• por Igor Castanho
  • É jornalista, economista e especialista em criatividade e inovação. Atua na equipe de marketing do Olist, startup brasileira que oferece uma solução integrada para a venda nos principais marketplaces do país, e é o responsável pelo blog Universo Marketplace.

Como funcionam as normas da Anvisa e Inmetro nas vendas online?

12 de maio de 2017
Share Button

Eu preciso me preocupar com as normas do Inmetro e da Anvisa nas vendas online? Caso você possua uma loja virtual e já tenha se perguntado isso, saiba que a resposta é sim!
No Brasil, o comércio de determinados produtos só é autorizado mediante o registro ou a certificação em órgãos específicos. Essa exigência é válida para qualquer canal de venda: loja física, e-commerce próprio, marketplaces, entre outros.
Por essa razão é fundamental conhecer a legislação e cumprir todas as regras antes de iniciar a venda de determinado item. Do contrário, sua loja pode sofrer sanções (multas, por exemplo) e até mesmo a restrição para vendas.
Para que você não tropece nessas normas, reunimos algumas dicas sobre quais produtos exigem certificação, bem como qual o caminho para obtê-las.

Quando os selos e certificações são necessárias?

A exigência de selos e certificações pode valer tanto para produtos quanto para os revendedores.
Você não pode vender agulhas ou seringas, por exemplo, sem que a sua loja tenha autorização da Anvisa para realizar esse tipo de comércio.
Já para o caso de brinquedos, apenas os produtos precisam ter o selo do Inmetro. Sua loja não precisa cumprir nenhum pré-requisito específico.
Essa exigência tem o objetivo de fornecer maior transparência aos consumidores. E isso tem amparo legal, conforme o artigo 31 do Código de Defesa do Consumidor:
“A oferta e apresentação de produtos ou serviços devem assegurar informações corretas, claras, precisas, ostensivas e em língua portuguesa sobre suas características, qualidades, quantidade, composição, preço, garantia, prazos de validade e origem, entre outros dados, bem como sobre os riscos que apresentam à saúde e segurança dos consumidores.”
Explicaremos a seguir como funcionam os mecanismos de controle e cada entidade.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) existe desde 1999 e está vinculada ao Ministério da Saúde. A entidade exerce controle sanitário sobre produtos como medicamentos, alimentos, cosméticos, sanantes, derivados do tabaco, produtos médicos, e hemoderivados.
Esse controle vale tanto para a produção quanto para o comércio deste tipo de item. Deste modo, só é possível vender online itens que estejam registrados na Anvisa. O ideal é sempre verificar se o número de registro ou processo de homologação está presente na embalagem. Essa informação pode ser compartilhada na descrição do anúncio.
Em determinadas categorias a loja também precisa estar autorizada a fazer a venda.
Listamos a seguir alguns dos itens com comércio controlado pela Anvisa, sobretudo via marketplaces:

  • Medicamentos de qualquer natureza, independentemente da necessidade ou não de prescrição médica;
  • Produtos para saúde e/ou estética;
  • Produtos relacionados à saúde que não possuam a homologação do órgão oficial mas tenham obrigação legal para tanto;
  • Medicamentos, produtos ou serviços que estejam relacionados com a realização de abortos;
  • Suplementos dietéticos ou complexos vitamínicos que não possuem o devido registro ou que não possuem a notificação perante a autoridade competente;
  • Substâncias que contenham anabolizantes ou esteroides;
  • Produtos que contenham substâncias botulínicas;
  • Produtos para alisar cabelos que contenham formol acima do limite estabelecido pela Anvisa para conservar o produto;
  • Cremes com efeitos terapêuticos sem o devido registro ou notificação perante a autoridade competente;
  • Creme “Piel de seda Viansilk”;
  • Ecógrafos;
  • Desfibriladores;
  • Oxímetros;
  • Tubos de oxigênio;
  • Elementos cirúrgicos e seus acessórios, como bisturis e cabo para bisturi;
  • Seringas e agulhas;
  • Próteses e implantes;
  • Equipamentos para autodiagnostico e acessórios; como: medidor de glicose, tiras reativas, lancetador e lancetas para lancetador;
  • Aparelhos auditivos;
  • Entre outros.

Para verificar se um produto está registrado ou não, basta acessar o site oficial da Anvisa.

Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) 

O Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) foi criado em 1973 e está integrado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).
A entidade define, certifica, fiscaliza os padrões de conformidade para mais de 300 categorias distintas de itens. O objetivo é garantir segurança ao consumidor e segurança para a indústria nacional.
Para o comerciante, a única exigência da entidade é a venda de produtos com o selo do Inmetro. A loja propriamente dita não necessita de qualquer autorização especial.
Listamos abaixo alguns exemplos de produtos com certificação obrigatória:

  • Mangueira para GLP;
  • Regulador de pressão de GLP;
  • Fusível (rolha e cartucho);
  • Preservativo masculino;
  • Capacete;
  • Brinquedos;
  • Fios e Cabos Elétricos até 750V.

A lista completa está disponível no site do Inmetro.

Outras entidades 

Há outras entidades que regulamentam o comércio de determinadas categorias de itens. Listamos as principais autarquias na lista abaixo, com exemplos de produtos controlados: 
Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis – ANP: regulamenta o mercado de itens como óleos e lubrificantes, entre outros itens.
Comando do Exército – COMEX : regulamenta o comércio de determinadas armas de Airsoft, fogos de artificio, entre outros itens.
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA: controla a produção e fiscaliza a venda de itens como vinhos e cervejas, entre outros.   

Conclusão 

A venda de produtos pela internet está sujeita as mesmas regras aplicadas para qualquer comércio tradicional. Por essa razão, é fundamental conhecer a legislação e cumprir todas as exigências antes de iniciar as vendas.
Se você tem dúvidas sobre a autorização ou não para o comércio de determinado item, é interessante realizar uma consulta aos órgãos citados neste post ou mesmo interagir com outros comerciantes para entender como funciona a legislação. Assim você garante segurança para o seu negócio e para o consumidor final.
Texto publicado anteriormente no Blog da Olist.

Você também vai gostar

Os problemas de ter conteúdo duplicado no e-commerce e como reso... Eu acho bem legal a forma que o mundo acompanha as mudanças de algoritmo na engine de busca do Google. Me lembra a final do Super Bowl ou da novela da...
Um monstro chamado Chargeback Existe um monstro que aterroriza todo e qualquer empreendedor com uma loja virtual. Ele tem um nome feio, é impiedoso, e quem ainda não sofreu com ele...
Vende-se Netshoes Após o boato que a Netshoes, empresa de e-commerce de artigos esportivos, abriria o capital na bolsa em um futuro próximo, foi publicada mais uma not...
Usando estratégias de inbound marketing para vender mais Dentre as diversas formas de marketing digital, estratégias de inbound marketing têm se destacado ultimamente por sua efetividade e custo mais acessív...

SEGREDOS DO E-COMMERCE

Receba as novidades toda semana

2 comentários sobre “Como funcionam as normas da Anvisa e Inmetro nas vendas online?”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar essas tags HTML e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>