Tags Posts tagged with "mídias sociais"

mídias sociais

Novos jogadores surgem no mercado diariamente e está ficando mais e mais difícil alcançar as metas e conseguir vencer nesse mundo tão competitivo de marketing digital.

Está procurando novas dicas e táticas para aplicar na sua estratégia de mídias sociais? Gostaria de se destacar de milhares de usuários de mídias sociais e ser ouvido por seu público?

Recentemente organizamos um meetup online (em inglês) dedicado à mídias sociais com 3 especialistas fantásticos que compartilharam o conhecimento e experiência deles. Donna Moritz mostrou as ferramentas que ela prefere usar para criar conteúdo visual e ganhar compartilhamentos. Nathan Hague trouxe umas dicas práticas de otimização para YouTube e dicas e ferramentas para ganhar ranqueamentos mais altos para seus vídeos. E no final a Diretora de Mídias Sociais da SEMrush Olga Andrienko revelou os segredos de criação de uma comunidade social forte com a ajuda de Twitter chats e algumas ferramentas úteis

Aqui você pode assistir a gravação do meetup na integra (em inglês), entretanto nesse post queria compartilhar algumas dicas mais interessantes da apresentação da Donna Moritz, a fundadora de Socially Sorted.

Qual conteúdo visual é o mais compartilhado?

Ainda 5 anos atrás mídias sociais eram diferentes. O mercado está mudando constantemente e está ficando mais e mais “lotado”. Como convencer os usuários das redes sociais que estão rolando a linha de tempo a parar e dar um pouco de atenção ao seu conteúdo? Hoje em dia a decisão de se interessar pelo conteúdo ou ignorá-lo é tomada em fração de segundos.

Donna Moritz revelou quais são os 5 tipos de conteúdo que são facilmente compartilhados por usuários.

1- Conteúdo original

O que faz a diferença é trazer informações que são realmente importantes e encontrar o conteúdo certo para seu público.

Olha esse exemplo real. Shawn, o funcionário da Margaret River Discovery, começou a postar todo dia uma foto de Margaret River, uma região de vinícolas situada na parte oeste da Austrália. Shawn não é um fotógrafo profissional, mas ele é consistente. Ele serviu de exemplo para outras empresas que começaram considerar o Instagram dele como uma fonte de conteúdo bom. Se você conseguir publicar conteúdo de uma forma consistente, outras empresas começarão a te considerar como fonte de conteúdo que pode ser compartilhado.  

Conclusão: Você não precisa ser fotógrafo ou designer profissional para criar um bom conteúdo visual. O seu conteúdo deve ser bonito e conter uma mensagem bacana. Também é importante ser consistente e usar ferramentas certas.

2- Conteúdo oportuno

Se você estiver na hora certa e no lugar certo isso pode apresentar uma boa oportunidade para criar um conteúdo marcante.

Não se esqueça de regras principais de conteúdo oportuno:

  1. Reaja rápido. Motive sua equipe a agir rápido e tirar foto ou fazer um vídeo assim que algo acontece.
  2. Esteja preparado e planeje com antecedência. Poste o seu conteúdo dedicado à eventos e celebrações de manhã cedo para que as pessoas o vejam logo depois de acordar. Se você postar algo cedo no dia que todos estão festejando, suas chances de ganhar compartilhamentos aumentam.

Caso precise de uma ajuda para encontrar eventos que valem uma postagem, confira o site Social Media Events Genie que oferece informações sobre eventos de vários típos. Prepare-se e faça uma lista de eventos!

Conclusões. Você pode usar qualquer evento para criar conteúdo oportuno. Nem sempre você consegue reagir rápido e ser o primeiro a postar, mas o importante é se planejar com antecedência e tentar ser entre os primeiros do dia.

3- Conteúdo Relevante

Outro jeito de criar um conteúdo que será compartilhado é de apostar no conteúdo relevante. Seu conteúdo deve ser feito sob medida para que seus seguidores queiram fazer um repost nessa rede social.

Por exemplo, vídeos – especialmente os vídeos para diversão – são extremamente populares no Facebook. E no Instagram os usuários querem ver imagens bonitas, com cores atraentes, pessoas e histórias reais e fotos de “por trás da cena”. O conteúdo postado no Facebook deve ser diferente do conteúdo postado no Instagram.

Conclusões. Você precisa descobrir qual é o tipo de conteúdo mais adequado para sua rede social e apostar nele

4- Conteúdo “Fácil de Digerir”

Conteúdo fácil de digerir são imagens, vídeos, GIFs e infográficos pequenos. Esse tipo de conteúdo é extremamente fácil de processar e é mais envolvente, por isso ele recebe mais compartilhamentos.

Dicas para criar conteúdo fácil de digerir:

  •    Quebre o conteúdo com frases mais cumpridas em pequenas partes com imagens
  •    Use ripl.com para criar vídeos curtos e fáceis de digerir
  •    Crie SlideShares com até 8 slides

Pessoas preferem consumir esse tipo de conteúdo de manhã ou antes de dormir. De qualquer maneira é melhor fazer testes para descobrir quando seu público consome melhor informação de digestão rápida para postar seu conteúdo na hora certa.

