Tags Posts tagged with "entrega de produtos"

entrega de produtos

Os Correios informaram no início desta semana que vão descontinuar o e-Sedex. A mudança impacta diretamente pequenos e médios e-commerces de todo país, que não poderão mais contar com esse serviço para a entrega dos produtos da sua loja a partir de 1º de janeiro de 2017.

A estatal informou que não haverá renegociação ou formalização de contratos com o serviço e-Sedex, independentemente do estágio de negociação, e todos os processos que atualmente estão em análise serão devolvidos. Os contratos comerciais que contêm e-Sedex devem ser ajustados com a exclusão do serviço até o dia 31 de dezembro de 2016.

Além disso, a partir de 1º de janeiro de 2017 não serão mais aceitas postagens de encomendas por meio desse serviço, mesmo as que tiverem incluídas anteriormente em Pré-Lista de Postagem (PLP). Segundo os Correios, todos os clientes que tenham no contrato o serviço e-Sedex serão comunicados via carta até 30 de novembro.

Confira abaixo o comunicado na íntegra:

Correios_fim_esedex_mandae-1

O que é e-Sedex

E-Sedex é o serviço de encomenda expressa dos Correios para produtos adquiridos por meio do comércio eletrônico, ou seja, somente e-commerces que têm contrato com a estatal podem utilizá-lo.

Com o fim desse serviço, o pequeno e médio empreendedor deixa de contar com essa modalidade de envio, mas, ainda assim, encontra alternativas no mercado que oferecem uma gama de opções de frete de acordo com o que o deseja priorizar: melhor preço ou entrega rápida.

Texto publicado anteriormente no Blog da Mandaê.

Setor que segue em crescimento no Brasil mesmo com a crise econômica, o e-commerce também possui um ponto fraco: o frete dos produtos. O serviço é fonte de constantes reclamações dos usuários e representa um custo excessivo ao lojista.

O frete corresponde à grande parte dos custos lojísticos do e-commerce. Contudo, o empresário pode adotar uma série de medidas para conseguir entregar os pedidos no prazo e condições adequados. Confira cinco dicas:

Ofereça métodos alternativos de entrega

Os Correios são responsáveis por mais de dois terços das entregas realizadas pelas lojas virtuais brasileiras, o que faz a remessa ficar sujeita às condições impostas pela estatal.

É bom ter opções e oferecer diferentes formas de entrega, como transportadoras privadas e o conceito de social delivery, que conecta pessoas a entregadores independentes, mediante aplicativo para smartphone.

Crie estratégias para o frete

No intuito de trazer mais consumidores, a grande maioria dos e-commerces aposta na distribuição de frete grátis. A tática funciona no início, mas depois pode comprometer a rentabilidade do negócio.

O ideal é criar uma estratégia que leve em conta todos os fatores envolvidos na entrega de um produto e defina a melhor política para cada player.

Como é feito o cálculo de frete e quais as limitações dos Correios

Descubra regiões campeãs de vendas

Uma ótima alternativa para otimizar o frete do comércio eletrônico é identificar as principais cidades que realizam pedidos dentro da página.

Assim, é possível não só criar campanhas de marketing voltadas a esse público, como também ajuda a escolher locais de armazenamento mais próximos dos consumidores – diminuindo o tempo de espera pela entrega.

Utilize um sistema de gestão integrado

Com esta solução, o empreendedor consegue acompanhar todos os processos que envolvem a área de logística do e-commerce, a fim de monitorar o trajeto do produto após a confirmação do pedido.

O objetivo é reduzir os erros, pois uma simples falha vira uma bola de neve e pode culminar no atraso da entrega.

Antecipe-se à demanda

Pode parecer difícil, mas hoje a loja virtual consegue prever a quantidade de pedidos que vai receber nos próximos meses. Dessa forma, é possível se programar para organizar o estoque de forma adequada, garantindo que os produtos com maior saída possam ser despachados rapidamente.

Prepare-se, a partir de setembro os Correios farão mudanças no envio do PAC. Se você conta com a estatal para a entrega das mercadorias vendidas na sua loja, veja quais são as alterações abaixo:

O que muda com as alterações no envio do PAC

Para os lojistas virtuais a principal mudança é o fato de que as encomendas não terão mais prazo de entrega garantido. Isso significa que o prazo de entrega informado pelos Correios no momento da compra será apenas estimado, ou seja, os pedidos poderão ser entregues antes ou mesmo depois desse período.

