Tags Posts tagged with "BI"

BI

O termo Business Intelligence (BI) está em alta no e-commerce. As técnicas de inteligência de negócios representam uma evolução para os empreendedores que sabem a importância de se ter as informações de negócio sob controle para uma tomada de decisão.

Muitos nos perguntam se o pequeno empreendedor pode ter acesso à BI. Sim, é perfeitamente possível. O Business Intelligence pode ser adotado com uma simples planilha de Excel. Logicamente que quanto mais sofisticada for sua tecnologia, maior o poder para identificar as oportunidades.

Mas o que é BI? O que ele representa para o e-commerce? Como torná-lo seu aliado? Vamos esclarecer alguns pontos?

O que é Business Intelligence

Business Intelligence é um processo de desenvolvimento de inteligência de negócios, ou seja, criação de conhecimento relevante e útil para a empresa a partir de dados coletados de diversas fontes, como clientes, mercado, concorrentes, fornecedores, governos e agências de pesquisa.

Quando falamos em ferramentas de Business Intelligence, estamos nos referindo às tecnologias que permitem a coleta, tratamento, segmentação e análise desses dados. Estas informações podem ser associadas à um CRM, ERP, softwares de mineração de dados, entre outras, que podem ser integradas em uma solução de BI completa.

O BI é indicado para que você tenha um melhor poder de decisão, saindo da gestão baseada no feeling para uma gestão baseada em dados e informações, que permitem avaliar o contexto em que a empresa se encontra e assim tomar decisões mais assertivas, com pouca ou nenhuma margem de erro.

Metodologia

Para entender um pouco melhor sobre como aplicar um projeto de BI para o seu pequeno negócio, gostaria de te apresentar o Data Warehouse. Nada mais do que o nosso depósito de dados digitais que armazenam as diferentes informações coletadas de diferentes fontes.

É com o Data Warehouse que se organizam os relatórios cruzados com base em todo o histórico coletado. Aqui as empresas recolhem diferentes tipos de informações para o controle de processos importantes. Este “depósito” cria padrões para melhorar as análises de todos os sistemas, corrige erros e reestrutura dados.

Outro conceito fundamental para você que quer conhecer um pouquinho mais sobre BI é 5W2H. Esta ferramenta basicamente fala em montar um checklist onde mapeamos tudo que deve ser feito para atingir os objetivos estabelecidos na estratégia estipulada após o cruzamento das informações em busca das soluções (ou respostas) para o negócio.

Utilizar o 5W2H significa eliminar completamente qualquer dúvida que possa surgir durante elaboração de uma estratégia, processo ou projeto. Este método de controle é muito utilizado por profissionais de BI para a tomada de decisões estratégicas.

O 5W2H mapeará em forma de tabela as seguintes diretrizes:

• What – O que será feito (etapas);
• Why – Por que será feito (justificativa);
• Where – Onde será feito (local);
• When – Quando será feito (tempo);
• Who – Por quem será feito (responsabilidade);
• How – Como será feito (método);
• How much – Quanto custará para fazer (custo).

O Business Intelligence pode identificar deficiências, custos à reduzir e ajustes de estratégias de atuação e de Marketing Digital. Mas como? Onde BI pode te ajudar na gestão do e-commerce?

Note que todos os itens que listamos se relacionam, a inteligência do seu negócio não deve ser entendida separadamente, e sim como um todo.

1- Eficácia da plataforma de e-commerce

Com o BI você pode avaliar a navegabilidade da sua loja virtual, identificar as páginas mais visitadas, entender se o processo de checkout é eficiente (e se não é,07 em qual etapa do checkout mais usuários deixam o site) e otimizar a experiência do usuário para que ele se sinta plenamente satisfeito com seu e-commerce.

Além disso, no back-office de sua plataforma você poderá cruzar suas informações de vendas e entender melhor sobre o comportamento de compra do seu consumidor. Que explicaremos melhor no próximo item.

2- Comportamento do consumidor

O que as pessoas compram, com que frequência, qual é o tíquete-médio gasto por época do ano, qual a duração do ciclo de vendas de cada produto e como otimizar o funil de vendas são algumas das informações que você obtém com Business Intelligence.

A identificação deste comportamento será essencial para a definição de suas Buyer Personas, o que potencializará seu marketing digital.

3- Melhoria na estratégia de Marketing Digital

Com a ajuda do Business Intelligence é possível entender de onde vem o tráfego do e-commerce, quais canais são mais efetivos para geração de tráfego e/ou vendas.

