017-sara-zimmermann

Em 2017, o vídeo entra ainda mais em cena como favorito do público das redes sociais. Ele também está mais certo das suas preferências, e você tem que acompanhá-lo, seguindo as regras de cada mídia.

O bom conteúdo, aquele realmente planejado e desenvolvido para o seu público, será cada vez mais consumido em dispositivos móveis. Saia do padrão, faça lives, ofereça conteúdos em novos formatos, com relevância e frequência. Teste seu público até chegar às suas preferências. Depois, continue testando.

A briga entre Google AdWords e Facebook Ads vai aumentar, e espera-se que os anúncios do Facebook encareçam em até 5 vezes em 2017.

Com o aumento de investimento na maior rede social do mundo, os budgets reservados para os links patrocinados do Google estão caindo.

Com isso, o Google AdWords deve ser ainda mais atualizado, com opções de segmentação e outras informações de BI relevantes para atrair os anunciantes.

tendencias-de-marketing-digital-2017-carlos-muller

Transmissões ao vivo também devem ganhar muita força, levando a experiência de vídeos para um novo patamar, proporcionando a qualquer pessoa trazer o seu ponto de vista sobre eventos, festas e acontecimentos ao redor do mundo.

Nessa estratégia, o Facebook Live é a bola da vez para engajar e impactar nas redes sociais.

tendencias-de-marketing-digital-2017-felipe-spina

Acredito no machine learning para campanhas em Marketing Digital, podendo ter mais inteligências em dados em base de histórico de clientes e nichos de mercado. Explorar mais resultados com base nesses números, como saber o melhor horário de disparar uma campanha de email, qual melhor horário postar nas redes sociais, tipo de palavras-chaves utilizar, quais campanhas trazem mais vendas etc.

Outra tendência é o web scraping para extrair dados a partir de uma outra fonte, como um outro site ou banco de dados. Dessa forma,você poderá ter mais informações sobre possíveis clientes para prospectar.

SEO

tendencias-de-marketing-digital-2017-felipe-bazon

Google AMP Everywhere:  O projeto AMP (accelerated mobile pages), iniciativa open source do Google para tornar a navegação em dispositivos móveis mais rápida, deve ganhar ainda mais notoriedade em 2017 com a expansão do projeto para além dos portais de conteúdo, foco inicial do projeto.

As páginas em AMP carregam até 4 vezes mais rápido, um ganho importante na experiência do usuário e consequentemente no posicionamento orgânico.

UX:  User experience ou experiência do usuário é a base do sucesso de uma campanha de SEO para 2017 e além. Mobile first, tempo de carregamentos, HTTPS/SSL, Rank Brain entre outras atualizações do Google dos últimos anos tem como foco principal forçar sites a aprimorar o UX.

Quanto mais rápido suas páginas carregarem, quanto mais forte for a encriptação de dados do seu certificado SSL, quanto melhor a experiência do mobile, a navegação, o layout e o conteúdo do seu site, melhor será o desempenho do SEO do seu site. Em outras palavras, quanto melhor for a experiência dos usuários maiores as chances das suas páginas chegaram ao topo dos resultados orgânicos do Google.

tendencias-de-marketing-digital-2017-jhon-martin

Intenção será mais importante do que as palavras-chave: a capacidade de processamento dos mecanismos de pesquisa cresce de maneira ridícula, e isso proporciona um melhor entendimento da intenção de pesquisa que passa a analisar muitos aspectos, inclusive retornar resultados semânticos.

Imagine que ao pesquisar por uma “bolsa barata” o Google pode exibir uma bolsa usada no brechó mais perto da sua casa… as possibilidades são imensas.

Isso significa que não basta ajustar o meta title com base nas pesquisas, mas fornecer informação e conteúdo suficiente em suas páginas para que o Google consiga entender todas as possibilidades em que pode exibir seus produtos ou posts.

HTTPS neles: menção honrosa à adoção do certificado de segurança, o famoso S no HTTP, que foi uma tendência esse ano mas promete ser dominante no próximo.

Isso deve ocorrer tanto por ser um fator de posicionamento para o Google quanto pela facilidade e possibilidade de se obter um certificado grátis hoje em dia, o que era impensável há alguns anos atrás.

