• Avatar
  • por Marilei Pessatti
  • Jornalista graduada em Comunicação Social pela Faculdade de Artes e Comunicação da Universidade de Passo Fundo, FAC/UPF, e pós-graduada em Gestão da Comunicação Pública e Empresarial pela Unidavi, atua nas diferentes áreas do Jornalismo e da Assessoria de Comunicação e Imprensa através das mais diversas plataformas de suporte. Possui interesses nos âmbitos da Cibercultura, do Jornalismo Online, das Mídias e Redes Sociais, da Literatura, do Cinema e da Fotografia, acompanhando o surgimento e o desenvolvimento das Tecnologias de Informação e Comunicação, atentando para o modo como a utilização e a difusão destas inovações influencia e converge o processo de transmissão das informações e pauta a produção dos conteúdos e dos discursos.

Na contramão da economia, empresas de e-commerce continuam crescendo e contratando

30 de junho de 2015
Share Button

Os números de abril do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) registram o fechamento de 97.828 postos de trabalho no Brasil.
Especialistas apontam o resultado como reflexo da crise econômica no país e alertam que a retração do emprego não só vai continuar, como deve ficar ainda pior, visto que não há indícios de que a economia vá melhorar nos próximos meses. O ministro Manuel Dias, apesar de não confirmar números, afirma estar ciente de que haverão ainda mais reduções no Caged (O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) de maio.
Na contramão dessa queda na economia parece estar o e-commerce, que apesar de ter desacelerado consideravelmente seu crescimento, no mínimo tem se mantido, como afirma o diretor de Comunicação e Marketing da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.Net), Gerson Rolim.
Ele complementa as projeções de faturamento para 2015 são positivas. Pudera, dos 204 milhões de brasileiros, 51,5 milhões fizeram no mínimo 1 compra online no ano passado. Isso representa cerca ¼ da nação que necessita de atendimento comercial, profissionais de TI, pós-vendas, financeiro, gestão, comunicação e inúmeros outros setores envolvidos.
Pegamos como exemplo a holding Magamobi, especialista na venda de celulares e smartphones. Além do crescimento, os catarinenses ainda se destacam por sua atuação no mercado de trabalho. Frente aos dados de queda, a empresa continua a abrir novas vagas, contratando para ampliar tanto setores quanto horários e atuando com gestão de pessoas e com a capacitação e a formação de colaboradores.
Para o CEO Jaison Goedert uma boa equipe é fundamental: “Focamos em manter um bom time e enriquecê-lo de novos talentos para impulsionar e acompanhar o nosso crescimento. Neste ano teremos investimentos que contemplam infraestrutura, novas tecnologias e equipamentos, mas também voltados à atrair e capacitar colaboradores.”

Porque é necessário capacitar?

Não é de hoje que o mercado e-commerce tem dificuldades na contratação de mão de obra. Currículos de colaboradores especialistas tanto em varejo quanto em tecnologia não são nada comuns e, com o crescimento das lojas virtuais, a deficiência se amplia para as demais áreas gerenciais e operacionais.
O que acontece então, é que apesar da lacuna em uma das áreas de competência, é feita a contratação seguida de uma capacitação dentro do próprio comércio eletrônico, como a forma mais comum de profissionalização.
Segundo a Pesquisa Profissional de E-commerce 2014, parceria entre E-bit e Universidade Buscapé Company, 61% dos profissionais aprendeu a trabalhar com comércio eletrônico assim, na própria empresa. Mas por que isso acontece?
As vagas no comércio eletrônico pertencem a segmentos relativamente jovens e que a intervalos muito curtos inserem e resultam ainda em novas demandas e competências. O mercado profissionalizante não consegue se adequar tão rapidamente para preparar e capacitar esses colaboradores. Assim o déficit que já existe para a mão de obra do e-commerce, não apenas se mantêm, mas aumenta e com o crescimento do setor, se amplia.
Para 2015, a Pesquisa Profissional de E-commerce trará informações muito relevantes sobre como o mercado está lidando com a forte crise econômica no Brasil. Em quais áreas o gestor de e-commerce está investindo e se o perfil do Profissional de E-commerce brasileiro está mudando. Fique ligado!