Qual é o ROI de cada ação de marketing, ou de cada ferramenta de Marketing Digital e assim tomar decisões para ajustar suas campanhas/ações de marketing para obter melhores resultados.

Além disso, com as buyer personas definidas através da identificação do comportamento de consumo, você vai saber quais são as melhores formas de abordagem e tipos de conteúdo com maior adesão, engajamento e potencial de aumento de tráfego por busca orgânica.

4- SEO

Você pode usar o BI para conhecer as palavras-chave com melhor desempenho e quais técnicas são mais efetivas para trazer novos visitantes referenciados dos mecanismos de busca para o site ganhando posições nos resultados de busca orgânica.

O Google oferece ferramentas sobre demanda e associação de palavras-chave, porém só com um sistema de inteligência você vai entender quais funcionam melhor para o seu ramo de atuação e especialmente para o seu negócio e público-alvo.

5- Eficácia das campanhas de links patrocinados

Assim como o SEO, os Links patrocinados (Google Adwords principalmente) são uma ótima maneira de atrair mais pessoas para seu e-commerce.

Mas antes de qualquer coisa você precisa conhecer alguns dados estratégicos, como custo por clique, custo por aquisição de lead, custo por aquisição de cliente, custo por mil impressões, entre outros, o que o BI pode te oferecer com rapidez e facilidade para você.

6- Desempenho nas redes sociais

Se você investe em divulgação da marca e relacionamento nas redes sociais, também precisa saber que tipo de retorno cada uma delas trazem para o seu negócio virtual, quais redes sociais geram maior tráfego, qual o nível de envolvimento dos usuários, horários e dias melhores para cada tipo de publicação, ROI das ações desenvolvidas nas redes sociais, etc.

Com um Business Intelligence, você filtra todas as informações e tem um panorama completo das plataformas que são mais importantes para sua campanha de marketing digital.

7- Comparativo com a concorrência

Para ter certeza de que você está indo bem, só sabendo como andam seus concorrentes, por isso o BI permite que você faça análise de desempenho comparando resultados do seu e-commerce e de outros players do mercado.

Desenvolva comparativos que ajudam a entender como se sobressair no mercado e ter melhores vendas. É possível entender que outras empresas podem estar “roubando” seus clientes até mesmo indiretamente.

Quanto mais informação você tem disponível, maior a necessidade de um processo que permita selecionar aquilo que realmente fará diferença na tomada de decisão.

A mídia programática está se consolidando como uma forma mais eficiente de se negociar publicidade online para os dois extremos da cadeia de valor. Anunciantes de um lado, que conseguem planejar melhor suas campanhas com base na segmentação da audiência, e os publishers de outro, que têm a oportunidade de qualificar e expandir a comercialização de seu inventário para um universo bem mais amplo de compradores de mídia.

Mas entre tantas siglas que envolvem o tema, fica difícil para muitas pessoas entenderem como funciona este ecossistema, e não raro muitas confundem “DSP” com “DMP”. O objetivo da análise a seguir é justamente desmitificar esse assunto.

DMP (Data Management Platform)

O primeiro conceito a ser compreendido é o da DMP (Data Management Platform). Trata-se de uma plataforma dedicada a tratar dados que possam ser organizados em perfis para segmentação de audiência ou obtenção de insights para tomada de decisão.

A DMP permite entender melhor as campanhas, analisar como diferentes perfis de público se comportaram ao longo de um funil de conversão ou até mesmo criar análises cross media. A DMP também viabiliza uma nova forma de segmentação, não mais dependente exclusivamente do contexto ou conteúdo na qual a campanha será veiculada, mas baseada no perfil de quem será impactado, independentemente do contexto ou conteúdo onde ele for impactado.

DSP (Demand Side Platform)

Já uma DSP (Demand Side Platform) é um aplicativo dedicado à automatização do processo de compra de mídia. A DSP, basicamente um software sofisticado de bid management (gerenciamento e otimização de lances), viabiliza a compra de mídia por meio de Leilão ou “Open Auction” (com lances em tempo real, também conhecido por RTB, de Real Time Bidding), ou por meio de Preffered Deals (negociações preferenciais que estipulam a compra junto a um website pré-determinado, e até com um preço pré-estipulado).

Coleta, organização e acionamento

Voltando à DMP, esta funciona como um software ou plataforma de dados unificada, dividida em basicamente três etapas: coleta, organização e acionamento. A coleta dos dados pode ser proveniente de diversas fontes, online e offline, e necessita de uma integração prévia para que esses dados sejam devidamente coletados.

