• Gabriel Trindade
  • por Gabriel Trindade
  • Gabriel Trindade é gerente comercial da EZ Commerce, plataforma para lojas virtuais vencedora do Prêmio MercadoLivre 2015 na categoria “Melhores práticas em tecnologia”.

Como garantir os direitos do consumidor e do lojista

26 de abril de 2016
Share Button

Quando surgiu, em 1990, o Código de Defesa do Consumidor (CDC) somou de forma considerável para a garantia dos direitos do cliente em sua relação com as empresas, mas não acompanhou a evolução para o Comércio Eletrônico.
Isso aconteceu apenas com a chegada do Decreto Federal 7.962, de 2013, conhecido comoA Lei do E-commerce”, anexado ao CDC para estabelecer um conjunto de normas específicas para lojas virtuais e seus consumidores.
Embora o documento seja apenas uma adaptação do CDC para diversas questões operacionais para o varejista, a lei é clara na hora de garantir a segurança do consumidor durante e após a compra, sujeitando a penas judiciais os estabelecimentos que não o cumprirem.
Conheça as situações mais recorrentes e como a loja virtual deve agir:

Direito de arrependimento

O artigo 5° da Lei do E-commerce é focado no caso de arrependimento ou pedido de troca do produto em até sete dias, e estabelece à loja o dever de informar quais são as condições para exercer o direito de devolução. Cabe ao fornecedor acionar imediatamente as instituições financeiras sobre o arrependimento do consumidor. Também fica sob sua responsabilidade o frete da devolução e da entrega do novo produto, ou de seu reembolso.
Como o direito pode ser exercido em um prazo de uma semana, existem casos em que roupas retornam perfumadas, tênis voltam sujos e alguns aparelhos chegam danificados. Diante disso, é fundamental que o lojista se proteja mediante a publicação de políticas bem esclarecidas em seu site, sem margens para interpretações equivocadas.

Os dilemas do Direito do Arrependimento na Economia Digital

Chargeback

O estorno realizado após a finalização de uma compra é chamado de “chargeback”, uma questão delicada que pode envolver casos de fraude. Geralmente, acontece quando o cliente alega não ter realizado a compra ou após o extravio da mercadoria. A legislação não exige do consumidor a comprovação dessas situações e cabe ao estabelecimento arcar com o reembolso e o prejuízo decorrente dele.
Para evitar essas situações, o varejista deve investir em soluções antifraude para assegurar a identidade e os dados financeiros do cliente. Pode também utilizar recursos disponibilizados por gateways de pagamento como o 3D Secure, que repassa a autenticação do cliente aos bancos emissores dos cartões, assim como a responsabilidade por eventuais chargebacks.

Chargeback: o mal, o remédio e a esperança de cura!

Erros operacionais

Vez ou outra aparecem casos na mídia de pessoas que adquiriram um item caro por um preço extremamente abaixo do normal, como um notebook por R$100 durante a madrugada, e acabam por recorrer à Justiça para receber o produto.
Esses são exemplos típicos de erros operacionais que podem acontecer mesmo em lojas com infraestruturas robustas e integrações complexas. O poder judiciário tem evoluído nos últimos anos e passado a negar os recursos dos consumidores na maioria desses casos.

Você também vai gostar

4 dicas para lucrar com e-commerce em plena crise econômica Em 2016, uma reportagem sobre a crise econômica brasileira publicada pelo jornal “O Estado de S.Paulo” - que tinha como entrevistada a professora Mary...
3 importantes atitudes para cuidar bem do seu cliente no e-comme... Seu e-commerce investiu em marketing digital para atrair novos visitantes, fez com que um percentual destes visitantes se sentisse atraído pelos produ...
Os erros mais comuns na formação do preço de venda Por Flávio Roberto Souza. De forma mais ou menos agressiva, o consumo tem aumentado a cada ano. Os produtos e serviços que são comprados seja a vista,...
Tendências de tecnologia aplicada às jornadas de compra no varej... Nos próximos três anos, 60,4% dos brasileiros realizarão compras utilizando tecnologias como de autoatendimento. A informação está na pesquisa High-Te...
Pecados da distribuição de conteúdos e como resolvê-los Ano após ano o comércio eletrônico tem se tornado mais democrático no mercado brasileiro, apresentando números sólidos de crescimento (12% em 2017) e ...
Dia das Crianças 2015 tem menos pedidos e presentes mais caros O Dia das Crianças contabilizou menos pedidos e presentes mais caros em 2015. Foram registrados 3,8 milhões de pedidos este ano, contra 3,97 milhões e...
Estudo revela aumento de 15% no número de mulheres empreendedora... Seguindo a tendência do empoderamento feminino, mulheres passam a frente e já gerenciam quase 60% das lojas online. Segmento de moda possui o maior vo...
Como configurar SEO para E-commerce Magento Quando o assunto é plataforma de e-commerce, o sistema Magento é apontado como uma das mais soluções mais completas do mercado, além de ser a mais usa...
Mercado de turismo online cresce 73% em 4 anos e movimenta R$30 ... O mercado de turismo online atingiu R$30 bilhões em 2016, alta de 73% desde 2012, crescimento médio de 15% ao ano. É o que aponta o relatório Webshopp...
Farmácia & Cosméticos: 3 passos para um e-commerce eficiente... Segundo a E-bit, o segmento de Cosméticos & Perfumaria/Cuidados Pessoais/Saúde apresentou o segundo maior volume de pedidos no e-commerce brasilei...

SEGREDOS DO E-COMMERCE

Receba as novidades toda semana

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar essas tags HTML e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>