Conclusões. Os usuários estão ficando mais e mais impacientes a cada dia. Eles preferem conteúdo fácil de processar e digerir e compartilham esse tipo de conteúdo com gosto

5- Conteúdo com call to action

Às vezes você precisa ser pouco discreto e pedir às pessoas diretamente a fazer aquilo que você quer que eles fazem. Adicione um call to action e facilite a tomada de decisão para seus usuários.

Avalie seu conteúdo visual considerando os seguintes pontos:

  1. Conteúdo. O primeiro passo é o conteúdo em si.
  2. Call to action. Seu conteúdo precisa de um call to action. O que você quer que os seus usuários façam com o conteúdo? Você prefere que eles cliquem nele, o leiam ou compartilhem?
  3. Landing. O que acontece quando seus usuários clicam no conteúdo? Aonde esse clique vai leva-los? Até um conteúdo visual mais completo, um landing page, uma página de inscrição de um webinar?
  4. Objetivo/Meta. Você precisa ter um objetivo claro que você quer alcançar pedindo os usuários a seguir um call to action. Você quer que eles se inscrevem para um webinar, compartilhem uma imagem ou leiam um post de blog?
  5. Acrescentado valor. Verifique novamente que o seu conteúdo é valioso e relevante.

Conclusões. Você precisa comunicar claramente os objetivos do seu conteúdo, mostrar o que você quer que as pessoas fazem e qual benefício eles terão clicando no seu call to action. No caso de imagens, certifique-se que você tem só um call to action por imagem

Ferramentas

No final da apresentação Dona compartilhou a lista de ferramentas para criar imagens fantásticas e vídeos curtos.

Ferramentas para criação de conteúdo visual:

Ferramentas para criação de vídeos:

Esperamos que essas dicas ajudaram a entender melhor aspetos diferentes de mídias sociais e fazer mais um passo para alcançar seus objetivos de longo prazo.

E você, quais truques utiliza para aumentar a quantidade de compartilhamentos do seu conteúdo?

Como qualquer lojista sabe, uma das etapas do processo de vendas é a abordagem. É o momento em que você se conecta com o seu público pela primeira vez para daí apresentar seu produto. Essa abordagem deve ser certeira e criar conexões com a pessoa, seja pelo lado emocional, afinidade com o tema ou expondo um senso de urgência ou necessidade.

Depois de ter bem claro quem é o seu público-alvo, as redes sociais funcionam como aliadas perfeitas para criar essa primeira conexão do usuário com a marca. As pessoas passam grande parte do seu dia acessando essas mídias; por isso, neste artigo, vamos mostrar algumas técnicas para atrair o seu público por meio das redes sociais.

Bom, primeiro você deve saber em quais redes sociais sua marca estará presente. Não é necessário e, dependendo do seu produto, nem recomendável estar em todas. Lembre-se que é melhor não trabalhar com alguma mídia social do que trabalhar mal. Ou seja, se a sua marca tem um perfil no Twitter, por exemplo, você deve postar conteúdo frequente e de qualidade ali.

Depois de decidir em quais redes sociais sua marca estará presente, mostraremos três formas de usá-las a seu favor para abordar o cliente. Dica: usar essas três estratégias juntas pode garantir um resultado ainda melhor para a sua loja.

1- Se posicionar como expert no assunto

As pessoas estão sempre buscando conteúdo e informação sobre os mais infinitos temas. Ninguém quer ver ofertas de produtos o tempo todo. Por isso, usar o seu canal social na internet para trazer novidades e informações sobre o universo da sua marca é uma ótima estratégia.

Se você trabalha com objetos de decoração, por exemplo, pode criar um blog com informações, dicas e tendências sobre essa área e usar as redes sociais para replicar esse conteúdo. Pode ser um pouco trabalhoso, mas ajudará a gerar clientes conscientes e conectados com a sua marca.

Como criar um blog de sucesso para o seu e-commerce. Resultado garantido!

É claro que para que as pessoas saibam que você também vende produtos e não só informação é preciso exibir o produto nas redes. Escolha uma peça de vez em quando, tire uma foto bem bonita e exiba, mas sempre intercalando com conteúdos informativos.

2- Criar um senso de urgência

Essa técnica te ajuda a vender mais rápido, mas não necessariamente garante a fidelização do cliente. De vez em quando é bom fazer promoções-relâmpago ou estipular um prazo final para uma oferta (“só por hoje”, por exemplo), encorajando as pessoas a comprarem naquele momento.

Nesse caso, é interessante também criar banners, e-mails e impulsionar as publicações nas redes sociais para garantir uma ação mais efetiva e angariar clientes que ainda não conheciam a sua marca.

3- Se relacionar com o cliente

Aqui o foco é o atendimento. As redes sociais podem e devem ser usadas para manter um relacionamento com o cliente. Responder dúvidas, orientar sobre o uso do seu produto, receber feedbacks e agradecer elogios aproxima o cliente da sua marca e te coloca na posição de um amigo, ou seja, alguém que ouve e responde .

