• Avatar
  • por Rock Content
  • A Rock Content é líder em marketing de conteúdo no Brasil. Ajudamos centenas de empresas a atingirem seus objetivos de marketing.

O benchmarking e o comércio eletrônico: entenda a relação

12 de dezembro de 2014
Share Button

O mundo dos negócios é recheado de palavrinhas da moda, geralmente em inglês, que desaparecem com a mesma velocidade em que surgem. Mas um dos termos mais usados pelas empresas de diferentes segmentos — e que provavelmente jamais cairá em desuso — é o benchmarking. No e-commerce, essa expressão deve ser familiar para qualquer empreendedor que queira se destacar em meio à concorrência acirrada.
Conheça o benchmarking e sua relação com o comércio eletrônico:

De olho no mercado

Benchmarking nada mais é que aprender com empresas que atuam no mesmo segmento ou em outros. Não vá confundir com cópia barata ou espionagem, hein? Ao fazer benchmarking, sua empresa deve comparar projetos, processos, produtos, serviços, indicadores, melhores práticas, preços e outros fatores com as empresas concorrentes. Agindo assim, ela consegue identificar oportunidades de melhoria em seu próprio negócio em busca de aumentos nas vendas.
No e-commerce, o benchmarking pode ajudar sua empresa a avaliar qual o diferencial da sua loja frente aos concorrentes, assim como desenvolver ofertas mais adequadas ao público-alvo.

Benchmarking estatístico

Muitas vezes, o benchmarking pode ser feito por meio de estudos que revelam dados concretos sobre o comportamento dos consumidores no ambiente virtual.
Você sabia, por exemplo, que os consumidores premium (que representam entre 1 a 10% do total) costumam gastar de 3 a 5 vezes mais que o restante? Além do valor da compra, esses clientes classe A também fazem 4 vezes mais transações que os demais. E, ainda por cima, gastam 30 vezes que os consumidores regulares quando se compara todo o dinheiro gasto em seu ciclo de vida (LTV).
Ao conhecer essas estatísticas, amplamente divulgadas na web, sua empresa consegue analisar sua própria base de clientes para identificar as pessoas que mais gastam na loja e desenvolver ações específicas para ela.

Inspiração que não vem do além

Além de compreender o mercado por meio de estudos que levam em conta dados de diversas empresas, sua própria equipe pode estudar a movimentação dos outros players.
Usando ferramentas automatizadas ou estabelecendo uma rotina de visitas periódicas, sua loja pode observar catálogos de produtos, serviços adicionais, preços, políticas de entrega, valores de frete, ofertas e promoções, e muitos outros fatores.
Além disso, também pode observar como os clientes se comportam em seções de avaliações e comentários para estudar a implementação de ferramentas similares em sua loja ou sentir o clima dos internautas em relação a um determinado produto.
Esse tipo de benchmarking oferece insights valiosos para que sua empresa faça pequenos ajustes em suas operações para se tornar mais competitiva.

Benchmark ideal

Um bom benchmarking precisa ter um objetivo claro. Ou seja, sua empresa precisa saber exatamente aquilo que está querendo comparar para não se perder em modelos de negócios que não dizem respeito a sua realidade.
Além disso, é preciso escolher como alvo do estudo somente empresas que se tornaram referências no mercado. Outra medida importante é tornar o benchmarking um processo contínuo, monitorando as movimentações na web de forma frequente e periódica.
Lembre-se de que, com tanta informação pública disponível na web, saem na frente aqueles empreendedores que sabem utilizá-la para transformar a realidade do negócio no dia a dia.
E você? Acredita que o benchmarking pode ajudar sua empresa a se tornar mais competitiva sem copiar os concorrentes? Deixe sua opinião na seção de comentários!

SEGREDOS DO E-COMMERCE

Receba as novidades toda semana

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar essas tags HTML e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>