Na coleta de dados online, que ocorre por “tagueamento” do ambiente onde se fará tal coleta, e na coleta de dados offline, ambos são capturados pela integração com bancos de dados ou aplicações específicas de WiFi, ibeacons e, num futuro próximo, IoT (Internet of Things). Há sempre que se respeitar com rigor as regras de privacidade existentes.

Feita a coleta, a DMP processa simultaneamente todos esses dados para transformá-los em perfis de público (ou “segmentações de audiência”), a fim de se obter insights para tomada de decisão e proporcionar novas formas de segmentação mais precisas para as ações de marketing que serão deflagradas.

Esses segmentos de audiência (ou targets) tornam-se, portanto, acionáveis em qualquer ambiente, podendo também ser utilizados em ações de marketing online de todos os formatos, seja diretamente em portais ou sites (na web e mobile) ou em plataformas RTB (Real Time Bidding) como as próprias DSPs.

É possível ainda integrar a DMP a um disparador de e-mail marketing, call centers, terminais na ponta do caixa de um ponto de venda até, em mercados avançados, usar os dados e recursos de uma DMP para ativação inclusive em TVs conectadas.

Através de uma DMP é possível também se utilizar o recurso de Retargeting de forma mais sofisticada, podendo-se identificar perfis muito mais específicos e precisos. É basicamente a diferença entre fazer um Retargeting para impactar simplesmente “Pessoas Interessadas em um Tênis” e “Mulheres, Jovens, Esportistas, de Alta Renda, Interessadas em um Tênis”. Naturalmente, nessa segunda opção, a capacidade de uma comunicação mais direcionada é muito maior, ampliando-se a taxa de conversão esperada.

Uma DMP completa também possui um recurso denominado “Look Alike Modeling” capaz de identificar outros indivíduos com comportamento similar, tornando-se fácil amplificar uma campanha de Retargeting para um universo de pessoas muito mais amplo do que aquelas poucas marcadas originalmente.

Tipicamente uma ação de Retargeting fica restrita a um universo relativamente pequeno de pessoas marcadas em um determinado momento de navegação em um e-commerce, por exemplo, tornando o resultado em números absolutos diminuto. Uma DMP evita ainda a reclamação cada vez mais comum dos internautas a respeito do “banner que sempre o persegue“, na medida em que ela gerencia mais facilmente a exclusão de pessoas que já não possuem mais interesse naquela determinada oferta.

Behavioral Data

Já o Behavioral Data, ou simplesmente “BD”, é uma forma de segmentação bem mais complexa, oferecida por poucas empresas no mundo, já que demanda algoritmos especializados. Um BD bem elaborado é capaz de observar vários comportamentos de um mesmo indivíduo, identificar um padrão e automaticamente classificá-lo em segmentos complexos como os demográficos (sexo, faixa etária, renda) ou até mesmo psicográficos (por estilo de vida). Tudo baseado em modelagem estatística a partir de comportamentos de navegação.

Ter algoritmos e acesso a dados de navegação de um grande contingente de internautas para oferecer esse tipo de segmentação massivamente, agrupando dezenas de milhões de perfis em múltiplos segmentos à disposição de uma campanha é por si só uma oferta de empresas que o mercado denomina Data Providers (Provedores de Dados) ou mais precisamente uma empresa de behavioral data.

Também é possível que uma DMP seja, simultaneamente, um Data Provider, provendo, por exemplo, Behavioral Data, para serem injetados na própria DMP, tornando ainda maior a sua capacidade de qualificação dos targets encontrados, afinal de contas, estamos sempre falando de uma plataforma que “gerencia dados”.

As principais empresas de BD são hoje, em geral, as principais DMPs do mercado. Como DMPs e DSPs estão integradas entre si. Isso permite que a compra de mídia numa DSP, como mencionado anteriormente, inclua a opção de segmentação de audiência com os dados disponibilizados em tempo real pelo provedor de Behavioral Data escolhido para aquele determinado lance de compra efetuado.

Finalmente, uma DMP elimina o overhead de integração com outras plataformas que venham a ser adotadas mesmo que temporariamente, zelando pela integridade dos dados transitados. Uma DMP assegura, sobretudo, independência a anunciantes e publishers, garantindo que os dados possam ser conectados ou desconectados de qualquer outra plataforma, mantendo-se ainda sim a inteligência a seu lado como um legado permanente em qualquer situação.