Muitos apps: com a capacidade dos smartphones aumentando assim como a criatividade dos desenvolvedores, estamos vendo um aumento significativo na quantidade de aplicativos, e estar bem posicionado nas Apps Store pode ser determinante para o sucesso de seu app ou negócio.

Também conhecido como ASO (App Store Optimization), é uma variante do SEO destinado a posicionar somente os apps nas lojas online.

Até agora, a dança do posicionamento nas lojas online não era tão complexo (quanto SEO) mas com a quantidade de opções disponíveis acho que em 2017 o bicho vai pegar e o que era basicamente título, descrição, ícone e reviews vai se juntar com links profundos, conteúdo, engajamento, dentre outros.

tendencias-de-marketing-digital-2017-maria-chizhikova

As tendências do mercado – transparência de ROI, benchmarking competitivo, aumento de dados disponíveis para análise, análise e uso eficiente de big data – ditam a necessidade de uso de ferramentas adequadas, que permitem economizar tempo e dinheiro ao mesmo tempo providenciando informações confiáveis e consistentes.

Por isso, a estratégia da SEMrush para 2016/2017 é de apostar na criação da ferramenta all-in-one, e por isso acabamos de acrescentar 8 ferramentas novas para a plataforma, atendendo as áreas de PPC, SEO, Marketing de Conteúdo dentre outras.

O futuro está em soluções práticas e compactas. O usuário mais do que nunca quer receber soluções que resolvam vários problemas e atendam várias necessidades pelo preço de uma.

tendencias-de-marketing-digital-2017-raphael-lassance

Sites mobile friendly e performance acima da média não são mais apenas conceitos relacionados à experiência do usuário, agora eles fazem parte do vocabulário dos profissionais de SEO.

A partir do momento que o Google começou a penalizar sites ineficientes e/ou lerdos, essas variáveis se tornaram fundamentais nas estratégias de SEO e isso trará novos desafios (e oportunidades) para os negócios online e agências digitais.

tendencias-de-marketing-digital-2017-leandro-vieira

Para 2017 considero duas áreas essenciais e estratégicas de marketing e empreendedorismo. São elas: mobile e growth hacking.

Os números sobre Mobile no Brasil são expressivos e serão cada vez mais. É importante que os negócios sejam pensados com o conceito de mobile first para ir ao encontro de uma audiência focada na palma da mão.

O conceito e a técnica de growth hacking ganha novos adeptos todos os dias por estar de acordo com a expectativa de todos os negócios, principalmente os iniciantes, de crescer exponencialmente e com baixo investimento.

tendencias-de-marketing-digital-2017-daniel-imamura

Desde 2015 vemos o Google fazendo grandes ações relacionadas à mobile. Não é para menos, visto que os acessos através de smartphones vem aumentando consideravelmente e em diversos nichos já ultrapassa os acessos via desktop.

Então a minha dica de SEO para 2017 é investir em aprimorar os sites para mobile, desde um layout responsivo até o mais recente AMP.

Ter um site otimizado para dispositivos móveis além de colaborar para as buscas pode ser o grande diferencial para fazer o seu site converter muito mais.

tendencias-de-marketing-digital-2017-will-tranin

Acredito que o ano de 2017 será de consolidação de diversas tendências em SEO que percebemos nos últimos anos.

O mobile tem grande destaque através do projeto AMP, principalmente com o aumento do uso do AMP para e-commerce.

A busca por voz já é realidade e tende a ser difundida com intensidade durante o ano. Tenho certeza que você vai ouvir falar do Amazon Alexa/Echo, um assistente pessoal com comando de voz que pode controlar (quase) tudo que você deseja.

Por fim, durante 2016 tivemos o Panda e o Penguin incorporados ao núcleo do algoritmo, e este último agora é executado em tempo real. Isso abre um novo horizonte de possibilidades e acredito que em 2017 o Google irá incorporar mais um ou no máximo dois dos seus algoritmos ao núcleo principal e aproveitar as vantagens da execução em tempo real.

tendencias-de-marketing-digital-2017-denis-andrade

AMP: Em 2016, vimos surgir os sites com tecnologia AMP. Nos últimos dias centenas de sites aderiram à essa tecnologia, motivados pela notícia de que o Google começou a destacar esses sites nos resultados de busca.