Se você tem uma loja física, uma outra estratégia muito importante é vender seus produtos também na internet e se transformar em uma marca sem fronteiras. E só criar sua loja virtual agora.

As redes sociais passaram a ocupar um lugar que até então era liderado pelas buscas orgânicas quando o assunto são os canais de vendas para atingir e auxiliar os consumidores na decisão da compra.

De acordo com pesquisa elaborada pelo Sebrae, 72% dos entrevistados utilizam as redes sociais como um dos principais canais para a concretização das vendas online. Os sites de busca, que até então lideravam o índice, ficaram em segundo lugar, mencionados por 68% dos entrevistados.

A pesquisa vai ao encontro das experiências vivenciadas no dia a dia profissional. Ao elaborar as lojas online, percebemos a preocupação dos clientes em contemplar as redes sociais, devido à importância que elas têm na comercialização dos produtos, seja para encontrar a loja, se relacionar e até mesmo conferir a opinião dos demais consumidores sobre a loja em questão.

As redes sociais possibilitam, antes de tudo, interação e colaboração, e, partir disso, é possível se relacionar e vender. Entre principais e mais usadas redes sociais estão o Facebook, Instagram, Twitter, WhatsApp, Pinterest e Foursquare. Porém, lembro que existem outras opções e é preciso saber usar cada uma de acordo com a sua finalidade.

1. Escolha as redes sociais mais adequadas ao seu negócio

Não adianta criar contas em diversas redes sociais sem antes fazer um planejamento levando em conta o tipo de produto comercializado pela loja virtual e o público a que se destina. Além disso, é preciso analisar o que a rede escolhida permite em termos de ações.

Por isso, analise o seu produto e o seu público e converse com a sua equipe em quais redes sociais sua empresa estará presente.

2. Mantenha as redes sociais atualizadas

Criar a conta em uma rede social é apenas o primeiro passo. É necessário realizar um cronograma de publicações e criar conteúdo relevante aos seguidores. Procure fazer uma atualização diária.

Importante: não transforme sua rede social em uma vitrine da sua loja virtual. É importante aproveitar o espaço pra falar dos produtos, promoções e lançamentos, mas também abordar assuntos que sejam de interesse dos consumidores, como informações sobre os produtos que você vende e dicas sobre como melhor utilizá-los.

3. Promova a interação e o engajamento

Converse com as pessoas nas redes sociais. Procure saber o que elas desejam e como gostariam de ser tratadas. Lembre-se de ouvir seu público, responder as dúvidas e reclamações, sempre sendo sincero. É assim que você criará um relacionamento com o público e estará sempre presente na memória dele positivamente.

Por meio da interação e engajamento você poderá conhecer melhor o perfil do seu público e assim vender mais e melhor.

4. Seja multimídia

Que as imagens são essenciais nas redes sociais você já sabe. Então, invista na qualidade delas e ganhe destaque em seus posts. Mas, vá além. Produza vídeos e animações para chamar mais a atenção do consumidor e ter maior interação.

5. Use hashtag

Muito mais que “modinha” ou “bonitinhas”, a hastag (#) é uma importante ferramenta para segmentar as mensagens por assunto e monitorar o alcance do post ou tema. Use hashtag tanto nos posts, quanto nos comentários e lembre-se de monitorar. Utilize essa ferramenta para interação, mas também como estratégia das próximas ações.

Essas são as principais dicas quando o assunto são as redes sociais como ferramentas de negócios, mas sempre é possível incluir outras ações e cuidados durante o planejamento. Para finalizar, reforço que a base de tudo é o relacionamento. Procure se relacionar bem com o consumidor, pois assim a compra e a fidelização serão consequências.

Se uma imagem vale mais que mil palavras, aposte no Instagram como motor de força para divulgar os seus produtos e aumentar as suas vendas. Com mais de 30 milhões de usuários ativos no Brasil, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, essa rede social estabelece um contato fácil com o seu público e, ao mesmo tempo, ajuda a reforçar a presença de marcas na internet.

Leia também:

O Instagram funciona para e-commerce?

A seguir, veja como divulgar um produto no Instagram e, assim, vender mais!

Utilize fotos originais

Os usuários do Instagram preferem imagens que possuam consistência, ou seja, aquelas que foram feitas com algum propósito por trás delas. Isso geralmente não acontece com as fotos encontradas em bancos de imagens.

Para a maioria das pessoas, essa consistência equivale a confiança. Se estas pessoas enxergam a sua marca por meio das redes sociais como confiável, elas estarão mais propensas a comprar de você.

Se você não tem tempo para fazer fotos inspiradoras, dê preferência para a contratação de um fotógrafo. O fotógrafo, ao contrário das imagens de bancos, pode imprimir um olhar mais humano para os seus produtos. Além disso, desse modo você não corre o risco de postar a mesma foto que o seu concorrente.

Estabeleça um padrão para as imagens

É muito importante que você estabeleça um padrão nas imagens que serão postadas. Como exercício, entre no Instagram da Nike e observe os padrões das imagens. Note como o foco delas é claro, como tudo é bastante limpo e nítido. Ao olhar para essas imagens, você logo identifica a marca.