No que tange ao ressarcimento pelo atraso das entregas nessa modalidade, o pagador do frete poderá solicitar a indenização de acordo com os dias de atraso:

  • 1 dia de atraso: 10% de ressarcimento sobre o valor da postagem;
  • 2 dias de atraso: 20% de ressarcimento sobre o valor da postagem;
  • 3 dias ou mais de atraso: 30% de ressarcimento sobre o valor da postagem.

Além da mudança na garantia dos prazos de envio, a partir de setembro serão feitas também apenas duas tentativas de entrega, ao invés de três, como era o padrão anteriormente. Os Correios alegam que essa mudança ocorrerá porque a terceira tentativa de entrega raramente era exitosa. Com isso, após duas tentativas de entrega sem sucesso o destinatário poderá ainda retirar a mercadoria na agência mais próxima dentro de sete dias.

Se você costuma enviar produtos de alto valor agregado e contrata o seguro dos Correios, também vale ficar ligado. O valor segurado, que antes poderia ser de até dez mil reais para furtos, roubos ou extravios, passará a ser de somente de até três mil reais.

Tenho e-commerce e utilizo os Correios, e agora?

Sem dúvidas essa não é a melhor das notícias para quem tem uma loja virtual. Porém, é essencial informar seus clientes sobre essa alteração. Por exemplo: se você tem uma página com os detalhes sobre prazos de entrega e frete na sua loja online, deixe essa informação clara para os compradores para evitar dores de cabeça com reclamações.

A expectativa é que o prazo de entrega não leve mais tempo que o previsto, mas caso seu cliente precise de garantia no tempo de envio, indique o serviço SEDEX para que ele receba o produto dentro do prazo. E por falar em SEDEX, a modalidade passará a fazer parte das entregas premium, que contará com 100% de indenização aos recebedores em caso de atrasos.

Se você utiliza a Nuvem Shop, a alteração no cálculo de frete será feita de forma automática, então não precisa se preocupar com alterações técnicas, se você utiliza o aplicativo Webservice dos Correios (também conhecido como calculador de frete), eles mesmos se encarregarão de atualizar as informações. Se quiser, pode aproveitar para dar uma olhada no nosso curso gratuito da Universidade do E-commerce sobre como trabalhar com os Correios com mais eficiência.

Você sabia que pelo menos 30% de todos os produtos comprados online são devolvidos? 92% dos consumidores entrevistados pela Invesp disseram que não vão desistir de comprar da loja responsável se o processo de devolução do produto for simples e 79% quer que esse processo não custe nada.

Confira o infográfico das estatísticas de taxas de devolução e conheça os principais pontos de análise na hora de estruturar a logística reversa no e-commerce.

logistica-reversa-devolucao-de-produtosFonte: Invesp

Principais razões para o arrependimento de compra

porcentagem

Cerca de 49% dos varejistas oferecem logística reversa atualmente, ao mesmo tempo que 67% dos compradores pesquisam sobre o processo de devolução antes de fazer uma compra. 62% dos compradores são mais propensos a fazer compras online se eles puderem devolver um item para a loja.

Considerando que 58% querem uma política de troca livre de complicações, 47% querem uma etiqueta para devolução. Além disso, 27% dos consumidores gastariam mais em produtos se for oferecido o transporte de logística reversa, em comparação com 10% que vai efetuar a compra independente disso.

Logística reversa no e-commerce

A logística reversa é um procedimento para facilitar a devolução de produtos do e-commerce. É uma medida que a empresa deve tomar para que o cliente não fique insatisfeito, mesmo diante de algum problema apresentado no recebimento.

O consumidor possui seus direitos quando efetua uma compra pela internet, por isso, no comércio varejista a imagem da empresa pode ser afetada caso esses direitos não sejam respeitados. Até mesmo a forma como a marca lida com as reclamações dos clientes dita o tom da satisfação com o serviço prestado. É nesse momento que a logística reversa será imprescindível.