A dificuldade na implementação freou a quantidade de sites usando tal recurso, porém há uma tendência de que muitos novos sites já sejam publicados nesse formato; além da necessidade dos sites mais antigos aderirem ao AMP para evitar a perda de tráfego orgânico.

tendencias-de-marketing-digital-2017-carlos-muller

Vejo que 2017 irá consolidar definitivamente o mobile como foco principal das estratégias digitais. Temos algumas iniciativas importantes que reforçam esse ponto de vista, como a adoção do AMP (Accelerated MobilePages) pelos grandes players como Google, Facebook, Twitter e eBay. É a busca de uma melhor experiência para os usuários, através de uma web mais rápida e com menos interrupções.

O último ponto que destaco e que deve ser a atenção dos profissionais de SEO para 2017 é avaliar e entender o impacto do RankBrain nas buscas. Como utiliza machine learning e os dados vêm sendo colhidos por alguns meses, acredito que o maior impacto dessa atualização do Google será sentido ao longo do próximo ano, privilegiando principalmente quem tem foco em criar conteúdo relevante e de muita qualidade.

tendencias-de-marketing-digital-2017-rodolfo-benetti

O SEO é uma das “caixas pretas” da internet, ninguém sabe exatamente quais os critérios mais relevantes e sua relação com as demais técnicas.

Uma tendência que já foi muito forte em 2016 são os sites que proporcionam uma melhor experiência de navegação para o usuário. Esses sites ganharão muitos pontos com o Google em 2017 também!

Outra forte tendência, já citada inclusive pelo Google, é que menções em redes sociais exercerão um bom impacto no SEO geral. E, por fim, com o contínuo aumento de acessos via smartphone, o SEO local deve também ganhar uma maior relevância.

Marketing de Conteúdo

tendencias-de-marketing-digital-2017-rafael-rez

A principal tendência que vejo em 2017 é a de otimização de recursos: ao invés de abrir dezenas de frentes de Marketing Digital e atuar em várias redes sociais, vários canais de relacionamento, várias mídias e fontes de tráfego, os negócios maduros vão se concentrar na Lei de Pareto: otimizar as 20% de fontes de tráfego responsáveis por 80% dos resultados do negócio.

Os canais digitais estão se tornando mais complexos e integrados, mas ao mesmo tempo é mais caro estar em todos os lugares. Por isso, é fundamental medir, gerenciar e otimizar recursos para conseguir ganhar escala e crescer em 2017!

tendencias-de-marketing-digital-2017-rodolfo-benetti

A metodologia do Inbound Marketing está cada vez mais presente nas estratégias de comunicação das empresas!

O usuário está cansado de receber somente promoções e ofertas e está sedento por informação.

Focar no conteúdo de qualidade, que eduque, que ajude o usuário e seja relevante é um passo sem volta para quem quer se destacar na internet.

tendencias-de-marketing-digital-2017-miguel-brandao

Uma vez mais, 2017 será um ano cheio de conteúdos em todas as áreas do Marketing Digital! Para todos os empreendedores digitais o foco deve ser este mesmo: dar respostas aos seus usuários com bons conteúdos, sejam em texto, vídeo ou outro formato.

Portanto, acho que a criação de bons conteúdos a pensar em dar a devida resposta, ao que o usuário está à procura, será provavelmente a melhor solução e a principal tendência nas diversas áreas do Marketing Digital. Este será o desafio para 2017.

tendencias-de-marketing-digital-2017-jhon-martin

Conteúdo denso: no começo o conteúdo era rei, mas o rei perdeu a majestade. Aos poucos era necessário criar um conteúdo diferenciado, o famoso conteúdo épico, melhor que todos os outros. Mas agora parece que todos os conteúdos querem ser épicos, então qual a próxima onda?

A verdade é que os usuários estão cansados de encontrar o mesmo conteúdo maquiado com palavras e gráficos diferentes, um atrás do outro. Talvez a próxima grande tendência seja o conteúdo denso, que é aquele que oferece uma grande quantidade de informação de maneira direta e objetiva – em outras palavras, mais eficiente.