Provoque os sentidos do seu público

Uma boa foto não é apenas bonita. Ela também mexe com os sentidos e a emoção de quem a vê. Pense na utilidade do produto que você vende e encontre nela uma inspiração para postar no Instagram. Exemplo: se o seu e-commerce vende liquidificadores, a imagem de um bolo caseiro pode impactar mais do que a imagem do próprio eletroportátil isolado.

Use as hashtags para aparecer nas buscas

Agora as imagens com hashtag não aparecem na busca somente por meio de uma relação organizada em ordem cronológica. Existe uma seção chamada Top Posts e as imagens com mais destaque ficam lá. No entanto, cuidado para não abusar das hashtags.

Seja criativo

As imagens de produtos que você usa no seu e-commerce não devem ser as mesmas que você vai usar no Instagram. Se na sua loja on-line o fundo das fotos é branco e o produto tem destaque, na rede social ele pode ser abordado em segundo plano, aparecendo nas entrelinhas da imagem.

Identifique e seja parceiro de influenciadores no Instagram

Influenciadores não são, necessariamente, celebridades. Eles possuem uma boa base de seguidores que curtem e interagem com os seus conteúdos por um gosto comum. O influenciador pode ser uma mãe, um adolescente, um fotógrafo ou um aventureiro. Basta que você identifique, nessa pessoa, algo em comum com o segmento do seu e-commerce.

Promova interação através de legendas

Ao invés de descrever o que está na foto, experimente questionar os seus seguidores. O que eles acham? Qual eles preferem? O que tem de bom para hoje? Ao promover a interação, eles ficarão mais próximos e engajados com a sua marca.

Fique de olho no calendário e nas tendências da internet

Prepare posts para as datas especiais e fique atento aos memes da internet. Postagens assim costumam engajar mais o usuário e criam um laço de identificação instantâneo, o que pode promover o aumento da confiança.

5 ferramentas para turbinar o Instagram

Faça a sua biografia trabalhar por você

Além de descrever resumidamente o seu negócio, não se esqueça de colocar o link para o seu e-commerce na biografia do perfil do Instagram. Por ficar no topo, a bio é uma importante ponte entre a sua rede social e a loja on-line.

Viu como divulgar um produto no Instagram não é tão complicado assim? E você, como usa o Insta para vender mais? Compartilhe a sua opinião e experiências conosco nos comentários!

Guia prático do Instagram para lojas virtuais

Pensar nas métricas que realmente trazem resultados para seu negócio é fundamental para desenvolver uma boa estratégia nas mídias sociais. Para isso, é importante ter em mente o que chamamos do Funil das Mídias Sociais.


Por . Muitas empresas utilizam as redes sociais para gerar negócios, porém muitas delas acabam não pensando no meio do processo. Devido a isso, essas empresas acabam definindo métricas que não medem efetivamente a geração de oportunidades de negócios nesse canal – são as chamadas métricas de vaidade.

É muito comum encontrar empresas focando no número de curtidas, compartilhamentos e comentários das publicações e esquecendo que o engajamento de nada adianta se não houver a geração de oportunidades de negócio.

Note, não estou falando que essas métricas não devem ser acompanhadas. Sim, elas devem ser monitoradas pois, indiretamente, ajudam no alcance que a sua publicação terá.

Publicações com mais curtidas, comentários e compartilhamentos são entendidas pelas redes sociais como conteúdos de qualidade e por isso as redes sociais dão destaque para elas.

Porém, o enfoque deve ser em métricas que podemos chamar de diretas, ou seja, que mostram o interesse da audiência em continuar interagindo com a sua empresa.

Para isso, é importante ter em mente o que chamamos do Funil das Mídias Sociais.

Funil-das-Midias-Sociais-etpas

1- Impressões

A primeira etapa do funil das mídias sociais representa o número de vezes que a sua publicação foi vista. Impressão é diferente de alcance, pois este representa o número de pessoas que viram sua publicação. Considerando que uma pessoa pode ver mais de uma vez sua publicação, o número de impressões sempre vai ser igual ou maior que o tamanho do alcance das suas publicações.

Sempre procure otimizar suas publicações para que elas sejam vistas cada vez mais vezes pela sua audiência. Algumas variáveis controláveis podem aumentar as impressões da sua página e, consequentemente, aumentar o topo do seu funil.

Uma dessas variáveis é o horário. Saber em quais horários o maior número de pessoas da sua audiência está online é essencial para aumentar as impressões de uma publicação.

No Facebook, por exemplo, existe uma maneira bem fácil de saber os picos de audiência da sua página.

Primeiramente, clique em Informações no topo da página inicial da sua empresa:

Fan-Page-da-Resultados-Digitais-Facebook

Depois, você deve clicar em Publicações na lateral esquerda da página:

Funil-das-Midias-Sociais-Facebook

Agora, você deverá ver um gráfico como este:

Grafico-de-estatisticas-do-Facebook

A partir desse gráfico, é possível relacionar os horários com os picos de audiência. Utilize esse gráfico para definir os melhores horários para suas postagens.

