• Profissional de E-commerce
  • por Profissional de E-commerce
  • O blog Profissional de E-commerce foi criado em outubro de 2012 com o objetivo informar e capacitar o mercado de comércio eletrônico no Brasil.

Os erros mais comuns na formação do preço de venda

23 de maio de 2014
Share Button

Por Flávio Roberto Souza. De forma mais ou menos agressiva, o consumo tem aumentado a cada ano. Os produtos e serviços que são comprados seja a vista, em parcelas, através de financiamentos etc, tem exposto o desejo do consumidor de acompanhar as tendências e satisfazer seus anseios.
Cada vez mais as empresas, atentas a essas demandas, devem se preocupar com esses anseios, monitorando o mercado como um todo; sejam os concorrentes, as políticas tributárias ou tudo aquilo que influencia na sua gestão.
Neste mapa de influência é importante que as organizações precifiquem seus produtos e serviços de forma correta, evitando surpresas desagradáveis e assegurando uma lucratividade sustentável em seus negócios.
Entretanto, mesmo com toda a tecnologia e a abundância de informações, alguns erros são encontrados na formação do preço de venda:

1- Copiar o preço do concorrente

Cada empresa tem seu contexto diferente uma da outra, portanto, copiar o preço do concorrente envolve um alto risco de copiar um ambiente fora da realidade. Um grave erro.

2- Confundir margem com lucratividade

Na hora de fazer as contas é muito comum que o empresário acredite que margem é igual a lucratividade, o que não é verdade. Margem é o resultado do preço de venda subtraídos os impostos sobre venda e o custo do produto/serviço. Esquece-se, portanto, de ratear as despesas fixas como aluguel, telefone, água, salários etc. Lucratividade é o resultado final que se deseja alcançar.

3- Não considerar as despesas financeiras

Todas as instituições financeiras cobram tarifas/encargos para fazer as operações de crédito/cobrança como boletos, cartões de crédito etc. Você deve, portanto, levar em consideração as despesas financeiras nos cálculos do preço de venda.

4- Adotar o custo do produto como base de cálculo de despesas variáveis

Outro erro muito comum é aplicar as despesas variáveis – que variam conforme o preço de venda, como impostos e comissões – em cima do custo do produto. A forma correta é aplicar as despesas variáveis no preço de venda, pois é a partir do preço de venda que se varia os impostos e comissões que a empresa irá pagar.
Desta forma, levantar e alocar todas as despesas fixas e variáveis nos cálculos da precificação é a forma mais assertiva para o desenvolvimento de um preço justo e flexível para o alcance de resultados.
Texto publicado no site Financeiro Amigo.


Flávio Roberto Souza é administrador pós-graduado em Finanças e Auditoria, Flávio é consultor sênior em Planejamento Financeiro na Blue Numbers Consultoria Empresarial, especializada em pequenas e médias empresas.

Você também vai gostar

Os números do E-commerce na Black Friday do Brasil são realmente... A Black Friday é a principal ação de vendas do ano nos Estados Unidos, acontece sempre na sexta-feira precedida pelo feriado de Ação de Graças. Segund...
Farmácia & Cosméticos: 3 passos para um e-commerce eficiente... Segundo a E-bit, o segmento de Cosméticos & Perfumaria/Cuidados Pessoais/Saúde apresentou o segundo maior volume de pedidos no e-commerce brasilei...

SEGREDOS DO E-COMMERCE

Receba as novidades toda semana

3 comentários sobre “Os erros mais comuns na formação do preço de venda”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar essas tags HTML e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>