Processo de "tropicalização" da Amazon cria novas oportunidades para o varejo eletrônico brasileiro

10 de janeiro de 2018
Share Button

Com a recém-chegada da Amazon ao mercado de marketplace brasileiro, muito especulou-se sobre o futuro do e-commerce nacional, tendo em vista a força da companhia no setor em mercados estrangeiros. Porém, será que ela está realmente preparada para aplicar o seu modelo comercial ao Brasil, país que possui diversas particularidades em vários quesitos?

A tecnologia de ponta – um dos motivos do crescimento exponencial da empresa no exterior – precisará passar por um processo de “tropicalização” para se adequar ao Brasil, e isso demanda tempo.

É natural que com o seu tamanho e tecnologia, a essa multinacional de comércio eletrônico conseguirá transformar suas ferramentas, usadas em países da Europa e nos Estados Unidos, para a realidade nacional.

Porém, para isso, precisará conhecer nosso país e as particularidades do seu mercado, criando o tempo necessário para que os outros varejistas do setor consigam equilibrar a balança em relação a experiência que ela vai proporcionar aos brasileiros.

Dessa forma, semelhante ao que acontece na rua Santa Ifigênia, em São Paulo – conhecida pela grande quantidade de lojas que se especializaram na venda de artigos eletrônicos –, existe espaço para todos.

Da mesma forma que as companhias precisarão atualizar o seu modelo de negócio para oferecer um serviço de maior qualidade, a Amazon precisará se adaptar as diferenças culturais do consumidor brasileiro, principalmente no que tange a questão do transporte e da logística para entregas em alguns pontos isolados ou perigosos.

No mais, o preço dinâmico, que foi uma das inovações propostas pela companhia nos EUA, já é utilizado no Brasil, criando mais oportunidades para os consumidores e comerciantes. E sua plataforma, apesar de muito boa, não é uma novidade no mercado.

Diante da ameaça que a chegada dessa empresa norte-americana representava ao setor, os varejistas digitais não estão medindo esforços no investimento em estratégias de marketing para conseguir superar as expectativas da gigante do varejo eletrônico.

Diferentemente do que se podia esperar, a chegada dessa multinacional não irá atrapalhar o faturamento dos varejistas nacionais nas datas importantes, como a Black Friday e o Natal, por exemplo, mas trará mais amadurecimento, oportunidades de venda e crescimento dos marketplaces brasileiros.

Leia também:

5 estratégias brilhantes de Jeff Bezos para construir o Império da Amazon

Você também vai gostar

A importância do nicho de mercado Lojistas e empreendedores que querem agradar todo mundo acabam não tendo sucesso, porque seus trabalhos se tornam genéricos. Mas quem gosta de coisas ...
Entrevista: Wagner Furtado da Cash Monitor #SonhoGrande Vamos tentar começar a semana inspirando você? Segunda-feira merece aquela injeção de ânimo... A Endeavor Brasil publicou na semana passada mais uma e...
Melhores práticas para iniciar uma nova campanha de marketing on... Como profissionais de marketing de desempenho, nossa tarefa mais desafiadora é garantir que nossos ativos de marketing se destaquem. Todos os dias, há...
Com crescimento de 37%, E-commerce fatura 5,9 bilhões no Natal 2... As compras efetuadas pela Internet no período de Natal renderam ao comércio eletrônico R$ 5,9 bilhões. A quantia representa um crescimento nominal de ...

SEGREDOS DO E-COMMERCE

Receba as novidades toda semana

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar essas tags HTML e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>