Tipos de publicações diferentes também apresentam médias de impressões diferentes. Para isso, é importante conhecer o comportamento da sua audiência. No ano de 2016, começamos a diversificar nossas publicações e adotamos um tipo de publicação que chamamos de fotos motivacionais.

Essas publicações (como o exemplo abaixo) foram bastante efetivas para a página da Resultados Digitais porque tiveram uma média de impressões 3 vezes maior que os outros tipos de publicações. Isso faz o Facebook entender que a página é relevante para as pessoas e começa a mostrar as publicações em geral com mais frequência do que antes.

Em resumo, procure diversificar as suas publicações e entender qual delas é melhor recebida pela sua audiência. Inclua em seu calendário de Mídias Sociais as publicações com uma boa média de impressões, pois isso irá potencializar o resultado das demais.

2- Cliques

Essa é uma métrica muito importante para medir o desempenho das suas postagens, afinal, o objetivo que compete somente à gestão de mídias sociais de uma empresa é gerar tráfego para outros canais específicos de geração de oportunidades de negócio. Em outras palavras, você deve otimizar ao máximo suas postagens para que sua audiência clique cada vez mais nelas e, posteriormente, seja convertida em Leads.

Assim como nas impressões, existem variáveis controláveis que tornam suas publicações mais atrativas e otimizadas para cliques.

Uma dessas variáveis é o tipo de foto utilizada. Na Resultados Digitais, temos 3 grandes classificações: foto sem rosto, fotos com rosto e ilustrações. Para nossa realidade, entendemos que as fotos com rosto podem despertar uma certa empatia e um apelo emocional na audiência, enquanto que as ilustrações oferecem a possibilidade de colocar Call-to-action. Despertar a atenção e curiosidade da audiência é fundamental para que as pessoas cliquem no conteúdo.

Também nos atentamos ao tamanho da foto utilizada. No Facebook, por exemplo, é possível postar fotos grandes e fotos pequenas (veja mais nesse infográfico com os tamanhos de imagens para as redes sociais). Na nossa página, as publicações com imagens grandes têm, em média, 35% mais cliques do que publicações com imagens pequenas.

Publicação com imagem pequena:

Publicação com imagem grande:

No LinkedIn, o tamanho da imagem também influencia no número de cliques de uma publicação. Porém, existe uma peculiaridade ao configurar o tamanho da foto de uma publicação nessa rede social. Quando você insere o link do conteúdo, a foto que será carregada será uma de tamanho pequeno e terá o link “embedado” (incorporado) nela.

Para carregar uma foto grande, você deve anexar do seu próprio dispositivo. Entretanto, essa foto não terá o link embedado nela. Em muitos casos vale a pena utilizar uma foto grande (sem o link embedado) e colocar o link ao lado da descrição, visto que a média de cliques é o dobro daquela de uma publicação com imagem pequena.

Outra variável que impacta o número de cliques é a chamada da publicação. É com este recurso que você conseguirá ou não despertar o interesse da audiência em ler o conteúdo. De forma geral, algumas dicas que damos para você melhorar a chamada das suas publicações são:

  • Utilize perguntas como forma de induzir a audiência a procurar as respostas no conteúdo publicado;
  • Utilize uma linguagem pessoal para a audiência saber que quem está do outro lado não é um robô e sim um outro ser humano. Para ajudar nisso, utilize o termo “você”, pois ele passa a impressão de que você está falando diretamente com a pessoa.

Uma chamada também pode possuir ou não o link do conteúdo. Nesta questão, assim como em todas as outras, é preciso entender e adaptar ao máximo de acordo com a rede social. No Facebook, por exemplo, nossas publicações que possuem links têm uma média de cliques 123% menor que a média de cliques em publicações sem o link nas chamadas.

3- Conversões

O número de conversões de visitantes em oportunidades de negócio deve ser a sua principal métrica a ser acompanhada neste processo. Apesar da conversão não depender única e exclusivamente do trabalho feito em mídias sociais, ela é uma métrica que mostra a efetividade do canal, ou seja, a quantidade dos seus Leads que foram gerados pela mídias sociais.

Hoje, na Resultados Digitais, 5% de todos os nossos Leads são gerados via mídias sociais. Nosso processo de análise vem avançando bastante e hoje conseguimos medir exatamente quantos Leads foram gerados em cada publicação. Para isso, utilizamos parâmetros em todas as nossas publicações. Isso permite o rastreamento de cada publicação no Google Analytics. Saiba mais neste post.

Apesar de não parecer, é possível otimizar suas publicações nas redes sociais para a conversão. Trabalhar a chamada da publicação é a chave para isso. O grande segredo é pensar cuidadosamente nesta variável da publicação para que ela mostre o real valor do conteúdo. A sua audiência só irá clicar na publicação se ela entender que o conteúdo pode resolver algum dos seus problemas.

Resumindo

Pensar nas métricas que realmente trazem resultados para seu negócio é fundamental para desenvolver uma boa estratégia nas mídias sociais. Existem diversas variáveis que podem ser alteradas nas suas publicações e que trarão resultados em cada uma das etapas do funil das mídias sociais.