O conteúdo denso também pode ser rico em tipos de conteúdo e veremos posts com texto, vídeos, áudios e diversas incorporações. É a volta da multimídia, palavra que encantava o mundo na década de 90.

Vídeo: por falar em conteúdo densos, nada mais denso do que um vídeo, não? Se uma imagem vale por mil palavras, por quantas palavras vale um vídeo?

Os usuários estão cada dia procurando mais por vídeos e esse tipo de conteúdo pode ser diferencial para o seu negócio, principalmente agora com a facilidade para se conectar em uma boa conexão Wi-Fi, seja no trabalho ou em casa.

Também não custa lembrar que o YouTube é o segundo mecanismo de pesquisa com mais buscas e que se você criar conteúdo nesse formato pode ter grandes benefícios por esse canal também.

tendencias-de-marketing-digital-2017-denis-andrade

Vídeos: nós estamos vivendo hoje o boom dos vídeos, mas ainda não atingimos o auge da mudança.

No próximo ano veremos uma mudança ainda maior no formato em que os vídeos para internet são produzidos.

Hoje nós herdamos o formato horizontal, clássico do cinema e da TV, porém com o domínio dos dispositivos móveis esse formato irá mudar para vertical.

Nós já começamos a ver essa mudança com aplicativos como Snap e a tendência é que ele seja cada vez mais usado em outros aplicativos, redes sociais e sites.

Outro aspecto que prevejo é a qualificação da produção de conteúdo como um todo.

tendencias-de-marketing-digital-2017-raphael-lassance

Nos últimos anos tivemos um boom do Marketing de Conteúdo com uma quantidade enorme de blogs, artigos, listas, e-books e infográficos sendo produzidos, mas grande parte deles feitos com conteúdo de baixa qualidade

Isso terá que mudar já que conteúdo de baixa qualidade não propaga, não traz retorno financeiro. Quando se trata de conteúdo, qualidade é mais importante do que quantidade.

tendencias-de-marketing-digital-2017-vitor-pecanha

Personalização de conteúdo: todos os profissionais de marketing sabem que um conteúdo que é personalizado para a sua audiência possui um maior engajamento e traz melhores resultados.

Hoje, mais do que nunca, temos vários recursos à nossa disposição, que nos permitem personalizar o conteúdo entregue para cada segmento de nossa audiência, e acredito que em 2017 eles começarão a ser amplamente usados pelos profissionais de marketing. Logo, se você ainda não personaliza seu conteúdo, é hora de começar. Mas como fazer isso?

Não consigo passar por todas as possibilidades aqui, mas alguns esforços mais simples que já podem dar resultados rápidos são:

  • Segmentar a distribuição nas redes sociais baseado em segmentações avançadas (como promover o mesmo post com títulos diferentes para vários segmentos no Facebook, para aumentar o CTR);
  • Fazer disparos segmentados de emails, com o mesmo email sendo criado em várias versões para segmentos distintos. Para você ter uma ideia, na Rock Content cada email possui em torno de 6 versões distintas, o que triplica nossa taxa de abertura;
  • Usar automação de marketing para entregar conteúdos personalizados de acordo com o momento da jornada de compra do cliente.

Se existe um ponto principal a ser levado sempre em conta é que a personalização de conteúdo requer um trabalho constante de captação e tratamento de dados, por isso sempre que possível use cookies, tags e outros recursos para capturar dados dos visitantes.

tendencias-de-marketing-digital-2017-renato-mesquita

Uma das principais dicas que eu tenho para dar neste ano é: atualize conteúdos antigos do seu blog! Sabe aquele artigo do seu blog que foi publicado há algum tempo e que está estagnado nas páginas de busca? Essa estratégia é exatamente para ter resultados com esses artigos.

Isso significa que você não precisará criar um conteúdo completamente novo. Uma simples atualização naquele artigo antigo já pode fazer uma grande diferença no seu resultado orgânico.

As melhores oportunidades para atualização estão entre a 10ª e a 20ª posições nos motores de busca. Encontre estes artigos do seu blog, identifique as melhores oportunidades e atualize essas peças agora!

