• Ebit
  • por Ebit
  • Presente no mercado brasileiro desde 2000, a Ebit acompanha a evolução do varejo digital no País desde o seu início, sendo a maior referência em inteligência competitiva para o e-commerce. Através de um sofisticado sistema, que coleta dados diretamente com o comprador online, a Ebit gera informações detalhadas sobre o mercado diariamente. São mais de 20 milhões de pesquisas coletadas em mais de 21 mil lojas virtuais afiliadas.

E-commerce fatura R$53,2 bilhões em 2018, crescimento de 12%

26 de fevereiro de 2019
Share Button

Previsão para 2019 é de crescimento de 15%, com categorias como cosméticos e moda puxando a aceleração.

Em um ano em que todos os setores econômicos sentiram direta ou indiretamente os efeitos de grandes eventos, como Copa do Mundo e eleições, e sofreram os reveses causados pela greve dos caminhoneiros, o comércio eletrônico manteve a curva de crescimento em 2018, registrando faturamento de R$53,2 bilhões, alta nominal de 12% na comparação com 2017.

Foram 123 milhões de pedidos realizados pelo e-commerce, 10% a mais do que no ano anterior. O tíquete médio de compras foi de R$434, ligeira alta de 1%. A informação é da Ebit|Nielsen, referência em informações sobre o e-commerce brasileiro.

Para 2019, a expectativa é de expansão de 15%, com vendas totais de R$61,2 bilhões. Os pedidos devem ser 12% maiores, 137 milhões, e o tíquete médio deve ser de R$447, aumento de 3%.

“A entrada de novos e-consumidores e a expansão do mercado de dispositivos móveis/banda larga no Brasil, e da migração do varejo offline para o online”, afirma Ana Szasz, líder comercial para Ebit|Nielsen.

O faturamento do e-commerce em 2018 ficou praticamente em linha com o previsto no relatório Webshoppers 38 (relatório de maior credibilidade sobre o comércio eletrônico brasileiro), divulgado em agosto, no qual a expectativa era de R$53,4 bilhões de faturamento, 120 milhões de pedidos e R$445 de tíquete médio. A próxima edição do documento deverá acontecer no dia 25 de março.

“Registramos mais pedidos do que o previsto e, em compensação, menor tíquete médio, mas esse é um excelente indicador, pois é reflexo direto da chegada de novos consumidores – cerca de 10 milhões em 2018 – e do perfil de consumo. Categorias como cosméticos/perfumaria e moda lideraram o ranking das mais pedidas e se caracterizam por maior recorrência e pedidos de menor valor. Essa é uma tendência que também deve se manter forte para 2019”, diz Ana Szasz.

O crescimento também reflete a grande ebulição do setor em 2018, com a entrada de novos players, fusões e aquisições e a consolidação do modelo marketplace.

Mais números do mercado brasileiro de E-commerce:

Os números do mercado de E-commerce

“Alguns dos principais varejistas reportaram crescimento acima da média e ganhos de participação, mas é importante lembrar que a cauda do e-commerce é verdadeiramente muito longa e da importância do marketplace para consolidar as vendas dos pequenos e médios players, dando sustentação a toda a cadeia”, afirma.

Porém, dois grandes eventos impediram que o crescimento de 2018 fosse ainda mais expressivo.

“Além da greve dos caminhoneiros, que represou cerca de R$407 milhões em compras, prejudicando as vendas da Copa do Mundo e Dia dos Namorados, a instabilidade do período pré-eleitoral também impactou as vendas.

O segundo e terceiro trimestres ficaram abaixo do previsto, mas como as vendas mantiveram-se aquecidas no início do ano e tivemos a melhor Black Friday da história, com vendas muito acima da expectativa, o e-commerce fechou o ano com um crescimento sólido e sustentável e tudo indica que o quadro deve se manter para 2019″, explica.

Você também vai gostar

Autenticação online é o cinto de segurança do e-commerce Consumidor precisa se habituar a uma nova etapa na compra para aumentar a proteção de seus dados de pagamento Como profissional da área de pagamento, ...
Estudo revela comportamento do consumidor de e-commerce em 2018 ... A ascensão da tecnologia e a facilidade de comprar com apenas um “click” tem atraído cada vez mais o consumidor brasileiro para o e-commerce. De acord...
Como administrar um negócio de internet Cresce a cada dia o número de lojas virtuais, porém dessas lojas que iniciam poucas duram mais que seis meses e um número bem menor ainda de lojas con...
Ecommerce trends: o que vai pegar ou fortalecer em 2018? Nós que trabalhamos com ecommerce, sabemos como tudo é muito dinâmico: o tempo todo pintam novas tecnologias, tendências e é bom ficar por dentro do m...
Como abrir um negócio na internet Como abrir um negócio na internet. Nesta semana Daniel Cardoso, diretor da Universidade Buscapé Company participou com algumas dicas em uma matéria do...
O consumidor procura por relevância, ele espera que você faça Ma... O consumidor atual tem uma realidade bem diferente de um passado ainda próximo. Agora ele é omnichannel, sua concorrência não se resume mais à sua reg...
E-commerce: Procuram-se Profissionais O E-commerce movimentou cerca de 30 bilhões de reais no país no ano passado, mas ainda sofre com a falta de gente interessada e especializada no negó...
Quer cobrar quanto? Cinco dicas para desenvolver sua estratégia ... Em média, novos e-commerces acabam sendo abandonados ou encerrando suas atividades em apenas três meses, segundo levantamento realizado pela BigData C...
Como escolher um curso de e-commerce O e-commerce vem se tornando cada vez mais popular no Brasil e no mundo devido ao ganho de credibilidade e facilidade de comprar sem sair de casa. Emb...
10 dicas para reduzir a taxa de rejeição no seu e-commerce De que adianta seu site ser líder em visitas se isso não se traduz em vendas para você? Tão importante quanto a visibilidade, a taxa de rejeição é um ...

SEGREDOS DO E-COMMERCE

Receba as novidades toda semana

2 comentários sobre “E-commerce fatura R$53,2 bilhões em 2018, crescimento de 12%”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar essas tags HTML e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>