Este mês mais uma vez os dados do último relatório Webshoppers da E-bit foram destaque no eMarketer. O site americano que publica diariamente dados de Marketing e E-commerce de todo o mundo destacou o trecho do relatório que mostra a atividade dos consumidores nos smartphones enquanto estão dentro das lojas físicas.
De acordo com os dados apresentados, normalmente os consumidores utilizam o celular para tornar a compra mais consciente. Veja o infográfico:

Ilustração retirada do último relatório E-bit Webshoppers.
Ilustração retirada do último relatório E-bit Webshoppers.

Segundo a pesquisa, 40% dos consumidores dentro das lojas estão utilizando smartphones para tirar fotos dos produtos, 38% para comparar os preços, 34% para buscar informações sobre os produtos e 24% para comparar produtos. Porém, apenas 9% compram produtos no interior da loja. Falando de uma maneira geral, 73% dos entrevistados realizam pelo menos uma das atividades com smartphones dentro da loja física.
Esta atividade intensa com os smartphones em partes, significa que o consumidor brasileiro está utilizando lojas físicas como showrooming (vai à loja apenas para experimentar o produto)? Pode ser. Mas não necessariamente.
Entendo que boa parte destes consumidores está diretamente ligada à nossa atual situação econômica, onde o consumidor está muito mais consciente e preocupado em não gastar nem um centavo a mais do que o necessário. Compras por impulso (falando de uma maneira geral) serão cada vez menos comuns. Com a facilidade de acesso à informação, o consumidor só paga mais caro se quiser.
consumidores-digitaisNo caso deste comportamento ser realmente uma reação às dificuldades da Economia, acabará se tornando hábito de consumo geral mesmo quando houver melhorias.
A eMarketer estima que para este ano, 37,3 milhões de brasileiros/40,3% dos usuários de internet no Brasil/ou 23,3% do total da população fará pelo menos uma compra através de meios digitais. O crescimento da população de consumidores digitais está desacelerando, o que é bem natural, porém deve permanecer acima dos dois dígitos até 2016.
No gráfico acima, a comparação entre os clientes online, consumidores que utilizam os meios digitais para realizar uma compra, seja com pesquisa, visualizações ou comparações, mas não necessariamente compram online, com os e-consumidores, pessoas que fizeram pelo menos uma compra através de canais digitais.
E você, sabe como seu público-alvo se comporta quando busca pelo produto que você vende? Seu e-commerce está preparado para quando ele busca por mais informações ou compara características? Você tem blog, por exemplo? Estes indicativos dizem muita coisa.

Renann Mendes
Author

Branding, Content Marketing e Comunicação. Sou Sócio-fundador do Profissional de E-commerce. Desde mar/2019 tenho atuado como consultor, liderando projetos de Branding, Comunicação e Marketing (Nox Bitcoin e Nielsen). De jan/2018 a jan/2019, liderei os times de Branding (Content Marketing, PR, Social Media e Branding), Product Marketing, área de cursos da Foxbit, fintech de criptomoedas e o projeto e primeiro ano de atuação do Cointimes. Entre ago/2016 e set/2017 atuei como head da área de Marketing da Ebit, empresa Buscapé Company, hoje Nielsen, referência em informações, certificação de lojas e inteligência de e-commerce. Entre 2012 e 2016, participei ativamente da estruturação da startup Universidade Buscapé Company, entrei na coordenação de treinamentos de E-commerce e Marketing Digital. Lá assumi também a coordenação de Marketing Digital e Conteúdo da Uni Buscapé e do Profissional de E-commerce. Desde 2013, ministro aulas de Marketing de Conteúdo para E-commerce na Faculdade Impacta e em algumas empresas de internet no formato workshop. Você pode encontrar mais informações em meu perfil do LinkedIn ou marcando um café! ;)

Write A Comment