Aqui na Rock Content nós tivemos artigos que saíram da 20ª posição e foram para o 6º lugar nas páginas de busca com apenas esse hack!

Ecommerce

tendencias-de-marketing-digital-2017-will-tranin

Mesmo com o crescimento do setor, o ano de 2016 foi de diminuição nas vendas para o varejo online no Brasil. Por isso, acredito que em 2017 os lojistas irão aumentar o engajamento dos clientes mais lucrativos e fiéis para diminuir o alto investimento na captação de novos clientes.

Além disso, percebo que o cenário econômico futuro tende a diminuir o poder de compra da classe C, sendo que esta classe foi um dos principais motivos do enorme crescimento do mercado de ecommerce.

Acredito que as lojas virtuais médias serão as principais afetadas e, por isso, precisam direcionar esforços na profissionalização da operação.

Por último, também observo uma tendência de crescimento das lojas virtuais locais de micro e pequenos empresários porque essas lojas tornam-se alternativas de baixo custo inicial para os varejistas offline que estão vendo as vendas diminuindo com o atual momento econômico.

tendencias-de-marketing-digital-2017-rodolfo-benetti

Uma forte tendência nas redes sociais é uma maior integração diretamente com o ecommerce. Twitter e Facebook já tem seus botões “comprar agora”, porém para aproveitar essas oportunidade, os ecommerces têm que se adaptar ao mobile, pois no Brasil quase 70% dos acesso ao Facebook são feitos a partir de smartphone ou tablets.

Destaque também para o fato de ser uma forte tendência as menções sociais influenciando no SEO dos sites. Torna-se fundamental levar isso em conta e aproveitar essa oportunidade!

tendencias-de-marketing-digital-2017-renann-mendes

Mobile: segundo a Ebit, no final de 2017, mobile já deve representar 40% de todo o faturamento do e-commerce no Brasil. As dicas que já ouvíamos há dois, três anos para preparar o site para os dispositivos móveis já se transformaram no básico e obrigatório para qualquer loja online. O ano do mobile finalmente chegou.

Omnichannel: uma coisa acaba puxando a outra. Se mobile é o “arroz com feijão”, os conceitos de multicanal ainda podem colocar as lojas à frente da concorrência. Já comum nos Estados Unidos, o pick up in store, que permite comprar online e retirar na loja, já começa a funcionar aos poucos aqui no Brasil com grandes players.

Integrar estoques de lojas online e físicas, permitir pagar online na loja física ou comprar online e retirar na loja física me parecem mais acessíveis. Isso ajuda em um dos pontos que mais mostra diferencial ao consumidor: no preço. Comprar sem frete, por exemplo, hoje mostra boa vantagem.

Personalização: Estamos falando de Internet, e aqui tudo se monitora, cada “passo” que é dado podemos saber e medir. E essas informações cruzadas já nos permitem soluções bem acessíveis para a personalização de ofertas, produtos e linguagens.

A abordagem one-to-one do eccommerce é cada vez mais poderosa e customizada para cada um. Esta vejo ainda um pouco mais distante, porém 2017 já pode mostrar um passo definitivo para esta linguagem personalizada para cada um que acessa seu site.


E você, quais tendências de Marketing Digital para o ano 2017 está prevendo? Compartilhe conosco nos comentários!

Esse post foi escrito por Maria Chizhikova, da SEM Rush.

Texto publicado anteriormente no Blog da Resultados Digitais.

Esta semana, a gigante Amazon divulgou o lançamento da Amazon Go que, segundo a própria empresa, é um novo tipo de experiência de compra com a mais avançada tecnologia. Na Amazon Go o consumidor acessa a loja física usando um aplicativo, coloca os produtos desejados numa sacola e simplesmente sai. Sem a necessidade de passar num caixa ou enfrentar filas. Uma verdadeira experiência omnichannel. Parece mágica (ou furto), mas não é!

O que podemos aprender com este exemplo de inovação que pode ser aplicado no mercado de eCommerce? Antes de ler, veja o video abaixo:

“Sem filas. Sem caixas”.

Aqui na agência, temos emoldurado uma frase que Jeff Bezos disse uma vez e que eu gosto muito.