O Código de Defesa do Consumidor diz que o cliente pode se arrepender da compra e solicitar a devolução da mercadoria dentro de um prazo de 7 dias que começa a ser contado a partir do recebimento do produto (incluindo fins de semana e feriados). Em caso de devolução sem haver a troca do produto, a devolução do dinheiro deve ser feita de forma imediata.

Código-de-Defesa-do-Consumidor-1

O ideal é que a devolução não seja necessária e que a compra seja satisfatória, mas, quando imprevistos acontecerem, a logística reversa de troca ou devolução precisa ser bem definida.

Para evitar a necessidade de devoluções, listamos alguns tópicos a serem levados em conta:

Apresente as características do produto

Para que não haja “surpresas” na hora que o cliente receber o produto, o ideal é apresentar no site o máximo de detalhes possíveis sobre cada item, como cor, tamanho, funcionalidade, entre outras especificidades que sejam importantes para o conhecimento do consumidor. Sem se esquecer, claro, de criar um ótimo portal de dúvidas e um excelente atendimento ao cliente.

As fotos divulgadas em sua loja virtual devem mostrar os produtos de diversos ângulos. Essa prática pode diminuir a taxa de compradores descontentes, gerando menos devoluções e publicidade negativa sobre a sua marca.

Tenha uma política de troca descomplicada

A empresa deve deixar claro para os clientes quais são os procedimentos para troca e devolução. Isso faz com que o consumidor não seja pego de surpresa, caso precise desses serviços.

A loja virtual deve apresentar uma seção específica para informações sobre o processo de troca, deixando claro quais são os prazos e as condições para a devolução. Cumprir as regras estabelecidas é fundamental para que o negócio mantenha a credibilidade.

É importante a simplificação do procedimento para não frustrar seu cliente. Então, procure facilitar.

Efetue um planejamento eficaz

Trocas e devoluções costumam ser os principais motivos de reclamação. Por isso, investir na logística reversa torna-se um diferencial competitivo para a empresa.

Além disso, os custos com esse tipo de serviço devem ser levados em consideração na hora de fazer o planejamento financeiro, uma vez que a empresa é responsável por pagar o valor do frete de volta.

Existem várias estratégias para diminuir o custo e trabalho dessa operação de devolução, como decidir a forma de coleta do produto.

Tipos de coleta para logística reversa no e-commerce

Coleta no local

É o tipo de coleta mais comum, mas pode gerar mais custos. Consiste em gerar uma ordem de coleta no sistema (para isso, você deve ter acesso a algum sistema) e o agente coletor vai ao endereço do cliente até encontrá-lo para coletar o produto.

Coleta no local com hora marcada

A diferença desse para o anterior é que aqui o cliente pode marcar um horário para atender o agente coletor.

Pontos de entrega

Esse tipo de coleta é muito interessante para a empresa, mas nem tanto para o cliente que, se quiser fazer devolução, deve levar o produto comprado até um posto onde será atendido e o processo será feito. Para facilitar o processo ao cliente, seria preciso existir vários postos de atendimento, isso vai depender da transportadora que você designar para a logística reversa.

Logística reversa simultânea

No caso de uma devolução para troca de produtos, você pode aplicar essa modalidade. Assim, a retirada do produto indesejado (com defeito ou com problema de cor, por exemplo) é feita no ato da entrega do novo.

Texto publicado anteriormente no Blog do Mandaê.

Atender um cliente em um ambiente físico já é um grande desafio, no atendimento online, mais especificamente no e-commerce, essa tarefa torna-se ainda mais complicada.

Gostaria de oferecer um atendimento online eficiente e surpreender seus clientes? Então seu e-commerce deve se preocupar com o processo de compra desde o momento em que o cliente se interessa pelo produto, entra em contato com a plataforma até a fase do pós-venda.

O que é a jornada de compra e qual é a sua importância

Neste post vamos indicar cinco ideias para que seu atendimento surpreenda os clientes do seu e-commerce, trazendo maior satisfação para durante a jornada de compra e potencializando as chances de conquistar clientes fiéis que recomendam seus serviços/produtos. Confira:

1- Invista no atendimento OmniChannel para agilizar o processo de compra

Vivemos em uma época em que o consumidor busca por experiências de compra cada vez mais rápidas e práticas. De acordo com pesquisas da Zendesk, 64% dos consumidores esperam um atendimento em tempo real independentemente do canal e nenhum deles quer repetir suas dúvidas ou problemas a cada vez que entrar em contato com uma loja online.