Por fim, lembre-se que encontrar as taxas de conversão do seu funil é uma boa prática, mas essas taxas devem ser interpretadas com base no contexto do seu mercado e da sua empresa.

Publicado no Blog da Resultados Digitais.

Pequenos erros podem fazer a loja online perder dinheiro. Confira dicas para dar um up na taxa de conversão

No Brasil, a taxa de conversão média é de 1,65%, de acordo com pesquisa da Experian Hitwise. O dado no meu ponto de vista preocupante é um alerta ao setor.

O desafio está em transformar os visitantes em compradores. Para isso, é fundamental ficar atento a alguns números que apontam onde estão os ruídos nesse processo. Sabemos, por exemplo, que 84% dos compradores online avaliam uma página de mídia social antes de fazer a compra. Ou seja, é fundamental que a loja esteja presente nesses locais.

Para melhorar as taxas de conversão, alguns tópicos são importantes para o e-commerce, conforme as dicas e o infográfico que produzimos abaixo:

infografico-taxa-de-conversao

Dados para destacar do infográfico:

1) Faça e disponibilize vídeos sobre os produtos, pois eles podem aumentar as vendas em até 144%;

2) Crie um site simples de usar e certifique-se de que os botões sejam fáceis de encontrar, principalmente os de “Adicionar ao Carrinho” e “Checkout”;

3) O e-commerce deve ser acessível a pessoas com deficiências visual, auditiva, motora, entre outras necessidades especiais;

4) Seja honesto (sempre). Se um produto está esgotado, avise o consumidor. Lembre-se de deixar um botão “Avise-me quando esse produto chegar”;

5) Ganhe a confiança do cliente. Para isso, mostre depoimentos e recomendações sobre a sua página em mídias sociais; disponibilize um número de SAC; tenha uma política de privacidade e mostre que sua loja online possui um processo de pagamento seguro;

6) Ofereça vários métodos de pagamento;

7) Mantenha seu cliente atualizado informando-o quando o produto for enviado e qual o código de rastreamento.

Essas são as principais dicas para melhorar a taxa de conversão do e-commerce. Lembro que o ideal é fazer um acompanhamento constante para saber por que o cliente está deixando a loja online sem efetuar a compra.

Para isso recomendo o uso de ferramentas como o Google Analytics, Crazy Egg, Click Tale e Olark. Não se pode esperar que o problema apareça para o consumidor para tomar as providências. É necessário analisar constantemente para corrigir as falhas rápido, de preferência, antes que afete o usuário.

Por Luana Scalla para o Adnews. O Facebook se posiciona como uma forte aliada das marcas, tanto no relacionamento direto com o cliente, quanto na própria comercialização de produtos. A última novidade que acaba de chegar ao Brasil é o “Save Button”, uma ferramenta que permite salvar produtos de e-commerce para ver mais tarde na rede social.

Não entendeu? Pois bem, as marcas parceiras do Facebook terão o botão “Salvar no Facebook em cada página de produto de seu site de compras. Caso o usuário goste de uma peça mas não consiga realizar a compra naquele momento, ele terá a possibilidade de acionar o Save Button, ou seja, de seguir aquele produto na rede social.

Dessa forma, ele passa a receber periodicamente informações sobre ele em suas notificações, tais como descontos na peça e novidades de cores. Uma das primeiras marcas a aplicarem o recurso no país é a Reserva.

Além de possuir um e-commerce estruturado, a grife carioca é muito forte nas redes sociais. Sua página no Facebook, por exemplo, possui mais de 2 milhões de seguidores e conta com diversas ações criadas exclusivamente para o universo digital.

botao-seguir-facebook

Essa velha parceria com o Facebook foi um dos motivos da marca ser a escolhida pela empresa para testar a versão beta do Save Button.

A possibilidade de salvar posts não é uma novidade no Facebook, mas a extensão para produtos em e-commerce pode mudar e muito a jornada do consumidor. As marcas também se beneficiarão, uma vez que a ferramenta permitirá conhecer melhor o gosto e o perfil do cliente sem que ele tenha, de fato, efetivado a compra.

Publicado anteriormente no Adnews.

Criado em 2011, o Google+ (também chamado de Google Plus ou G+) ainda sofre uma certa resistência, apesar de já contar com mais de 500 milhões de usuários. Resistência talvez porque a rede social não se tornou tão popular quanto o Facebook, principalmente no que diz respeito a número de curtidas e compartilhamentos de publicações.

Entretanto, com o tempo percebemos que o perfil dos usuários do Google+ é composto por pessoas que estão mais em busca de conteúdo sério e de qualidade; é um público ávido por informações, e isso é um prato cheio para empresas. Essa é apenas uma das vantagens de se fazer parte da rede social do Google que, diga-se de passagem, somente pelo fato de integrar a rede do maior motor de buscas da atualidade já merece nossa atenção.

É importante entender que nem só de curtidas e compartilhamentos vive uma marca nas redes sociais. No Google+ essa máxima é muito verdadeira, pois são várias as funcionalidades e as vantagens que ele oferece. Neste artigo, vamos te dar nove razões para começar a olhar com carinho para o G+.