“Se estivermos focados nos nossos concorrentes, ficamos à espera que façam algo. Estarmos concentrados no nosso consumidor permite-nos ser pioneiros”.

Dito e feito! Jeffinho, em vez de ficar procurando o benchmarking perfeito, olhou para seus clientes e entendeu qual seria a melhor experiência de compra que ele poderia oferecer.

As pessoas não deixarão de comprar da maneira convencional mas, se posicionar a frente do mercado e entregar uma excelente e inovadora experiência de compra aumenta o valor da marca e mostra como a Amazon está a frente de seus concorrentes.

Como entender seu público alvo e melhorar a experiência de compra como a Amazon faz?

Oferecendo opções de compra diferenciadas, testando novos modelos de interface (testes A/B) e, principalmente, analisando resultados e colhendo feedbacks! Estas são algumas das principais maneiras utilizadas para otimizar a experiência do usuário e que você pode utilizar no e-commerce.

Assim como a Amazon faz, você também pode descobrir as barreiras que impedem seu consumidor de prosseguir num processo de compra e traçar metas de como derrubá-las.

Todos que acompanham o trabalho excepcional executado pela Amazon sabem que isto é um processo diário e constante dentro da empresa. Sempre em busca de melhorias que impactem positivamente seu público.

Quais são as principais objeções que o seu cliente encontra hoje?

Navegação pouco intuitiva, tempo de resposta, falta de segurança, processo de compra com muitas etapas… estes são problemas frequentes e comuns em muitas lojas virtuais e que influenciam diretamente na desistência durante um processo de decisão de compra.

Conclusão

Podemos aprender com Amazon que:

  • Concentrar-se no seu consumidor te dará insumos para ser pioneiro e inovador.
  • Quebrar barreiras, questionar ações e compreender escolhas dos seus consumidores é o caminho certo a se fazer.
  • Torne isso um processo constante dentro do seu e-commerce e o resultado será um aumento não só de valor da sua marca mas também em vendas.

Abraços e boas vendas!

Publicado anteriormente no blog da Quatro Digital.


Leia também:

Game of Thrones do E-commerce: A Estratégia da Amazon para dominar totalmente o varejo online mundial

Infográfico Ebit destaca o perfil do consumidor e apresenta todos os dados sobre a principal data do varejo eletrônico brasileiro

Cerca de 20% das compras online realizadas durante a Black Friday foram feitas por meio de dispositivos móveis (celulares e tablets), aponta o monitoramento da Ebit. O percentual representa R$380 milhões dos R$1,9 bilhão faturados pelo e-commerce na edição de 2016. Na comparação com 2015, o percentual mais do que dobrou. No ano passado, cerca de 9% das compras foram feitas foram feitas por celulares e tablets.

As compras online durante a Black Friday registraram alta de 17% na comparação com 2015. O número de pedidos cresceu 4%, para 2,92 milhões, enquanto o tíquete médio foi de R$653, 13% maior do que no ano passado. O levantamento leva em conta as compras feitas entre às 0h e 23h59 desta sexta-feira (25).

De acordo com Pedro Guasti, CEO da Ebit, o crescimento do uso dos dispositivos móveis durante a Black Friday para a realização de compras surpreendeu. “Para um público cada vez maior o smartphone é o meio principal de acesso à internet. As principais lojas passaram a oferecer ou aperfeiçoaram seus aplicativos, tornando a utilização cada vez mais inteligente, isso também impactou positivamente no crescimento deste público”, diz.

O monitoramento da Ebit mostra que quem compra pelo celular ou tablet gasta mais: o tíquete médio das compras realizadas utilizando os dispositivos móveis foi de R$753, cerca de 20% maior do que o tíquete médio via desktop. “Grandes lojas apostaram no desenvolvimento de APPs e sites responsivos, alavancando assim a venda de produtos de maior valor agregado como Linha Branca, Celulares e Eletrônicos”, explica.

Dados do monitoramento Ebit apontam que o consumidor da Black Friday tem maior presença na região Sudeste (62%), é mais masculino (homens 52%) e possui renda familiar mensal de R$5.590 mil. Em média, na edição de 2016, o consumidor fez 1,5 compras online. Veja o levantamento completo no infográfico Ebit.

