• Eduardo Prange
  • por Eduardo Prange
  • Eduardo Prange é CEO da Zeeng – Data Driven Platform, e atua com Marketing Digital há mais de dez anos, com participação em mais de cem projetos relacionados ao tema.

O novo desafio do mundo do big data: a execução

11 de junho de 2018
Share Button

Agora mesmo, enquanto você lê este texto, bilhões de dados estão sendo gerados no mundo todo, nas mais diversas plataformas e em formatos variados. É o tão falado big data, o enorme conjunto de dados que serão garimpados, analisados e processados para fornecerem ideias e insights, gerando estratégias e soluções.

Hoje, a maioria das organizações está consciente de que é essencial ter em mãos dados que sejam importantes para o seu negócio. O desafio agora é identificar e usar bem os dados corretos, isto é, os mais adequados para o contexto e as demandas.

O que estou querendo dizer com isso é que, cada vez mais, o valor não reside na informação em si, mas sim na nossa capacidade de tratá-la, analisá-la e, principalmente, contextualizá-la. Porque só assim conseguimos fazer o melhor uso dos dados que vão, efetivamente, enriquecer nossas campanhas, nossas ideias, nossos projetos e trabalhos.

Sabemos que a publicidade tradicional já não funciona, afinal, o mundo mudou, a internet diversificou as fontes de pesquisa e não buscamos mais informação como costumávamos fazer. O tempo em que a propaganda dizia às pessoas o que elas queriam ou do que precisavam já passou.

Hoje, a empresa que quiser ser relevante tem que chegar ao consumidor com a solução que ele precisa naquele momento para resolver determinada dúvida ou problema. E, para isso, o uso estratégico do big data, com a coleta eficiente e as análises precisas, deve embasar qualquer plano de atuação ou tomada de decisão.

Mas, então, o que se pode fazer para usar os dados de maneira mais eficaz? A resposta pode ser enganadoramente simples: comece com um dado que mostre um impacto claro nos negócios e siga a partir daí. Um exemplo: você tem uma reunião em que vai apresentar a proposta da sua agência para a empresa X. Você pode chegar com muita informação sobre essa empresa – não terá feito mais do que se espera, certo?

Por outro lado, se você tem na cabeça que “dados por si só não são a solução”, terá estudado, também, o contexto, o mercado da empresa, como ela aparece, como se diferencia (ou não) dos seus competidores, seus pontos fracos e fortes, o que as pessoas comentam sobre a empresa e sobre seus competidores.

Enfim, você terá, mais do que dados, informações pertinentes, relevantes, que passaram por uma análise cuidadosa e efetivamente contribuem para mostrar (e gerar insights para mudar) a realidade da empresa cliente. Ou seja, o uso dos dados corretos enriquece a atuação.

Se o conteúdo é rei, a informação relevante é a rainha nesta corte digital. Os melhores dados, analisados e contextualizados, levam à criação de conteúdo mais rico e influente, inspiram produtos, serviços e ofertas que respondem às demandas dos clientes.

É mais do que hora de os profissionais de marketing, além de pensarem no conteúdo como a bateria que superalimenta tudo o que eles fazem, perceberem que, para além dos dados, a utilização das informações corretas e relevantes é o que realmente importa.

E, para isso, o uso de plataformas que utilizam a inteligência para coletar e analisar informações é fundamental, reunindo os dados corretos sobre um potencial consumidor e ajudando os times criativos a convertê-los em ações que sejam relevantes, adequadas, efetivas e que tenham mais originalidade e um approach mais direcionado.

Você também vai gostar

Como definir métricas de UX para produtos Por Fabrício Teixeira, do Arquitetura de Informação. Desenvolvido em parceria entre a Digital Telepathy e o Google Ventures, o framework abaixo pode a...
Como configurar o seu E-commerce no Google Analytics E-commerce no Google Analytics. Quando falamos de e-commerce devemos estar cientes que para o Google Analytics analisar os dados corretamente é necess...
O varejo e os dados Não faz muito tempo que o varejo funcionava da seguinte forma: haviam várias lojas pequenas nos bairros e os seus donos conheciam cada cliente, suas f...
Marketing Digital: não dá para sobreviver só com dicas! Mais uma vez a ideia desse artigo veio em função de experiências vividas, repetidas vezes. Recentemente um cliente comentou “...contratei um cara muit...
Se você não pode medir, não pode gerenciar: aplicando a teoria d... Considerado o pai da administração moderna, Peter Ferdinand Drucker foi escritor, professor e consultor. Nascido na Áustria, em 1909, trouxe uma nova ...
O perfil dos brasileiros interessados em imóveis Em tempos de crise, uma das indústrias mais afetadas é a de imóveis. Segundo o Banco Central, no primeiro trimestre de 2017, o brasileiro comprou imóv...
6 mandamentos para criação de conteúdo Você quer garantir que seu conteúdo faz sucesso? Nós temos 6 mandamentos para a criação de conteúdo Você sabe como criar um processo de produção de co...
Configure o Google Analytics no e-commerce corretamente Google Analytics: Configure corretamente e descubra se sua loja virtual está bem de verdade (Bônus: Enhanced Ecommerce) Depois de muito tempo eu apren...
Storytelling e Transmídia: afinal, o que é e para que serve? Depois de alguns anos trabalhando com publicidade, e sempre ansioso pela próxima tendência que iria revolucionar tudo, comecei a perceber que, uma a ...
Como vencer na Corrida do Marketing de Conteúdo Utilizar o Marketing de Conteúdo como estratégia de captação de leads qualificados (Inbound Marketing), ou para potencializar o relacionamento com os ...

SEGREDOS DO E-COMMERCE

Receba as novidades toda semana

Um comentário sobre “O novo desafio do mundo do big data: a execução”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar essas tags HTML e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>