O serviço OmniChannel possibilita que o atendimento seja continuado em qualquer canal, ou seja, o atendimento pode começar em um chat online, mas se o cliente precisar sair, esse atendimento pode continuar via telefone, onde parou e, de preferência, com a mesma pessoa que o atendeu online.

Essa estratégia vai demandar mão de obra qualificada em atendimento e da integração de canais em tempo real. Entenda se seu negócio já está preparado para o omnichannel:

Seu negócio está preparado para o Omnichannel?

2- Tenha uma plataforma bem otimizada para mobile e surpreenda com um atendimento personalizado

Uma pesquisa feita pela Criteo, empresa de tecnologia em marketing digital, viu o comportamento de 920 milhões de usuários na internet e constatou que 66% das compras realizadas foram feitas por meio de tablets ou smartphones.

Assim, procure fornecer sempre uma plataforma bem otimizada para facilitar a usabilidade do cliente e procure investir em atendimento personalizado, como chat, app da empresa, e-mail, WhatsApp ou Facebook Messenger, por exemplo.

Qual a melhor plataforma de e-commerce?

3- Envie um presente surpresa junto com a encomenda do cliente no pós-venda

Muitos consumidores querem resolver seus problemas pela internet e receber seus produtos com qualidade e rapidez. Mas imagine: além de receber o produto dentro do prazo e em perfeito estado, junto está um presente surpresa!

Como por exemplo, um código promocional de desconto para a próxima compra ou os brindes para clientes que sempre realizam compras em sua loja? Ou amostras grátis de um novo produto, ou um produto com tíquete-médio baixo que está encalhado no estoque? Entenda este conceito, é chamado de Overdelivering:

Descubra o que é overdelivering e como aplicar agora em suas vendas

4- Mantenha o cliente informado em todo o processo de entrega

A preocupação com o frete e o tempo de entrega de um produto está entre as maiores preocupações de quem compra em lojas virtuais. As pessoas querem saber quando o produto chegará, como chegará, como está o processo de entrega.

Uma boa maneira de surpreender no atendimento é informar ao cliente sobre todos os estágios da compra — automatize um envio de e-mail sempre que o estado da encomenda do cliente for alterado. Produto separado para envio? Mande uma mensagem. Produto nos Correios ou na transportadora? Outra mensagem.

E não precisa ser exclusivamente por e-mail, pode ser por WhatsApp, Facebook ou outro meio de contato. Deixe seu cliente escolher a melhor maneira e até mesmo optar por não receber. Neste caso, centralize essas informações no acesso pelo número do pedido, em um local fácil de ser encontrado em seu site.

O rastreamento é fundamental para otimizar a operação logística do e-commerce e fidelizar clientes

5- Sugira produtos para resolver o problema do cliente

Você já reparou que em supermercados o café normalmente está perto da sessão de padaria? E que o molho de tomate fica próximo do macarrão, assim como o feijão e o arroz? Isso acontece propositadamente, como se o mercado perguntasse: “Já que você vai levar um pãozinho, por que não leva esse café também?”.

Certos produtos se complementam e sugeri-los enquanto seu cliente compra pelo seu site é uma ótima maneira de resolver as necessidades dele de maneira rápida. Imagine que você possui um e-commerce de roupas e o cliente selecionou uma camisa social branca – por que não exibir para ele sugestões de outras roupas formais para diferentes ocasiões, como casamentos ou reuniões corporativas?

5 estratégias para melhorar o cross selling e upsell do seu e-commerce

Quando o atendimento online surpreende, seus clientes fazem questão de dizer como se sentem, assim você deve monitorar todas as interações que eles fazem. As informações recolhidas servirão como base de dados para proporcionar experiências ainda mais surpreendentes para seus consumidores no futuro.

Sobrou alguma dúvida? Tem alguma sugestão? Conte seu caso nos comentário! 🙂

Se você possui uma loja virtual, então já sabe que um processo logístico bem organizado é indispensável para o crescimento sólido do seu empreendimento. No e-commerce, especificamente, um controle de estoque eficaz está diretamente ligado à satisfação dos clientes que recebem seus produtos dentro da expectativa gerada durante o processo compra.