1- É uma plataforma integradora

Mais do que uma rede social, o Google+ é um serviço que integra múltiplas ferramentas do Google, como Gmail, YouTube, Hangout, Mapas e, claro, o próprio buscador. Por isso, é possível trabalhar de forma integrada também. Ele concentra tudo em um só lugar.

2- Melhor posicionamento no ranking do Google

Devido a essa capacidade de integração que mencionamos acima, o Google prioriza as marcas que estão integradas à sua plataforma na hora de exibir os resultados de uma busca orgânica. Para marcas que investem em um trabalho de SEO e desejam melhorar sua posição no ranking do Google, essa é uma rede social que não deve ser ignorada.

3- Indexação mais rápida do conteúdo publicado

Conteúdos publicados no Google+ são adicionados ao buscador do Google mais rápido do que outros sites. Por isso é importante que você compartilhe seu conteúdo sempre no Google+ e em outras redes sociais para garantir que ele se espalhe mais rapidamente.

4- Configuração de local físico no Google Maps

Se você possui uma loja física, é possível indicar informações como endereço, telefone e horário de funcionamento para quem o procura no Google. Após confirmação do endereço da loja, você terá suas informações de local físico verificadas e cadastradas junto ao Google. Quando bem otimizado, seu negócio aparecerá nas buscas orgânicas com a respectiva localização no Google Maps (veja o exemplo abaixo).

google plus

Isso te ajudará a atingir as pessoas que estão próximas ao seu empreendimento e que estão procurando por um produto que você oferece. É uma ótima chance também de promover ações locais, como divulgar para seu círculo de pessoas próximas uma queima de estoque ou uma promoção apenas na loja física.

5- Círculos

Criar círculos no Google+ é uma maneira de segmentar e organizar as pessoas, páginas e marcas que você segue. Ao adicionar uma pessoa ou página em um determinado círculo, você estará apto a acompanhar as postagens que a mesma fizer.

A ideia é formar vários círculos de relevância para o seu negócio. Por exemplo, segmente os seus clientes fiéis e também mapeie o que está acontecendo nos concorrentes, indo diretamente em suas páginas e adicionando-os.

Por meio dos círculos você também pode compartilhar conteúdo específico para cada grupo ou fazer uma ação de marketing segmentada.

6- Comunidades

Assim como acontecia com o Orkut, o Google+ te permite criar, seguir, gerenciar e abrir tópicos de debate relativos ao interesse do seu negócio. Por exemplo, se você tiver uma loja de cosméticos femininos, poderá participar de comunidades relevantes para o seu negócio, ampliando a sua rede de potenciais consumidores.

Para encontrar comunidades, insira diretamente o assunto de seu interesse na barra de pesquisa do Google+, clique sobre as comunidades que te interessam e comece a segui-las.

7- Hangouts

O Google Hangouts permite que você tenha conversas em vídeo diretamente com os seus seguidores do Google+ ou, ainda, com usuários que também possuam o Gmail. O Hangouts permite que você fale com até dez pessoas simultaneamente. É uma ótima ferramenta para ensinar como usar seu produto, atender a clientes e tirar dúvidas.

Outra oportunidade interessante é criar o chamado Hangout on Air, o qual será transmitido publicamente através do seu canal do Youtube para um número ilimitado de pessoas e depois será armazenado automaticamente no seu canal do Youtube.

Através dos Hangouts públicos você poderá promover a sua expertise para o mundo, incrementar o nível do conteúdo produzido para o seu público-alvo e, ainda, ter a possibilidade de divulgar sua marca de uma maneira muito mais dinâmica.

8- Notificações por e-mail

É possível enviar automaticamente notificações aos e-mails de seus seguidores assim que um conteúdo é publicado na sua página. Essa funcionalidade, porém, deve ser usada com bastante cautela para não irritar as pessoas com excesso de e-mails.

9- Botão +1

O botão +1 é semelhante ao “curtir” do Facebook. Ambos servem para endossar conteúdo que te agrada. A vantagem do +1 é que ao clicar nele você recebe conteúdo relacionado do mesmo site, além de ajudar aquele conteúdo a ficar melhor posicionado nas buscas orgânicas do Google.

Veja o vídeo abaixo para entender melhor como funciona:

Resumindo

Essas foram apenas algumas das vantagens de ter a sua marca presente no Google+. Como pudemos perceber, a rede social vai muito além da possibilidade de curtidas e compartilhamentos (mesmo que ela também ofereça isso), pois seu público geralmente é mais técnico e interessado.

Se você ainda não está lá, meu conselho é que crie uma página para a sua empresa e não somente um perfil. Além de estar em conformidade com os termos da rede social, uma página oferece à sua empresa uma identidade pública junto ao Google.

Texto publicado anteriormente no Blog da Nuvem Shop.

E-book Marketing no Google Plus

Aviso aos marketeiros de plantão do Facebook: os 20% de texto em imagens de anúncios não são mais obrigatórios. Se você não faz ideia do que eu estou falando, explico: antes, para fazer um anúncio no Facebook, não era permitido subir imagens compostas por mais de 20% de texto. A medida tinha como objetivo promover uma timeline menos poluída visualmente e garantir anúncios com maior engajamento.