Big data é o processo de armazenamento de um grande volume de informações com maior velocidade. Isso envolve etapas de análise, captura e curadoria da informação.

Usado com inteligência, esse processo vem sendo utilizado pelas equipes de marketing de empresas de todos os portes para tomar decisões e melhorar seu nível de gestão.

Por que aplicar big data em seu negócio?

O maior benefício que o big data pode te trazer é o conhecimento sobre o seu internauta. Com esse conhecimento é possível fazer campanhas de marketing mais direcionadas para as quais os internautas respondem melhor pois vai de encontro com o perfil dessas pessoas. Isso é personalizar o discurso, gera proximidade com seus possíveis clientes e te permite falar com a pessoa certa, no momento certo, usando a mensagem certa.

Mas lembre-se: conhecer o seu consumidor não significa saber apenas sua faixa etária, classe social e gênero. Ou seja, se ater aos dados demográficos. Vá além. Com soluções de big data você poderá saber por quais temas essa pessoa se interessa, que produtos costuma comprar, que redes sociais acessam e muito mais.

Cruzando todas as informações on e offline que você tem, pode identificar padrões, sugerir produtos a serem comprados e antecipar tendências. Por exemplo, usando o big data, a equipe de tecnologia da Amazon.com descobriu padrões de comportamento que indicavam quais livros poderiam ser indicados para cada internauta ler em seguida. Resultado: aumento de vendas.

Como obter essas informações?

Você pode obter tais informações sobre a sua empresa por meio de cadastros no meio offline, em seu próprio site ou cruzando os dados dessas duas fontes.

De qualquer forma, o importante é começar a coletar esses dados o quanto antes pois você precisará de um histórico de informações quando realizar ações que envolvam big data. Seus dados serão valiossíssimos para o seu negócio pois serão essenciais para essas ações.

Texto originalmente publicado no Blog da Navegg.

A e-bit, empresa Buscapé Company está contratando, veja a oportunidade de Analista de Inteligência de Mercado Júnior:

Sobre a vaga

Objetivo

Gerar relatórios e dimensionar mercado.

Principais Atribuições

● Desenvolver produtos (Relatórios) a partir de modelos já existentes;
● Análise de mercado de  internet / e-commerce;
● Análise de relatórios atuais;
● Analise de informações quantitativas e conclusões;
● Elaborar análises quantitativas de mercado;
● Desenvolver estudos e análises pontuais sobre os produtos;
● Trabalhar com painel e informações de bancos de dados.
● Crítica e acompanhamento de Pesquisa online (questionário e campo).

Escolaridade:

Superior completo em: Matemática/Estatística, Economia, Marketing, Engenharia, Publicidade ou Ciências Sociais

Informática:

● Excel (nível intermediário);
● Powerpoint;
● Ferramentas de gráficos;
● SQL (recomendável- diferencial);
● Cognos (recomendável – diferencial);

Habilidades/ Competências:

● Flexibilidade;
● Facilidade em trabalhar com banco de dados;
● Capacidade analítica;
● Raciocínio lógico;
● Bom texto em português;
● Autoconfiança e Autoconhecimento;
● Assertividade;
● Autocontrole das Emoções;
● Bom relacionamento interpessoal;
● Aprendizado e Desenvolvimento Pessoal;

Currículos para: pablo.siqueira@buscapecompany.com
Subject: Vaga e-bit Inteligência de Mercado

 

Sobre a Ebit

e-bit - Analista de Inteligência de Mercado JúniorEmpresa do Grupo Buscape, presente no mercado brasileiro desde janeiro de 2000, a e-bit vem acompanhando a evolução do varejo digital no país desde o seu início, sendo referência no assunto.

Através de um sofisticado sistema, que coleta dados diretamente com o comprador online, gera informações detalhadas sobre o e-commerce diariamente.

Em seu site, a e-bit (www.ebit.com.br) disponibiliza informações relevantes para tomada de decisão de compras dos consumidores, além de oferecer produtos e serviços aos lojistas.

Para os consumidores, a certificação de lojas da e-bit colabora para aumentar a confiança na compra online. Através da classificação por medalhas (Diamante, Ouro, Prata e Bronze), que atestam a qualidade dos serviços prestados pelo varejista, o consumidor encontra argumentos que ajudam na hora de decidir. Para o empresário, a e-bit funciona como fonte de conhecimento sobre o e-commerce no Brasil, contribuindo para o desenvolvimento do negócio e do setor de forma geral.