Algumas estratégias podem te ajudar a garantir uma gestão de estoque eficiente em diferentes modelos de atuação.

Estoque tradicional

O estoque tradicional geralmente é mais indicado quando se tem uma demanda recorrente de pedidos que exige um acompanhamento mais próximo.

Nesse modelo de gestão, ter um espaço físico para armazenamento dos produtos é imprescindível. Ele pode pode ser incorporado nos seguintes formatos:

1. Estoque físico

Um local específico para estocar, conforme demanda, os produtos que você comercializa.

Vantagens: lojas que possuem um grande número de pedidos podem aderir a essa estratégia para controlar toda a operação e garantir a entrega mais depressa.

Desvantagens: alta aquisição e pouca saída devido a algum imprevisto pode gerar uma sobra de estoque e, consequentemente, perdas financeiras. Esse problema pode ser resolvido com algumas ações de emergência para comercializar produtos parados em estoque.

Estratégia: para garantir o controle do processo nesse formato, acompanhe de perto as tendências de consumo dos clientes para evitar a compra de produtos que, eventualmente, poderão ter uma baixa procura.

Como montar um projeto de centro de distribuição de e-commerce

2. Estoque compartilhado

Esse formato consiste em dividir o estoque utilizado na loja física com a loja virtual. O armazenamento dos produtos funciona da mesma forma do estoque físico.

Vantagens: investir somente em um espaço para armazenar e gerir o estoque de duas operações diferentes.

Desvantagens: é preciso ter atenção redobrada para não misturar a gestão do estoque de ambas operações.

Estratégia: para gerir um estoque compartilhado eficaz, utilize uma ferramenta que atualize os pedidos em tempo real e, assim, diminua as chances de erros no controle.

Quando comprar na loja ou no site

Estoque consignado

Esse é um formato bastante utilizado por empreendedores por facilitar o processo de armazenamento dos produtos. Dentro dessa modalidade existe um acordo entre lojista e fornecedor que possibilita, dentre outros benefícios, a devolução de produtos que não tiveram boa saída.

Vantagens: o risco e os custos para o empreendedor são muito menores, afinal, ele não terá prejuízos devido ao investimento em aquisição de um grande volume de produtos.

Desvantagens: esse é um formato que não se encaixa para todos os segmentos, pois somente produtos com longa data de validade ou alta sazonalidade podem entrar nessa modalidade.

Estratégia: o fornecedor precisa ser confiável. Qualquer problema que acarrete no atraso do envio ou na falta de entrega do produto, quem irá responder é a sua marca, que pode perder a credibilidade com seus clientes.

Manter um estoque mínimo é uma boa estratégia para driblar esses possíveis imprevistos.

Como escolher bons fornecedores para a sua empresa

Estoque terceirizado

Este é o formato ideal para e-commerces que desejam otimizar o espaço de armazenamento. Pode ser incorporado em dois formatos:

1. Drop Shipping

Integrado com um fornecedor geralmente de fora do país (que paga menos imposto, por exemplo), que será responsável pela gestão de estoque. Nesse formato, cada novo pedido recebido na loja virtual será redirecionado para o fornecedor, que terá a responsabilidade de enviar o produto diretamente ao cliente final.

Este modelo é considerado por muitos ilegal no Brasil. Principalmente por, de maneira geral, não deixar os procedimentos às claras, sem contar a desigualdade de condições tributárias.

2. Cross Docking

Trata-se de uma prática logística onde a loja 1 vende o produto mas não possui o item em estoque. Um sistema de back office consulta o estoque da loja 2 e consolida o pedido após a confirmação de pagamento. A loja 2 fatura e despacha o produto para a loja 1 que por sua vez envia ao consumidor.

É exatamente o modelo que Americanas e Netshoes trabalharam no início:

O que a Netshoes pode ensinar aos lojistas de marketplace?

Vantagens: a principal vantagem é a otimização e redução de custo com o espaço para armazenar e gerenciar o estoque.

Desvantagens: falta de controle direto ao estoque e prazos mais longos para a entrega.

Estratégia: para que esse formato funcione, invista em uma plataforma de e-commerce que possibilite a integração ao controle de estoque. Além disso, estabeleça um contrato com fornecedores que realmente sejam confiáveis e tenham a responsabilidade de fazer toda a logística incluindo troca, devolução e embalagem com a mesma qualidade que você faria.