Nos últimos dias o Facebook começou a tirar essa regra aos poucos. Agora, o anunciante tem a opção de colocar quanto texto quiser em uma imagem. Entretanto, manter a regra dos 20% pode continuar sendo a melhor alternativa. Vamos entender o porquê:

O Facebook vai penalizar os anúncios com maior quantidade de texto

Ainda que você tenha a liberdade de promover imagens da forma que quiser, o Facebook continuará preferindo o mínimo possível de texto. Sendo assim, ao fazer o upload da sua imagem, ela passará por uma análise que determinará quantidade de texto presente como:

OK

fb-ok

Baixa

fb-baixa

Média

fb-media

Alta

fb-alta

Quanto maior a quantidade de texto na imagem, maiores serão as restrições de público, menores as chances do seu anúncio performar bem e, consequentemente, mais alto você pagará por ele.

Imagens com pouco texto são Mobile Friendly

Isso quer dizer que não podemos nos esquecer dos dispositivos móveis. Se você pretende capturar a atenção da grande porcentagem das pessoas que verá seu anúncio por meio de um smartphone, deve garantir de que a imagem será bem visualizada em telas menores. Muito texto pode dificultar a leitura e fazer com que as pessoas percam o interesse no anúncio.

Para saber se o seu anúncio está dentro dos padrões, use a ferramenta de medição do Facebook. Procure focar em imagens que despertam o desejo do consumidor e deixe os textos para a descrição da imagem. Caso o texto seja essencial, tente resumi-lo em poucas e fortes palavras. E se necessário diminua a fonte.

Espero que essas dicas te ajudem a criar anúncios mais engajadores!

Novas estratégias para anunciantes e crescimento da rede social indicam enorme potencial dos vídeos na vertical

No mercado digital, nem sempre uma rede social com muitos usuários se torna um espaço que gera resultados às empresas que colocam sua marca. Mas é isso que está acontecendo com o Snapchat, aplicativo de publicação de fotos e vídeos de até 10 segundos de duração.

Com a quantidade de pessoas usando o Snapchat, e com as possibilidades de estratégia de anúncio e produção de conteúdo, podemos dizer que é uma excelente rede social para se investir. É importante destacar ainda a quantidade de visualizações que um vídeo patrocinado pode ter no aplicativo: 40 milhões!

Ideal para vídeos na vertical, o que abre novas possibilidades criativas e de linguagem, o Snapchat garante possibilidades interessantes de anúncio para as marcas. Além de ter um público com grande maioria de pessoas entre 18 e 34 anos, essa rede social também se provou um ambiente de muito engajamento.

Para o lançamento de um filme, um anúncio no Snapchat se provou 3 vezes mais efetivo que os anúncios em outro local. Por enquanto, o sistema de anúncios não está disponível a todos, mas deve ser liberado em breve.

Postagens imensuráveis para resultados imensuráveis

Acostumados com múltiplas possibilidades de mensurar os anúncios, os profissionais de Marketing Digital terão que aceitar as restrições do Snapchat. Os dados que o aplicativo permite visualizar são apenas a quantidade de visualizações e os usuários que deram ‘print’ na tela.

Os prints são a única maneira de “eternizar” um post, já que o Snapchat se destaca por deixar as fotos e vídeos por apenas 24h. A efemeridade das publicações torna a rede social um ambiente muito mais dinâmico.

Para pensar nas estratégias que uma marca pode ter, algumas dicas são importantes. O Snapchat é um ambiente muito voltado para os bastidores, então vale a pena investir em mostrar ao público como são criados os produtos, ou como é a vida da pessoa que representa a marca.

Quem acompanha alguém no Snapchat, é muito mais do que um seguidor, mas um verdadeiro fã. É uma rede social muito pessoal, que reproduz a visão da pessoa e faz os fãs se sentirem juntos dela, por isso não dá para publicar apenas vídeos impessoais, e sim focados nas pessoas. Estas características são evidenciadas pela pouca possibilidade de edição de vídeos, e também pelas ferramentas de bate-papo que valorizam a conversa apenas entre duas pessoas.

Por fim, destaco duas funcionalidades importantes do Snapchat. Os filtros e máscaras permitem uma linguagem leve, jovem, e inspirada nos memes. Desta forma, as marcas mais vinculadas ao bom humor podem encontrar vantagens.

Mostrar os bastidores tem que ser sempre uma coisa leve e feita para mostrar que somos humanos, como aqueles vídeos de erros de gravação que até hoje passam na TV. A “cereja do bolo” que o aplicativo oferece é o Geofiltro.

É como se fosse um selo que estampa na imagem em que lugar a pessoa está. O especialista conta que existem marcas já criadas para cidades, mas as marcas podem criar seus próprios filtros, como um tipo de anúncio que gera engajamento. É uma ferramenta que pode gerar muito resultado para restaurantes e parques, por exemplo, além de vários tipos de eventos.