Marketing de Influência o que é e como utilizar no E-commerce? – Parte I
O que Kim Kardashian, Armando Roggio e seu vizinho têm em comum? Todos eles são influenciadores.

O marketing de influência é o equivalente digital da promoção boca a boca. No comércio eletrônico, podemos segmentar os influenciadores em três categorias: celebridades, autoridades e colegas.

3 tipos de influenciadores

1.Celebridades. A maioria dos consumidores pensa que um influenciador é uma celebridade. Os influenciadores de celebridades aspiram porque vendem o que os outros desejam. Milhões de jovens da chamada geração Z nos E.U.A. (com menos de 25 anos, aproximadamente) e Millennials (com idades entre 25 e 40) modelam suas compras segundo Kim Kardashian, por exemplo. Eles querem a mesma maquiagem, comida e roupas.

Os influenciadores aspiracionais geralmente são caros e se correlacionam com o tamanho do público – quanto maior, mais caro, especialmente para megapúblicos de 50 milhões ou mais de seguidores. Eu vi taxas de U$ 500.000 e mais para públicos dessa magnitude.

Para profissionais de e-commerce, as considerações práticas para usar celebridades dependem de quão amplo é o apelo de um produto ou serviço, bem como da tolerância ao risco. Audiências gigantescas significam alvos frouxos. É por isso que você verá Kim Kardashian, com 219 milhões de seguidores no Instagram, promovendo Uber Eats e outras categorias genéricas, já que um grande segmento de seus seguidores provavelmente os achará úteis. Produtos de nicho com um foco estreito costumam ter um baixo retorno sobre o investimento com influenciadores aspiracionais.

O risco tem a ver com gastar o dinheiro (ou, em alguns casos, uma parte de uma empresa) na esperança de que uma única voz impulsione a resposta. Com certeza, as celebridades podem ter um grande impacto. Mas eles não são para os fracos de coração e estão além do alcance da maioria dos varejistas de comércio eletrônico.

Kim Kardashian promovendo o Uber Eats no Instagram.

Celebridades, como Kim Kardashian, oferecem um grande público – e um alto risco para os comerciantes. Kardashian tem 219 milhões de seguidores no Instagram. Foto Kim Kardashian

2. Autoridades. Autoridade equivale a especialização. Armando Roggio, colaborador sênior da Practical Ecommerce, é uma autoridade. Ele escreveu cerca de 300 artigos e hospedou muitas dezenas de webinars. Ele também é comerciante, profissional de marketing e desenvolvedor da web. Ele é um especialista em e-commerce.

Os leitores que conhecem o trabalho de Armando confiam em suas opiniões.

Há uma ressalva, no entanto, com influenciadores autorizados. O valor de confiança da carreira pode ser perdido rapidamente se sua credibilidade for questionada. Assim, os influenciadores autorizados devem ser extremamente cuidadosos nos produtos e serviços que garantem. Como os influenciadores de celebridades, adquirir os direitos de influência das autoridades pode ser caro, embora menos do que as celebridades. Além disso, o risco de usar autoridades é menor à medida que seus públicos estão mais alinhados com os produtos e serviços promovidos.

Leia Também:
Marketing de Influência: quem são os influenciadores e como eles podem contribuir para sua estratégia digital

3. Semelhantes, Microinfluenciadores, nano influenciadores – todos são nomes arbitrários para o tipo mais comum de influenciador no e-commerce. Eles são mais bem compreendidos no contexto de seus vizinhos. Digamos que você comprou um Tesla porque Kim Kardashian o fez. Isso é aspiracional. Mas e se todos os seus vizinhos comprarem um Tesla? Independentemente de como você se sente sobre o produto, você provavelmente vai se perguntar o que eles sabem e o que você não sabe. Os influenciadores de pessoas semelhantes são o equivalente digital de manter o contato com os vizinhos e reconhecer a confiança que depositamos nas opiniões daqueles que conhecemos.

Os microinfluenciadores geralmente são os menos caros e os mais fáceis de testar. O custo é de apenas US $ 10 para influenciadores com menos de 1.000 seguidores.

Os microinfluenciadores geralmente são os mais baratos e os mais fáceis de testar. Neste exemplo, “completamente.maginlee”, uma mãe que mora em Los Angeles com cerca de 16.000 seguidores no Instagram, promove uma marca de linho.

Os profissionais de e-commerce geralmente criam campanhas usando um conjunto de microinfluenciadores, em seguida, aplicam filtros como geografia, interesse, rede, número de clientes em potencial e outras variáveis.

Os microinfluenciadores apresentam um risco muito menor. Uma audiência de 50 milhões composta por 50.000 influenciadores de pares tem uma probabilidade maior de sucesso em comparação com uma audiência de tamanho semelhante de uma pessoa. Espalhar o risco e pagar menos é o motivo pelo qual as marcas de comércio eletrônico se aglomeraram em grupos de influenciadores.
E você? Já usou um influenciador para promover sua marca ou produto? Comente abaixo e deixe este post ainda interessante ?

Fonte: PratcticalEcommerce – Joe Sinkwitz

Author

Formado em Engenharia pela Escola de Engenharia Máua, pós-graduado em Marketing pela ESPM e com especialização em marketing para internet pela University of California, Irvine, atua no segmento de comércio eletrônico desde 1999. Passou pelos portais UOL e Terra, Mkteam e Escalena, onde atuou na implementação das lojas virtuais da Tim Brasil, Arno, Philco, TNG, Klueber do Brasil entre outras. Foi sócio-diretor da Universidade Buscapé Company e atualmente é Diretor responsável pelos treinamentos de E-commerce e Marketing Digital na Impacta Treinamentos.

Write A Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.