Relevância

Nos Estados Unidos, berço da Black Friday, o faturamento do e-commerce no dia 25 foi de US$ 3,3 bilhões, segundo dados da Adobe Digital Index.

“Convertendo o faturamento brasileiro em dólares, chegamos s US$554 milhões, seis vezes menor, mas ainda assim muito relevante, já que o mercado norte-americano é 30 vezes maior que o nosso. Isso mostra como a data ganhou em importância nos últimos anos e já é a mais importante do calendário do e-commerce brasileiro”, diz Pedro Guasti.

black-friday-2016

Muitos lojistas se perguntam quando é o momento certo de reformular o layout da sua loja virtual. Pensando nisso, escolhi 3 bons motivos para você pensar e refletir antes de iniciar um projeto de redesign. Deixe os gostos pessoais de lado, leia com atenção e veja se seu e-commerce se encaixa em algum deles.

1- Não sei como meu usuário esta interagindo com minha loja virtual

heatmapExemplo de resultados de programas de mapa de calor e relatório de Google Analytics. 

Antes de pensar em reformular o layout da sua loja virtual é muito importante entender o seu público. Qual sua taxa de conversão, os pontos onde há maior desistência no processo de compra, o que ele procura, onde clica, etc.

Ter um especialista ao seu lado e saber analisar as estatísticas é essencial para saber se o que você precisa é ou não uma reformulação total da sua loja. Há casos que, realizando melhorias contínuas, adicionando novas funcionalidades, fazendo contantes testes AB, te farão alcançar melhores resultados do que fazendo uma mudança radical.

Tomar as decisões com foco no perfil do seu consumidor e segmento é preciso para que sua loja “converse” com o usuário.

2- Minha loja virtual não tem uma boa experiência em telas de celulares e tablets

Entender o perfil do consumidor que chega até sua loja é o primeiro passo. Em segundo (e não menos importante) é entender com qual dispositivo seu consumidor está acessando sua loja prioritariamente. Sua interface possui uma boa experiência de navegação e compra para este dispositivo?

Hoje em dia, está se tornando cada vez mais comum o primeiro contato com às lojas virtuais ser feito através de smartphones, e não é surpreendente avaliarmos lojas com mais de 60% dos acessos vindos desses dispositivos, porém com uma conversão baixíssima. O erro? Uma interface que não é responsiva ou mobile para “receber” seu cliente de maneira apropriada.

Manter a unidade na identidade visual entre a loja que é apresentada no computador, tablet e smartphone fará com que seu consumidor se encontre mais facilmente, garantindo assim uma ótima experiência de compra.

vestem-responsivoLayout responsivo da loja Vestem. Adaptação dos conteúdos e unidade na identidade visual e navegação entre os dispositivos. 

3- Comprar na minha loja virtual exige pensar muito e dar muitos cliques

blog-post“RG, CPF, data de nascimento, apelido, senha com maiúscula + número + carácteres… Sério?”

O usuário não gosta de pensar muito e comprar não pode ser uma tarefa complicada. Não é no físico, porque seria pela internet? O comportamento de compra pela web, geralmente é realizado em horário de trabalho, e ninguém quer perder muito tempo pra fazer um pedido.

“Estou no meio das minhas tarefas do dia!” Focar no que é básico e em funcionalidades que facilitarão não só o entendimento do usuário, como também seu processo de compra, é de extrema importância para engajar o cliente e aumentar sua taxa de conversão e recompra. Quantos cliques você deu até fechar um pedido? Sua loja responde rápido aos cliques e interações do usuário?

Muitos usuários desistem no processo de compra na finalização do pedido por acharem o processo muito burocrático. Realizar uma compra deve ser fluído!

Conclusão

Pense em todos os tópicos antes de reformular totalmente sua loja. Se você se identificou com um dos motivos, ótimo! Você já sabe o qual caminho seguir. Agora, caso tenha se identificado com os 3, é fato que o layout da sua loja precisa ser reformulado.

Procure um especialista com dados e estatísticas de sucesso do seu e de outros segmentos. Converse com os clientes da plataforma ou agência que deseja contratar para investir com mais segurança e tenha ótimos resultados!

Publicado anteriormente no Blog da Quatro Digital.