• Ivete Comparin
  • por Ivete Comparin
  • É formada em Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Possui especialização em Administração e Estratégia Empresarial (ULBRA) e em gestão de pequenos negócios (PPGA UFRGS). Empresária com mais de 20 anos de experiência, é consultora de intervenção. palestrante, instrutora e facilitadora de curso nas áreas liderança, empreendedorismo, planejamento estratégico, marketing, vendas e responsabilidade social empresarial, além de empresas em segmentos diversos, atua também em organizações do terceiro setor. Entre alguns de seus clientes constam: Instituto Claro, SEBRAE, SENAI, IEL, FIERGS, LA SALLE, ONG PARCEIROS VOLUNTÁRIOS, ADVB, SINDIGRAF RS, entre outros.

Marketing Digital: não dá para sobreviver só com dicas!

3 de julho de 2017
Share Button

Mais uma vez a ideia desse artigo veio em função de experiências vividas, repetidas vezes.
Recentemente um cliente comentou “…contratei um cara muito bom para trabalhar as nossas redes sociais, mas tive que demitir… ele não sabe escrever. Eu escrevo melhor que ele.”
O portal UOL Educação publicou no ano passado “No Brasil, apenas 8% têm plenas condições de compreender e se expressar…”[i], onde comenta alguns resultados sobre o aumento do analfabetismo funcional em nosso país.
Pois é, a maioria dos brasileiros, sem exagero, não tem capacidade de expressar-se. O que é ótimo para um ambiente político-social excludente e péssimo para os negócios.
O ser humano é um ser social, ou seja, ele se reconhece plenamente quando em interação com o outro. Alguns dizem que homem é um produto do meio, outros que ele é o criador do seu ambiente. Não querendo entrar nessa discussão agora, em qualquer um dos casos a comunicação tem um papel fundamental.
A internet nos possibilitou coisas inimagináveis até então, a socialização do conhecimento, em função da redução do limite imposto pelas barreiras geográficas e da conexão com os fatos em tempo real, é apenas uma dessas facilidades. E uma das consequências mais visível foi o aumento da nossa pressa, do nosso imediatismo. Isso nos levou a criar um “idioma” paralelo, repleto de figuras, expressões, analogias, reduções etc. (blz, vc, bj, abs… :-D, <3, K, J…). Para quem se comunica bem, ótimo, é mais uma ferramenta disponível. Mas para quem já não sabia o básico, resta apenas virar número de estatísticas desalentadoras.
Por vários aspectos (logística, abrangência, mensuração, custo, resultados…), hoje o Inboud Marketing tornou-se uma alternativa muito mais atrativa, face ao marketing tradicional (Outbound). Porém, ao contrário deste, sua premissa é a atração do cliente, o que implica a criação e disponibilização de conteúdo relevante para o seu público. E é aí que a coisa complica.
Tecnicamente falando, tem muita gente fantástica no domínio de ferramentas digitais e afins, mas sem a menor capacidade de produzir conteúdo. Aí, nas conversas com alguns colegas, professores de faculdade, fica fácil entender a dificuldade, ainda maior, de uma geração habituada ao Ctrl+C/Ctrl+V.
A produção de conteúdo realmente relevante pressupõe a compreensão dos fatos, da vida, do mundo… e supõe comparação, análise, crítica, posicionamento, conclusão, enfim, uma real contribuição.  
A falta de domínio da língua causa prejuízos de forma democrática, tanto ao emissor quanto ao receptor. Certa vez, participava de uma banca responsável por fazer a avaliação dos “cases” empresariais concorrentes a um prêmio de gestão bastante conhecido. Um dos finalistas quase foi desclassificado por ter usado em seu relato um termo de forma equivocada e que mudava todo o sentido da mensagem.
Deslizes gramaticais no dia a dia, licença poética, informalidade com quem se conhece ou na língua falada, tudo bem, é perfeitamente aceitável. Guardadas as devidas proporções, de uma fala adequada a cada público-alvo, e apesar de saber-se que a língua é algo vivo e, por isso, evolui, o idioma deve ser conhecido e preservado.  
Por exemplo, temos algumas ocorrências tão corriqueiras que acabaram quase se institucionalizando. É bastante comum vermos anúncios de grandes empresas, fala de profissionais conhecidos e até em mídias de massa, coisas como “maiores informações”, “a nível de”, “assertivo” usado como sinônimo de acertado, baixa estima, quando quer se referir à “baixa autoestima”, e por aí vai.
A solução?
Não tem saída, é estudar e exercitar!
Como?
Uma das melhores formas que conheço é a leitura. E se for uma leitura crítica, melhor ainda. Pois, podemos usar a tecnologia a nosso favor, usar o corretor, elaborar processos ou criar novos aplicativos, para quase tudo, mas automatizar a nossa expressão é algo que ainda não foi inventado.
Então mãos à obra.
Boa leitura!


[i] Referência: UOL Educação
Link para a publicação original no LinkedIn.

Você também vai gostar

Copywriting: 6 técnicas essenciais para aplicar na sua escrita Copywriting é o método que consiste em produzir conteúdos para promover e/ou vender ideias, produtos e serviços. São técnicas aplicáveis em qualquer t...
Blog e e-commerce: uma relação mais do que necessária Blog e e-commerce: Blogs têm ocupado cada vez mais espaço para trazer a relevância ao invés da propaganda, tornando-se uma sutil e eficiente ferrament...

SEGREDOS DO E-COMMERCE

Receba as novidades toda semana

11 comentários sobre “Marketing Digital: não dá para sobreviver só com dicas!”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar essas tags HTML e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>