• Avatar
  • por Ricardo Fornari
  • A Stibo Systems é líder global na oferta de soluções de Gestão de Dados Mestres Multidomínio (MDM – Master Data Management). A companhia oferece soluções que permitem que seus clientes gerenciem a inteligência de negócio, melhorando resultados e se adaptando rapidamente às novas necessidades e dinâmicas do mercado.

O impacto da gestão de dados mestres na internet das coisas

28 de novembro de 2017
Share Button

A taxa de crescimento de dispositivos conectados à Internet, especialmente computadores e celulares, vem evoluindo desenfreadamente. Com a Internet das Coisas (IoT – Internet of Things), é ainda maior a quantidade de dados gerados. Os itens conectados à Internet estão produzindo uma série de informações e esse fluxo constante fornece insights e conteúdos sobre os clientes em tempo real.
Associado a esse significativo avanço da tecnologia, o termo “inteligente” é usado para se referir aos dispositivos que coletam dados e, assim, proporcionam uma experiência mais confortável ao usuário. O termo Big Data foi criado justamente para tratar a grande quantidade de bytes gerados por esses dispositivos.
Mas a revolução da Internet das Coisas refere-se principalmente aos dispositivos que estão ao nosso redor, conectados à Internet e coletando dados, desde um relógio até os sensores em carros e turbinas de aeronaves. É isso que mudará a maneira como vivemos, viajamos e fazemos negócios.
Pesquisas mostram que, em 2020, existirão 26 bilhões de dispositivos conectados à Internet. É esse rápido crescimento global da IoT que faz da Gestão de Dados Mestres (MDM – Master Data Management) um fator extremamente relevante para garantir sentido a essa grande quantidade de informação.
As soluções de MDM são fundamentais para promover iniciativas de análise e previsão que permitam melhorias significativas para usuários, fabricantes e investidores. Dentro desse cenário, elas fornecem o perfil comercial dos ativos, histórico de serviços e informações do cliente, ampliando a visão do consumidor.
O uso de MDM se reflete ainda na conservação do dispositivo, de forma a aperfeiçoar o desempenho, evitar falhas de manutenção, contribuir para economias significativas e aumentar a produtividade. Essa combinação de IoT e MDM nos permitirá criar uma imagem completa porém compacta dos dados. Os dispositivos que usamos e sua interação com os usuários se transformarão em benefícios, como redução de custos, consumo de energia e melhor eficiência.
A maior parte dessa sobrecarga de informações são dados de alta qualidade que não foram usados para propósitos analíticos e incluem histórico de compras, níveis de satisfação, informações demográficas, entre outras. O potencial desses dados é incalculável quando eles são usados seletivamente, como para atender melhor os clientes, e permitem que as empresas tenham percepções adicionais de maneira eficiente.
Conforme a Internet das Coisas cresce, a preocupação com a governança dos dados dentro das organizações também aumenta. O MDM gerencia tudo isso, revela tendências e padrões. O acúmulo de informações normalmente distrai os negócios e atrapalha até mesmo a análise de dados básica. No entanto, com a ajuda do MDM, os negócios podem descobrir um enorme potencial e obter vantagem competitiva no mercado.

Você também vai gostar

Melhores práticas para iniciar uma nova campanha de marketing on... Como profissionais de marketing de desempenho, nossa tarefa mais desafiadora é garantir que nossos ativos de marketing se destaquem. Todos os dias, há...
Planejamento de Marketing Digital: é hora de acabar com o puxadi... À medida que a sua operação digital cresce os gestores de e-commerce e marketing digital passam a ter necessidades diferentes de informação O Brasil é...

SEGREDOS DO E-COMMERCE

Receba as novidades toda semana

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar essas tags HTML e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>