• Francesco Weiss
  • por Francesco Weiss
  • Francesco Weiss é sócio-fundador e CCO da Intellibrand, hub global de colaboração entre indústrias, marcas e varejistas na convergência de processos de trade marketing físico para digital.

Ruptura no catálogo de produtos no e-commerce ainda é o principal inimigo das marcas e varejistas

3 de novembro de 2017
Share Button

A análise constante da ruptura do catálogo de produtos é uma demanda primordial para a definição de estratégias, tanto na indústria quanto no comércio eletrônico. É por meio deles que os setores passam a ter atenção redobrada, de olho nas boas oportunidades comerciais, o que proporciona melhor experiência ao cliente e evita a perda de venda devido à indisponibilidade de itens.
Conforme pesquisa “Estratégias para o Varejo Brasileiro – reflexões sobre os anseios do consumidor”, realizada pela Deloitte, a preocupação em manter o rol de materiais sempre disponível é grande: 91% dos varejistas brasileiros consideram a eficiência na reposição dos artigos como o fator mais importante no relacionamento com os consumidores.
Acredite. Não ter itens à disposição no portfólio é uma das piores situações para fabricantes e lojistas. Um consumidor que não encontra o que procura em determinado site, certamente buscará algo no e-commerce rival ou irá comprar de outro fornecedor. Tal cenário é bastante prejudicial para ambos por ser uma venda a menos, o que pode em larga escala comprometer a credibilidade e os resultados da empresa.
Para os fabricantes, é imprescindível atuar com plataformas que possibilitem a geração e análises de (insights ou visões) mitigando riscos de ruptura e alertando também os departamentos comercias das organizações. Ao analisar a demanda de seus produtos e dos concorrentes, prevendo a necessidade de estoque dentre outras informações, a marca é capaz de saber quando algo de seu portfólio está ou estará em falta nos distribuidores e assim se antecipar a um problema futuro.
Ao estar constantemente presente, os fabricantes passam a ser estratégicos ao e-commerce, criando um senso de colaboração, deixando a relação saudável e segura por criar um ecossistema sustentável entre as partes que buscam os mesmos objetivos.
Estes trabalhados em conjunto a outras medidas aumentam as vendas e a receita ao impactar de maneira efetiva o maior número possível de pessoas, além de evitar a frustração dos clientes devido a ruptura.
Com o poder centralizado no consumidor 3.0, que consulta diversas opções com poucos cliques, estar constantemente presente é primordial para os fabricantes. Ao aumentar a exposição orgânica as empresas têm melhores resultados em vendas e também de consumidores impactados, aumentando a fidelidade à marca.

Você também vai gostar

Case: como migrar de plataforma e crescer suas vendas rapidament... Migrar de plataforma é sempre um problema... Bom, na verdade nem sempre. ? Para provar que é possível migrar sem traumas e obter resultados rápidos e ...
Big Data e Small Data: como revolucionar a relação com o cliente... A transformação de dados em informações úteis e em resultados é uma das operações mais valiosas para o lojista moderno. O volume de informações gerado...
Como escolher o modelo de cobrança de plataformas de e-commerce Qual é a melhor forma de investimento para a minha loja virtual? Hoje, principalmente devido a grande variedade de plataformas de e-commerce disponíve...
O Instagram funciona para e-commerce? O Instagram ainda pode ser considerado um mundo misterioso para muitas lojas virtuais. Em 2015 tenho percebido um movimento bem interessante de marcas...
4 razões pelas quais sua empresa precisa de um aplicativo O crescimento no uso de smartphones nos últimos anos tornou os aplicativos uma ferramenta de marketing muito importante para empresas de todos os tama...
Guerra por tributação sobre bens digitais As normas federais e estaduais acirram cenário caótico da guerra por tributação sobre bens digitais entre Estados e Municípios. A legislação tributári...
Game of Thrones do E-commerce: A Estratégia da Amazon para domin... A Estratégia da Amazon abalou o varejo, mas o CEO Jeff Bezos – que comprou o The Washington Post  por $250 milhões de dólares – insiste que é ainda o ...
Brasil é o décimo melhor mercado de E-commerce do mundo O Brasil é o único país da América Latina que figura entre os 10 melhores mercados mundiais do E-commerce. De acordo com as últimas estimativas de ven...
4 motivos para você acompanhar de perto a gestão financeira do s... “O olho do dono é que engorda o gado”. Por mais clichê que essa expressão possa ser, carrega uma verdade imutável. A gestão do negócio é fundamental....
Fluxo de caixa: o calcanhar de Aquiles do e-commerce brasileiro De acordo com a E-bit, mais de 50 milhões de pessoas realizaram compras online no último ano, o que corresponde à metade dos internautas do país. Os n...

SEGREDOS DO E-COMMERCE

Receba as novidades toda semana

Um comentário sobre “Ruptura no catálogo de produtos no e-commerce ainda é o principal inimigo das marcas e varejistas”

  • Avatar

    Eu não sei se é uma falsa impressão minha, mas me parece que os fabricantes não acompanham de perto a evolução do comercio digital, ainda estão presos no modelo antigo de venda, sem muita preocupação em analisar a demanda do mercado por determinado produto, preços praticados e, prazos de entrega.
    Não é raro um fornecedor não ter produto exatamente em datas de pico de vendas, o que demonstra falta de planejamento e um olhar para as tendências do comércio moderno.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar essas tags HTML e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>