Você também vai gostar

Lojas virtuais devem se preparar para aumento de tráfego com iní... Com projeções cada vez mais otimistas, o varejo digital se consolida como uma das melhores áreas para se investir. Segundo a Associação Brasileira de ...
O desafio das integrações entre sistemas no comércio eletrônico... O lojista virtual atualmente, quando começa a crescer, se vê numa encruzilhada: tem a necessidade de escalar o negócio, atender melhor o cliente, vend...
Os dilemas do Direito do Arrependimento na Economia Digital Como fica o Direito de Arrependimento na Economia Digital? Uma das questões mais complexas para o legislador é acompanhar a evolução da sociedade,  r...
Mobile: Presente e Futuro do E-commerce Podemos falar que mobile é apenas o futuro do E-commerce? Sim e não. O mobile commerce já é uma realidade no Brasil, porém outras novidades continuarã...
Navegg E-commerce chega para aumentar os resultados das lojas on... Web Analytics. Quem trabalha com e-commerce sabe: ferramentas de analytics no mercado não faltam. Hoje é muito fácil medir quantas pessoas visitam uma...
O que há de errado com as descrições de vagas para E-commerce?... Recentemente uma série de estudos e entrevistas feitas com gestores de operações em e-commerce de todos os portes vêm revelando que falta profissionai...
Um estúdio portátil para acabar com as fotos ruins dos pequenos ... Hoje em dia, praticamente qualquer usuário médio de computador pode publicar decentemente um produto no Mercado Livre ou na Etsy. A verdadeira questão...
Gateway x Intermediador de Pagamento: como escolher a melhor opç... Hoje, muitos empreendedores que querem montar um e-commerce têm poucos conhecimentos sobre os meios de pagamento online. Muitos desconhecem como esses...
Retargeting: três dicas para otimizar campanhas online no setor ... À medida que os consumidores ficam mais confortáveis com e-commerce, sua jornada digital também fica mais complexa. Isso porque hoje os viajantes já u...
Como escolher bons fornecedores para a sua empresa Após definir a forma jurídica da sua empresa e preparar o seu planejamento financeiro, o próximo passo é selecionar seus fornecedores. É preciso consi...

SEGREDOS DO E-COMMERCE

Receba as novidades toda semana

9 comentários sobre “Na contramão da economia, empresas de e-commerce continuam crescendo e contratando”

  • Avatar
    Rafaela Zacarias says:

    Concordo que é necessário trilhar caminhos afim de buscar o encontro entre sucesso e realização. O comércio eletrônico tem grande probabilidade de crescimento, basta investir e capacitar os envolvidos.

  • Avatar

    Mesmo Santa Catarina, berço de um povo tão trabalhador, vem sofrendo com o quadro econômico… Muito triste! Basta torcer que o desenvolviemento do e-commerce e as medidas dos governos sejam suficientes para o pais dar a volta por cima da crise.

  • Avatar

    Parabéns a Magamobi e aos outros E-Commerces que seguem na contramão não só da economia, mas também de grandes E-Commerces como Casas Bahia e Ponto Frio, que demitiram 3 mil funcionários com a justificativa de que foi necessário se ajustar à atual situação do cenário (que passa por um momento de retração)…

  • Avatar
    Suéli Cristina da Rosa says:

    As pessoas, devido a constante falta de tempo, buscam praticidade na hora de realizar suas compras, nesse quesito o e-commerce desbanca qualquer loja física. O consumidor quer a possibilidade de realizar suas compras e tirar suas dúvidas na hora em que ele precisar, parabéns a Magamobi por entender essa necessidade dos seus clientes e por mostrar que o e-commerce esta na contra mão dessa crise que assola nosso país.

  • Avatar
    Ana Paulina Gusatti says:

    Excelente material, alerta para necessidade de capacitação profissional sem esquecer que não há muitas opções para isso o mercado.
    Se sobram vagas, faltam cursos e iniciativas de profissionalização. A Magamobi achou um solução, mas acredito que há aí um bom campo para as universidades explorarem.

  • Avatar
    Patricia França Giacomel says:

    Com tantas demissões em massa é bom saber que ainda há empresas crescendo e contratando! Parabéns ao blog por demostrar também a importância da capacitação e-commerce!

  • Avatar

    Li o artigo por indicação de minha filha Paula, estamos pensando em expandir os negócios para o comércio eletrônico e é bom saber que o setor está crescendo. Vamos continuar buscando informações no site. Obrigada!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar essas tags HTML e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>