Nota: Não confundir cross docking (venda com estoque de terceiros) com cross border (compra de sites internacionais).

Dessa forma, mesmo que os produtos não sejam enviados diretamente por você, a qualidade e a expectativa geradas no início da compra em sua loja virtual se mantêm até o recebimento do pedido. Informe sempre muito bem seus prazos e certifique-se que sempre serão cumpridos.

Já escolheu qual o modelo ideal para controlar o estoque de sua loja virtual?

Compartilhe sua experiência conosco!

Com possibilidades de receber altas demandas, pedidos e encomendas, um vendedor no marketplace precisa se atentar à gestão de seu estoque, para garantir o sucesso das operações e a satisfação dos clientes. Hoje, falaremos sobre alguns cuidados necessários com o estoque, ao vender em um marketplace.

Por que é necessário redobrar a atenção neste quesito? Confira o nosso artigo do dia!

1- Fique atento à quantidade de produtos que você tem

Anunciar determinados produtos, de x características (como cor e tamanho) e não ter em estoque é um risco grande que você corre de receber um pedido (ou muitos deles) e não ter como entregar o que o cliente espera.

Ainda que você vá buscar no fornecedor o quanto antes — até mesmo por não dispor de um espaço muito amplo para manter estoques de pronta entrega — é necessário tomar cuidado para não gerar nos consumidores expectativas não condizentes com a realidade.

Isso pode ocasionar reclamação e insatisfação, resultando não só em clientes que não mais comprarão com você, como também em má reputação no ambiente online, afastando outros compradores.

2- Seja precavido

Experiência desagradável com alguma compra é mais do que suficiente para um cliente desistir de determinado vendedor e passar a “má fama” adiante. Ainda mais em um ambiente onde há espaço para se manifestar publicamente quanto à sua satisfação, como a internet.

Ao mínimo sinal de que as encomendas podem ultrapassar a capacidade imediata de sua loja, atender a todos os clientes com rapidez ou entregar produtos exatamente nas especificações anunciadas — como no caso de grandes promoções, que geralmente atraem muitos consumidores — deixe bem claro que os pedidos poderão ser entregues de acordo com a “disponibilidade de estoque”. Crie regras e gerenciamento para isso.

3- Esteja ciente de sua responsabilidade em entregar no prazo

Ao conseguir espaço nas prateleiras digitais de grandes empresas, você deve estar ciente de que existe a responsabilidade de atender bem, entregar o produto correto e no prazo certo, para ter uma boa imagem. Em um marketplace, você não arca com os custos de um e-commerce, mas a responsabilidade de entregas é como se você tivesse realmente sua própria loja.

O conceito de drop shipping, que aborda uma maneira de trabalhar sem estoque real (o que pode significar redução de custos, mas também necessidade de ter atenção redobrada para não ter problema junto aos clientes) deve ser cuidadosamente trabalhado em marketplace, se essa for a opção do vendedor.

Para se aplicar a esse tipo de negócio, é preciso ter muito cuidado com a escolha do fornecedor e uma boa comunicação com ele, visto que se depende do estoque sobre o qual você não tem controle.

Como escolher um operador logístico para a loja virtual

4- Cumpra o prometido para não perder classificação

Por abranger uma grande área de atuação, atendendo e vendendo a clientes de diversas áreas, o e-commerce exige mais atenção. Se for o caso de trabalhar sem estoque ou depender de condições especiais na negociação com a logística, deixe bem claro que as condições de entrega podem variar de acordo com a região, condições de estrada e acesso.

Pega muito mal vender sem ter a mercadoria, atrasar ou chegar em desajuste. Isso pode trazer prejuízos até mesmo por haver custos com a entrega e o consumidor ter o direito de desistir ou de devolver.

Em marketplace, é necessário lembrar que há muitos concorrentes e qualquer erro pode significar perda de vantagem competitiva.

Leia também:

Como preparar sua loja virtual para vender nos maiores Marketplaces do Brasil

Nesse sentido, a gestão do estoque influencia diretamente na posição que o vendedor ocupa na plataforma e, consequentemente, no destaque dado aos produtos. Um vendedor que tenha descumprido prazos e gerado insatisfação em algum cliente pode ser mal avaliado e decair no ranking de melhores vendedores, perdendo confiança de potenciais consumidores novos.

Texto publicado anteriormente no Blog da Olist.

Se você possui uma loja virtual, provavelmente notou que com a ferramenta Webservice dos Correios o cálculo de frete é feito automaticamente, bastando o cliente inserir o CEP de destino. Neste artigo, vamos descobrir como funciona o serviço e quais as suas limitações.

Como é feito o cálculo de frete dos Correios

O cálculo de frete automático é feito através do peso cúbico, usando-se a seguinte fórmula:

Comprimento x Largura x Altura
______________________________________
6000

Essa funcionalidade está disponível para PAC, SEDEX e e-SEDEX.

O cálculo é feito desta forma porque para fazer o transporte das mercadorias é preciso levar em conta não só o peso das embalagens, mas o espaço que elas ocupam também. Esse tipo de cálculo é adotado internacionalmente para a maioria das empresas de transporte, mesmo se as cargas forem transportadas em aviões, por exemplo.

Com a ferramenta Webservice você também terá disponível na sua loja virtual o cálculo de prazos de entrega, o que é importante para que seu cliente saiba quando o produto adquirido irá chegar ao destino.

Como reduzir o custo do frete da loja virtual

Limitações de se trabalhar com os Correios

Além do cálculo do peso cubado, antes de optar pelos Correios você deve levar em consideração que para utilizá-lo as mercadorias da sua loja devem ter peso inferior a 30 quilos e que a soma das três dimensões (CLA) seja menor que 200 centímetros.

Vale lembrar que se o peso ou dimensões forem inferiores, mas bem próximos ao limite aceito, pode acontecer de o seu cliente comprar mais de uma unidade do produto e querer que elas sejam enviadas juntas, o que não será possível, pois, neste caso, para se enquadrar aos limites dos Correios você terá que enviar as mercadorias separadas.

Se esse for o seu caso, a melhor opção é buscar outras alternativas nesse mercado, como transportadoras que podem entregar mercadorias pesadas ou de grandes proporções com mais eficiência.

Leia também:

Tudo o que você precisa saber para fazer um contrato com os Correios

Para concluir, os Correios oferecem um serviço extremamente prático para comércio eletrônico. Contudo, se você vende produtos que ultrapassam certos limites de peso e tamanho, talvez o melhor caminho seja procurar uma alternativa mais viável.

Hoje em dia, nove de cada dez lojas virtuais utilizam os Correios para levar os produtos até a casa dos compradores. Se você também utiliza os Correios para entregar as encomendas da sua loja virtual e possui um número razoável de vendas, talvez seja a hora de fazer um contrato com a estatal. Neste artigo, vamos te mostrar quais as vantagens e como consegui-lo.

Ter um contrato com os Correios significa que você terá acesso a um sistema exclusivo de gerenciamento das entregas da sua mercadoria. Esse sistema se chama SIGEP WEB (Sistema de gerenciamento de postagens) e possui algumas ferramentas úteis para quem tem que lidar com o envio de muitas encomendas diariamente.

Com o SIGEP, você poderá fazer a preparação prévia das encomendas antes de serem postadas, isto é, criar listas de remetentes, destinatários, dimensões, pesos de cada mercadoria e selecionar os serviços de entrega desejados.

Além disso, o sistema gerará antes da postagem os números de rastreamento das encomendas, que serão relacionadas numa pré-lista de postagens vinculadas ao sistema de envio principal dos Correios.
Essa pré-lista de postagens (PLP) é automaticamente enviada à unidade dos Correios, que receberá seus pacotes para envio. Ou seja, você não precisará aguardar na fila toda vez que precisar postar algum item, basta deixá-lo no balcão da agência que os funcionários dos Correios já terão todas as informações necessárias.

Caso não tenha disponibilidade de levar os produtos até o posto mais próximo, você poderá solicitar o serviço de coleta programada, onde periodicamente um carro dos Correios irá até o seu estoque para recolher as encomendas e enviá-las.

Fora isso, você ainda poderá configurar embalagens padronizadas e inserir, por exemplo, o logo de sua loja virtual nas etiquetas, além de poder trabalhar em rede com a sua empresa, cadastrar usuários e ter acesso a relatórios sobre as postagens.

Como fazer contrato com os Correios

O primeiro passo antes de decidir que esta é a melhor forma de fazer as entregas da sua loja virtual é analisar qual o seu fluxo médio de vendas. Isso porque o contrato com os Correios é destinado a lojistas que tenham um valor mínimo de postagem por mês, que pode ser consumido através de envios por PAC, SEDEX, e e-SEDEX.

Transportadora ou Correios? Entenda qual escolher para seu E-commerce

As cotas mínimas de faturamento são:

• PAC: R$ 127,40,
• SEDEX: R$ 123,43
• e e-SEDEX: R$ 1.142,11.

Portanto, se a sua loja ainda não atinge esse valores gastos com frete, ela não estará elegível para um contrato dos Correios.

Por outro lado, caso esteja elegível, basta se dirigir até a agência de onde costuma fazer as postagens e solicitar a lista de documentos necessários. Depois de entregues, sua loja virtual passará por alguns testes de navegabilidade – e assim que for constatado que ela está em bom funcionamento o contrato será firmado.

É importante ressaltar que, caso opte pela modalidade e-SEDEX e não atinja o valor mínimo de postagem de R$ 1.142,11, o contratante deverá arcar com esse custo, pagando a diferença para que a cota seja atingida. Por isso, é aconselhável ter certeza de que o valor das postagens mensais do seu e-commerce ultrapasse a cota mínima, assim você não correrá o risco de pagar por um serviço não utilizado.

Se o seu empreendimento ainda não atinge o “valor mínimo” de postagens, você poderá continuar enviando as mercadorias da forma tradicional, isto é, embalando-as e levando até a agência dos Correios mais próxima ou utilizando uma transportadora de sua escolha para fazer as entregas.

Você pode precisar:

Serviços de indenização por atrasos ou extravios dos Correios podem ajudar o empreendedor

O mercado logístico no Brasil ainda divide opiniões e vem buscando melhorias em sua gestão. O cenário nacional nos mostra que essa área ainda é pouco funcional e causa um alto nível de gastos, principalmente para o comércio eletrônico. Vemos que ainda temos muitas lojas virtuais que não possuem uma gestão eficiente e completa e acabam não entregando um serviço qualificado para o consumidor.

Segundo pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, 60% dos consumidores ainda tem receio de realizar um compra online e a entrega do produto no prazo combinado ainda é muitas vezes uma incógnita. O mercado precisa abrir os olhos para essas necessidades e os gestores precisam sanar esse problema e não esperar ter o conhecimento de qualquer falha somente quando o cliente, insatisfeito, entra em contato com o SAC.

Algumas lojas virtuais já perceberam que o contato com o cliente não termina quando o pagamento é confirmado e estão buscando integrar com os sistemas de informação das transportadoras para acompanhar todos os status da entrega e informá-los ao cliente em tempo real.

Leia também:

3 pontos primordiais para automação no rastreamento de produtos online

Já existem tecnologias presentes no mercado que se tornam aliadas para simplificar o processo do pós-venda e minimizar os problemas causados pela logística atual, personalizando o serviço de rastreamento, conquistando seus clientes e fazendo com que eles voltem a comprar.

Os softwares de rastreio existentes hoje tem um alto padrão de segurança de acesso e de troca de informações, além de oferecer benefícios para o seu e-commerce. Essa ferramenta te beneficia 100% em prol do contato com seu cliente de forma proativa e personalizada, podendo ser feito por e-mail e SMS, evitando qualquer ansiedade e colaborando na redução de possíveis ligações ao SAC e custos com logística reversa.

Dessa forma, você consegue gerar uma fidelização com o consumidor. Além disso, após a entrega do pedido, ele pode dar a sua opinião sobre a experiência de compra e por meio desse feedback você consegue perceber o que o consumidor está pensando e assim, tomar algumas decisões mais assertivas quanto ao serviço oferecido e prestado.

Com certeza o sucesso da operação é a garantia da entrega do produto nas condições acordadas, mas o encantamento do cliente está na inovação dos processos que causam impacto positivo na experiência da compra. O cenário que temos hoje é que a comunicação e qualquer informação são facilmente dissipadas e você precisa usar esse critério a seu favor, ficando na frente do seu concorrente, fidelizando seu cliente e o tornando seu fã.